Artículo en PDF
Como citar este artigo
Número completo
Mais artigos
Home da revista no Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
DIÁLOGOS ENTRE FOLKCOMUNICAÇÃO E MÍDIA ALTERNATIVA: UM
PASSEIO TEÓRICO PELAS FORMAS DE COMUNICAÇÃO DOS GRUPOS
MARGINALIZADOS
Karina Janz Woitowicz
1
Resumo
Estabelecer relações entre a perspectiva teórica da folkcomunicação e as práticas de
comunicação comunitária e alternativa, de modo a reconhecer os diferentes modos de
expressão dos grupos sociais como estratégias de resistência social e cultural. Esta é a
proposta do presente artigo, que busca desenvolver, através de uma leitura conceitual
das variações da comunicação alternativa, um percurso voltado ao papel da mídia
contra-hegemônica no desenvolvimento social dos grupos e comunidades. Ao longo do
artigo, são apresentados os marcos teóricos relacionados à folkcomunicação, em diálogo
com as abordagens atuais sobre mídia comunitária/alternativa, traçando assim algumas
reflexões sobre a contribuição da folkcomunicação no fortalecimento das experiências
de mídia dos grupos marginalizados.
Palavras-chave
Folkcomunicação;
mídia
alternativa;
comunicação
comunitária;
desenvolvimento;
contra-hegemonia.
Abstract
To estabilish relations between the folkcommunication theoretical perspective and the
communication and alternative practices,
in a way to recognize the different ways of
expression of the social groups as strategies of social and cultural resistance. This is the
purpose of this article, to seek the development, through a conceptual reading of the
popular communication variations, a course focused to the role of the counter
hegemonic media on the social development of the groups and communities. Through
the article, will be presented the theoretical mark related to folkcommunication, in
dialogue with current approaches about the alternative/communitary communication,
mapping
some
reflections
about
the
contribution
of
folkcommunication
on
the
fortification of media experiences of the marginalized groups.
Keywords
Folkcommunication; alternative media; communitary communication; development;
counter hegemonic.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Considerações Iniciais
As experiências de comunicação alternativa, comunitária e popular
2
, que acompanham
as lutas dos mais diversos setores e movimentos sociais há décadas, constituem
legítimas formas de expressão das demandas e interesses dos chamados grupos
marginalizados. Ao lado do aprimoramento destas mídias e do reconhecimento do seu
papel contra-hegemônico na sociedade em diferentes períodos e contextos, observa-se
um avanço nas reflexões teóricas que envolvem o tema, no sentido de construir
conceitos e fundamentos que caracterizem as formas de comunicação das minorias
sociais.
Neste sentido, destacam-se teorias e estudos que, ancorados em diferentes perspectivas,
buscam levantar elementos para identificar o que se convencionou chamar de mídia
alternativa, seja com base em sua relevância social, características diferenciadas dos
meios tradicionais de comunicação no que diz respeito à sua produção, circulação,
conteúdo e consumo, ou ao caráter de resistência que perpassa as referidas ações de
mídia.
No entanto, em meio a estes esforços, observa-se uma espécie de apagamento do debate
promovido por Luiz Beltrão, em seus estudos realizados desde os anos 1960 sobre os
meios informais de comunicação dos grupos marginalizados, que em certa medida
anunciavam
possíveis
caminhos
para
compreender
as
formas
de
comunicação
permeadas pela cultura popular, em uma referência de contraste ou oposição aos meios
de comunicação tradicionais, em sua maioria de caráter elitista.
A
partir
desta
percepção,
o
presente
artigo
busca
recuperar
algumas
bases
do
pensamento de Luiz Beltrão, em sua abordagem da Folkcomunicação, bem como os
principais marcos teóricos presentes no debate atual em torno da mídia alternativa, para
em seguida traçar possíveis relações e aproximações entre a teoria beltraniana e as
práticas de comunicação popular e comunitária.
Como resultado deste olhar, indica-se o papel destas mídias no desenvolvimento social,
seja através da valorização do local ou do fortalecimento das identidades e das lutas de
grupos sociais específicos. Assim, destaca-se ao longo do artigo a pertinência da
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
folkcomunicação enquanto um meio de observação das práticas de resistência que
operam no interior da cultura e da comunicação popular.
Folkcomunicação: um outro olhar para a cultura das minorias
Em sua teoria da comunicação através do folclore, Luiz Beltrão compreende as
expressões folkcomunicacionais como meios informais de comunicação, utilizados por
grupos
considerados
marginalizados,
uma
vez
que
se
contrapõem
aos
valores
hegemônicos, seja em termos sociais ou culturais. Além disso, a folkcomunicação
também se ocupa dos intercâmbios entre a cultura de massa e a cultura popular, em um
processo dialético de aceitação, negação e reinterpretação das mensagens pelos grupos
sociais.
Para Beltrão, a cultura popular é definida por expressões que nascem espontaneamente
do povo e que se incorporam ao seu cotidiano: arte (dança, pintura, vestuário,
artesanato, música, etc), hábitos, crenças, valores e saberes populares que transmitem
informação e opinião. Em seus estudos, valoriza-se a capacidade de expressar os modos
de viver e pensar do povo, como se pode observar nos registros do autor no livro
Comunicação e Folclore
(1971) sobre a informação oral (cantadores, caixeiro-viajante,
chofer de caminhão), a informação escrita (folhetos, almanaques, livros de sorte,
literatura de cordel) e outros veículos de folkcomunicação, como a religiosidade
popular, as festas e danças populares (carnaval, mamulengo, bumba-meu-boi, queima
do Judas, entre outras).
Assim, as manifestações da cultura popular constituem meios de comunicação que não
apenas expressam uma determinada idéia, mas representam também uma forma de ação
ou
contestação
dos
grupos
marginalizados.
Segundo
Beltrão
(1971),
o
folclore
compreende formas interpessoais ou grupais de manifestação cultural protagonizadas
pelas classes subalternas e a folkcomunicação se baseia na utilização de mecanismos
artesanais para expressar mensagens em linguagem popular.
Com base nestes aspectos de valorização da cultura popular e compreensão de formas
de comunicação que se situam às margens da indústria cultural é que se pode
compreender a representatividade do pensamento de Beltrão para o estudo dos
processos comunicacionais. Assim, a teoria da folkcomunicação permite lançar outras
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
perspectivas, em que a capacidade de resistência dos grupos sociais e suas formas
particulares de comunicar, que contrastam com os valores hegemônicos, se inserem nas
complexas dinâmicas do processo de comunicação.
Ao tratar das formas de comunicação das classes subalternas, Luiz Beltrão classifica os
grupos em três categorias: grupos rurais marginalizados; grupos urbanos marginalizados
e grupos culturalmente marginalizados (rurais e urbanos). Estes últimos são assim
caracterizados por representarem “contingentes de contestação aos princípios, à moral
ou à estrutura social vigente” (2004, p. 84). Como exemplo, o autor identifica, como
grupos contestatórios, os messiânicos, político-ativistas e erótico-pornográfico.
Os grupos culturalmente marginalizados são assim descritos por Beltrão:
Constituem-se de indivíduos marginalizados por contestação à cultura
e organização social estabelecida, em razão de adotarem filosofia e/ou
política contraposta a idéias e práticas generalizadas da comunidade.
Desse modo, forçada ou voluntariamente, tais grupos se acham
apartados dos demais que, entretanto, procuram atrair às suas fileiras,
utilizando no proselitismo métodos e meios acessíveis ao público rural
e urbano a que se destinam suas mensagens, sejam convencionais ou
de folk, que manejam com habilidade e audácia. (1980, p. 103)
Pode-se dizer que tais grupos, culturalmente marginalizados, se caracterizam como
contra-hegemônicos e elaboram uma cultura de resistência, através de meios informais
de comunicação. E é este ponto de partida que se pretende considerar ao estabelecer a
relação entre os estudos de Beltrão e as formas de se caracterizar as experiências de
mídia alternativa.
Mídia alternativa: práticas de resistência e contra-hegemonia
Observar a mídia produzida pelos grupos marginalizados, social e culturalmente, exige
uma tentativa de melhor caracterizar o que se entende por comunicação alternativa, uma
vez que há diversos impasses e abordagens diferenciadas para compreender tal conceito.
Sabe-se que os contornos e formas de expressão destes meios foram sendo criados
através de situações de conflitos ideológicos, crises políticas e contextos de restrição à
liberdade de expressão, que acompanharam a história da mídia em diferentes países e
cenários.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
No
contexto
brasileiro,
a
comunicação
alternativa
costuma
ser
entendida
como
sinônimo de imprensa alternativa, aquela de oposição ao regime militar que proliferou
nos chamados “anos de chumbo”, a partir dos anos 1960. No entanto, mesmo neste
período, há uma série de experiências de comunicação, de caráter popular, que também
configuram um cenário em que a mídia era pensada pelo seu papel educativo,
reivindicatório e mobilizador.
Regina Festa (1986), em seus estudos sobre a comunicação popular e alternativa no
Brasil, caracteriza três fases da vida política e social do país, a partir dos anos 1960, que
geraram três processos diferentes de comunicação alternativa e popular.
A primeira fase, que corresponde ao período de 68 a 78 – entre o AI-5
e a abertura política – caracteriza-se por uma comunicação de
resistência, denúncia e acumulação de forças por parte das oposições;
a segunda fase, de 78 a 82, período de explosão social, eleições
nacionais, abrandamento das restrições políticas, caracteriza-se por
projetos
políticos
mais
definidos
e
pela
existência
de
uma
comunicação popular, multiplicadora de meios nas bases e pelo quase
desaparecimento da comunicação alternativa; e o terceiro período, de
82-83,
caracteriza-se
por
uma
atomização
do
processo
de
comunicação popular e alternativa na mesma medida que reflete a
incapacidade das forças de oposição para articularem uma alternativa
política à crise atual vivida pela sociedade brasileira. (1986, p. 10)
Assim, embora o termo „alternativo‟ remeta, historicamente, às publicações que
surgiram a partir dos anos 1960, durante a ditadura militar, observa-se uma diversidade
de formas de comunicação no período e, ao mesmo tempo, a permanência da sua
validade, mesmo diante de especificidades que caracterizam as novas formas de
comunicação dos grupos e movimentos sociais.
São exemplos de veículos alternativos os meios impressos produzidos por movimentos
sociais,
associações,
organizações
não-governamentais
e
grupos
minoritários,
as
experiências de rádio e TV comunitária, os espaços on-line de contra-informação e
mobilização em rede, entre inúmeros outros. Além destes canais, em uma noção mais
ampla do processo de comunicação, destacam-se ainda outras manifestações e veículos
informais que carregam aspectos da cultura e dos interesses de determinado grupo social
(tais como a música, o teatro, o grafite, as festas populares, etc). É neste sentido que
Luiz Beltrão (2001) desenvolveu, em sua teoria da folkcomunicação, um conceito de
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
comunicação através do folclore em que diversos agentes e meios populares de
informação
são
entendidos
como
veículos
de
expressão
de
idéias
dos
grupos
marginalizados.
3
Pela diversidade das formas de comunicação que compreendem os meios alternativos,
entende-se que o conceito é bastante controverso, sendo apresentado por autores e
autoras do campo da comunicação sob as mais variadas formas. A diversidade de
abordagens, decorrente da variedade de objetos analisados, exige um percurso pela
trajetória do conceito, considerando as reflexões desenvolvidas nas últimas décadas.
No contexto deste trabalho, com base nos autores da área, compreende-se a mídia
alternativa a partir do seu caráter contra-hegemônico e dos parâmetros diferenciados dos
meios tradicionais no que se refere às suas formas de produção, circulação e consumo,
assumindo características próprias. Em outros termos, está se considerando mídia
alternativa a produção de grupos sociais, que criam canais de resistência e promoção de
lutas através dos seus espaços de comunicação, em diferentes suportes e formatos.
Porém, existem outros modos de abordar esta noção, que complementam ou tencionam
o referido conceito. De acordo com Regina Festa (1986), a comunicação alternativa é a
„outra‟, ou seja, uma
opção diferente da que existe. Esta idéia de uma
outra
comunicação explicita o caráter de contraposição aos meios hegemônicos.
Uma definição possível de comunicação alternativa pode ser assim entendida:
Son
aquellas
formas
de
comunicación
masiva
que
repudian
o
cuestionan
expresamente
el
régimen
político
establecido
e
institucionalizado, en el sentido de que abogan por un cambio de la
sociedad o por lo menos aspiran a una reconsideración crítica de los
valores
tradicionales.
Se
suelen
denominar
también
medios
“radicales”
o
“underground”,
y
se
oponen
a
las
producciones
dominantes en tanto representan doctrinas políticas y sociales que se
mantienen fuera de los límites definidos del consenso y el debate
parlamentarios. A veces también se suele clasificar como alternativos
los medios comunitarios porque estos con frecuencia representan a
grupos que sienten que sus intereses y sus puntos de vista no están
suficientemente representados en los medios nacionales y locales
existentes. (O‟SULLIVAN, 1995, p. 215)
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Percebe-se que há, nesta tentativa de definição, algumas características (e também
imprecisões) mencionadas nos estudos de comunicação alternativa, tais como o perfil de
oposição política, o caráter comunitário, o fato de ser ou não de massa, a instabilidade
financeira, entre outros aspectos.
Na trajetória do conceito de alternativo, uma das referências situa-se na contraposição
entre comunicação vertical/antidemocrática e horizontal/democrática. Esta abordagem é
desenvolvida por Luis Ramiro Beltrán, que discute a necessidade de democratizar a
comunicação tanto no conceito quanto na prática, no contexto da América Latina. O
autor refere-se a experiências de comunicação face a face (como a “conscientização” de
Paulo Freire), combinações de meios de comunicação de massa com técnicas de
dinâmica de grupo ou formas de comunicação grupal, bem como o uso de modernas
tecnologias, como experiências de comunicação horizontal (1981, p. 28).
Beltrán assim analisa os contrastes (e relações) entre a comunicação vertical e a
horizontal:
A comunicação horizontal é, conceitualmente, exatamente oposta à
comunicação vertical. Mas, na realidade, a primeira não deveria ser
considerada
substituta
da
segunda,
a
não
ser
sob
determinadas
circunstâncias. Sob outras circunstâncias, poderia ser até mesmo uma
alternativa
coexistente.
[...]
Idealmente,
todas
as
formas
de
comunicação deveriam ser horizontais. Na prática esse ideal nem
sempre é possível e talvez nem sempre seja desejável. Assim, quando
a comunicação vertical tiver que permanecer ainda em cena, não
deveria
de
forma
alguma
ser
exercida
de
forma
manipuladora,
enganadora, exploradora e coercitiva. (1981, p. 34)
A partir destes aspectos, Beltrán propõe um esquema de comunicação horizontal (que
denomina de “horicon”), que prevê acesso livre e igualitário (exercício efetivo do
direito de receber mensagens), diálogo (exercício efetivo do direito de receber e ao
mesmo
tempo
emitir mensagens)
e
participação
(exercício
do
direito
de
emitir
mensagens) como pressupostos da comunicação (1981, p. 31-32).
Maria Lúcia Becker (2008), ao discutir elementos de uma comunicação alternativa,
também menciona este caráter de horizontalização como algo que passou a definir a
prática da comunicação popular no Brasil:
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Como opção entre coisas reciprocamente excludentes, ao alternativo
vem somar-se a proposta de horizontalidade, em contraposição à
verticalidade dos meios de comunicação tradicionais. Nesse ponto do
campo de significação do conceito de alternativo, os elementos
coincidem com o que, no Brasil, passou a definir o jornalismo ou
comunicação
popular;
ou
seja,
a
primazia
do
diálogo,
do
compartilhamento de idéias e conhecimentos, da troca de informações
e opiniões que propicia a ação no sentido do domínio e mudança da
realidade. (2008, p. 03)
Luiz Gonzaga Motta também destaca o caráter de mobilização como uma função desta
forma diferenciada de atuar com a comunicação. Para ele, os meios alternativos surgem
em
função
das
necessidades
de
comunicação
de
determinados
atores
sociais
e
desempenham as funções de apoio e de potencialização nos movimentos populares.
A primeira é uma função de auxílio à mobilização e à organização.
Todo movimento necessita primeiro fazer com que um número maior
possível de pessoas tome conhecimento de um determinado problema;
segundo, necessita sensibilizar estas pessoas a interessar-se pelo fato;
terceiro, precisa motivá-las para a ação; quarto, mobilizá-las, quinto,
organizá-las para uma ação consciente e adequada. Como nem os
meios de massa nem os canais formais de comunicação costumam
suprir as necessidades de nenhuma destas etapas, os que lideram os
movimentos criam os meios alternativos possíveis para supri-las.
(1987, p. 46)
Máximo S. Grinberg (1987), em sua caracterização de mídia alternativa, enfatiza o
aspecto de uma “outra” forma de comunicar, acrescentando ainda a participação no
processo de comunicação e a ambivalência dos papéis de emissor e receptor como
elementos que caracterizam estes meios, que podem ser massivos ou não. Para o autor,
É
alternativo
todo
meio
que,
num
contexto
caracterizado
pela
existência
de
setores
privilegiados
que
detêm
o
poder
político,
econômico e cultural – nas diversas situações possíveis, desde o
sistema de partido único e economia estatizada (Cuba) até os regimes
capitalistas de democracia parlamentar e as ditaduras militares –
implica uma opção frente ao discurso dominante, opção à qual
confluem,
em
grau
variável,
os
sistemas
de
propriedade,
as
possibilidades
de
participação
dos
receptores
na
elaboração
das
mensagens, as fontes de financiamento e as redes de distribuição,
como elementos complementares (1987,
p. 18).
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
O autor problematiza o conceito de alternativo na prática comunicacional, apresentando
seu desacordo em relação a duas concepções bastante comuns na caracterização desta
definição: “a que visualiza a comunicação alternativa como oposta por princípio aos
meios de massa como tais, devido a sua estrutura tecnológica tradicionalmente
unidirecional” e, ainda, “a que considera que a comunicação alternativa constitui um
antídoto frente a um só modelo, o modelo capitalista transnacional de comunicação”
(1987, p. 11). Para Grinberg, o alternativo é possível através de diferentes meios e
formas de comunicação:
Não propomos uma alternativa aos
media como tais
, mas enquanto
instrumentos do poder; e, inversamente, o meio não
é em si
o
alternativo (ou não o é necessariamente), mas o instrumento de uma
opção promovida por um grupo de pessoas ou por um setor social.
(1987, p. 19-20)
Assim, para o autor, o alternativo surge para gerar mensagens com concepções
diferentes
ou
opostas
às
difundidas
pelos
meios
dominantes,
apresentando
uma
diferença qualitativa em relação aos meios hegemônicos.
4
A ênfase, portanto, está no
conteúdo: “sem discurso alternativo não há meio alternativo” (1987, p. 29)
Além da expressão „alternativa‟, adotada por alguns autores, existem outras que se
aproximam destes princípios e traduzem a demanda pela democratização da palavra.
Tratam-se das noções de mídia comunitária, popular e radical, entre outras variações,
que serão aqui mencionadas para complementarem o conceito de mídia alternativa.
De acordo com Cicília Peruzzo (2006), a comunicação comunitária apresenta um caráter
de mobilização coletiva, uma vez que a ação é perpassada por canais de comunicação
com conteúdo crítico e emancipador.
5
A
comunicação
popular
representa
uma
forma
alternativa
de
comunicação e tem sua origem nos movimentos populares dos anos de
1970 e 1980, no Brasil e na América Latina como um todo. Ela não se
caracteriza como um tipo qualquer de mídia, mas como um processo
de
comunicação
que
emerge
da
ação
dos
grupos
populares.
(PERUZZO, 2006, p. 02)
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
O jornalismo comunitário, assim como o popular, parte de setores populares que
produzem sua própria mídia (na maioria das vezes com limites técnicos e financeiros,
contando apenas com voluntários da comunidade), realizando, conforme Raquel Paiva
(1998), um modo de comunicação que admite a participação direta dos cidadãos e
cidadãs no processo de produção e visa a politização e a organização das comunidades.
Enquadram-se nesta forma de comunicação comunitária as experiências de gestão de
mídia envolvendo rádios e TVs comunitárias, jornais de bairro, entre outras geradas
coletivamente. No que diz respeito ao perfil dos veículos comunitários, pode-se
destacar, a partir de Paiva (1998), o uso didático e educativo, de interesse público, a
valorização do local, o caráter de prestação de serviços, com proposta social, o objetivo
de mobilização e transformação, a participação coletiva e o uso dos meios como
facilitadores de um processo de emancipação cidadã.
As
formas
de
comunicação
popular
envolvem
ainda
as
manifestações
culturais
tradicionais do povo (como danças, teatro, música, folclore, festas, literatura de cordel,
etc),
ou
ainda,
conforme
observa
Rozinaldo
Miani, um
“conjunto
de
práticas
comunicativas, identificadas como comunicação popular, produzidas pelos movimentos
sociais e populares no contexto da luta de classes” (2007, p. 72), que assumem caráter
de resistência.
Uma definição que se aproxima muito dos princípios da mídia alternativa é trabalhada
por John Downing através da expressão „mídia radical‟. Para ele, a mídia radical é
aquela que expressa “uma visão alternativa às políticas, prioridades e perspectivas
hegemônicas”, que se apresenta numa enorme variedade de formatos e exerce múltiplos
impactos, em diferentes níveis, apresentando-se de forma mais democrática do que a
mídia hegemônica.
Segundo Downing, a mídia radical serve a dois propósitos, baseados no modelo de
contra-informação que caracteriza a mídia alternativa:
a)
expressar,
verticalmente,
a
partir
dos
setores
subordinados,
oposição direta à estrutura de poder; b) obter, horizontalmente, apoio e
solidariedade e construir uma rede de relações contrária às políticas
públicas ou mesmo à própria sobrevivência da estrutura de poder.
(2002, p. 29-30)
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Percebe-se, a partir destas considerações, que os grupos utilizam a comunicação com
diferentes propósitos, e acionam determinadas práticas que contribuem com o processo
de conquista da cidadania. Assim, para além de uma lógica meramente instrumental, a
mídia ocupa um lugar central na resistência às múltiplas formas de opressão. É preciso
destacar, ainda, que não há um modelo único de mídia alternativa, apesar de existirem
características centrais comuns aos diferentes veículos. A pluralidade de formatos deve-
se aos diferentes contextos e às variadas configurações dos grupos, comunidades e
organizações onde são produzidos.
Com base nestas diferentes abordagens sobre a mídia alternativa – apresentadas por
autores e autoras que se ocupam da comunicação como forma de resistência, ação
comunitária, fortalecimento dos grupos e comunidades, luta política, entre outras
variações -, que se complementam para indicar os variados modelos e práticas de
comunicação contra-hegemônica, pode-se reconhecer aspectos que se relacionam com a
perspectiva da folkcomunicação, no que diz respeito às formas de comunicação dos
grupos marginalizados.
Desse modo, a partir do percurso pelas principais abordagens que constituem os
fundamentos da mídia alternativa, interessa estabelecer algumas aproximações que
permitem revelar a importância da folkcomunicação como teoria pioneira que contribui
para a análise dos fenômenos de comunicação popular. Afinal, a folkcomunicação
evidencia os meios informais utilizados pelos grupos e comunidades para „dizer‟ a sua
realidade e a sua cultura a partir de um discurso próprio, autêntico e comprometido com
as suas necessidades de informação.
Em busca de um diálogo: folkcomunicação e mídia alternativa
Horizontalidade, mobilização, participação, conteúdo contra-hegemônico, ambivalência
entre emissor e receptor, espaço de expressão da cultura popular, instrumento de
resistência. Estes são os principais aspectos que fundamentam uma caracterização da
mídia alternativa, compreendida tanto como prática de comunicação quanto reflexão
teórica.
Oportuno observar que algumas destas características, apontadas por teóricos da
comunicação, foram abordadas por Luiz Beltrão em seus estudos sobre a cultura e a
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
comunicação popular, principalmente se considerarmos que o teórico brasileiro dedica-
se à compreensão da folkcomunicação como um processo artesanal e horizontal. Isso se
deve
porque,
para
ele,
as
mensagens
folkcomunicacionais,
à
semelhança
da
comunicação interpessoal, “são elaboradas, codificadas e transmitidas em linguagens e
canais familiares à audiência, por sua vez conhecida psicológica e vivencialmente pelo
comunicador, ainda que dispersa” (1980, p. 28).
Beltrão assim analisa o sistema da folkcomunicação:
No sistema de folkcomunicação, embora a existência e utilização, em
certos casos, de modalidades e canais indiretos e industrializados [.
..],
a manifestações são sobretudo resultado de uma atividade artesanal do
agente-comunicador, enquanto seu processo de difusão se desenvolve
horizontalmente, tendo-se em conta que os usuários característicos
recebem as mensagens através de um intermediário próprio em um
dos múltiplos estágios de sua difusão. (1980, p. 27)
O autor também observa a chamada “comunicação coletiva”, buscando compreender
como
os
indivíduos
e
grupos
sociais
recebem,
interpretam
e
re-significam
as
mensagens, a partir de referenciais culturais próprios. Desse modo, no campo da
recepção, Beltrão analisa os processos comunicacionais não-hegemônicos, levantando
alguns elementos para observar o comportamento coletivo e as reações dos receptores.
Esta percepção também indica o posicionamento do autor a respeito das capacidades de
questionamento e resistência dos grupos sociais em relação à mídia hegemônica,
distanciando-se de uma abordagem determinista muito presente nos anos 1960 e que
ainda hoje revela resquícios no debate sobre as práticas de produção e recepção de
mensagens. Beltrão, portanto, irá se filiar à perspectiva desenvolvida anos mais tarde
por teóricos latino-americanos, focada nos estudos de recepção.
A folkcomunicação, além de incorporar a reflexão sobre horizontalidade e atribuir papel
ativo no processo de comunicação também ao receptor, aproxima-se das abordagens da
mídia alternativa ao representar as formas de expressão da cultura popular, através de
diferentes meios. É a comunicação direta, em que participam os membros de um
determinado grupo social, que expressa os hábitos, valores e mesmo reivindicações dos
setores marginalizados, através de suas manifestações culturais. Estas formas de
comunicação, devido à representatividade que assumem no contexto de grupos sociais
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
específicos, podem também ser entendidas como expressões de uma identidade de
resistência que, ainda que estabeleça relações com a chamada cultura de massa, revela
sua autenticidade e valor. Embora Beltrão não adote o termo „identidade‟ para fazer
referência às formas de comunicação criadas pelo povo, transparece em seus escritos a
valorização das manifestações culturais a partir do significado que possuem para os
grupos culturalmente marginalizados, tema este amplamente estudado pelos teóricos
dos estudos culturais.
Em relação ao caráter contra-hegemônico da comunicação popular, entende-se que,
embora nem todas as manifestações das chamadas classes subalternas se apresentem
como instrumentos de contestação do sistema econômico, político, social e cultural, em
grande medida os meios de comunicação dos grupos marginalizados canalizam uma
visão crítica e apresentam uma „leitura‟ da realidade que contrasta com os valores
hegemônicos presentes na sociedade. Esta questão pode ser exemplificada, nos estudos
de
Beltrão,
na
literatura
de
cordel,
nas
festas
populares
e
nas
mais
diversas
manifestações espontâneas do povo que revelam uma forma singular de expressar a
cultura, a sabedoria e os valores dos grupos e comunidades.
Também
a
perspectiva
da
mídia
alternativa
traz
em
sua
base
a
proposta
de
desenvolvimento e emancipação social, elementos que colocam a comunicação como
um caminho necessário para a conquista da cidadania. E, ao descrever e analisar os
veículos informais dos grupos marginalizados, reconhecendo o valor da cultura popular
e as necessidades de expressão do povo, Luiz Beltrão recupera o princípio básico do
diálogo, da participação e da interação que caracterizam as formas de comunicação
comunitária e popular.
Falar sobre mídia alternativa pressupõe, portanto, o reconhecimento das contribuições
da folkcomunicação na observação dos meios próprios produzidos pelos grupos
marginalizados para expressar suas lutas e seus valores, em linguagem popular. Assim,
evitando o risco de ignorar o pioneirismo de Beltrão e a pertinência de seus estudos para
a análise dos fenômenos comunicacionais é que se propõe que a mídia alternativa seja
abordada enquanto prática de resistência cultural que pode ser observada sob a „lente‟
da folkcomunicação.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Afinal, a sintonia entre os conceitos de mídia alternativa e a perspectiva de Beltrão vai
além da valorização dos canais próprios criados pelos grupos marginalizados. Estende-
se ao modo como a folkcomunicação permite reconhecer a diversidade, a criatividade e
a legitimidade de meios de comunicação muitas vezes praticamente desconhecidos e
ignorados, que pela sua representatividade no contexto em que atuam constituem
legítimos espaços de formulação da cultura e de expressão de lutas e resistências.
Referências
Becker,
Maria
Lúcia.
“Mídia
alternativa:
antiempresarial,
antiindustrial,
anticapitalista?” In: WOITOWICZ, Karina Janz (org.). Recortes da mídia alternativa:
histórias & memórias da comunicação no Brasil. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2009. p.
273-286.
Beltrán, Luis Ramiro. “Adeus a Aristóteles: a comunicação horizontal”. Revista
Comunicação & Sociedade. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São
Paulo; São Paulo: Cortez. Ano III, n. 6, set. 1981. p. 5-35.
Beltrão, Luiz
.
Folkcomunicação: um estudo dos agentes e dos meios populares de
informação de fatos e expressão de idéias. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.
Beltrão, Luiz. Folkcomunicação: teoria e metodologia. São Bernardo do Campo:
Umesp, 2004.
Beltrão, Luiz. Comunicação e folclore. São Paulo: Melhoramentos, 1971.
Beltrão, Luiz. Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados. São Paulo: Cortez,
1980.
Downing, John. Mídia Radical:
Rebeldia nas comunicações e movimentos sociais
.
São
Paulo: Senac, 2002.
F
ESTA
,
Regina;
SILVA, Carlos Eduardo Lins da (Orgs.). Comunicação popular e
alternativa no Brasil. São Paulo: Edições Paulinas, 1986.
Grinberg, Máximo Simpson (org.). A comunicação alternativa na América Latina
.
Petrópolis: Vozes, 1987.
Kaplun, Mario. El comunicador popular. 2ª ed. Argentina: Lúmen-Humanitas, 1996.
Marques de Melo, José. Uma estratégia das classes subalternas. In: Folkcomunicação: a
mídia dos excluídos. Cadernos de Comunicação, Série Estudos, v. 17. Rio de Janeiro:
Secretaria Especial de Comunicação Social, 2007.
Marques de Melo, José. Mídia e cultura popular: história, taxionomia e metodologia da
folkcomunicação. São Paulo: Paulus, 2008.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Matta, Fernando Reyes. Comunicación alternativa y búsquedas democráticas. México:
ILET – Instituto Latinoamericano de Estudios Transnacionales, 1983.
Miani, Rozinaldo. “Comunicação popular”. In: GADINI, Sérgio; WOITOWICZ, Karina
J. (org). Noções básicas de Folkcomunicação: uma introdução aos principais termos,
conceitos e expressões. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2007. p. 71-73.
Motta, Luiz Gonzaga. “Brasil: Alternativa popular – Comunicação e movimentos
sociais”. In: GRINBERG, Máximo Simpson (org.). A comunicação alternativa na
América Latina. Petrópolis: Vozes, 1987.
O‟sullivan, Tim et al. Conceptos clave en comunicación y estudios culturales. Buenos
Aires: Amorrortu Editores, 1995.
Paiva, Raquel. O espírito comum: comunidade, mídia e globalismo. Petrópolis: Vozes,
1998.
Peruzzo,
Cicília
M.
Krohling.
Comunicação
nos
movimentos
populares.
ed.
Petrópolis: Vozes, 2004.
Peruzzo, Cicília M. Krohling. “Direito à comunicação comunitária, participação popular
e cidadania”. In: OLIVEIRA, Maria José da Costa (org.). Comunicação Pública.
Campinas: Alínea, 2004. p. 49-79.
Silva, Carlos Eduardo Lins da (org.). Comunicação, hegemonia e contra-informação.
São Paulo: Cortez; Intercom, 1982.
1
Jornalista, mestre em Ciências da Comunicação, doutora em Ciências Humanas, professora de
Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG/Paraná/Brasil), membro da Rede de
Pesquisadores em Folkcomunicação. E-mail: karinajw@hotmail.com
2
No presente artigo, opta-se pela denominação mídia alternativa como um conceito mais amplo que
envolve as experiências de comunicação de caráter contra-hegemônico, que se dão através de variados
suportes e formatos. As expressões comunicação comunitária, popular, independente, radical, entre
outras, constituem variações do conceito que serão discutidas ao longo do trabalho.
3
John Downing, no livro “Mídia radical”, também destaca experiências de comunicação que vão além
dos meios tradicionais de comunicação, tais como grafite, vestuário, canções, dança, teatro, anedotas,
entre diversas outras que se configuram como meios de expressão das minorias sociais.
4
Grinberg também observa que “a alternativa surge tanto diante do monopólio capitalista como no que
diz respeito à imprensa esquerdista e popular” (1987, p. 25).
5
Nesta perspectiva, Mario Kaplun (1996) refere-se aos meios de comunicação como instrumentos de
educação popular. Em seu trabalho com jornais de bairro no Uruguai, ele destaca a importância dos
veículos nas etapas de conhecimento da realidade, formulação crítica e estímulo à participação coletiva,
inserindo a prática comunicativa no processo de educação informal.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
logo_pie_uaemex.mx