Artículo en PDF
Como citar este artigo
Número completo
Mais artigos
Home da revista no Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
A
FOLKCOMUNICAÇÃO
NA
ERA
DA
CONVERGÊNCIA
MIDIÁTICA
DIGITAL:
DA
FOLKSONOMIA
ÀS
NARRATIVAS
FOLKMIDIÁTICAS
TRANSMÍDIA
1
Marcelo Sabbatini
2
Resumo
Com a penetração das tecnologias de comunicação e informação de forma cada vez
mais ubíqua em todos os âmbitos da vida social, refletimos criticamente sobre os
múltiplos conceitos de convergência, tanto no âmbito da relação mídia-cotidiano como
sobre os aspectos midiáticos-tecnológicos, ressaltando ser ela fruto da ação humana, na
proposta de “cultura de convergência” de Henry Jenkins. Como características das
mídias digitais interativas, ressaltamos o advento do receptor-produtor dos bens
culturais, segundo uma lógica de participação e de cooperação e a formação de uma
inteligência
coletiva,
traçando
paralelos
com
o
ativista
midiático
da
teoria
da
Folkcomunicação e com o conceito de folksonomia da Ciência da Informação. Para os
grupos marginalizados do sistema hegemônico de comunicação, possíveis implicações
desta convergência de meios e formatos, incluindo as redes sociais e as ferramentas de
construção coletiva do conhecimento são a emergência das plataformas e narrativas
transmídia,
integrando
e
complementando
as
expressões
folkcomunicacionais
tradicionais.
Palavras-chave
Folkmídia, convergência digital, transmídia, folksonomia.
Abstract
With the ubiquitous penetration of information and communication technologies in all
contexts of our social life, we critically reflect upon the multiple concepts of
convergence, either in the media-life relationship as well as in the media-technology's,
highlighting that this process results from human action, as in the “convergence culture”
proposed by Henry Jenkins. As main features of the interactive digital media we stress
out the rise of the receptor-producer of cultural goods, in a logic of cooperation and the
formation of a collective intelligence, drawing a parallel with Folkcomunnication theory
and the folksonomy concept from Information Sciences. For groups marginalized from
the hegemonic communications system, possible implications of this media and
platforms convergence, including social networks and collaborative knowledge building
tools, the upcoming of transmedia narratives may integrate and complement traditional
Folkcommunication expressions.
Keywords
Folkmedia, digital convergence, transmedia, folksonomy.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Introdução
Desde que se fez presente como tecnologia transformadora da sociedade e da cultura,
em meados dos anos 1990, a Internet tornou-se objeto de estudo de uma legião de
pensadores, filósofos, comunicólogos, educadores, bibliotecários, administradores, etc.,
que viram no conceito de rede digital uma solução para os males que afligiam o mundo.
Vários foram os modismos e as tendências de uma análise científica das “novas”
3
tecnologias de informação e comunicação; sintetizando, poderíamos destacar alguns
aspectos deste panorama.
Em
primeiro
lugar,
a
convergência
digital,
com
a
unificação
dos
fluxos
comunicacionais, em termos de canais, de produtos midiáticos e mesmo dos contextos
onde ocorrem a comunicação, em direção a uma síntese representada pela Web. Nesta
convergência, a interatividade do meio digital permitiria que o tradicional receptor,
elemento passivo do processo comunicacional, transformasse-se um receptor-emissor,
capaz de produzir a mensagem, ao mesmo tempo que a consumisse. Atuando em
comunidades virtuais, cooperando livremente, estes receptores-emissores criariam uma
inteligência coletiva, uma ação cognitiva em conjunto maior que as somas das partes.
E ao ser de uso livre, com participação aberta e regida por gestão democrática, esta
convergência digital também consistiria um importante passo para se alcançar um
estado de “cibercidadania”, configurando o “terceiro entorno” caracterizado pelo
filósofo espanhol Javier Echeverría (1999). Frente à Natureza e à urbanidade da
polis,
este seria um novo espaço para a atuação social do ser humano, ainda que reconhecida
sua natureza política e social. Em contraposição à ideia (algo romântica) de que a
tecnologia informática aliada às redes de computador é essencialmente democrática e
libertadora, o “terceiro entorno” reproduz relações e estruturas econômicas e de poder,
constituindo um “neo-feudalismo” dominado pelas empresas transnacionais.
Apesar
dessa
análise
inicialmente
pessimista,
Echeverría
propôs
um
protocolo
(idealizado) de teses cujo objetivo seria humanizar o terceiro entorno, como por
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
exemplo, considerá-lo um novo âmbito para o desenvolvimento e aperfeiçoamento da
humanidade em geral (cosmopolitismo) e para os indivíduos em particular, com novas
possibilidades de ação e de interação. Neste sentido, deverá ser considerado o
componente humano e social do desenvolvimento tecnológico, de maneira que o êxito
dependa da percepção social e dos valores humanos.
É diante deste panorama que buscaremos situar algumas linhas de pensamento e de
análise amparadas no aporte teórico da Folkcomunicação. Ideada em meados da década
de 1960 como teoria explicativa dos fluxos comunicativos realizados por camadas
excluídas da sociedade, nossa proposta é explorar novos campos de aplicação da teoria
folkcomunicacional no contexto das tecnologias de informação e comunicação. Assim,
ao re-contextualizar e avaliar a relevância da disciplina fundada por Luiz Beltrão para
tempos atuais, percebemos que
Há,
contudo,
uma
outra
dimensão
do
fenômeno,
nem
sempre
perceptível
a
olho
nu,
mas
que
repercute
intensamente
nas
conversações familiares, projeta-se nos grupos de vizinhança e acaba
sendo incorporada ao universo simbólico das comunidades periféricas.
Trata-se
do
mosaico
cultural
que
a
mídia
globalizada
enseja
diariamente, rompendo o isolamento social em que os cidadãos
comuns viveram até recentemente. Costumes, tradições, gestos e
comportamentos de outros povos, próximos ou distantes, circulam
amplamente na “aldeia global”. Da mesma forma, padrões culturais
que pareciam sepultados na memória nacional, regional ou local
ressuscitam
profusamente,
facilitando
a
interação
entre
gerações
diferentes,
permitindo
o
resgate
de
celebrações,
ritos
ou
festas
aparentemente condenados ao esquecimento (MARQUES DE MELO,
2008).
Ainda mais, tratando especificamente da mídia digital, a Folkcomunicação presente na
Internet será
Capaz de potencializar o acervo cognitivo e a bagagem cultural dos
grupos marginalizados e dos contingentes excluídos, a rede mundial
de computadores propicia condições para a atualização dinâmica desta
nova
disciplina.
No
seu
bojo,
os
gêneros,
formatos
e
tipos
folkcomunicacionais fluem regularmente através da web. Sem perder
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
as identidades que lhes dão sentido histórico e vigor intelectual, eles
ganham difusão além das fronteiras em que germinaram e floresceram
(MARQUES DE MELO, 2005).
Nesta
linha
de
pensamento,
destacamos
dois
campos
inter-relacionados
onde
vislumbramos este potencial de atualização: a convergência midiática e a chamada
folksonomia.
Planos convergentes
Se no mundo atual os contextos de educação, comunicação, trabalho, consumo e ócio
convergem com o advento de uma Sociedade Pós-Industrial, este processo é acelerado
por um movimento paralelo, que vê os meios de comunicação (mídias) e sua
acompanhante
indústria
de
dispositivos
e
aparelhos
eletrônicos,
compartilhando
objetivos, funções e linguagens. Como “tecnologia de síntese”, será a Internet o
principal terreno de confluência dos diversos formatos comunicativos.
Segundo Briggs e Burke (2004), embora o termo “convergência” ganhe notoriedade na
década de 1990, quando as plataformas informáticas possibilitaram a integração de
textos, imagens estáticas ou em movimento, sons e outros tipos de representação em um
mesmo
canal,
esta
junção
ocorria
anteriormente.
Atualmente,
os
meios
de
comunicação tradicionais como rádio, jornal e televisão se mesclam, sob a égide da
“multimídia”; com o advento da interatividade da Web 2.0, o conceito é atualizado
como:
o fluxo de de conteúdo através de múltiplas plataformas de mídia, a
cooperação entre múltiplas indústrias da mídia e o comportamento
migratório das audiências da mídia que irão quase a qualquer lugar em
busca
das
novas
experiências
de
entretenimento
que
desejam.
Convergência
é
uma
palavra
que
consegue
descrever mudanças
tecnológicas, industriais, culturais e sociais, dependendo de quem está
falando e do que se pensa estar falando (JENKINS, 2008, p. 2-3).
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Para este autor, criador do termo “cultura de convergência”
4
, esta não é um fenômeno
essencialmente midiático ou tecnológico; é muito mais uma mudança cultural, na
medida em que depende fortemente dos usuários e de seu desejo de estabelecer
conexões entre conteúdos dispersos. Nesse contexto de “cultura participatória”, o
consumo dos produtos simbólicos torna-se um processo coletivo, de forma que a
combinação de habilidades e a constituição de um corpo amplificado de conhecimentos,
a partir da soma do conhecimento de cada indivíduo, está relacionado ao conceito de
“inteligência coletiva” de Pierre Lévy (1999).
Um ponto importante a destacar dentro do debate sobre a convergência, o qual terá
grande repercussão nos debates acadêmicos, e inclusive na Folkcomunicação, é a
substituição
dos
“velhos”
meios
de
comunicação
pelos
“novos”,
uma
polêmica
reacendida a cada inovação tecnológica desenvolvida. Neste sentido, a delimitação
proposta por Gitelman (2006 apud JENKINS, 2008) serve de referência: um “meio” é
em
primeiro
momento
uma
tecnologia
que
permite
o
estabelecimento
de
uma
comunicação, mas também uma série de protocolos e de códigos culturais associados.
Desta conceituação, decorrem duas consequências de interesse para nosso propósito: a
primeira, os meios de comunicação não são destituídos pelas inovações e por novos
sistemas comunicativos que porventura surjam; dito de outra forma, a introdução de
novas mídias não “mata” a antiga, mas simplesmente a desloca, mudando seus
conteúdos, sua audiência ou seu status social, com uma tendência de complementação,
mais do que substituição.
Historicamente, podemos observar que a escrita não eliminou a palavra falada, que
televisão
não
aboliu
o
rádio,
que
o
computador
(apesar
dos
inúmeros
alertas
apocalípticos) não exterminou o livro. Neste sentido, são as chamadas tecnologias de
reprodução (ou de entrega) as que sofrem da impiedosa evolução das tecnologias. Como
exemplo, o VHS, o DVD, o Blue-Ray, o MP4, são todas tecnologias de entrega (por
sinal, extintas ou em via de extinção, frente à distribuição de vídeo digital através da
Rede) de um mesmo meio de comunicação, a imagem em movimento.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
A segunda consequência da definição de Gitelman é entender os meios de comunicação
como entidades dotadas e ao mesmo inseridas em determinada cultura, possuindo um
sistema de produção, recepção e significação próprios. Assim,
quaisquer mídias, em função dos processos de comunicação que
propiciam, são inseparáveis das formas de socialização e cultura que
são capazes de criar, de modo que o advento de cada novo meio de
comunicação traz consigo um ciclo cultural que lhe é próprio e que
fica impregnado de todas as contradições que caracterizam o modo de
produção econômica e as consequentes injunções políticas em que um
tal ciclo cultural toma corpo. Considerando-se que as mídias são
conformadoras
de
novos
ambientes
sociais,
pode-se
estudar
sociedades cuja cultura se molda pela oralidade, então pela escrita,
mais
tarde
pela
explosão
das
imagens
na
revolução
industrial
eletrônica etc. (SANTAELLA, 2003, p. 25)
Voltando a Jenkins (2008), guru da convergência digital, este fenômeno é muito mais
do que a integração de plataformas e de empresas, no contexto da indústria de
entretenimento global; de fato uma das características da convergência é o uso que cada
usuário faz da informação, integrando suas “vidas, relações, memórias, fantasias” ao
fluxo comunicacional digital.
Ao estabelecer os meios de comunicação como categoria cultural, será preciso pensar
também a convergência do usuário, o elemento humano que fará uso e construirá
significados a partir deles. Deparamos-nos, assim, com a perspectiva de que indivíduos
ou grupos tradicionalmente excluídos do processo de comunicação de massa tão
característico da sociedade da Era Industrial encontrem sua voz e sua vez, em outras
palavras,
que
construam
sua
identidade
nos
espaços
digitais.
Estamos
falando,
logicamente, de uma perspectiva folkcomunicacional das mídias convergentes.
O poder criador do receptor
O termo em inglês é chamativo e revelador:
broadcast,
transmissão ampla, de um
mesmo ponto de emissão para uma audiência o mais vasta possível. ´Mais do que em
qualquer outro momento da história da comunicação, os meios de massa do século XX
traziam em seu bojo a ideia de uniformidade, portanto de passividade. Mas ao ser
inserido em um contexto de interatividade (no momento em que as redes globais
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
informáticas são somadas ao potencial do computador), o usuário transforma-se não
mais em conteúdo passivo, receptor final da comunicação. Subitamente, ele se torna um
produtor de informações, quiçá de conhecimento (CASTRO, 2005).
Neste
sentido,
mesmo
sem
ter
alcançado
os
níveis
de
participação
crítica,
democratizante e transformadora da realidade que as primeiras análise das “novas”
tecnologias de informação e comunicação alardeavam, existem evidências de que o
modelo de comunicação unilateral, de cima para baixo, centrado no especialista, foi
colocado para sempre em cheque diante da emergência de um leitor-autor-produtor de
mídias e, muitas vezes, de um autor coletivo.
Porém, em que medida estas transformações operadas pelas tecnologias de informação e
comunicação recuperem, internalizem, reprocessem ou mesmo criem a informação
disponível nos canais de difusão de uma maneira valiosa e criativa?
Mais que uma abordagem econômica ao estabelecimento de indicadores na Sociedade
da
Informação –como por exemplo, indicadores estatísticos relacionados com a
infraestrutura e os equipamentos de telecomunicações, recursos técnicos e humanos e a
capacidade de investimento existentes– cabe investigar o que se denominou indicadores
de impacto social das tecnologias de informação e comunicação, no sentido de avaliar
em que medida estas tecnologias podem contribuir à transformação, tanto na esfera do
indivíduo
como
de
sua
comunidade,
para
o
desenvolvimento
social
e
humano,
utilizando para isto critérios como o “uso com sentido” e “apropriação social das
tecnologias de informação e comunicação”. Em última instância, trata-se de avaliar o
potencial de uma determinada sociedade para transformar a informação de sua realidade
e de seu ambiente, e desta forma, alcançar a Sociedade do Conhecimento, através do
processo de geração e apropriação deste (FAZIO & GOLDSTEIN, 2003). É este
potencial de transformação que se espera da Folkcomunicação enquanto sistema
paralelo
à
comunicação
hegemônica
e
que
deveria
estar
presente
também
no
ciberespaço.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Narrativas folktransmidiáticas?
A facilidade de publicação, a convergência digital e a o deste onipresença destes fluxos
comunicacionais faz com que a Rede seja o local apropriado para a observação de um
fenômeno caro aos pesquisadores da Folkcomunicação: o embate entre a comunicação
hegemônica, representativa de uma cultura de massas e a cultura popular. Como
ocorrem estas apropriações e mediações, se é que elas ocorrem? Como indícios,
percebemos que a forma pela qual as classes populares se apropriam de elementos da
cultura de massa também são uma fonte de ridicularização e de preconceito pelas
camadas
dominantes,
no
processo
que
tem
sido
chamado
“favelização
digital”.
Contudo, também nos fazem refletir sobre como os símbolos e representações da
indústria cultural se impõe e invisibilizam manifestações que seriam mais autênticas e
identitárias destes mesmos grupos.
Retomando o conceito de “cultura de convergência”, marcada por um fluxo cruzado de
de múltiplas mídias em múltiplas plataformas, por uma cultura participatória no uso
social das tecnologias e pela constituição de uma inteligência coletiva, qual será sua
importância para o âmbito folkcomunicacional? Em um primeiro momento, a obra de
Jenkins repercutiu tão fortemente no campo da produção midiática, ao ponto de ser
chamado
“guru”
e
um
“novo
McLuhan”,
principalmente
por
outro
conceito
apresentado, o das “narrativas transmídia”.
Entendido como o uso sinergético de múltiplos formatos e meios para a conformação de
uma narrativa principal, este fenômeno em primeiro momento é associado com a
economia da comunicação. Neste sentido, uma mesma estória deriva em vários produtos
midiáticos. Como exemplo, um filme (ou uma série deles, como é de praxe neste tipo de
narrativa,
nas
chamadas
“franquias”)
se
desdobra
em
videojogos,
histórias
em
quadrinhos, livros, música, seriados na televisão, brinquedos, parques temáticos, além
de diversos tipos de conteúdo digital na Internet. Em princípio, tal prática não parece ser
suficientemente nova; já no final da década de 1970 Hollywood adotou esta estratégia
de diversificação mercadológica.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
O que caracteriza as narrativas transmídia, portanto, é o fato que cada um desses canais
é utilizado de maneira complementar e de forma a potenciar o que cada mídia “tem” de
melhor. Outra característica são narrativas “auto-contidas”, no sentido de que as
narrativas individuais são relativamente independentes. Neste caso a convergência é um
equilíbrio entre proporcionar níveis mais profundos de leitura e de compreensão através
das várias mídias e o perigo da redundância, que diminui o interesse da audiência. Além
disso, identifica-se a formação de uma base de fãs e seguidores leais aos produtos da
franquia
e
que,
em
momento
posterior,
transformam-se
eles
mesmos
em
emissores/receptores através do fenômeno
fan-fiction
, ou seja, ficção produzida pelos
próprios fãs.
Contudo,
pode
parecer
um
paradoxo
relacionar
as
narrativas
transmídia,
tão
características de uma indústria cultural homogenizante e concentradora de capitais,
com
a
Folkcomunicação.
O
próprio
Jenkins,
como
acadêmico
interdisciplinar,
reconhece o impacto e a importância da convergência midiática digital para outros
âmbitos da vida que não a indústria do entretenimento, ou em seus próprios termos, de
“propósitos
mais
sérios”,
como
podemos
observar
em
entrevistas
posteriores
(GUALTIERI, 2011).
Uma primeira decorrência seria o ideal de formação de cidadãos conscientes e
ativamente participantes dos processos democráticos, para o qual as habilidades de
colaboração e uma ética de compartilhamento do conhecimento desempenhariam papel
fundamental:
Os artistas populares –trabalhando nas brechas da indústria da mídia–
perceberam
que
eles
também
podem
surfar
o
novo
imperativo
econômico para produzir trabalhos mais ambiciosos e desafiadores.
Ao mesmo tempo, estes artistas estão construindo uma relação mais
colaborativa com seus consumidores: trabalhando juntos, os membros
da audiência podem processar mais informação do que se imaginava.
Para
alcançar
seus
objetivos
estes
contadores
de
estórias
estão
desenvolvendo um modelo mais colaborativo de autoria, co-criando
conteúdo com artistas de diferentes visões e experiências em um
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
momento em que muitos poucos artistas se sentem confortáveis em
mais de uma mídia (JENKINS, 2008).
Outro ponto de confluência entre a cultura de convergência e a Folkcomunicação é o
reconhecimento da diversidade cultural. Na medida em que a participação de usuários
situados nos mais diversos pontos do globo criam imensos repositórios de produção
cultural, potencialmente a cultura não hegemônica, proveniente dos grupos de base,
teria maior visibilidade, não mais “emudecidas pela voz amplificada dos meios de
massa ou afastadas pelas várias estruturas de exclusão que moldam nossa experiência
cultural cotidiana” (NAVARRO, 2010, p. 20).
Jenkins vai mais além e sugere que os mecanismos de co-criação que têm como matéria
prima as narrativas transmídia, estão conformando uma nova forma de cultura popular,
caracterizada pela ampla participação, pela criatividade das expressão “de raiz”, baseada
em uma economia de troca desinteressada. Nela, prima a dissolução dos papéis de
produtor e consumidor, ainda que diferentes níveis de status e de influência dentro dessa
“cultura participatória” possam ser percebidos.
Entretanto, Jenkins imediatamente contrapõe o pensamento do antropólogo Grant
McCracken, para o qual a cultura popular entendida em seu sentido mais tradicional,
com seus símbolos e seus heróis não é apropriada de forma ampla e irrestrita, mas
reflete estruturas de classe e hierarquias que determinam quem poderia realizar estas
interpretações da realidade. Ou para utilizar um conceito atual da Folkcomunicação,
depende dos ativistas midiáticos. Neste ponto, o dilema não foi solucionado: será que na
nova cultura convergente digital eles ainda serão necessários?
De qualquer forma, se considerarmos os mecanismos alternativos de comunicação
proporcionados
pela
cultura
popular,
como
compreendido
na
perspectiva
folkcomunicacional, não nos é distante imaginar a aplicação das narrativas transmídia a
este contexto. O potencial multimidiático-convergente do cordel, do repente, das festas
populares, do ex-voto, dos grafitos, do artesanato, da tatuagem, dos santinhos, da
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
xilogravura, somente para citar alguns objetos da Folkcomunicação, parece-nos feito
sob medida para uma narrativa transmidiática.
A catalogação dos excluídos: folksonomia
Mais do que um termo, uma prática social, ancorada em uma tecnologia. E ainda mais,
surgida em um contexto internacional que desconhece a teoria da Folkcomunicação.
Portanto, mais além do radical “folk”, podemos estabelecer alguma relação entre
folksonomia
5
e Folkcomunicional?
Antes de mais nada, convém entender do que se trata a folksonomia. Nas palavras de
seu “criador”, ela seria
o resultado da atribuição livre e pessoal de etiquetas a informações ou
objetos (qualquer coisa com URL), visando à sua recuperação. A
atribuição de etiquetas é feita num ambiente social (compartilhado e
aberto a outros). A etiquetagem é feita pelo próprio consumidor da
informação (WAL, 2005).
Nesta definição, a expressão “livre e pessoal” será a de maior importância para nossa
análise; neste momento cabe recordar que a ideia de criação de um hipertexto
colaborativo remete ao próprio conceito de hipertexto, como pode ser observado nos
projetos de Vannevar Bush (1945) e Ted Nelson (1960). Estes pioneiros, ainda que
utópicos, “trouxeram como característica a coletividade para sua construção. congregar
os documentos de forma a criar uma biblioteca universal, ambos como uma espécie de
memória coletiva” (AQUINO, 2007, p. 5). Na atualidade, estes projetos pioneiros para
sua época vão se concretizando através da chamada Web 2.0 e sua característica de
colaboração.
A novidade da folksonomia é melhor entendida em função da compreensão de como os
sistemas de representação, organização e recuperação da informação se organizaram ao
longo
do
tempo:
mediante
vocabulários
(taxonomias)
controlados
que
não
necessariamente representam a forma como o usuário pensa e se comunica. A
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
complexidade
inerente
destes
sistemas
implica
a
atuação
de
um
profissional
especializado, um documentalista. Por outro lado,
Poderíamos dizer que a folksonomia é uma espécie de vocabulário
descontrolado. Isso não quer dizer que o esquema seja uma desordem
total, o que poderemos perceber ao longo desse texto. Na verdade,
trata-se
de
um
mecanismo
de
representação,
organização
e
recuperação
de
informações
que
não
é
feito
por
especialistas
anônimos, o que muitas vezes pode limitar a busca por não trazer
determinadas palavras-chave, mas sim um modo onde os próprios
indivíduos
que
buscam
informação
na
rede
ficam
livres
para
representá-la, organizá-la e recuperá-la, realizando estas ações com
base no senso comum e tendo assim um novo leque de opções ao
efetuar uma pesquisa para encontrar algum dado (AQUINO, 2007, p.
10)
Da rede de associações nasce um significado, criado coletivamente pelo próprio usuário
da informação, de forma independente do contexto de criação-emissão. Esta natureza
caótica da folksonomia, terá repercussão sobre o que será considerado importante ou
não, nos meios de comunicação digital. Surge então uma nova forma de “
gatekeeping
”,
baseada na popularidade atribuída pelos consumidores da informação, como bem
ressalta um dos profetas do ciberespaço:
Assim,
o
Flickr
[rede
social
dedicada
ao
compartilhamento
de
fotografias e imagens] divide o mundo em categorias “populares”, que
realmente interessam ao público on-line. Na “Flickrland” , o mundo é
composto de arquitetura, praias, telefones-câmeras, cachorros, Europa,
amigos, lua-de-mel e assim por diante. Ninguém inventou esse
esquema, e o melhor é que é um processo constante e democrático. É
um produto da interação de grupo, como pegadas deixadas numa área
virgem por uma manada de bisões. A “folksonomy” é quase inútil
para procurar informação específica e acurada, mas isso não interessa.
Ela oferece um comportamento de rebanho muito barato e assistido
por máquinas; senso comum ao quadrado; uma corrida às nascentes da
semântica. É como se você jogasse um caiaque em um rio agitado e
deslizasse não apenas pelas páginas da web mas também por rótulos,
conceitos e ideias (STERLING, 2005)
Também é importante notar que o atual conceito de etiquetagem e de “
bookmarking
social já encontrava na Ciência da Informação e na Biblioteconomia sua origem, na
forma da “indexação coletiva ou democrática”, uma abordagem da documentação
baseada na atuação dos usuários e na utilização de seus próprios termos, na medida em
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
que cada indivíduo terá uma interpretação própria e subjetiva de um recurso de
informação (HIDDERLEY & RAFFERTY, 1997 apud BRANDT, 2009).
Para Romão e Moreira (2008, p. 15), a folksonomia é capaz de criar um discurso
ideológico, fazendo “circular outros modos de dizer, organizar, indexar e significar as
'coisas a saber', promovendo a heterogeneidade como grande moeda de troca na rede
eletrônica”, levando à formação de “sentidos plurais e ordenados ao sabor do quanto a
memória discursiva permite ao sujeito dizer de si e do outro”.
É portanto neste “cunho social”, na capacidade de geração de sentido através do
coletivo, na liberdade de expressão, na desintermediação do especialista e na formação
de comunidades ao redor de interesses comuns que identificamos o potencial da
folksonomia enquanto objeto de estudo folkcomunicacional.
Considerações
Através deste estudo exploratório, investigamos como dois conceitos da literatura
científica a respeito da mídia e da convergência digital: o advento das narrativas
transmídia, por um lado, e da folksonomia por outro. Ambos processos possuem uma
base tecnológica porém veem nos protocolos de ação cultural e na apropriação do
processo
de
produção-recepção
por
parte
dos
usuário
de
Internet
seu
caráter
dinamizador da comunicação.
Entretanto, antes de assumir de forma inconsequente uma postura tecno-utópica a
respeito
do
potencial
transformador
que
as
mídias
digitais
trazem
consigo,
é
fundamental ter em consideração as possibilidades reais de que isto aconteça, neste
momento histórico. Assim, que os grupos folkcomunicacionais se apropriem desta
linguagem e da tecnologia que a sustenta, entretanto, passará por questões mais
complexas, como a inclusão digital-social-informacional
6
.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Neste ponto, muito mais que os aspectos tecnológicos, econômicos e infra-estruturais,
devemos centrar o foco da inclusão no elemento humano, no contexto social da questão,
reconhecendo-o como elemento central do funcionamento do sistema sócio-técnico
caracterizado pelo ciberespaço. Para tanto, a capacitação e geração de conteúdo, os
mecanismos e infra-estruturas sociais de sua utilização e o entendimento pleno do quê
significa a tecnologia, para quê se quer utilizar e quem se beneficiará del, poderão, a
nosso ver, serem estudados a partir da folksonomia e das narrativas folktransmidiáticas
apresentados aqui.
Como contraponto, diante da intuição de que, por definição considerados “excluídos” e
“marginalizados”, estes coletivos estejam isolados do “terceiro entorno”, estejam do
lado de lá da “fossa digital”, caberia também indagar qual a presença efetiva das
manifestações “folk” no âmbito digital. Assim,
Esse território mostrou-se fértil, principalmente para a germinação e o
cultivo de relatos sobre as atividades desenvolvidas pelos agentes
folkcomunicacionais, ampliando consideravelmente seu raio de ação.
Além de garantir a sobrevivência de vários gêneros ou formatos de
expressão popular, a web permite multiplicar os seus interlocutores,
bem como ensejar o intercâmbio entre grupos e pessoas que possuem
identidades comuns, mesmo distanciados pela geografia (MARQUES
DE MELO, 2005)
Os dados elaborados por este pesquisador, a partir de buscas por palavras-chave no
Google, mostrou uma ampla presença de termos relacionados com a Folkcomunicação e
com suas expressões na Internet. E se estes conteúdos estão presentes, que uso farão
eles da lógica de atuação em rede social e da convergência midiática?
Propomos agora investigar, de forma empírica, qual o uso que tanto das narrativas
transmídia, como da folksonomia, para a constituição de uma ação coletiva, baseada na
cultura de participação e na formação de uma inteligência coletiva, que amparem os
fluxos comunicacionais dos grupos folkcomunicacionais no ciberespaço. Esperamos
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
que este trabalho ilumine as primeiras vias de análise para que este objetivo seja
alcançado pelos pesquisadores da Folkcomunicação.
Referências
Aquino, Maria Clara. Hipertexto 2.0, folksonomia e memória coletiva: um estudo das
tags na organização da web. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-
Graduação em Comunicação – E-Compós, Brasília, v. 9, ago. 2007. Disponível em:
jun. 2011.
Brandt, Mariana Baptista. Etiquetagem e Folksonomia: uma análise sob a óptica dos
processos de organização e recuperação da informação na Web. (Disseratação de
mestrado). Universidade de Brasília, 2009.
Briggs, Asa; Burke, Peter. Uma história social da mídia: de Gutenberg à Internet. São
Paulo:Jorge Zahar, 2004.
Castro, Cosette Espindola de. A convergência digital e os atores sociais – um panorama
das iniciativas brasileiras. In: Anais V ELEPICC-Encontro Latino-Americano de
Economia Política a Informação. Salvador, Universidade Federal da Bahia, 2005.
Echeverría, Javier. Los señores del aire: Telépolis y el Tercer Entorno
.
Barcelona:
Destino, 1999.
Fazio, Maria.Eugenia; GOLDSTEIN, Roxana. Algunas ideas acerca de la medición del
impacto social de las TIC’s
.
Buenos Aires: Centro Redes, 2003. Disponível em:
2011.
Gitelman, Lisa. Media as historical subjects, aways already new: media, history and the
data of culture, Cambridge (MA): MIT Press, 2006.
Gualtieri, Lisa. An interview with Dr. Henry Jenkins. Elearn Magazine, 19 jan. 2011.
1>. Acesso em 13 abr. 2011.
Hidderley, R.; Rafferty, P. Democratic indexing: an approach to the retrieval of fiction.
Information Services & Use, v. 17, 1997, p. 101-109.
Jenkins, Henry. Convergence culture: where old an new media collide. Nova York:
New York University Press, 2006.
Lévy, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo:
Loyola, 1999.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Marques
de
Melo,
José.
Folkcomunicação
na
era
digital:
a
comunicação
dos
marginalizados invade a aldeia global. In: V Bienal Iberoamericana de Comunicación.
Instituto
Tecnológico
de
Monterrey,
19-22
set.
2005.
Disponível
em:
>.
Acesso
em 12 maio 2011.
Marques
de
Melo,
José.
.
Mutações
em
Folkcomunicação:
revisitando
o
legado
beltraniano.
Razón
y
Palabra,
Monterrey,
2008.
Disponível
em:
2011.
Navarro,
Vinicius.
Sites
of
convergence:
an
interview
with
Herny
Jenkins.
Contracampos
,
n.
21,
p.
2-26,
2010.
Disponível
em:
Acesso em 12 mar. 2011.
Pool, Ithiel de Sola. Technologies of freedom: on free speech in an electronic age.
Cambridge (MA): Harvard University Press, 1983.
Santaella, Lucia. Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do pós-humano.
Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 22, p. 22-33, dez. 2003. Disponível em:
493>. Acesso em 12 maio 2011.
Sterling. Bruce. Folksonomia. Observatório da Imprensa, n. 326, 26 abr. 2005. Entre
sterling>. Acesso em 1 de maio 2011.
Romão, Lucília Maria Sousa; MOREIRA,Vivian Lemes. É Del.icio.us estar na rede:
ideologia e discurso do sujeito navegador. Web 2.0 como um lugar discursivo em cuja
teia novas condições de produção dos dizeres são inscritas. Revista da Associação
Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação – E-Compós, Brasília, v.
1.
n.
3,
set.-dez.
2008.
Disponível
em:
jun. 2011.
Wal, Thomas Vander. Explaining and showing broad and narrow folksonomies. 2005.
em: 22 abr. 2011.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
1
Trabalho apresentado no CONFIBERCOM 2011 – 1o Congresso Mundial de Comunicação Ibero-
Americana, promovido pela Confederación Iberoamericana de Asociaciones Científicas y Académicas de
la Comunicació, realizado em São Paulo, Brasil, nos dias 3 a 6 de agosto de 2011.
2
Doutor em Teoria e História da Educação pela Universidad de Salamanca (Espanha), Mestre em
Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo. Professor Adjunto do Departamento de
Fundamentos Sócio-Filosóficos da Educação, do Centro de Educação da Universidade Federal de
Pernambuco.Professor-pesquisador da Universidade Aberta do Brasil – UAB. Pesquisador da Rede de
Estudos e Pesquisa em Folkcomunicação – Rede Folkcom. Email: marcelo.sabbatini@gmail.com.
3
O termo “novas”, que a partir dos anos 1990 caracterizou boa parte da produção acadêmica nos campos
da comunicação, da educação, das ciências sociais e áreas afins tem sido progressivamente abandonado.
Não somente a novidade passou; o mais breve exame histórico nos mostra que as redes telemáticas estão
presentes entre nós há pelo menos cinquenta anos.
4
Jenkins (2008) resgata Ithiel de Sola Pool como o “profeta da convergência”, precoce em sua
identificação da relação biunívoca que existia entre um meio de seu meio e seu uso foi erodida pela
convergência, entendida como uma “força constante de unificação, mas sempre em tensão dinâmica com
a mudança.
5
Neologismo, contração de “folk” e “taxonoomia”, significando,
grosso modo
, “taxonomiia do povo”.
6
A questão do acesso, ou da “brecha de participação” é reconhecida por Jenkins como um impedimento
para a realização plena da “cultura participatória” e da inteligência coletiva que seriam características da
convergência digital. Contudo, similar a muitos argumentos sobre a inclusão digital, será preciso
reconhecer a dicotomia tecnologia versus conteúdo, prevalecendo o último para que qualquer tipo de
mudança seja possível: “enquanto o foco permanecer no acesso, a reforma permanecerá focada na
tecnologia; assim que começarmos a falar de participação, a ênfase mudará para os protocolos e práticas
culturais” (JENKINS, 2008, p. 23).
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
logo_pie_uaemex.mx