Artículo en PDF
Como citar este artigo
Número completo
Mais artigos
Home da revista no Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
IDENTIDADE E CONSUMO: ESPIANDO O ORKUT
Maria Érica de Oliveira Lima
1
Edwin dos Santos Carvalho
2
Resumo
O ensaio apresenta reflexão acerca da identidade humana enquanto formação e analisa o
indivíduo na perspectiva das redes sociais, em especial no site Orkut, atrelando,
portanto, a ideia de consumo como característica de visibilidade e legitimidade.
Explanamos as redes sociais, o fenômeno do Orkut no Brasil e buscamos mediante a
teoria Folkcomunicação, determinar a apropriação dos elementos simbólicos midiáticos
que são produzidos na cultura e tornam-se facilmente produtos de consumo. Por meio
do método folkcomunicacional, observacional e dedutivo, tendo como técnicas de
pesquisas a bibliográfica e a estatística, estabelecemos a hipótese de que as redes
sociais, em especial o Orkut, também se configuram como uma vitrine numa relação
com o consumo de si próprio. Por fim, concluímos que devido à visibilidade, a super
exposição, numa sociedade cada vez mais veloz, consumista e ávida por novidades, a
ideologia e a lógica mercantil contribuem para a formação da identidade humana.
Palavras-chave
Indentidade, Consumo, Orkut, Folkcomunicação.
Resumen
El artículo presenta reflexiones sobre la identidad humana desde la perspectiva de las
redes sociales, especialmente Orkut. Vinculará el consumo con la visibilidad y la
legitimidad. Vamos explicar el fenómeno de Orkut en Brasil por intermedio de la teoría
Folkcomunicação. Determinamos que los elementos simbólicos que se producen en los
medios se convierten en bienes fácilmente consumibles. Se establece la hipótesis de que
las redes sociales, especialmente el Orkut, también se configuran como un puente
para
la reflexión de la relación de consumo en la propia Internet. Llegamos a la conclusión
de que la exposición excesiva debido a la visibilidad y al consumo contribuyen a la
formación de la identidad humana en la contemporaneidad.
Palabras clave
Identidad, Consumo, Orkut, Folkcomunicação
Abstract
This paper deals with human identity and analyzes the individualities by social
networking
perspective,
namely
the
Orkut.
We
are
going
to
link
the
idea
of
consumption and its immanent characteristic of visibility and legitimacy. We try to
explain the phenomenon of Orkut in Brazil through out folk communication theory, in
order to determine their
appropriation of symbolic elements that are produced in media
culture and turned into goods. Therefore, we established the hypothesis that social
networks, namely Orkut, becomes human beings as a product itself. Finally, we
conclude
that
visibility,
overexposure,
consumerist,
and
the
mercantile
ideology
contribute to the formation of contemporary human identity.
Keywords
Identity, Consumption, Orkut, Folkcomunicação
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Introdução
Quem somos, de onde viemos e para onde vamos? Estas três questões povoam não
apenas o imaginário popular como intrigam a comunidade acadêmica até os dias atuais.
A questão da identidade humana e dos rumos que a humanidade irá tomar ultrapassa os
limites das crenças religiosas e das ciências biológicas e ganha novas conotações
quando analisada sob o ponto de vista das Ciências Sociais e da Comunicação. Sem
deixar de mencionar que existe uma imensa gama de possibilidades de pesquisa a
respeito da questão da identidade humana, o que nos interessa é abordar essa identidade
a partir da análise de grupos sociais e da maneira como esses grupos se comunicam e
criam formas próprias de pensar e agir. Este trabalho pretende abordar o tema da
identidade humana e sua relação com o consumo, tendo como objeto de estudo o site de
relacionamento Orkut.
Para esta análise, o homem será caracterizado não como indivíduo isolado, mas como
parte de um contexto social específico e previamente determinado. Esse contexto é o da
sociedade de consumidores, de grupos sociais que necessitam consumir para serem
aceitos
como
parte
desses
grupos.
De
indivíduos
que
formam
massas,
que
se
identificam e diferenciam umas das outras pelos seus hábitos de consumo. Mas para
isso é preciso fazer uma digressão, de modo que possamos compreender como as
civilizações se estruturaram enquanto massa.
CANETTI (1995) apresenta uma arqueologia dos conceitos de massa e multidão. Ele
explica que o conceito de massa advém com a noção de “malta”, que era a divisão do
homem primitivo em grupos sociais restritos, de dez ou vinte membros. Naquela época,
o que dava identidade ao grupo era exatamente sua limitação em comunidades fechadas.
Diferente da malta, a massa passou a ser caracterizada como tal a partir do momento em
que os grupos sociais passaram a incorporar a tendência de crescer indefinidamente.
Um dos precursores nos estudos sobre massa foi LE BON (2008), que introduziu o
conceito de massa psicológica para designar grupos que passaram a estruturar a cultura
a partir de sua produção simbólica (imagens). Outro autor que se preocupou com o
comportamento das massas foi TARDE (1992). Segundo ele, as massas são movidas
por contágios sociais, espécies de motivações inconscientes que fazem com que
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
indivíduos imitem valores, condutas e conteúdos uns dos outros, o que ele chama de
correntes de imitação.
O que podemos absorver destes autores é que o conceito de massa ultrapassa a idéia de
volume, extensão e concentração de pessoas. Massa, mais que tudo isso, é encarada
como comportamento, uma forma de reagir a certos acontecimentos. O mesmo pode ser
aplicado ao conceito de público que, assim como a massa, pode concentrar grande ou
pequeno número de pessoas.
Ao discorrer sobre a evolução do comportamento das massas ao longo do século XX,
SLOTERDIIJK (2002) apresenta dois momentos importantes. O primeiro, na primeira
metade do século passado, fundamenta-se no culto ao líder. Durante este período, “o
tornar-se sujeito por meio do outro que se sobressai se apresenta, nessa visão, como um
interstício para a real autocompreensão” (p.25). Um período de adoração aos heróis, de
confiança cega e absoluta nesses líderes, que fez emergir personagens que mudaram os
rumos da História, como o nazista Hitler. A outra evolução mencionada pelo autor é a
do culto ao estrelismo pelas massas do entretenimento, na segunda metade do século.
“Nele o narcisismo vulgar tornou-se próprio para os palcos. O sonho do grande sucesso
sem mérito tornou-se verdadeiro nele e, através dele, para inúmeras pessoas” (p.31).
O orkut e as redes sociais na internet
Se massa dá idéia de uniformidade e independe do número de pessoas envolvidas, a
internet, que permite o acesso de pessoas com interesses e características tão diversos
(desuniformes), pode ser considerada um fenômeno de massa? Certamente. Isso porque,
embora a internet possibilite que pessoas com interesses muitas vezes divergentes
tenham acesso às mesmas informações, o que se percebe é que as pessoas a utilizam de
forma limitada e costumam formar grupos sociais na rede pautadas, principalmente, em
interesses comuns. Assim é possível afirmar que a internet, com o discurso de
aproximar públicos distintos, algumas vezes acaba contribuindo para manter esses
públicos ainda mais distantes, uma vez que as pessoas costumam repetir na rede as
mesmas características dos relacionamentos humanos vividos fora dela, seja por
afinidades ou por correntes de imitação.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
As novas tecnologias digitais da informação introduziram elementos como o “tempo
real” e o “espaço virtual” no processo de comunicação. Elementos que ajudaram a
conceber “um novo tipo de formalização da vida social, que implica outra dimensão da
realidade, portanto formas novas de perceber, pensar e contabilizar o real” (SODRÉ,
2008, p.16). Com a internet foi possível o rompimento das barreiras geográficas e a
criação das redes sociais digitais, ou seja, de agrupamentos de pessoas com interesses
mútuos de diferentes lugares do planeta.
Redes sociais são bons exemplos para ilustrar o quanto a internet segrega mais que une.
Cada rede responde diretamente pelo compartilhamento de idéias entre pessoas que
possuem interesses convergentes. Na vida cotidiana, constituem redes sociais as igrejas,
os clubes de futebol, as associações comunitárias e uma série de outras formas de união
de indivíduos que possuem identidades semelhantes. No caso da internet, as redes
sociais são sites de relacionamento que reúnem grupos que compartilham de interesses
comuns, assim como acontece fora da rede. Praticamente não há espaço para o
contraditório, para as pessoas que pensam diferentes, afinal para ser massa é preciso ser
uniforme, sob pena de ser excluído do grupo.
BAUMAN (2008) destaca que “os sites de rede social se espalham à velocidade de uma
infecção virulenta ao extremo” (p.8). Ele acrescenta que “a vida social eletronicamente
mediada não é mais uma opção, mas uma necessidade do tipo pegar ou largar” (p.9). O
autor classifica este fenômeno como “morte social”, na medida em que o termo “rede”
vem substituindo o termo sociedade no que ele chama de “mundo líquido-moderno dos
consumidores”.
Uma dessas redes sociais de representação dos relacionamentos humanos é o Orkut,
filiada ao
Google
, que é uma das maiores empresas de serviços
on-line
do mundo, com
sede nos Estados Unidos. Criado em 24 de janeiro de 2004, o orkut se tornou a rede
social de maior audiência no Brasil, totalizando mais de 30 milhões de usuários
brasileiros cadastrados. Só para efeito comparativo, o número de usuários do orkut em
território nacional é 76 vezes superior à tiragem do jornal impresso de maior circulação
do país, a Folha de S. Paulo, que é de pouco mais de trezentos mil exemplares,
conforme dados do Instituto de Verificação de Circulação (IVC).
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Assim como o Orkut existem diversas outras redes sociais na internet como o
My Space
,
Facebook
,
Badoo
,
Net Log
e
Sonico
, mas nenhuma exerce tamanho fascínio no Brasil
como a rede criada pelo engenheiro turco radicado nos Estados Unidos, Orkut
Buyukkokten
A audiência do Orkut no Brasil é tamanha que o número de acessos ao
site no país constitui a maior audiência doméstica conseguida por uma rede social da
internet em todo o globo terrestre. Segundo VIÁ (1983, p.51), “numa sociedade
massiva, o papel persuasivo não está no indivíduo, mas nos meios de comunicação que
dão hoje em dia noções de
status
e grupos de referência ao indivíduo”.
Em pouco mais de cinco anos de existência, o Orkut se transformou em um fenômeno
midiático de adesão. Em agosto de 2007, mais de 68 milhões de pessoas já estavam
conectadas ao site em todo o mundo, sendo quase 50% deste total formado por
brasileiros. Em março de 2008, as comunidades, espaços virtuais criados dentro do
universo do Orkut para debater sobre temas diversos que vão desde a vida das
celebridades às pesquisas científicas, já somavam 47.092.584 de páginas criadas.
Certamente, o Orkut é uma das maiores mídias utilizadas no Brasil atualmente. Na
verdade um conjunto de mídias reunidas em um único espaço virtual, através do qual é
possível ouvir música, interagir com outros usuários, baixar vídeos, abrir fóruns de
discussões sobre assuntos diversos e construir (ou desconstruir) imagens públicas.
Afinal, “a mídia depende do senso comum. Ela o reproduz, recorre a ele, mas também o
explora e distorce” (SILVERSTONE, 2002).
Todavia, o que nos interessa sobre o
Orkut é a relação que ele tem com as práticas de consumo, de que modo essas práticas
se manifestam.
Consumo, Orkut e Folkcomunicação
Uma das alternativas para estudar o Orkut é analisá-lo à luz da Folkcomunicação. O
termo,
criado
por
BELTRÃO
(1967),
ganhou
uma
série
de
novas
conotações,
acompanhando a evolução das neotecnologias da informação no Brasil e no mundo.
Muito mais que a comunicação por meio do folclore ou a comunicação dos grupos
marginalizados, a idéia de Folkcomunicação evoluiu para a de uma área da pesquisa em
comunicação preocupada com a apropriação, por parte da mídia, das manifestações da
cultura popular, bem como com a apropriação dos elementos simbólicos da mídia por
quem produz essa cultura.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
A Folkcomunicação deve ser compreendida como algo além de um “processo de
tradução de conteúdos midiáticos pelos meios populares de informação de fatos e
idéias” (BELTRÃO, 1967). HOHLFELDT (2002) amplia esta visão e conceitua
Folkcomunicação como “o estudo dos procedimentos comunicacionais pelos quais as
manifestações da cultura popular ou do folclore se expandem, se socializam, convivem
com outras cadeias comunicacionais,”. Uma área do conhecimento cuja importância
justifica-se “pela sua natureza de instância mediadora entre a cultura de massa e a
cultura popular, protagonizando fluxos bidirecionais e sedimentando processos de
hibridização simbólica” (MELO, 1980).
O Orkut,
embora
não
seja
um
veículo
de
comunicação
oriundo
dos
grupos
marginalizados, tem sido utilizado por esses grupos como meio de comunicação. Os
conceitos mencionados permitem enquadrar o Orkut como um meio
folk
, ou seja, um
veículo de comunicação em que é possível a manifestação de idéias, valores e
informações produzidas por grupos culturalmente marginalizados, como é o caso das
comunidades
sobre
candomblé,
travestis,
cordelistas
e
centenas
de
outros
tipos
folkcomunicacionais expostos na internet.
Como tipos folkcomunicacionais entendem-se aqueles que, normalmente, estão de fora
da mídia convencional ou possuem pouco espaço de representação nessa mídia. O
curioso é que mesmo esses tipos costumam-se expor no site como mercadoria, expondo
perfis que mais se assemelham às vitrines de lojas do que propriamente às suas
características reais. Muitas vezes, a própria cultura popular é discutida enquanto
mercadoria e não enquanto elemento constitutivo de uma sociedade.
O Orkut permite
não apenas que os grupos marginalizados se expressem, como que pessoas que não
fazem parte desses grupos falem em nome deles e discutam sobre suas condições sócio-
culturais expondo a cultura como mercadoria em prateleira, pronta para o consumo.
O consumo de si próprio
Antes de entrarmos na questão do consumo de bens simbólicos, no caso, da imagem de
si próprio, é preciso que façamos um breve histórico da evolução das práticas
capitalistas de consumo nas sociedades até chegarmos aos padrões atuais. Entende-se
como consumo, a fase do processo produtivo que vem depois das etapas de fabricação,
armazenagem, embalagem, distribuição e comercialização de mercadorias. O termo
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
“sociedade de consumo” surgiu nos anos 20 e tornou-se popular entre os anos 50 e 60
do século passado. LIPOVESTSKI (2007, p. 23) aponta que “a idéia de sociedade de
consumo soa agora
como uma evidência, aparece como uma das
figuras mais
emblemáticas
da
ordem
econômica
e
da
vida
cotidiana
das
sociedades
contemporâneas”.
O primeiro ciclo da era do consumo de massa teve início na segunda metade do século
XIX e terminou com a Segunda Guerra Mundial. Foi neste período que o homem
conseguiu elevar a produtividade, o que permitiu a comercialização de bens materiais
em larga escala, impulsionada pela proliferação dos grandes magazines. A fase seguinte
ficou conhecida como economia fordista, marcada pelo expressivo crescimento das
vendas de bens duráveis como televisões, automóveis e eletrodomésticos, ao mesmo
tempo em que as economias européias e norte-americanas avançavam sobre o mundo. A
terceira fase é a do hiper-consumo, do consumo exagerado não somente de mercadorias,
mas também de bens simbólicos.
A época da abundância é inseparável de um alargamento indefinido da
esfera das satisfações desejadas e de uma incapacidade de eliminar os
apetites de consumo, sendo toda saturação de uma necessidade
acompanhada imediatamente por novas procuras. (LIPOVESTSKI,
2007, p. 38)
Atualmente, vivemos a época do consumo intimizado, em função de critérios e gostos
individuais. O indivíduo não quer mais se destacar por ter o automóvel do seu vizinho,
mas por ter um automóvel que o diferencie dos demais. “O consumo para si suplantou o
consumo para o outro, em sintonia com o irresistível movimento de individualização
das expectativas, dos gostos e dos comportamentos” (p. 42). Vivemos uma fase em que
“não se vende mais um produto, mas uma visão, um “conceito”, um estilo de vida
associado à marca”.
Diante do que já foi exposto, o que dizer do Orkut? O site até bem pouco tempo não
propunha comercializar qualquer tipo de produto (a partir deste ano, o Google passou a
disponibilizar um espaço do Orkut para divulgação de propaganda de mercadorias), mas
permitir a socialização de pessoas. Qual seria, então, o produto vendido no orkut? As
próprias pessoas.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
A internet nos faz retomar uma afirmação de CANETTI (p.13) de que todas as
distâncias que os homens criaram em torno de si foram ditadas pelo temor do contato.
As pessoas querem se exibir na rede e se sentem seguras para isso, uma vez que a
impessoalidade do computador impede o contato com o mundo externo enquanto
estamos conectados.
Para entrar no Orkut não existe qualquer restrição para quem tem pelo menos um
endereço de e-mail. Qualquer um que disponha de uma conta de e-mail pode criar uma
página no site. Lá é possível criar um perfil, em que são fornecidas informações de
ordens pessoal (como nome, data e local de nascimento), profissional (escolaridade e
profissão, por exemplo) e afetivas (interesses, par ideal, orientação sexual, entre outras).
Cada perfil criado dá direito a uma página de fotos e ao ingresso do membro em
comunidades criadas por outros usuários. Se preferir, o novo usuário também pode criar
comunidades próprias.
Qualquer usuário do Orkut pode se associar a qualquer comunidade, desde que seja
aceito pelo dono - as comunidades são criadas por pessoas que se tornam donas e
decidem quem pode ou não se associar. Há comunidades de acesso livre e outras em que
a entrada de um novo membro está condicionada à aceitação do dono ou de um
moderador. Ao ser aceito, o novo membro pode abrir ou participar de fóruns de
discussão e enquetes (pesquisas de opinião), além de criar tópicos para eventos.
Normalmente,
cada
comunidade
possui
regras
pré-definidas
pelo
dono
e
quem
descumpri-las pode ser expulso sem qualquer justificativa ou aviso prévio.
Ao avaliar o impacto das novas tecnologias da informação na sociedade, BAUMAN
(2008) aponta que a “a vida social já se transformou em vida eletrônica ou cibervida”
(p.9). Ele atribui o sucesso de sites como o orkut à enorme necessidade de exposição da
imagem criada pela mídia, uma vez que “na era da informação, a invisibilidade é
equivalente à morte” (p.21). É como se fazer parte de comunidades virtuais garantisse
aos seus membros o fim do isolamento, a confiança e a aceitação do grupo, mesmo que
esse grupo seja formado por pessoas desconhecidas.
GOFFMAN (2004) indica que as pessoas tendem a se apresentar sob uma luz favorável
nas situações em que se envolvem, buscando manter um relativo controle de sua
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
expressividade. No Orkut, as pessoas se exibem enquanto mercadorias. Estão ali para
terem suas imagens admiradas, aceitas, consumidas pelo grupo. No site, cada um é livre
para apresentar-se da maneira que desejar, mesmo que o perfil descrito não corresponda
necessariamente à realidade. Afinal, os usuários são avaliados não pelo que são, mas
pelo que aparentam ser, pelo que os outros dizem a seu respeito por meio de recados e
depoimentos expostos nas páginas do site.
Sua identidade passa a ser definida não só a partir do que ele diz de si,
mas a partir dos amigos que tem, e da forma como se relaciona com
eles (.
..) É o relato do outro que legitima, deslegitima, ou acrescenta
qualidades ao perfil do sujeito. (MOCELLIM, 2008, p.6)
Vivemos a era da sociedade confessional, capaz de eliminar a fronteira entre o público e
o privado, transformando o ato de expor publicamente o privado numa virtude e num
dever públicos, “e por afastar da comunicação pública qualquer coisa que resista a ser
reduzida a confidências privadas, assim como aqueles que se recusam a confidenciá-las”
(BAUMAN, p. 10). Na internet, as pessoas “fazem o máximo possível para aumentar o
valor de mercado dos produtos que estão vendendo. E os produtos que estão sendo
encorajadas a colocar no mercado são elas mesmas” (p.12).
Bauman conclui que “o
teste em que precisam para obter os prêmios sociais que ambicionam exigem que
remodelem a si mesmos como mercadorias, ou seja, como produtos que são capazes de
obter atenção”(p.12).
É o que DEBORD (1967) classificou como sociedade do espetáculo, entendido por ele
como “o momento em que a mercadoria ocupou totalmente a vida social” (p.30), o que
ocorreu a partir do instante em que “o consumidor real torna-se consumidor de ilusões,
onde a mercadoria é essa ilusão efetivamente real, e o espetáculo é sua manifestação
geral” (p.33).
As afirmações de Guy Debord diziam respeito à televisão, mas o seu conceito pode ser
aplicado à internet e à sua enorme teia de relacionamentos virtuais. No Orkut, as
pessoas
se
comportam
como
mercadorias
em
vitrines,
exibindo
para
os
seus
“compradores” (usuários) as suas melhores virtudes, sejam elas os dotes físicos,
materiais ou intelectuais. No livro 1984, ORWEL (1978) descreve pela primeira vez a
figura do Grande Irmão, representação maior do estado totalitário, capaz de exercer um
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
completo controle social através de teletelas, instaladas em toda parte, dentro e fora dos
domicílios. Com a internet e seus sites de relacionamento, passamos a ocupar a função
do estado totalitário, participando não apenas como elemento observado (pelos outros
usuários que acessam o site) mas também como elemento observador.
Por toda parte exibem-se as alegrias do consumo (.
..) tudo se vende
com promessas de felicidade individual. Essa é a sociedade de
consumo, cuja alardeada ambição é liberar o princípio do gozo,
desprender o homem de todo um passado de carência, de inibição e de
ascetismo. (LIPOVETSKI, 2007, p.102)
Para BAUMAN, a característica mais proeminente da sociedade de consumidores (que
Debord
chama
de
sociedade
do
espetáculo
)
é
a
transformação
do
homem
em
mercadoria. “A tarefa dos consumidores, e o principal motivo que os estimula a se
engajar
numa
incessante
atividade
de
consumo,
é
sair
dessa
invisibilidade
e
imaterialidade cinza e monótona, destacando-se da massa de objetos indistinguíveis”
(p.21).
Considerações finais
Com
o
Orkut,
cada
um
pode
se
sentir desejado,
visto,
comentado,
consumido
ideologicamente. Haja vista que “numa sociedade de consumidores, tornar-se uma
mercadoria desejável e desejada é a matéria que são feitos os sonhos e contos de fadas”
(BAUMAN, p.22). No Orkut, assim como em outros sites de relacionamento na
internet:
Os tipos de mercadorias com as quais foram treinados a se sociabilizar
são para tocar, mas não têm mãos para tocar, são despidas para serem
examinadas, mas não devolvem o olhar nem requerem que este seja
devolvido, e assim se abstém de se expor ao escrutínio do examinador,
enquanto placidamente se expõem ao exame do cliente. Podemos
examiná-las por inteiro sem temer que nossos olhos – as janelas dos
segredos mais privados da alma – sejam eles próprios examinados.
(BAUMAN, 2008, p. 24)
É importante lembrar que as descrições contidas nos perfis do Orkut são povoadas de
discursos e que todo discurso é povoado por vozes que se sobrepõem por interdiscursos,
ou seja, por uma variedade de discursos que se legitimam e se contradizem. Afinal,
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
“cada signo ideológico é não apenas um reflexo, uma sombra da realidade, mas também
um fragmento material dessa realidade” (BAKHTIN, 1995, p.34).
É
a
lógica
consumista
que
legitima,
poder
aos
discursos
contidos
no
site.
THOMPSON (2008) afirma que poder é “a capacidade de agir para alcançar os próprios
objetivos ou interesses (.
..) de intervir no curso dos acontecimentos e em suas
consequências”.
No caso do Orkut, esse poder é o de transmitir a idéia de que as
pessoas ali expostas são mercadorias vendáveis e atrativas. Uma espécie de alter ego
que nos leva a consumir e a ser consumido por nossas próprias imagens, uma voz
inconsciente que diz:
consumam-nos, nós somos o que aparentamos ser
, mesmo que
não sejamos, necessariamente, o que aparentamos.
Referências
APPADURAI, Arjun.
Dimensões culturais da globalização
. Trad. Telma Costa. Lisboa:
Teorema, 2004.
BAUMAN,
Zygmunt.
Vida
para
consumo
.
A
transformação
das
pessoas
em
mercadorias, tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2008.
BAKHTIN, Mikhail.
Marxismo e filosofia da linguagem
. 7.ed. São Paulo: Hucitec,
1995.
CANETTI, Elias.
Massa e poder
. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
DEBORD, Guy.
A sociedade do espetáculo
. Rio de Janeiro: Contraponto, 1967.
LE BON, Gustave.
Psicologia das multidões
. Martins Fontes, São Paulo, 2008.
LIPOVETSKI, Gilles.
A felicidade paradoxal
. Ensaio sobre a sociedade de consumo.
São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
MOCELLIM, Alan. Internet e identidade: um estudo sobre o website orkut. In:
Biblioteca
on
line
de
Ciências
da
Computação.
Lisboa,
208.
Disponível
em:
Acesso em: 05/abr.2009.
ONLINE,
Info.
Redes
sociais
são
mais
usadas
que
e-mail
.
Disponível
em:
.
Acesso
em
03/mar.2009.
ONLINE,
Info.
Aos
5
anos,
orku
reina
absoluto
no
Brasil.
Disponível
em:
.
Acesso
em
03/mar.2009.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
ORKUT.
Dados
demográficos
.
Disponível
em:
www.orkut.com
.
Acesso
em
07/mar.2009.
SILVERSTONE, Roger.
Por que estudar a mídia?
São Paulo: Loyola, 2002.
SLOTERDIJK, Peter.
O desprezo das massas
. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
SODRÉ, Muniz.
Antropológica do espelho
.
Uma teoria da comunicação linear e em
rede. Petrópolis: Vozes, 2001.
TARDE, Gabriel.
A opinião e as massas
. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
THOMPSON, John B.
A mídia e a modernidade
. 10. ed. São Paulo: Vozes, 2008.
VIÁ, Sara Chucid.
Opinião Pública
: técnicas de formação e problemas de controle. São
Paulo: Loyola, 1983.
1
Professora Adjunta do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em
Estudos da Mídia (PPgEM) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Doutora em Comunicação
Social pela Universidade Metodista de São Paulo, com
sandwich
na Universidade Fernando Pessoa, no
Porto (2004-2005). Autora do livro:
Mídia regional: indústria, mercado e cultura.
Ed. UFRN, Natal,
2010, e organizadora do livro
Sociedade, teorias da mídia e audiovisual na América Latina.
São Paulo,
UNESP, 2010. Vice-presidente da Rede de Pesquisadores em Folkcomunicação. Pesquisadora do grupo
Pragmática da Comunicação e da Mídia da UFRN. Contato: mariaerica@cchla.ufrn.br
2
Mestre do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Mídia (PPgEM), da Universidade Federal do Rio
Grande do Norte. Especialização em Jornalismo Econômico (2006) e graduação em Comunicação Social
- Jornalismo (2004), ambas pela UFRN. Com experiência em jornalismo impresso, rádio e assessoria de
comunicação, atuou como repórter de Economia e Política no jornal
Diário de Natal
, redator da
FM
Universitária
, Subcoordenador de Imprensa da Assessoria de Comunicação do Governo do Estado do Rio
Grande do Norte e Assessor de Comunicação da Secretaria Especial de Energia e Assuntos Internacionais
do Rio Grande do Norte. Atualmente é chefe da assessoria de comunicação social da Companhia de
Águas
e
Esgotos
do
Rio
Grande
do
Norte
(Caern).
Contato:
edwin_carvalho@hotmail.com
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
logo_pie_uaemex.mx