Artículo en PDF
Como citar este artigo
Número completo
Mais artigos
Home da revista no Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
A
FOLKCOMUNICAÇÃO
E
A
INTERPRETAÇÃO
JORNALÍSTICA: A
CONTRIBUIÇÃO DE LUIZ BELTRÃO PARA A INCLUSÃO SOCIAL
Alfredo Eurico Vizeu Pereira Júnior
1
Heitor Costa Lima da Rocha
2
Gabriel Nogueira Linhares Marquim
3
RESUMO
A partir das reconhecidas características de pioneirismo e atualidade da obra de Luiz
Beltrão, o presente trabalho analisa a contribuição da Folkcomunicação e de sua teoria
do jornalismo não só para a inclusão social das massas urbanas e rurais marginalizadas,
mas também para a crise estrutural de sentido, cujas tendências anômicas, de forma
cada vez mais agressiva, dificultam o sentimento de pertencimento e a integração do
indivíduo no mundo contemporâneo. Desta maneira, a capacidade de resistência
identificada nos setores excluídos e a prescrição de uma interpretação jornalística
ampliada evidenciam a consonância da teoria de Luiz Beltrão com a concepção que hoje
se pode classificar de um jornalismo construtivista, atribuindo a este campo um papel
central e estratégico na mediação da discussão pública e, conseqüentemente, na
construção social da realidade.
PALAVRAS-CHAVE
Teorias do jornalismo; Comunicação; Epistemologia.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
1. Introdução
O caráter pioneiro e antecipatório da teoria de Luiz Beltrão vem sendo destacado com
pertinência por inúmeros autores, pela capacidade de sua obra de persistir como
referência na construção de conhecimentos reconhecidos consensualmente como válidos
pela comunidade acadêmica.
Neste sentido, a Folkcomunicação de Luiz Beltrão, para José Marques de Melo (2006,
p. 17), tem o mérito de expressar “a cognição da resistência cultural dos contingentes
excluídos da sociedade afluente”, acumulando um “estoque de saber (.
..) útil para
acelerar a integração da cultura popular com o sistema de comunicação em nosso país”.
Segundo Marques de Melo (2006, p. 18), a importância da Folkcomunicação continua
consistente e atualizada “justamente pela permanência, na sociedade de classes,
daquelas formas de sentir, pensar e agir dos segmentos economicamente pauperizados,
das comunidades situadas na marginalidade cultural ou dos grupos que padecem a
segregação política”.
O presidente da Associação Brasileira de Ciências da Comunicação (Intercom), Antônio
Hohlfeldt (2006, p. 65-66), por sua vez, chama a atenção para o fato de Luiz Beltrão
pensar a folkcomunicação não simplesmente como uma comunicação alternativa ou de
marginalizados, mas como uma comunicação de resistência, pois percebeu que a
marginalização midiática não condenava passivamente amplos setores populares. A
folkcomunicação deve ser pensada como um conceito ativo uma vez que estes
segmentos
populares,
não
se
sentindo
plenamente
atendidos
pelos
meios
de
comunicação convencionais, “sobretudo hoje em dia, valem-se deles apenas como uma
forma a mais de sua inspiração, criação, qualificação e ampliação de suas próprias
estratégias” (HOHLFELDT, 2006, p. 65-66).
Desta maneira, para Hohlfeldt (2006, p. 67), a folkcomunicação apresenta a auspiciosa
capacidade
de
auxiliar
na
compreensão
de
fenômenos
como
controle
social,
socialização ou reintegração social.
Nesta perspectiva, é possível reconhecer como, diante do elitismo da mídia, fez-se
necessário não só o desenvolvimento de um processo de tradução dos conteúdos
midiáticos pelos meios populares de informação de fatos e expressão de idéias, mas
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
também de um sistema que integrasse social e culturalmente as massas urbanas e rurais
marginalizadas. Assim, Beltrão denunciava que a mídia difunde mensagens que “não
logram a compreensão de vastos continentes populacionais” (MELO, 2006,
p. 21-22), o
que acarreta um problema de legitimação para seus produtos. Este constante desafio de
legitimação social vivenciado pela mídia agrava-se diante da necessidade da indústria
cultural de conquistar o mercado dos segmentos sociais cuja descapitalização cultural
impossibilita uma adequada decodificação dos conteúdos midiáticos. Daí a necessidade
da indústria cultural “retroalimentar-se continuamente na cultura popular” (MELO,
2006, p. 23).
Deve-se registrar também a importância do reconhecimento de Luiz Beltrão da
capacidade
potencial
de
resistência
ativa
dos
setores
excluídos
não só
para
o
desenvolvimento local (MACIEL, 2007), mas também para o problema global surgido
na modernidade que Peter Berger e Thomas Luckmann (2004) denominam de “crise
estrutural de sentido”. Segundo eles, têm papel relevante neste processo
os meios de comunicação de massa que exibem constantemente e com
insistência uma pluralidade de modos de pensar e viver: tanto por
material impresso que, com base na alfabetização massificada, foi
difundido entre a população inteira através da obrigatoriedade escolar,
quanto pelos meios eletrônicos mais modernos. Se não foi possível
limitar a interação, causada pela pluralização, por “muros” de um
outro tipo, o pluralismo se tornará plenamente atuante e, com isso,
também uma de suas conseqüências: a crise “estrutural” de sentido.
(BERGER; LUCKMANN, 2004, p. 40)
Neste contexto, instituições da comunicação de massa desempenham um papel-chave na
orientação moderna de sentido ou, melhor, na comunicação de sentido, pois são
“intermediadoras entre a experiência coletiva e a individual, oferecendo interpretações
típicas para problemas definidos como típicos”, uma vez que “selecionam, organizam
(empacotam), transformam, na maioria das vezes no curso desse processo, e decidem
sobre a forma de sua difusão” (BERGER; LUCKMANN, 2004, p. 68).
Reproduzindo um descrição antecipada por Luiz Beltrão na teoria da Folkcomunicação,
Berger e Luckmann (2004, p. 70) distinguem estas instituições produtoras de sentido
entre aquelas tradicionais, que “tratam o indivíduo apenas como objeto mais ou menos
passivo de seus serviços simbólicos” ao difundir um fluxo de informações de mão única
de cima (das instituições do Estado e das grandes corporações do mercado) para baixo
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
(o simples cidadão e os movimentos sociais da periferia da estrutura de poder), e as
“intermediárias”, que permitem ao indivíduo colocar a serviço de vários setores da
sociedade os valores de sua vida privada de modo a constituírem uma força que ajude a
formar a sociedade como um todo.
Para eles, estas instituições são intermediárias exatamente por que fazem a ponte entre o
indivíduo e os padrões de experiência e ação estabelecidos na sociedade, permitindo que
o
indíviduo,
especialmente
dos
setores
marginalizados,
participe
na
produção
e
processamento do acervo social de sentido. E isso faz com que a reserva existente de
sentido não seja experimentada como “imposta e prescrita autoritariamente, mas como
oferta que foi formada pelo conjunto dos membros individuais da sociedade e que é
passível de mudança” (BERGER; LUCKMANN, 2004, p. 70).
Não se pode deixar de identificar nesta reflexão a preocupação contida na teoria do
jornalismo de Luiz Beltrão com a ampliação da interpretação jornalística para contribuir
com a inclusão social, bem como sua sintonia com o paradigma científico moderno
construtivista - que começava a ser esboçado a partir da década de 60 -, ao reconhecer a
participação
da
agência
dos
indivíduos
na
construção
social
da
realidade
e
a
possibilidade, a partir desta ação, de mudanças na estrutura social.
Também é relevante nesta possibilidade de reversão da crise estrutural de sentido o
esboço de Luiz Beltrão de um jornalismo construtivista, sintonizado com as aspirações
contrafactuais, que se evidencia na descrição feita sobre a interpretação jornalística no
seu livro de estréia “Iniciação à filosofia do jornalismo”, quando defende que, “se o
jornalismo abrange o que ocorreu e o que poderia ocorrer, o que se pensou e o que (até
não se pensou, mas) se poderá pensar, nem sempre se constitui um relato puro e
simples, mas se reveste, igualmente, do aspecto de uma exposição interpretada”
(BELTRÃO, 1992, p. 79).
2. A pirâmide de Beltrão
O jornalismo é o espaço onde os homens se reconhecem e dão sentidos uns aos outros e
aos fatos que os circundam. O homem encontra-se a si mesmo e, mais do que isso,
encontra outros homens. O jornalismo, porque comunicação, é esse fio que vincula dois
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
ou mais pólos. Jornalismo é uma questão mesmo de vínculo; um encontra o outro; e,
quando não há encontro, não há vínculo, não há comunicação, não há jornalismo.
Assim, o conceito de jornalismo não pode se encerrar no quesito informação. Seria um
contra senso.
Não é função da imprensa (compreendida como jornalismo) informar
ligeira e frivolamente sobre os fatos que acontecem ou censurá-los
com maior soma de afeto ou adesão. Toca à imprensa elogiar,
explicar, ensinar, guiar, dirigir. (BELTRÃO, 1960, p. 61)
Em tempos de indefinições e incertezas, quando predomina, segundo Habermas (1997),
a “pusilanimidade”, o conceito apresentado acima pode parecer, no mínimo, descabido.
E é por isso que esta área inscreve-se, hoje, em um período particular: a necessidade
urgente de repensar o seu modo de fazer e sua identidade.
Para a maioria dos leitores e até jornalistas pode parecer normal o espaço de um jornal
ser quase completamente preenchido com os ditames do lead, ou seja, narração “rápida,
breve e barata”. Mas Beltrão (1980) traz um novo paradigma. Para tanto, utiliza-se de
uma figura geométrica: o triângulo retângulo. Nele, cada linha da figura representa um
formato: informação, orientação e diversão. Com isso, ele defende o equilíbrio entre os
três.
No primeiro caso, a
informação
, responsável pela reprodução de acontecimentos, dados
e seqüências de ocorrências, procurando manter-se na enunciação do núcleo do tema,
aquilo que de mais importante que tenha acontecido. É o espaço da narração como
forma de relato.
Quanto
mais
essa
linha
cresce,
mais
amplia
a
necessidade
de
interpretar
as
circunstâncias, motivações e dados subjetivos, portanto questionáveis. Mas não somente
aquilo que poderia ser tratado como subjetivo, mas também dados, por exemplo, da
bolsa de valores ou assuntos que não são corriqueiros para o grande público, devendo
haver uma orientação dos acontecimentos, procurando interpretá-los e, com isso,
orientar o leitor. Trata-se da
orientação
que, para este trabalho, chama-se argumentação.
Utilização de dados para argumentar, orientar, opinar.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Por fim, a
diversão
, como Beltrão conceitua a função lúdica do jornal. Espaço para
“neologismos, personagens e episódios contemporâneos e marcas artísticas da época”,
além de seções tradicionais de diversão, como cruzadas e horóscopos.
Não se fala em igualdade entre os três formatos, afinal, como já citado, a narração dos
fatos será sempre o ponto de início do jornalismo, mas é imprescindível um certo
equilíbrio estético entre as linhas da pirâmide, caso contrário, segundo Beltrão, a figura
e o jornalismo distanciam-se da sua identidade.
Com “equilíbrio estético” quer-se dizer que as três linhas da pirâmide de Beltrão
precisam estar o mais alinhadas possível, para que o jornalismo possa responder às
necessidades do receptor no processo de comunicação.
O homem tem sede de saber. E é essa necessidade que o jornalismo busca atender.
Todos os dias, são milhares de páginas lidas com muitas informações, o que fez Beltrão
(1960) afirmar que “nossa civilização se desenrola e morrerá envolta em papel de jornal,
em tinta de impressão”.
O mundo atual é novo e o será sempre. Nele estão intrincadas uma série de relações,
conceitos e preconceitos, idéias e fatos, enfim, o mundo está em constante ebulição. O
jornal, para Beltrão (1980) é um “espelho multifacetário da sociedade”.
As relações entre as pessoas abarcam múltiplas tendências e até mesmo, em alguns
momentos, exclui muitas outras. O jornal é o espaço de espelhar, relatar esse mundo.
Não entendemos aqui como “espelho” a tentativa positivista de fazer do jornalismo uma
simples reprodução perfeita dos fatos, como se isso fosse possível. Na verdade, quando
Beltrão adjetiva “espelho” como “multifacetário”, quer dizer que o jornalismo deve
trazer várias vozes para discutir a sociedade.
A forma clássica de relatar o mundo é através da informação, ou narração. Um sujeito
observa o que acontece e conta para outro. Isso é o básico do jornalismo, a narração.
Daí porque a notícia é fundamental nessa atividade.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Informação, para o homem, é a percepção do real, captada pelos
sentidos e registrada em sua mente, seja pela observação direta, seja
pela recepção de mensagens de outrem. Sem o armazenamento e as
operações mentais dos dados sensoriais sobre o objeto, ninguém pode
identificá-lo e julgá-lo. (BELTRÃO, 1980, p. 14-15)
Assim, reconhece-se a primazia da notícia no jornalismo, já que é através dela que a
sentença acima exposta toma sentido. O mundo é conhecido quando alguém o faz
conhecido. Da mesma forma, os jornalistas são estes anunciadores do mundo. Porém,
também fica claro que não basta desbravar, é preciso dar a conhecer.
3. O dever da argumentação
Quem lê jornal procura informação, narração do presente. A opinião, a argumentação,
as colunas, os comentários, os artigos, então, o que são? Um bônus, um “charme” do
jornal, um espaço não tão necessário? Na verdade, a argumentação é um dever do
jornalismo. “O autêntico jornalismo – processos regulares, contínuos e livres de
informação sobre a atualidade e de opinião sobre a conjuntura” (MELO, 2003, p. 22).
Dentro dessa narração sobre o presente, fica claro que o jornalismo está extremamente
ligado à busca da verdade. Afinal, qual outro motivo dos leitores comprarem jornal
senão para terem conhecimento dela?
Miotto (1993) explica que não é possível chegar à verdade completa, plena, absoluta,
mas, mesmo assim, deve-se buscá-la de toda maneira, esse é o motivo pelo qual,
diariamente, uma “multidão” de jornalistas saem às ruas para, no dia seguinte, serem
publicadas as notícias.
Pode parecer contraditório, mas, para Karl Popper (1982), a “verdade não é o único
objetivo da ciência”, mas a
verdade interessante
, chamada por Miotto (1993) de
verdade relevante
. Ela consiste em não se contentar com a descoberta de algo, mas
aprofundar o estudo do objeto. É exatamente essa a função e, portanto, o dever da
argumentação no jornalismo.
Está claro que não queremos simplesmente a verdade – queremos ir
além, queremos verdades novas. Não nos contentamos com „dois mais
dois é igual a quatro‟ embora essa afirmativa seja verdadeira. (.
..) A
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
mera verdade não basta; procuramos soluções para os problemas.
(POPPER, 1982, p. 255)
Levando-se essa teoria em consideração, pode-se afirmar que, da mesma forma, o
jornalismo deve caminhar em busca dessa verdade interessante ou relevante que, de
acordo com Miotto, “debe estar contenida em los enunciados, pero el periodismo intenta
otras cosas, como formar opiniones”.
Nesse sentido, já não se pode mais dividir informação e opinião como funções
diametralmente opostas, mas complementares. É a corroboração da teoria defendida por
Beltrão e sua pirâmide.
Na narração, o emissor relata o fato para o receptor, procurando oferecer-lhe a verdade
o mais próxima possível, seja através de matérias, reportagens, gráficos, etc. Esse é o
momento do fornecimento de dados, com grande relevância para a enunciação do
núcleo central do tema. É a hora de responder às perguntas básicas às quais nos
referimos anteriormente.
Ao mesmo tempo, quanto mais cresce a linha narrativa, mais deve crescer, segundo a
ótica de Popper, a reta argumentativa da pirâmide. Quanto mais “verdades” são
publicadas, mais faz-se necessário e fundamental a discussão delas, procurando a sua
relevância. Nesse caso, o receptor terá a possibilidade de discutir o tema com o emissor,
através do debate de idéias e opiniões, sem preterir o valor da informação.
Tomando-se o modelo atual de jornalismo, baseado na informação rápida, seria possível
atender à proposta de Popper de trazer a discussão de idéias e, segundo ele, debate de
“teorias ousadas”? Não parece que, defendendo isso, os jornais se transformariam em
leituras duras e enfadonhas?
A busca da verdade só é possível se falarmos clara e simplesmente e
se evitarmos tecnicalismos e complicações desnecessárias. A meu ver,
visar à simplicidade e à lucidez é um dever moral de todos os
intelectuais: a falta de clareza é um pecado e a presunção é um crime.
(POPPER, 1975, p. 51)
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Ler isso de um filósofo traz uma certa tranqüilidade para o jornalista. Aparentemente, a
atividade filosófica pressupõe uma vasta divagação e sua explicação uma homérica
tarefa. Em parte, essa é também a idéia que se tem de um jornalismo argumentativo: o
debate
e
a
reflexão
desinteressante
e
infrutífera
de
conceitos
e,
vale
ressaltar,
preconceitos.
Outra possível crítica a esse “dever argumentativo” é a diminuição do espaço no jornal
diário, suscetível, inclusive, ao humor do patrocínio. Se há muita publicidade, há mais
espaço, caso contrário, o tamanho do jornal é reduzido. Nesse instante, prefere-se narrar
a argumentar. Mais uma vez, Popper indica que “a concisão também é importante”.
Um dos motivos pelo qual alguns meios de comunicação defendem a não necessidade
de opinião em seu jornalismo é o fato de que, segundo eles, cada cidadão tem condições
próprias para entender o mundo. É a tese de William Bonner (2009), editor chefe do
telejornal mais importante do país: o
Jornal Nacional
.
Segundo ele, alguém bem informado (informação estritamente objetiva) é capaz de por
si mesmo “compreender o mundo em que vive, de avaliar seu país, sua cidade”. E
conclui:
Nós acreditamos no caminho da liberdade. Acreditamos que o nosso
papel é oferecer informação objetiva para que, de posse dela, o
cidadão construa a sua opinião sobre a realidade que o cerca.
(BONNER, 2009, p. 243)
Reconhecendo-se o “caminho da liberdade” como fundamental, como se pode querer
justificar,
justamente,
a
retirada
da
liberdade
de
opinião
de
uma
empresa
de
comunicação? Se se pretende defender e procurar a liberdade, ela deve começar,
também, na de opinião.
Nem todas as pessoas estão aptas para tirar conclusões dos fatos que as cercam, para
não citarmos eventos ocorridos em outras partes do mundo.
Um morador do sertão pernambucano conseguirá julgar as informações de que o
Hamas
4
não reconhece a existência do Estado de Israel? Se um único cidadão não é
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
capaz, significa que esse argumento já não se sustenta de todo. É óbvio que seria
impossível, com o pouco de tempo de que dispõe um telejornal, dar conta de todo o
grande número de informações e orientar as pessoas sobre cada uma delas.
Mas daí precipitar-se e levantar como conclusão a supremacia da narração e a exclusão
do argumento é, no mínimo, apressado. Bonner segue sua explanação reconhecendo que
os apresentadores do
JN
têm suas opiniões sobre “todos os assuntos” e as revelam em
conversas informais, entre amigos e nos bastidores, “mas outra coisa é impor essa
opinião ao público telespectador sem que ele tenha pedido”.
Mais uma vez, a conclusão é extremamente rápida. Quando o veículo de comunicação
opina, ele não está impondo nenhuma orientação, mas, na verdade, está sendo honesto,
seja qual matiz ideológica ele tenha, com o receptor de sua informação. É claro que,
dessa maneira, o leitor, o telespectador, o ouvinte, é influenciado por essa orientação. O
que não pode ser confundido com um determinismo.
Na verdade, é a idéia que permanece corrente de que informação é o relato verdadeiro,
puro, alheio a interesses, enquanto a opinião é o mero subjetivismo de quem a faz. Essa
divisão é falsa, vastamente explicada por Chaparro (2008), para quem não existe
antagonismo entre narração e argumentação, mas, ambas são vistas como categorias de
discurso, como formas de relato.
Para quem a argumentação se constitui em princípio fundamental do jornalismo, poder-
se-ia finalizar esta intervenção, mas sem pretensões de concluir o debate, trazendo-se a
máxima de Suarée (1946, p. 195):
Informação,
orientação
e
direção
são
atributos
essenciais
do
periodismo,
que
não
pode
ser
substituído
nem
sequer
momentaneamente por nenhum outro agente cultural nesta tarefa junto
à sociedade.
Levando-se em conta, portanto, a necessidade e o dever da argumentação, pelo menos
para os teóricos observados até aqui, por que ainda persistiram e persistem alguns
entraves a ela? Na verdade, a escolha em atribuir mais ou menos espaço e importância à
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
opinião nos jornais é simplesmente uma escolha dos editores e chefes de redação? Ou é
preciso levantar outras considerações para entender a questão?
4. A relação entre argumentação e fatores político-econômicos
Apenas responder às perguntas básicas (quem, o que, como, quando, por que e onde)
possibilita ao leitor a difícil tarefa de interpretar os acontecimentos? Ou, na verdade, os
jornais preferem diminuir o argumentativo justamente para minimizar a capacidade
crítica e mobilizadora dos leitores?
Em seu importante trabalho sobre o espaço narrativo e argumentativo nos jornais
brasileiros e lusos, Chaparro (2008) chega à conclusão de que “os níveis de liberdade
política e as circunstâncias ideológicas interferem nas formas discursivas dos jornais”.
Verificou-se, por exemplo, que entre os anos de 1965 e 1974 (auge da ditadura militar),
houve uma “queda superior a 11,67 pontos percentuais na participação dos conteúdos de
„Opinião‟ em relação ao espaço total ocupado por conteúdos jornalísticos”.
Talvez o caso mais explícito dessa queda de argumentação fique claro no jornal
Estado
de São Paulo
, depois do Ato Institucional n. 5, quando dos anos mais violentos e
obscuros da ditadura.
Comparando os números, em centimetragem de área ocupada, entre a
edição representativa de 1968 na amostra e a edição posterior ao AI-5,
verifica-se que os conteúdos opinativos caem de 8.722 cm² para 3.972
cm². (CHAPARRO, 2008, p. 134)
Já no “decênio da abertura política, que conduziria à redemocratização, ocorre o
inverso: crescem os espaços ocupados por conteúdos argumentativos”, acrescenta
Chaparro.
Ampliando-se nosso foco de estudo e voltando no tempo, constata-se, segundo Melo
(2003), que é com a ascensão da burguesia, depois da Revolução Francesa, e com o fim
da censura prévia, que os jornais começam a assumir suas posturas de maneira mais
enfática. Na França, por exemplo, com o decreto de 5 de julho de 1788, estabelecendo a
“liberdade” de imprensa, ainda que não por completo, surge um grande número de
publicações sem censura prévia.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Até então, os jornais deviam se manter aliados dos governos. Para tanto, ou se focava na
mera narração dos fatos ou os artigos eram alinhados com o pensamento dominante.
O fim da censura prévia constituiu um fator preponderante para que o
jornalismo assumisse fisionomia peculiar –
a de uma atividade
comprometida com o exercício do poder político, difundindo idéias,
combatendo
princípios
e
defendendo
pontos
de
vista.
Nesses
primeiros momentos da sua afirmação, o jornalismo caracterizava-se
pela expressão de opiniões. (MELO, 2003, p. 23)
A partir de então, tornou-se mais habitual ler os jornais e encontrar o debate firme, até
acalorado, muitas vezes, de ideologias. Além do mais, ainda segundo Melo, “vender mil
exemplares era o suficiente para financiar a edição”, ou seja, a sua publicação não
necessitava de grandes capitais e investimentos.
Ao mesmo tempo, a burguesia, antes ferrenha defensora da liberdade de opinião, viu-se
atingida pelo bem que ela mesma defendia. Afinal, abrindo espaço para a publicação de
todo tipo de opiniões, também a sua própria era discutida e criticada. Porém, seria um
grande desgaste, ainda tão perto da revolução, rasgar os princípios de igualdade,
fraternidade e liberdade.
A solução encontrada foi, então, a criação do “imposto do timbre”, que obrigava
qualquer jornal a pagar uma taxa por cada exemplar publicado. Logo o projeto foi
copiado nos demais países onde a burguesia havia ascendido ao poder. Se, por um lado,
havia a liberdade para publicar, por outro, a burguesia onerava seu custo e conseguia
controlar o debate público, minimizar as críticas dos inimigos.
Na Inglaterra, o imposto cria problemas econômicos aos editores de jornais, garantindo
o poder e o debate às classes dominantes e mantendo a maior parte da população alheia
à vida política. Já na França, os governantes criam mecanismos que permitem enquadrar
os jornalistas mais críticos como conspiradores, dificultando o jornalismo de oposição,
já que, agora, a punição era para os excessos de liberdade, aqueles que poderiam pôr em
perigo o sucesso da recente revolução.
Através dessas e de outras práticas, os donos dos jornais sentiram-se acuados e findaram
reduzindo o espaço opinativo para dar maior amplitude à informação, à narração. É
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
nesse momento, inclusive, que Samuel Buckley separa notícias de comentários no
Daily
Courant
.
Mas é no século XIX que o jornalismo assume um caráter prioritariamente noticioso,
narrativo, distanciando-se, cada vez mais, dos antigos moldes de longos comentários e
artigos, ou seja, do formato argumentativo. Para Melo (2003), isso se consolida com o
jornalismo norte-americano:
Quando acelera seu ritmo produtivo, assumindo feição industrial e
convertendo a informação de atualidade em
mercadoria
. A edição de
jornais e revistas que, nos seus primórdios, possui o caráter de
participação política, de influência na vida pública, transforma-se em
negócio, em empreendimento rentável. (MELO, 2003, p. 24)
O próprio autor acima citado reconhece que a opinião não foi extinta, excluída por
completo dos jornais, mas deixada de lado, tendo “seu espaço reduzido, sua presença na
superfície impressa circunscrita às páginas chamadas „editoriais‟”, ou, em alguns casos,
nas páginas destinadas exclusivamente à opinião.
Volta-se, então, ao tema da censura no país, quando, de acordo com Chaparro, o espaço
argumentativo declinou consideravelmente. Não parece lógico que, quanto mais a
democracia ganha consistência e a liberdade é garantida, mais o espaço de orientação
deve crescer nos jornais e, assim, alinhar as retas da pirâmide de Beltrão e torná-la mais
estética?
Ou seja, alinhando e equilibrando cada vez mais as linhas da pirâmide de Beltrão -
informação,
orientação
(argumentação)
e
diversão
-,
o
jornalismo
ganhará
em
qualidade,
porque,
na
verdade,
como
será
abordado
mais
adiante,
narração
e
argumentação (o diversional não entra neste trabalho) devem caminhar lado a lado,
contribuindo, ambas, para um aperfeiçoamento da atividade e, conseqüentemente, a
melhoria da sociedade.
A dificuldade, retomando Marques de Melo, é, também, o fator econômico. Para manter
qualquer
veículo
de
comunicação,
atualmente,
faz-se
necessário
um
grande
investimento de capital. O empresário que quer manter seu jornal, rádio ou televisão
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
(quando não os três ao mesmo tempo), precisa contar com a publicidade de outras
empresas e grupos. Assim, é imprescindível medir até onde chegará o grau de crítica e
liberdade de comentaristas.
O jornal, portanto, tem sempre sua “opinião” atrelada aos seus interesses que, por sua
vez, estão intimamente ligados aos dos patrocinadores. Levando-se em conta a grande
verba publicitária dos governos federal, estadual e municipal, destinada à imprensa,
chega-se à conclusão de que nem toda liberdade e opinião serão aceitas e publicadas.
A censura acabou depois da promulgação da Constituição de 1988, mas os seus
tentáculos permanecem atingindo e interferindo no fazer jornalístico, mas de uma forma
cautelosa e silenciosa, com maestria praticamente insuspeitável. Dá-se, portanto, a falsa
idéia de que o jornal não sofreu nenhuma pressão externa e, assim, sai no dia seguinte
com narração muito bem separada da argumentação e, essa última, perdendo espaço e
“asfixiada” em duas ou algumas páginas.
5. Sobre a atualidade
Desde o início deste trabalho, volta-se à idéia fundamental de que o jornalismo nutre-se
do presente. Todos os veículos de comunicação moldam-se para, inclusive, não serem
deixados para trás. Afinal, como observa o sociólogo polonês Bauman (2007), neste
mundo pós-moderno, o velho é quase automaticamente descartável. Assim, geralmente
os meios de comunicação vivem neste jogo: apresentar o atual e serem sempre, eles
mesmos, atuais.
Os jornais, portanto, estão dentro dessa lógica, na qual o mais importante é o aqui e
agora (rádio e internet especialmente).
O jornalismo vive do cotidiano, do presente, do efêmero, procurando
nele penetrar e dele extrair o que há de básico, fundamental e perene,
mesmo que essa perenidade valha, apenas, por alguns dias ou por
algumas horas. (BELTRÃO, 1960, p. 66)
Dentro dessa perspectiva, é importante discutirmos o conceito de “atual”. Para Ataíde
(1957), existe uma certa confusão filosófica acerca do tema, já que, para ele, “o atual é o
eterno e não o temporal” a que se está habituado no caso do jornalismo.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Assim, não basta que os diários restrinjam-se a contar o que acontece “para servir à
atualidade”, já que, citando Beltrão (1960), “atual é rigorosamente o que „atua‟ em nós,
o que de potência se converte em „ato‟”. Nessa direção, fica mais simples entender que
as raízes do hoje (o mais importante no jornalismo) estão no ontem e são estopim do
amanhã.
Seguindo-se esse percurso, entendemos que não só o que acontece é fundamental para o
jornalismo, mas também o que não acontece, o que poderia acontecer, o que pode vir a
acontecer. Em outras palavras, “o vazio da atualidade também é atualidade, também é
notícia”, segundo Horacio Hernandez (1949).
O espaço argumentativo reveste-se, então, da necessidade de debater os acontecimentos
dentro do ideário apresentado acima. Para a narração, fica a responsabilidade de mostrar
o que acontece. Com a opinião, o jornal pode destrinchar o hoje, valendo-se do passado
e
lançando-o
para
o
futuro.
Dessa
maneira,
consegue-se
responder
ao
quesito
“atualidade”.
Isso assegura que o jornalismo tenha um certo caráter de permanência. Por causa dessa
busca histérica pelo “aqui e agora”, percebe-se que o jornal de hoje pouco ou quase
nada pode nos oferecer amanhã. Não significa que a publicação deva desvincular-se da
busca pelos acontecimentos de hoje, mas que é necessário que haja espaço para alargar
o sentido dos fatos consumados, ampliando sua compreensão.
Caso contrário, o jornalismo transforma-se em um mero amontoado de notícias
passadas. Por isso, a atividade diária dos jornais deve ser capaz de mobilizar as idéias,
questionar os acontecimentos.
É efêmera a forma, a exterioridade, o envoltório; mas a influência, a
sugestão
que
ficam
desses
esforços
aparentemente
perdidos
e
esquecidos constituem uma ação persistente e eficaz como nenhuma,
que convence, que apaixona, que destrói, que reedifica; que forma, em
uma palavra, a consciência dos povos. (RODO apud MELO, 2003, p.
204)
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Pode-se considerar, então, que o jornalismo deve entender “atual” como um conceito
mais amplo e com muitas possibilidades. À primeira vista, preocupado com a
informação sobre o que de mais importante acontece durante um dia, ou seja, sobre o
temporal, o “aqui e agora” que funda a atividade.
Mas,
ao
mesmo
tempo,
e
não
menos
importante,
como
possibilidade
de
complementação, deve emergir a opinião como alternativa para alargar os sentidos da
atualidade, encontrando, para Beltrão (1976), “um caminho para informar e orientar o
espírito público, conduzindo-o à socialização dos bens” e promovendo o “bem comum”.
6. A argumentação como interpretação
Continuando o percurso feito até agora, chega-se à confirmação do que Beltrão chamou
de jornalismo como interpretação do real. Apesar de ele fazer uma distinção entre
jornalismo opinativo e jornalismo interpretativo, entendendo esse segundo como “a
informação que, sem opinar, coloca diante da massa o quadro completo da situação de
atualidade”, o autor reconhece que na denominação “interpretação” não se pode excluir
a opinião.
Isso fica evidente pela linha discursiva que traçamos até o momento. Se o jornalismo
abrange o que aconteceu e o que poderá acontecer, a narração e a argumentação,
significa que, esse último, acima de tudo, está dentro do aspecto de uma enunciação
interpretada. Para opinar, para debater idéias e, sendo mais simples, para argumentar, o
jornal precisa interpretar.
A mera informação, sem um juízo que a valorize e a interprete, faria
do jornalismo uma algaravia sem ordem nem conserto e deixaria ao
leitor a pesada carga de buscar os „por quês‟ e „para quês‟ do que
acontece.
Quantos
leitores
estão
capacitados
para
esse
trabalho
valorizador? Ler por ler notícias, que por si mesmas nada dizem a
quem ignora suas causas e conseqüências, resulta, por outro lado,
numa aborrecida tarefa. (MAINAR; MOSTAZA apud BELTRÃO,
1960, p. 17)
A importância da argumentação, portanto, está em destrinchar o emaranhado laço de
relações sociais, interpretando e dando a conhecer a realidade. Não se trata de
“mastigar” os fatos para fazer o leitor engolir, mas, ao contrário, oferecer chaves de
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
leitura.
que
quem
deve
fazer
a
interpretação
final,
para
Aguiar
(1972),
“legitimamente”, é o público.
Assim, a argumentação é o lugar por excelência da análise, do discernimento, do
julgamento, feito com responsabilidade e rigor ético. Para Mainar (1906), o jornalismo é
“a história que passa”, assim, sua vocação interpretativa difere sobremaneira da análise
histórica ou filosófica.
Porque está jungida ao presente, ao atual, ao positivo, requerendo não
somente bom senso, honestidade e imparcialidade, da parte do agente,
como uma excepcional aptidão para apreender o centro de interesse, o
ponto nevrálgico, o núcleo do fato ou da matéria que se há de utilizar
no trabalho. Essa aptidão de “tirar o essencial do acidental, o
permanente do corrente (BELTRÃO, 1960, p. 80).
Para tanto, o formato argumentativo funciona justamente para essa apreensão mais
profunda daquilo que é relato superficialmente. Na verdade, os “argumentadores” do
jornalismo devem ser capazes de uma leitura profunda de temas que poderiam ser vistos
como banais. O que realmente interessa no opinativo é o olhar crítico e perspicaz.
7. Luiz Beltrão e o jornalismo construtivista
Dentro desse contexto, estabelecem-se as interfaces entre a Folkcomunicação e o
Jornalismo no sentido de contribuir para a construção da realidade social. Nos dois
ambientes o método, a metodologia e a investigação são básicos. Vamos tomar como
exemplo
o
método
no
Jornalismo
que
também
pode
ser
mobilizado
na
Folkcomunicação. Hoje vivemos em sociedades cada vez mais complexas (MELUCCI,
2001). Cabe aos dois campos de conhecimento decodificá-las para procurar tornar o
mundo mais compreensível para o homem e a mulher contemporâneos.
Nesse processo, é básica a investigação. O jornalismo precisa “molhar-se” pela
realidade. Ou seja, não há contexto teórico verdadeiro a não ser na união dialética com a
prática, com o contexto concreto.
No contexto teórico buscamos “tomar distância” dos
fatos; no prático, no concreto somos sujeitos e objetos em relação ao objeto (FREIRE,
1987).
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Nas práticas diárias de produção da notícia é esse procedimento que os jornalistas
adotam o tempo todo, muitas vezes de forma inconsciente. No “contexto teórico”
de
elaboração da informação, o repórter e/ou o redator assumem o papel de sujeitos
cognoscentes da relação sujeito-objeto que se dá no contexto concreto para, voltando a
este, melhor atuar como sujeitos em relação ao objeto. Consideramos que essa relação
teoria/prática faz parte do método de apuração de uma matéria, de edição e de
apresentação. O método jornalístico tem que ser trabalhado com rigor (CORNU, 1999).
Os jornalistas nas suas práticas diárias no processo de redução da complexidade devem
ter como preocupação um jornalismo crítico. Na produção das notícias as informações
essenciais não podem ser suprimidas. As notícias devem trazer detalhes básicos para
que possam ser compreendidas. As várias faces de um acontecimento devem ser
apresentadas. Na construção da notícia é preciso estar sempre atento para que aspectos
da realidade não sejam ocultados nem silenciados Os textos têm que buscar uma
objetividade possível, tomando-se cuidado em não alterar textos e documentos.
A investigação é da essência do jornalismo porque diminui a possibilidade do erro e do
equívoco. Caso isso ocorra, ainda dentro das práticas jornalísticas, faz-se necessário
retificar a informação publicada que se revela inexata. No entanto, uma das tarefas
centrais do rigor do método, do conhecimento do Jornalismo, é evitar a ambigüidade na
informação. Outro aspecto importante no atual processo de produção da notícia é, sob a
ditadura da audiência, da concorrência, precarizar a qualidade da informação noticiosa
(CORNU, 1999).
Por isso, como alerta Freire (1987) - e é importante nas práticas sociais do jornalismo -,
precisamos ir além da mera captação dos fatos buscando não só a interdependência
entre eles, mas também o que há entre as parcialidades constitutivas da totalidade de
cada um. Nesse sentido, o jornalismo necessita estabelecer uma vigilância constante
sobre a sua própria atividade.
Ainda dentro da perspectiva de Freire (1997) consideramos que a comparação que o
autor faz entre a ingenuidade e a criticidade pode contribuir para entendermos o
Conhecimento do Jornalismo - que trata dos acontecimentos do mundo, dos diversos
saberes, dos campos da experiência e do cotidiano. O autor esclarece que não há
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
diferença e nem distância entre a ingenuidade e a criticidade. Para Freire, entre o saber
da
pura
experiência
e
dos
procedimentos
metodicamente
rigorosos
ocorre
uma
superação.
Freire (1997) argumenta que não acontece uma ruptura porque a curiosidade ingênua,
sem deixar de ser curiosidade, continuando a ser curiosidade, se criticiza. Continuando a
explicação
diz
que
ao
criticizar-se,
tornando-se
curiosidade
epistemológica,
metodicamente “rigorizando-se” na sua aproximação ao objeto, conota seus achados de
maior exatidão. A curiosidade metodicamente rigorosa do método cognoscível se torna
curiosidade epistemológica, mudando de qualidade, mas não na essência.
Como bem observa Gomis (2001), o Jornalismo é resultado de uma atividade
profissional de mediação vinculada a uma organização que se dedica basicamente a
interpretar a realidade social e mediar os que fazem parte do “espetáculo mundano” e o
público. Compartilhamos com a afirmação de Gomis (1991) e consideramos que a
mídia não só transmite, mas prepara e apresenta uma realidade dentro das normas e das
regras do campo jornalístico contribuindo dessa forma para a percepção do mundo da
vida. A interpretação da realidade social estabelece interfaces entre o Jornalismo e a
Folkcomunicação
porque
ambos
necessitam
da
investigação,
do
método
e
da
metodologia.
Beltrão na sua vasta obra não chegou a falar necessariamente em construtivismo. No
entanto, de uma forma antecipatória, ao valorizar a questão da investigação e do
agendamento, o autor já trabalhava nesse perspectiva. Beltrão, sem dúvida, tem uma
preocupação constante nas suas obras com a pesquisa sobre o campo do Jornalismo. Em
Enseñansa del Periodismo
Beltrão apresenta uma investigação realizada no curso de
Jornalismo da Universidade Católica de Pernambuco, com a participação dos alunos,
sobre os efeitos da suspensão da circulação dos jornais em função de uma greve dos
gráficos.
Como enfatiza Luiz Beltrão (1963), a investigação foi à primeira do gênero no Brasil e,
provavelmente,
também
a
primeira
na
América
Latina.
O
estudo
mostra
as
conseqüências da falta de circulação de notícias sobre a sociedade durante o período que
durou o movimento dos gráficos de 21 de março a 9 de abril de 1963. A greve afetou os
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
serviços públicos atingindo o interesse coletivo porque as ações governamentais que
eram divulgadas nos jornais deixaram de ser comunicadas.
Beltrão mostra também que a área de diversão foi atingida resultando numa pouca
procura aos cinemas mesmo com o lançamento dias antes do término da paralisação da
superprodução Ben-Hur. Com a volta da circulação dos jornais, a pesquisa identificou
que durante as seis semanas de exibição do filme as sessões estavam sempre lotadas. A
investigação mostra ainda que até mesmo os acontecimentos sociais foram afetados.
Festas e homenagens tiveram que ser adiadas em função da baixa assistência.
Compartilhamos com a argumentação de Sponholz (2009) de que no Jornalismo é
preciso utilizar um método para descrever a realidade de uma forma mais adequada.
Como diz a autora, a compreensão, a apreensão e a interpretação sistemática – ou seja, a
utilização de um método – podem ajudar o Jornalismo a evitar percepções falsas,
embora “sistemático” no Jornalismo não signifique e nem possa significar o mesmo que
ciência. Foi o que fez Beltrão, de uma certa forma, nas suas pesquisas mobilizando a
questão do método, da metodologia e da investigação antes que ela se tornasse uma
discussão forte e presente no campo da Comunicação.
Consideramos que há ainda muito a caminhar nesta perspectiva construtivista na
Folkcomunicação e no Jornalismo. No entanto, acreditamos que nessa interface o
Jornalismo que já tem uma boa caminhada no campo pode contribuir. É bem verdade
que o jornal diário está repleto de acontecimentos correntes, como o desabamento de
uma casa, um assassinato ou o pronunciamento do presidente do país. Em cada fato, a
argumentação pode retirar de pequenos pontos a tese que vai aprofundar os sentidos do
acontecido.
Obviamente,
é
impossível,
como
constatamos,
equilibrar,
cartesianamente, informação e opinião.
Porém, mais do que nunca, o grande diferencial dos jornais impressos é (ou deveria ser)
a possibilidade de alargar o conhecimento sobre aquilo que já se soube no dia anterior.
Afinal, dificilmente alguém que compre o jornal hoje não tenha, antes, escutado rádio,
assistido à televisão ou lido as notícias na internet.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
O profissional da argumentação deve, dessa maneira, estar sempre atento ao que se
passa, mas enxergando além do que todos vêem. É um trabalho que já foi, inclusive,
comparado ao do caricaturista, porque, em poucos “riscos”, apreende o fato e o relata,
mas sempre ampliando a discussão que se iniciou nas matérias.
Em artigo no Diário de Notícias, em 1957, Tristão de Ataíde chegou a afirmar que “o
jornalista medíocre informa por informar. O autêntico jornalista informa para formar”.
E vai além: “o grande jornalista informa e forma. Cria e orienta a opinião pública”.
Parece um contra-senso e, pela data da máxima, poderia ser tratado como algo do
passado. Mas negligenciar a função orientadora do jornalista é reduzir sua grandeza e
importância, é fazê-lo um simples reprodutor de informações aparentemente desconexas
e carentes de sentido profundo.
Da mesma maneira, podemos identificar na Folkcomunicação o compromisso com a
integração social, com o fortalecimento do sentido compartilhado intersubjetivamente e,
conseqüentemente, com uma vida social menos ameaçada, com menores potenciais de
conflito e violência.
Referências
ANTOINE, J. La connaissance scientifique de l‟opinion. France: Chronique Sociale de
France, 1966.
ATAÍDE, T. de. O jornalismo como gênero literário. Diário de Notícias, Rio de Janeiro,
10 nov. 1957.
BAUMAN, Z. Vida líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.
BELTRÃO, L. Iniciação à filosofia do jornalismo. Rio de Janeiro, Livraria Agir
Editora, 1960.
BELTRÃO, L. Jornalismo interpretativo: filosofia e técnica. Porto Alegre: Sulina, 1976.
BELTRÃO, L. Jornalismo opinativo. Porto Alegre: Sulina, ARI, 1980.
BELTRÃO, L Métodos em la enseñanza de la tenica del periodismo. Quito : Ciespal,
1963.
BENITEZ, J. Jornalismo em Cuba. São Paulo: Com-Arte, 1990.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
BONNER, W. Jornal Nacional: modo de fazer. São Paulo: Globo, 2009.
BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. Modernidade, pluralismo e crise de sentido: a
orientação do homem moderno. Petrópolis: Vozes, 2004.
CHAPARRO, Manuel Carlos. Sotaques d‟aquém e d‟além mar: travessias para uma
nova teoria dos gêneros jornalísticos. São Paulo: Summus, 2008.
CORNU. D. Jornalismo e verdade. Lisboa: Piaget, 1999.
FREIRE. Pedagogia da autonomia. 4. ed. Rio de Janeiro : Paz e Terra, 1997.
FREIRE. Ação cultura para a liberdade e outros escritos. Rio de Janeiro : Paz e
Terra,1987.
HABERMAS, J. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro:
Tempo Brasileiro, v. I, 1997.
HOHLFELDT, Antonio. Folkcomunicação: positivo oportunismo de quase meio século.
In:
SCHMIDT,
Cristina.
Folkcomunicação
na
arena
global:
avanços
teóricos
e
metodologias. São Paulo: Ductor, 2006.
MACIEL, Betânia. O papel da Folkcomunicação na construção do desenvolvimento
local. Trabalho apresentado no Núcleo de Pesquisa – NP Folkcomunicação do XXX
Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Santos, 2007.
MELO, José Marques de. De volta ao futuro: da Folkcomunicação à folkmídia. In:
SCHMIDFT, Cristina (Org.). Folkcomunicação na arena global: avanços teóricos e
metodologias. São Paulo: Ductor, 2006.
MELO, José Marques de. Gêneros jornalísticos no Brasil: o estado em questão. In
Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Curitiba: Intercom, 2009.
MELO, José Marques de, Jornalismo opinativo: gêneros opinativos no jornalismo
brasileiro. 3. ed. rev. e ampl. Campos do Jordão: Mantiqueira, 2003.
MELUCCI, A. A invenção do presente: movimento sociais nas sociedades complexas.
Petrópolis: Vozes, 2001.
MIOTTO, Gaspar B. La objetividad posible en la construcción del discurso periodístico.
1993. Tesis (Doctorado en Ciencias de la comunicación) – Universidad Nacional de Río
Cuarto, Província de Córdoba, República Argentina, 1993.
POPPER, Karl Raimund. Conhecimento objetivo: uma abordagem evolucionária. Belo
Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. Da Universidade de São Paulo, 1975.
POPPER,
Karl
Raimund.
Conjecturas
e
refutações.
2
ed.
Brasília,
DF:
Editora
Universidade de Brasília, 1982.
RAMONET, Ignacio. Mídias em crise. Le Monde Diplomatique. Disponível em:
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
>. Acesso em: Janeiro de 2005.
SPONHOLZ, Liriam. Jornalismo, conhecimento e objetividade: além do espelho e das
construções. Florianópolis : Insular, 2009.
SUARÉE, Octávio de la. Moraletica del periodismo. Havana: La Habana, 1946.
1
Professor Adjunto do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de
Pernambuco. Email: a.vizeu@yahoo.com.br.
2
Professor Adjunto do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade federal de
Pernambuco. Email: hclrocha@gmail.com.
3
Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco.
Email:gmarquim@hotmail.com
.
4
Grupo radical político palestino e movimento militar. O Hamas prega o fim do Estado de Israel e a sua
substituição por um Estado palestino que ocuparia a área onde hoje estão Israel, Faixa de Gaza e a
Cisjordânia.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
logo_pie_uaemex.mx