Artículo en PDF
Como citar este artigo
Número completo
Mais artigos
Home da revista no Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
IDENTIDADE
E
FOLKMARKETING
NO
RESTAURANTE
REGIONAL
MANGAI
Aryovaldo de Castro Azevedo Junior
1
Lucimara Rett
2
Resumo
A cultura é identificadora e contempla práticas educativas, religiosas, lúdicas, artísticas
e
alimentares,
transmitidas
entre
grupos.
uma
relação
entre
a
cultura
e
a
comunicação, que se utiliza de elementos simbólicos para criar identidade perante o
público-alvo de uma determinada empresa. O Folkmarketing se adequa ao estudo de
especificidades
identitárias
presentes
no
planejamento
de
construção
de
marcas
regionais em processo de nacionalização, como acontece com o Restaurante Mangai,
considerado uma loja conceito da culinária nordestina. Nesse estudo de caso serão
abordadas
as
estratégias
comunicacionais
utilizadas
pela
empresa,
com
foco
no
marketing de experiência e na ambientação no ponto de venda, que promovem a
reprodução da cultura nordestina e a experiência do consumidor com a mesma em um
espaço criativo e lúdico.
Palavras-chave
Identidade; Marca;
Branding
; Folkmarketing; Ponto de venda; Espaço conceito.
Abstract
Culture identifies and it is a lot related to education, religion, ludic, artistical and
alimentary habits, transfered among groups. There is a relation between culture and
communication, which uses symbolic elements in order to create identity according to
the company’s targets. The Folkmarketing concept fits at the research about identity
specifities at a planning to built regional brands in a nationalization process, as the
Mangai Restaurant´s case, considered a flagship store of brazilian northeastern culinary
art. In this case will be presented the company’s communication strategies, in special
experience marketing and ambient marketing, wich provide the reproduction of
brazilian northeatern culture and the customer experience in a ludic and creative space.
Keywords
Identity; Brand; Branding; Folkmarketing; Point-of-purchase; Flagship store.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Introdução
A cultura é resultado de um processo de significações que envolve práticas e crenças
transmitidas entre grupos sociais e políticos. Desse contexto, fazem parte as práticas
educativas, religiosas, lúdicas, artísticas e alimentares. De acordo Maria Érica Oliveira
(2010, p. 47), “a cultura é identificadora” e se relaciona com processos sociais e
econômicos.
A questão da cultura e suas relações podem ser examinadas, e
optamos por isso, nas Teorias da Comunicação, visto que estamos
falando sobre a circulação de bens, mensagens, trocas de significados,
da passagem de uma instância a outra, de um grupo a outro, entre os
quais se comunicam significados que são recebidos, reprocessados ou
recodificados. (Oliveira, 2010, p. 59).
A relação entre cultura e comunicação também é reafirmada por Osvaldo Trigueiro
(2008, p. 30). O autor complementa que “comunicação e cultura devem ser estudadas
juntas, porque representam realidades muito próximas, são campos multidimensionais e
integrativos”.
Dentro do campo da comunicação, o recorte proposto é a questão do
branding
,
posicionamento de marca e comunicação no ponto de venda em um espaço conceito.
Resultado da relação contínua junto aos consumidores, o
branding
é utilizado para
assegurar uma relação positiva da marca com o consumidor, partindo do processo de
produção, passando pela distribuição, até chegar ao ponto de venda, sendo finalizado no
relacionamento do pós-venda entre consumidor e marca, o que possibilita a re-
inicialização de todo este processo virtuoso de produção e consumo.
A função principal do posicionamento de marca no marketing contemporâneo é criar
conceitos na mente do consumidor numa relação constante entre a imagem de marca e o
público-alvo desejável, valendo-se de abordagens diversificadas para gerar pontos de
contato entre a marca e o
prospect
- potencial consumidor.
Oliveira (2010, p. 50) elucida que “a identidade regional procura pensar os lugares, os
territórios de onde nasce cada cultura, e a partir daí, manifesta-se”. É necessário,
portanto, se ater às especificidades da cultura regional e local na produção e transmissão
da comunicação, respeitando-se a questão identitária.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Toda cultura é singular, geograficamente ou socialmente localizada,
objeto
de
expressão
discursiva
em
uma
língua
dada,
fator
de
identificação dos grupos e dos indivíduos e de diferenciação diante
dos outros, bem como fator de orientação dos atores, uns em relação
aos outros e em relação ao seu meio. Toda cultura é transmitida por
tradições reformuladas em função do contexto histórico (Warnier,
2000, p.21).
As culturas nacionais são compostas não só de instituições culturais, mas também de
símbolos e representações, e neste caso, a culinária pode ser um objeto de análise.
Povo naturalmente hospitaleiro, na alimentação do amigo, do visitante
ilustre ou do homenageado, o brasileiro se distinguiu, constituindo-se
a culinária numa das suas mais notáveis artes domésticas. E não
somente a culinária, mas a apresentação artística dos alimentos (a
sitioplástica), o arranjo das mesas, a decoração das salas e salões
(Beltrão, 1980, p. 278).
Postos
esses
conceitos,
é
delimitada,
neste
estudo,
a
culinária
nordestina
para
representar elementos de regionalização, cultura, identidade e brasilidade. A análise do
desenvolvimento do restaurante Mangai e de como o mesmo articula os elementos
simbólicos em sua comunicação de ponto de venda, serve como parâmetro para
entender
a
questão
da
valorização
da
identidade
local
na
construção
de
um
posicionamento
que
valorize
a
cultura
regional
nordestina
dentro
do
mosaico
multicultural que compõe a identidade brasileira (Hall, 2002).
A intenção dos autores é, portanto, compreender a relação entre fortalecimento de
imagem de uma marca por meio da comunicação simbólica, de experiências e espaços
conceituais nos pontos de venda, tanto físicos quanto virtuais, e como isto é utilizado de
modo planejado e integrado ao conjunto de ferramentas de marketing da empresa, no
caso estudado, para a construção de marcas regionais em processo de nacionalização.
Folkmarketing, marca, identidade e posicionamento
Marketing
é um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que
necessitam e desejam através da criação de oferta e trocas de produtos de valor com
outros e tem como principal responsabilidade o crescimento por meio de receitas
lucrativas para a empresa. Assim, de forma alinhada com os objetivos organizacionais,
o planejamento de marketing deve identificar, avaliar e selecionar as oportunidades de
mercado e estabelecer as estratégias para alcançar proeminência nos mercados-alvo e
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
aumentar os
lucros por meio da oferta de valor e satisfação ao cliente, por meio de
produtos
e
serviços
adequados
à
satisfação
das
necessidades
e
desejos
dos
consumidores.
Para
isto,
é
necessário
que
a
empresa
conheça
o
ambiente
mercadológico que influencia sua atuação, bem como a situação da concorrência
instalada
e,
principalmente,
entenda
as
necessidades
e
o
comportamento
dos
consumidores que compõem seu público-alvo, com o intuito de oferecer-lhes mais
qualidade e benefícios do que a concorrência, através de sua linha de produtos e
serviços (Weilbacher, 1994).
Derivado
do
marketing,
considerando,
entretanto,
as
especificidades
culturais,
o
folkmarketing evoca elementos simbólicos singulares das identidade regionais ou locais
no processo comunicacional das marcas.
O
termo
folk
=
povo,
aliado
à
palavra
marketing,
que
tem
o
significado de um conjunto de meios de que uma organização dispõe
para
vender
seus
produtos
e
serviços,
resulta
na
expressão
Folkmarketing que, segundo uma visão genérica, significa o conjunto
de
apropriações
das
culturas
populares
com
objetivos
comunicacionais,
para
visibilizar
produtos
e
serviços
de
uma
organização para os seus públicos-alvo (Lucena, 2006, p. 267).
Para encontrar o melhor
mix
de marketing e colocá-lo em ação, a empresa analisa,
planeja, implementa e controla suas ações de maneira estratégica, com o objetivo de
fazer com que seu produto ou serviço ocupe um lugar claro, único e positivo na mente
dos consumidores.
Esta identidade imaginária é o seu posicionamento no mercado, que
está intrinsecamente ligado à percepção que a marca tem perante o público-alvo.
Posicionamento é a síntese da concepção estratégica da marca, com o desenvolvimento
de diferenciais competitivos difundidos e compreendidos pela sociedade e pelos
consumidores. Ele é definido junto ao planejamento de marketing e deve ser mantido na
comunicação da empresa, com a difusão clara de sua identidade de marca. Considera-se,
na construção identitária, aspectos como design, preço, características técnicas e
tecnológicas, área de atuação/distribuição, imagem institucional do fabricante, etc.
(Stevens, 2001).
Os valores e os custos do produto não são julgados de maneira objetiva. Esse
julgamento é feito mediante a expectativa que a marca gera. E, quanto maior a
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
percepção de qualidade da marca, maior a expectativa do consumidor quanto à sua
satisfação ao consumir. A construção destes valores associados à marca é conhecida
como
brand equity
(Azevedo Jr., 2005).
A percepção de marca é resultado da construção de valores na mente do consumidor,
que considera os atributos da marca, os benefícios tangíveis e intangíveis por ela
proporcionados, bem como as suas atitudes pessoais sobre a marca. O sucesso de uma
marca relaciona-se a uma alta percepção de valor (Azevedo Jr., 2005).
A marca é mais do que um produto; é ao mesmo tempo uma entidade
física e perceptual. O aspecto físico de uma marca (seu produto e
embalagem) pode ser encontrado esperando por nós na prateleira do
supermercado. Entretanto, o aspecto perceptual de uma marca existe
no espaço psicológico – na mente do consumidor.
... Cada marca tem a
sua própria mitologia de marca, com seu próprio e único inventário de
imagens, símbolos, sensações e associações (Randazzo, p. 17, 1997).
Já que a construção da marca evoca todo esse contexto simbólico, mais uma vez se
justifica o conceito de Folkmarketing para promover uma maior identidade dessa marca
com a cultura de seu público-alvo. Lucena (2006, p. 269), explica que “a ação
comunicacional do Folkmarketing é uma estratégia que podemos considerar integrada
aos processos culturais da região. Para contextualizá-la, é necessário que as marcas dos
saberes da cultura popular sejam mobilizadas em apropriações e refuncionalização”.
Todo e qualquer tipo de relacionamento do cliente com a empresa constrói a sua
identidade e a percepção de marca, somatório de valores simbólicos intrínsecos e
extrínsecos aos produtos e serviços oferecidos pela empresa, verdadeiro atestado de
idoneidade, origem, qualidade e respeito de uma corporação pelos consumidores.
Assim, é interessante manter uma relação permanente com o consumidor e demonstrar o
que a marca é, ou seja, não basta anunciar bons produtos, tem de produzi-los. Não basta
anunciar bons serviços, tem de oferecê-los. Não basta dizer que tem responsabilidade
social, tem de praticá-la. Não basta informar ao consumidor, a empresa deve se
comunicar com ele, num processo permanente de retroalimentação (Azevedo Jr., 2005).
O posicionamento criado para a marca deve ser claro e ser expresso em todas as formas
de comunicação da empresa com seu público. Como nos lembra Corrêa (2002), o
posicionamento de comunicação é complementar ao posicionamento de marketing.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
O
mix
de comunicação contempla várias ferramentas, entre elas a publicidade e
propaganda, o marketing direto, as relações públicas, a assessoria de imprensa, a
promoção e o merchandising. Como elucida Marcélia Lupetti (2010), há várias
traduções e interpretações para o termo merchandising no Brasil, mas aqui trataremos,
especificamente, do merchandising no ponto de venda.
Ponto de Venda: experiência e ambiente
Marketing de Experiência é a construção planejada, via ferramentas de marketing, de
situações que permitam ao consumidor vivenciar sensações que a marca pretende
evocar e, assim, qualificá-la através de uma experiência a ser vivenciada pelo
prospect
e
relacionada com a marca.
Sensações geram mais força perceptual do que a simples apresentação tradicional dos
benefícios e características do produto, pois o consumidor não é só racional, é também
emocional e, ao vivenciar emoções positivas relacionadas à marca, ele passa a
experimentar
um
pouco
do
universo
referencial
associado
a
ela,
facilitando
a
aproximação e introjeção dos valores marcários (relacionados à identidade de marca),
passo importante para o processo de fidelização.
Através da experiência, que deve ser prazerosa e agradável, estimula-se a relação entre
consumidor e marca, que possibilita um incremento no
share of mind
(participação na
mente no consumidor, associada à lembrança que se tem da marca) e uma valorização
da relação entre empresa e cliente.
Uma das formas de se evidenciar essa experiência no ponto de venda consiste na
utilização planejada do marketing de ambiente (ou
ambient marketing
), que pode ser
entendido como a construção de ambientes que visem valorizar um conceito buscado
por determinada marca. Esse ambiente conceitual, construído com a utilização de itens
que estimulem os sentidos e o bem-estar do consumidor no ponto de venda, por meio de
uma ambientação criativa, deve ser adequado ao posicionamento da marca e pode
influenciar no comportamento do público-alvo, gerando uma experiência concreta e
relevante junto à marca. Estas ambientações podem aparecer em quaisquer lugares –
show rooms
, internet, lojas conceito, espaços diferenciados nos pontos de venda etc.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Para legitimar-se socialmente e para conquistar os mercados.
.., a
indústria
cultural
necessitou
retroalimentar-se
continuamente
na
cultura popular. Muitos dos seus produtos típicos, principalmente no
setor de entretenimento, resgataram símbolos populares, submetendo-
os à padronização típica da manufatura seriada (Melo, 2008, p. 47).
Da mesma maneira, no caso estudado, o próprio ponto de venda resgata os símbolos
populares, criando um ambiente planejado e construído de maneira criativa pela
empresa para potencializar a identidade de sua marca. Expor uma marca ao consumidor,
fazendo-o interagir com ela é algo que potencializa a imersão do mesmo no universo
simbólico desenvolvido pela marca.
O merchandising entra em ação depois que as outras atividades de marketing e
comunicação já cumpriram seu papel, que é levar para dentro da loja o consumidor. A
partir daí, é função da exibitécnica transformar o ponto de venda em uma grande
atração, em um verdadeiro relacionamento entre o consumidor e a marca, expondo,
dispondo e exibindo com profissionalismo os produtos, tornando-os visíveis, bem
iluminados, colocados estrategicamente, em um clima sugestivo e com ideal atmosfera
de venda, acelerando o círculo de mercado que nasce com o fabricante, passa por
distribuidores e culmina no varejo (Ferracciú, 2002).
Por meio das experiências e dos espaços conceituais, as marcas vinculam-se a
momentos singulares e relevantes para o consumidor e expressam de modo eficaz o
posicionamento desejado, envolvendo o cliente na atmosfera de interesse da marca. Para
gerar tal efeito, o ponto de venda deve representar conceitualmente os valores da marca,
principalmente considerando os seguintes elementos:
a)
Qualidade e benefício: a qualidade está relacionada às expectativas de validade,
procedência, sabor, variedade, exotismo local, atendimento etc. Deve-se considerar
também a qualidade do serviço oferecido ao consumidor, como organização de mesas,
cardápio, rapidez, solicitude etc. Ela representa o somatório que gera o atestado de
garantia de que o consumidor conseguirá os benefícios advindos de sua escolha ao optar
pelo restaurante;
b)
Estilo ou ambientação: Para conferir a um ponto de venda, a ambientação que
reforce a marca, é importante considerar elementos com estética regional, tais como
cardápios
e
uniformes
temáticos,
arquitetura
que
remeta
ao
espaço
geográfico
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
nordestino de forma organizada e ergonômica, música ambiente regional, vitrine de
alimentos e fluxo de movimentação etc.
O
desenvolvimento
dos
mercados
regionais
é
um
fenômeno
importante
para
o
crescimento da economia local, com repercussão no varejo, nos setores de comércio e
serviços, entre outros.
Constatamos
que
as
regiões
brasileiras
estão
se
desenvolvendo
economicamente, evoluindo o perfil de consumidores, investindo em
grupos
de
mídia,
atraindo
diversos
setores
da
produção
com
oportunidades de negócios, empregos, etc. Nesse sentido, há um
despertar para o consumo regional (Oliveira, 2010, p. 215).
Dentro dessa perspectiva, se encaixa o restaurante regional Mangai, objeto deste estudo,
por ser uma empresa de origem regional, com destaque de atuação no nordeste e que se
expande, com reconhecimento, levando a identidade nordestina para além dos seus
limites territoriais.
O Folkmarketing, a experiência e a ambientação no restaurante regional Mangai
Mangai é uma expressão popular usada em algumas cidades do interior nordestino para
designar uma feira, um lugar onde se encontra de tudo um pouco.
Luiz Beltrão (1980, p. 44), nos conta que
A feira é um encontro semanal, realizado nas vilas e cidades da região,
em que feirantes são produtores que procuram vender o fruto do seu
mourejar e adquirir aquilo que lhes falta em casa. Realizava-se, a
princípio, nos domingo, quando o matuto e sua família aproveitavam a
ocasião para cumprir deveres religiosos, consultar o médico ou o
farmacêutico, fazer encomendas do que não se encontrava facilmente
à venda, informar-se das novidades, divertir-se.
O restaurante iniciou sua história com a venda de produtos do sertão, tais como
rapadura, queijo de coalho, queijo de manteiga, carne de sol, frutas e verduras (ver
figura 1). Posteriormente, começou a servir café da manhã, almoços típicos e ceia
nordestina, com destaque para a tapioca, o cuscuz, a pamonha, a canjica, entre outros
itens da culinária regional nordestina.
A primeira unidade do restaurante Mangai foi inaugurada em 1989, em João Pessoa, na
Paraíba (ver figura 2). Em 1996 foi aberta uma filial de verão em Camboinha, praia
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
tradicional e bastante movimentada na cidade de Cabedelo, vizinha a João Pessoa. Em
1998 foi inaugurada a unidade de Natal, no Rio Grande do Norte, com uma estrutura
mais completa e com maior capacidade de atendimento do que a matriz (ver figura 3).
Em 2008 o Restaurante Mangai extrapola os limites territoriais nordestinos e é lançada,
então, a unidade de Brasília, no Distrito Federal, que passa a ser considerado um dos
maiores e mais bem estruturados restaurantes de culinária brasileira, tendo, em 2009,
sido escolhido pela revista Veja Brasília como o melhor restaurante brasileiro do
Distrito Federal (www.mangai.com.br).
Mais uma vez aplica-se o conceito de Folkmarketing, que de acordo com Francisco
Laerte Magalhães (apud Lucena, 2006, p. 271), “caracteriza-se como um fenômeno da
globalização, em que as fronteiras, de um modo amplo, são reconfiguradas e os
conceitos específicos da cultura transmutam-se, ocupando lugares antes da oposição”.
O restaurante Mangai é presença garantida, reconhecida e certificada em guias
gastronômicos da cozinha brasileira. Além disso, a visibilidade da marca em diversas
reportagens veiculadas, participações em novelas, jornais, programas de televisão, e um
crescente boca-a-boca de clientes que visitam o Mangai diariamente, para torná-lo
referência em qualidade da gastronomia nordestina, criando assim, uma marca forte e
consolidada.
Para garantir o padrão de qualidade em todo o ciclo produtivo, a organização
desenvolveu algumas empresas paralelas: Pé de Fruta – empresa produtora de frutas e
verduras; Fabricca Mangai – panificadora e confeitaria; e Mitsis, com soluções de
informática para o bom funcionamento administrativo da rede de restaurantes.
O restaurante Mangai pode ser considerado uma loja conceito da culinária nordestina.
Lojas conceito ou
flagship stores
são os locais, por excelência, de exposição do DNA da
marca,
com
especial
atenção
à
escolha
do
ponto
(local),
arquitetura,
design
,
merchandising visual com ênfase em decoração, clima, cheiro, iluminação, música e
imagens associativas, além de treinamento de equipe e divulgação segmentada.
O Mangai é uma loja preparada para proporcionar essa experiência com a culinária
nordestina e satisfação aos clientes, a fim de transformar o estereótipo regional
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
nordestino numa realidade sensorial, com a oferta de um
mix
de produtos gastronômicos
típicos, em um ambiente lúdico e temático, que potencializa a percepção de entrada em
um
universo
gastronômico
regional.
A
utilização
de
tais
recursos
possibilita
a
experimentação da variada culinária nordestina dentro de um ambiente artificial, que
remete ao agreste nordestino, por meio da ambientação do salão, bem como das áreas de
lazer, entrada e estacionamento utilizando objetos de decoração típicos de uma casa
tradicional regional e do uniforme da brigada de salão (ver figura 4).
O
website
(www.mangai.com.br) segue a mesma identidade cultivada no ponto de
venda físico e o aspecto regional surge durante a navegação, nos detalhes imagéticos
típicos do nordeste. O menu de navegação é sobreposto, por exemplo, a um fundo que
remete a couro (ver figura 5). Ainda é possível visualizar a apresentação dos pratos
destacados, que são especialidades regionais (ver figura 6), o espaço físico dos
ambientes com sua decoração que remete ao sertão e o uniforme dos funcionários
referenciado no cangaço. Percebe-se, entretanto, que o
website
conta somente com
versão em português e não faz uso de áudio, o que diminui o seu impacto quanto ao
acesso, tanto com relação aos turistas estrangeiros, quanto à contextualização musical,
que somaria identidade ao aspecto regional, potencializando a compreensão de seu
posicionamento enquanto representante típico desta região do Brasil.
A sustentabilidade socioambiental também faz parte da filosofia da empresa e é
destacada no
website
, com a divulgação das ações de responsabilidade ambiental
fomentadas pelo Mangai, como programas de coleta seletiva e reciclagem, bem como
responsabilidade social, com a qualificação dos profissionais da casa, participação no
programa do SENAC Menor Aprendiz, e programas de difusão social, como a
distribuição de kits para sopas e realização de festejos natalinos para a população
carente nas cidades onde atua.
Considerações Finais
O restaurante regional Mangai fomenta o universalismo através do particularismo e o
particularismo
através
do
universalismo,
ou
seja,
enquanto
a
culinária
regional
representa um pedaço importante da cultura nacional, a cultura nacional se faz também
representar no conjunto de seus regionalismos, nada mais sendo que um conjunto de
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
hibridismos culturais, mesclando os elementos formadores das diversas culturas locais
para formar o grande mosaico nacional de brasilidade, proposto por Stuart Hall.
Neste
choque
assimétrico
entre
a
homogeneização
globalizante
e
a
resistência
heterogênea local, as empresas brasileiras devem se valer desta janela de oportunidade
para a valorização das culturas locais enquanto diferenciais de produtos e serviços a
serem oferecidos no mercado global, com o conceito de brasilidade agregado aos
segmentos de atuação onde o país tem possibilidade de penetração. Isto vale para a
culinária regional e para a gastronomia Nordestina.
O
Folkmarketing
aplicado
de
maneira
estratégica
na
comunicação
da
empresa,
sobretudo no ponto de venda, propicia a utilização de elementos simbólicos da cultura
nordestina, representados não somente pela gastronomia, ou seja, pelos pratos do
cardápio oferecidos pelo restaurante, mas também pela maneira lúdica e criativa com
que se faz a ambientação da loja. Por meio do
visual merchandising
, ou seja, da
decoração
do
espaço,
dos
uniformes
temáticos
dos
funcionários
e
de
objetos
estrategicamente dispostos por todo o local, é reproduzida uma atmosfera das antigas
feiras da região nordeste, transportando os clientes para um universo particular da
cultura
nordestina.
O
mesmo
conceito
regional
é
empregado
na
comunicação
institucional da empresa em seu
website
, reforçando a identidade criada.
Como o restaurante regional Mangai apresenta, em todos os seus pontos de venda, uma
preocupação com a arquitetura,
design
, merchandising visual com ênfase em decoração,
clima, cheiro, iluminação, entre outros itens avaliados, ele pode ser considerado uma
flagship store
, ou um espaço conceito, que promove um reforço comunicacional por
meio do alinhamento das ações ao posicionamento pretendido, proporcionando, ainda,
aos clientes, uma experiência diferenciada, que reforça o conceito de regionalização e
identidade da marca.
A construção identitária regional busca e valoriza os elementos presentes na cultura
popular da região e, ao serem aproveitadas pelo marketing corporativo, tornam-se
ferramentas
direcionadas
para
a
construção
de
identidade
de
marca
que
visa,
principalmente, a criação de um posicionamento diferenciado e exclusivo para a
empresa que delas se vale, o que, em tempos de globalização e crescente similaridade
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
entre produtos e serviços, torna-se um apelo de diferenciação com forte potencial de
uso, enquanto mescla exotismo e particularidades regionais num apelo de alcance
global. No caso do Mangai, do original conceito folclórico das feiras de rua nordestinas
em direção à participação no mercado de alimentação brasileiro.
Referências
AZEVEDO Jr., Aryovaldo de Castro. (2005). Imagem mundo. Tese de doutorado,
IAR/Unicamp, SP.
BELTRÃO, Luís. Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados. São Paulo:
Cortez, 1980.
CORRÊA, Roberto. Planejamento de propaganda. 8. ed. São Paulo: Global, 2002.
FERRACCIÚ, João de Simone. Promoção de vendas. São Paulo: Makron Books, 2002.
HALL, Stuart. A Identidade Cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A,
2002.
LUCENA, Severino Alves de. Discursos organizacionais e o folkmarketing no contexto
da Festa Junina. In: SCHMIDT, Cristina (org.). Folkcomunicação na arena global:
avanços teóricos e metodológicos. São Paulo: Ductor, 2006.
LUPETTI, Marcélia. Administração em publicidade: a verdadeira alma do negócio. 2.
Ed. São Paulo: Cengage Learning, 2010.
MELO, José Marques de. Mídia e cultura popular: história, taxionomia e metodologia
da Folkcomunicação. São Paulo: Paulus, 2008 (Coleção comunicação).
OLIVEIRA, Maria Érica de. Mídia regional: indústria, mercado e cultura. Natal, RN:
EDUFRN, 2010.
RANDAZZO, Sal. A criação de mitos na publicidade. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.
STEVENS, Robert. Planejamento de Marketing. SP: Makron, 2001.
TRIGUEIRO, Osvaldo Meira. Folkcomunicação & ativismo midiático. João Pessoa,
PB: UFPB, 2008.
WARNIER, Jean-Pierre. A mundialização da cultura. Bauru, SP: Edusc, 2000.
WEILBACHER, Willian M. Marketing de marcas. São Paulo: Makron,1994.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Figura 1 – Venda de produtos do sertão
Fonte: www.mangai.com.br
Figura 2 - Parte interna da unidade de João Pessoa, PB (1990)
Fonte: www.mangai.com.br
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Figura 3 - Fachada da unidade de Natal, RN
Fonte: www.mangai.com.br
Figura 4 – Uniformes dos atendentes
Fonte: www.mangai.com.br
Figura 5 – Homepage www.mangai.com.br
Fonte: www.mangai.com.br
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Figura 6 – Página interna (Cardápio/Pratos principais)
Fonte: www.mangai.com.br
1
Doutor em Multimeios (IAR/UNICAMP), publicitário e professor adjunto do curso de Comunicação
Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, no Brasil. Integrante das bases de pesquisa Nielp
(USP) e Pragma (UFRN), Aryovaldo Azevedo pesquisa marcas e o conceito de brasilidade.
E-mail:
aryazevedo@cchla.ufn.br.
2
Doutora em Comunicação Social (UMESP), publicitária e professora adjunta do curso de Comunicação
Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, no Brasil. Integrante do grupo de pesquisa
Imagem, Mercado e Tecnologia (UFRN), Lucimara Rett pesquisa sobre convergência das mídias e
regionalização dos mercados publicitários. E-mail: lucimararett@uol.com.br.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
logo_pie_uaemex.mx