Artículo en PDF
Como citar este artigo
Número completo
Mais artigos
Home da revista no Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
CONSTRUÇÃO
HISTÓRICA
DOS
SÍMBOLOS
-
CASO
“MOTORISTA
GREGÓRIO”
Iury Parente Aragão
1
Magali do Nascimento Cunha
2
Resumo
Esta pesquisa busca verificar o processo de como a água passou a ser símbolo do santo
não-canônico Motorista Gregório. O objetivo é compreender como a água está presente
no imaginário dos devotos e da mídia, assim como entender a capacidade de os ex-votos
transmitirem mensagem. As referências foram variadas para que o processo pudesse ser
entendido, sendo fundamentais Luiz Beltrão, Câmara Cascudo, Roland Barthes e Pierre
Bourdieu. Como metodologia, foi necessário realizar pesquisa bibliográfica, pesquisa
documental
e
entrevista
semiestruturada.
Os
resultados
apontam
para
a
indissociabilidade entre a sede e o santo não-canônico durante toda a história, como
também que a garrafa com água como ex-voto é ruidosa em sua comunicação.
Palavras-chave
Religiosidade; Folkcomunicação; Ex-votos; Mídia; Devotos.
Abstract
This research tries to verify how the water became the non-canonical saint "Driver
Gregório" symbol. The objetive is to understand how the water is present in the
imaginary of the devotees and of the midia, as well to understand the capacity of the
“ex-votos” [name given to objects that symbolize the blessing received by believers] to
transmit the message. There are different references to understand the process, and Luiz
Beltrão,
Câmara
Cascudo,
Roland
Barthes
and
Pierre
Bourdieu
offer
important
contributions. Considering the methodology, it was necessary to realize bibliographical
and documental research, and semistructured interviews. The results points to the
inseparability between thirsty and the non-canonical saint during all the history, as also
that the bottle of water as “ex-vote” is superlative in its comunication.
Keywords
Religiousness, folkcomunication, ex-votes, midia, devotees.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Introdução
Em 17 de outubro de 1927, nas cidades de Barras (PI) e de Teresina (PI), um delegado
matou um motorista, e esse assassinato marcou os dois municípios. Foi o homicídio de
Gregório Pereira dos Santos, o Motorista Gregório, pelo delegado Florentino Cardoso.
Na época, o acontecimento teve grande repercussão, com os jornais “A Imprensa” e “O
Piauhy” falando sobre o caso e as populações demonstrando indignação, como afirmou
o assassino em depoimento prestado, em 1975, ao perito criminal Vital Araújo:
É verdade que na missa de 7º dia os motoristas passaram buzinando
em frente à penitenciária. Mas não foi apenas neste dia. Todos os dias
de
finados
eles
passavam
fazendo
aquela
buzinadeira
terrível.
Besteira, porque a pessoa que morre não precisa nada disso. Mas tudo
isso era contra minha pessoa, eu sabia.
O Motorista Gregório foi ganhando a fama de milagreiro, com os devotos acreditando
num martírio, com espancamento, com correntes, com falta de comida e de água. E, por
fim, enxergando um motorista inocente amarrado à beira do rio Poti, olhando para a
água e morrendo, por causa da sede.
Em torno da lembrança da morte dolorosa do Motorista Gregório, surgiram histórias de
milagres, ex-votos e homenagens feitas pelo poder público como a “Rua Motorista
Gregório” e a “Praça Motorista Gregório”, além do posto do Departamento Estadual de
Trânsito (Detran-PI) que foi nomeado de “Espaço do Usuário Motorista Gregório”, que
rendeu inauguração com a presença de algumas autoridades:
O governador Wellington Dias estava representado na solenidade pela
secretária
estadual
da
Administração,
Regina
Sousa.
Também
estiveram no evento o diretor-geral do Detran-PI, Assis Carvalho, o
secretário dos Transportes, Robert Rios, o secretário de Agronegócios,
João Batista Alves, a prefeita de Altos, Elvira Raulino e várias outras
autoridades, como o perito criminal Vital Araújo, que desenvolve
trabalho pela beatificação do motorista Gregório. (Governo inaugura
posto
do
Detran
em
shopping,
2003,
disponível
em:
Homenagens foram/são feitas e símbolos
3
foram/são criados, e, para este artigo, o foco
de análise estará, especialmente, nos ex-votos, os quais são colocados no monumento ao
Motorista Gregório e no túmulo do santo não-canônico. Porém, qualquer outra
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
representação material da história, dos milagres ou da morte do motorista, poderá ser
observada mais atentamente.
Os ex-votos são carregados de histórias, sentidos, vontades, desejos etc., tornando
possível que um único objeto seja capaz de relatar o sofrimento de devotos, tendo,
ainda, a capacidade de mostrar aos observadores traços sociais e históricos de um grupo
que vivencia uma determinada crença. Analisar os ex-votos colocados no túmulo e no
monumento feito em homenagem ao Motorista Gregório se faz importante, pois, por
eles, é possível entender as características do grupo que tornou santo um jovem
motorista assassinado. Desta forma, duas perguntas precisam ser realizadas para o
desenvolvimento deste trabalho: quais processos históricos fizeram parte da construção
dos símbolos existentes em torno do caso Motorista Gregório? Qual é a “concentração
simbólica
4
” existente nas garrafas de água deixadas no Monumento ao Motorista
Gregório?
Para o melhor entendimento deste trabalho, ele será dividido em 4 partes, sendo elas: I)
“Ex-votos”, II) “Breve histórico do santo não-canônico Motorista Gregório”, III)
“A
água na existência do santo não-canônico”, IV) “ex-votos para o Motorista Gregório”.
Os materiais para análise foram conseguidos através de observação participante da
romaria ao milagreiro no Dia de Finados de 2010, tendo o pesquisador observado 13
horas de manifestação (das 6:30h às 19:30h) no monumento ao Motorista Gregório,
anotando os ex-votos colocados e entrevistando os devotos. Os ex-votos depositados no
túmulo do motorista também foram verificados, com uma visita às 6 horas do dia
02/11/2010 e outra às 12:30h do dia 03/11/2010 para que fossem contados a quantidade
de peças colocadas nesse período de tempo.
Ex-votos
Em muitas partes do Brasil há “salas dos milagres”, que são espaços reservados para
que os devotos rezem, agradeçam os milagres recebidos e peçam ajuda para superarem
situações difíceis. São locais onde são depositados ex-votos, sendo, na definição de Luís
da Câmara Cascudo (2000, p. 612):
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Lugar onde os fiéis depositam os chamados
ex-votos
, objetos que
testemunham o milagre acontecido e o “pagamento de promessa”. A
sala dos milagres, no Brasil, além de refletir a devoção e a fé dos
católicos, é também um indicador dos problemas socioculturais das
diversas regiões.
Os ex-votos são peças feitas artesanalmente ou compradas prontas. Ao serem expostas,
elas narram algo para quem as vê: contam milagres, as dificuldades pelas quais as
pessoas passam e mostram o poder que um santo tem. Uma sala dos milagres que
merece destaque é a do Padre Cícero, localizada na cidade de Juazeiro do Norte (CE).
Ela é organizada como um museu, contendo inúmeras peças, e é um ambiente em que o
visitante anda pelos corredores observando os principais desejos do povo e os
infortúnios que podem ser superados apenas com a ajuda de uma alma bendita, segundo
a fé popular. São partes do corpo feitas de madeira ou gesso, fotos, cartas, bilhetes com
pedidos de graça, diplomas universitários etc.
Imagens de ex-votos depositados ao Padre Cícero, em Juazeiro do Norte.
Fonte: autor da pesquisa.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Os ex-votos são, de acordo com Luís da Câmara Cascudo (2000, p. 220):
Do latim
votum
, coisa prometida. “O que se promete deve ser pago”,
diz o ditado. Ex-voto é o que se promete ao santo de devoção para se
receber a graça, ou o que se oferece por tê-la alcançado. Não é
exclusivo do mundo católico; encontra-se em toda parte, tendo sido
registrado desde a Antiguidade, entre os assírios. O ex-voto reflete
tudo o que tem afligido ou exaltado o ser humano ao longo dos
séculos; testemunho de fé que se fortaleceu com o sofrimento, um ex-
voto pode ser: vela, foto, flor, partes do corpo feitas em cera, barro ou
madeira, e outros objetos.
Eles estão presentes nos ambientes em que existem milagreiros, com os agraciados
levando várias coisas que sejam ligadas ao pedido atendido. Eles são divididos em
diversos tipos. De acordo com a tipologia de Jorge González (1981), podem ser
“figurativos”
, pois são objetos que expressam a graça obtida (partes anatômicas, figuras
humanas, animais etc.); “representativos”
, que expressam metonicamente um aspecto,
elemento ou componente da totalidade do milagre operado (martelos, figurando
trabalho; diploma figurando êxito escolar; muletas, figurando saúde recuperada);
“discursivos”
, caracterizados por descreverem os milagres através da escrita, como
bilhetes e cartas; os ex-votos “midiáticos”
, que são anúncios veiculados em jornais,
revistas e outros meios de comunicação; por fim, o último tipo de ex-voto, que são os
“pictóricos”
, caracterizados por quadros pintados em madeira ou outros matérias,
ilustrando milagres através de imagens, símbolos e palavras. (Marques de Melo, 2008).
O ex-voto é linguagem
5
. Ele “fala”, conta, mostra algo; dá indícios do que precisa ser
melhorado na comunidade e revela os dramas pelos quais várias pessoas passaram. Não
é uma linguagem
6
verbal, mas transmite mensagens através das peças, que têm valor
estético, e são feitas pelos devotos (ou compradas) para serem depositadas.
Embora a afirmação já se constitua num truísmo, não custa repetir que
toda linguagem precisa estar encarnada numa materialidade qualquer
para que possa ser transmitida, ou seja, para que se efetive o processo
de comunicação que ela está apta a efetuar. Tal materialidade recebe
comumente a denominação de suporte, meio, canal, veículo etc., quer
dizer, qualquer coisa material de qualquer espécie que sirva de meio
de veiculação das mensagens nas quais os processos de linguagem se
configuram. (Santaella, 1996, p. 316)
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Luiz Beltrão, na sua tarefa de pesquisar e encontrar os meios comunicacionais pelos
quais as populações que não adquiriram completamente a cultura alfabética transmitem
mensagens, analisou os ex-votos e percebeu neles uma grande força comunicativa: cada
objeto
depositado
trazia
uma
grande
carga
simbólica,
tornando
público
um
acontecimento. No artigo “O Ex-voto Como Veículo Jornalístico”, de 1965, Beltrão
analisa vários tipos, como fotografias, ex-votos zoomorfos e simbólicos
7
, e aponta que
qualquer peça colocada carrega em si informações que falam dos devotos, dos
problemas e das insatisfações:
O ex-voto, na sua “ingênua exageração dos milagres” é, na verdade,
um
veículo
da
linguagem
popular,
dos
seus
sentimentos.
Agradecimento a Deus e protesto contra os homens de governo,
responsáveis pela situação lastimável em que se encontra a maioria do
povo brasileiro. (Beltrão, 2004, p.123)
Porém, os ex-votos não seguem um padrão, eles não são os mesmos em todos locais de
agradecimento, pois são resultados da realidade de um determinado grupo, com as peças
sendo criadas a partir das experiências vividas. Alguns tipos são mais comuns, podendo
ser encontrados em muitas salas dos milagres, como pernas e cabeças de madeira.
Todavia, outros são mais individualizados, sendo conseqüência de acontecimentos
específicos de uma comunidade, como no caso das garrafas de água deixadas ao
Motorista Gregório, em Teresina (PI).
Os ex-votos são peças capazes de serem mensagem, de serem a linguagem do povo, que
mostram suas dificuldades e suas crenças. Um olhar para as peças é o início da
compreensão de que há muitas vozes dentro de cada objeto, contando uma história,
pedindo
ajuda
ou
mostrando
experiências
que
ainda
não
foram
vividas
pelo
observador/receptor. O ex-voto é uma mensagem querendo ser decodificada.
Breve Histórico do Santo Não-Canônico
8
Motorista Gregório
O Motorista Gregório tornou-se milagreiro no imaginário popular após a sua morte
9
. Ele
não tinha nenhum grande reconhecimento em vida, era apenas um garoto que trabalhava
como motorista para a paróquia da cidade de Barras (PI), para o padre Lindolfo Uchôa.
O veículo foi adquirido com a finalidade de o pároco visitar as localidades mais
distantes e, assim, ter acesso a um número maior de pessoas.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
O santo popular em questão, embora tendo sido reconhecido como tal no Piauí, não era
piauiense, tendo a naturalidade desconhecida até hoje. Muitos cogitam que o seu
nascimento ocorreu na Paraíba, pois foi neste Estado que ele foi contratado e levado à
cidade de Barras pelo comerciante Jaime Teodomiro.
Gregório Pereira dos Santos, o Motorista Gregório, era um garoto que estava morando
na Paraíba e aos dezenove anos foi residir em Barras do Marathaoan (PI) a convite do
comerciante Jaime Teodomiro. Este foi à Paraíba com o intuito de comprar um carro, o
Ford T, para circular na cidade piauiense. Ao adquirir o veículo, o comerciante
contratou Gregório para ser o motorista. Após pouco tempo, Jaime passou o carro para a
paróquia do padre Lindolfo Uchôa (Barros, 2008).
A história da sua morte e da sua santificação popular começou no dia 14 de outubro de
1927. Barras estava em festa porque Dom Severino Vieira de Melo iria visitar a
paróquia local. Era uma visita rara, pois a população inteira se preparou, conforme
explica Barros
10
em entrevista com este pesquisador:
A visita de Dom Severino deve ter sido uma visita muito rara, porque
fizeram uma festa muito grande. Eu conversei com algumas pessoas
que eram crianças na época e me disseram que a cidade mudou
completamente. Fizeram um jantar muito grande para ele na diocese,
tinha
banda
de
música,
que
ficou
montada
uma
tarde
inteira
esperando, e ele nunca apareceu. (Barros, 2009)
Neste dia atípico, em que as ruas estavam enfeitadas e a população esperava a visita de
Dom Severino, Gregório, dirigindo o Ford T, levava o juiz de Direito José de Arimathéa
Tito, o coronel Otávio de Castro Melo e o padre Lindolfo Uchôa para receber Dom
Severino na entrada de Barras. Ao passar pela Rua Grande, Manoel Cardoso de
Vasconcelos, uma criança com 3 anos e 10 meses de idade, saiu de dentro da sua casa e
cruzou na frente do carro, sendo atropelado, com o pneu tendo passado por cima do seu
peito, causando traumatismo na região torácica, levando-o à morte. A população local
afirmava que foi uma fatalidade e que Gregório não teve como evitar o atropelamento.
Manoel era filho de Florentino Cardoso, inspetor de veículos e delegado da cidade.
Florentino, ao saber que seu filho fora atropelado, prendeu Gregório, torturando-o e
deixando-o sem comida e sem água. O juiz de Direito José de Arimathéa Tito, que
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
estava dentro do carro no momento do acidente, ficou sabendo da prisão do motorista e
expediu um
Habeas Corpus
para a liberação de Gregório.
O delegado disse ao juiz que iria cumprir a ordem, mas foi para Teresina levando o
Motorista Gregório acorrentado pelo pescoço. Ele ordenou que João Fernandes,
apelidado Peba, guiasse um caminhão até Teresina. Nele foram Guiomar (esposa do
delegado), o caixão com o corpo de Manoel, o delegado, dois soldados e todos os
pertences da família. Gregório viajou na boleia, acorrentado pelo pescoço. Por causa da
péssima condição da estrada, a viagem foi demorada, durando toda a noite até chegarem
ao porto do “Porenquanto”, localizado na cidade de Teresina, capital piauiense, onde
tiveram que descarregar o caminhão para ter condição de descer a ribanceira. Quando a
carga foi descida, inclusive o caixão com o corpo de Manoel, Florentino, ao ver o
féretro no chão, puxou a Parabélum e disparou um tiro na cabeça de Gregório.
Após o assassinato, Florentino Cardoso se dirigiu ao Quartel de Polícia e se entregou ao
comandante, o major Delfino Vaz de Araújo, que imediatamente o prendeu. Com o
inquérito instaurado, foi levado para a penitenciária do Campo de Mártires, onde
permanceu em regime semi-aberto (Dias; Araújo, 2005, p. 61).
O delegado tinha muitas facilidades na prisão, podendo circular livremente. A fuga já
era algo esperado, como descreve Arimathéa Tito:
No dia 17 de março de 1928, a imprensa de Teresina advertia as
autoridades: planejava-se a fuga de Florentino. Outras edições de
jornais diziam que o assassino gozava na prisão de regalias especiais,
era visto nas ruas de Teresina e dormia tranquilamente em casa da
família. Mandou então buscar animais em Valença. E às seis horas da
manhã do dia primeiro de junho de 1928, saiu da cadeia, em
companhia do ex-sargento José Durão, ambos armados de mosquetão
– e ambos atravessaram o Poti. Era a fuga de Florentino. (Tito Filho,
1987, p. 8)
Não é sabido como se deu o restante da fuga. O certo é que Florentino foi encontrado,
oito anos depois, em Salvador, Bahia, sendo reconduzido para Teresina, chegando em
15 de janeiro de 1935, para então ser julgado pelo assassinato do motorista Gregório.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Florentino Cardoso, em depoimento prestado em 14 de setembro de 1975 a Vital
Araújo, na cidade de Crateús, afirmou que foi vítima de perseguição do Padre Lindolfo
Uchôa e que, no julgamento, os acusadores tentavam sensibilizar o júri:
No juri houve uma passagem interessante, era meu acusador, um rapaz
que havia deixado o seminário há pouco e em determinado momento
ele levantou a corrente, dizendo que trazia o preso amarrado com
aquelas correntes, etc. O Dr. Francisco Parente pediu um aparte e
disse que estavam ali fazendo um julgamento dentro do Código Penal
Brasileiro e não com jogadas para sensibilizar o povo e concluiu: se
fosse para sensibilizar o povo nós da defesa teríamos trazido para cá
um caixãozinho de anjo, todo coberto de azul. Houve muitas palmas
para meu advogado.
No primeiro julgamento, realizado em 21 de agosto de 1935, o delegado foi condenado
a 19 anos e três meses de reclusão. O julgamento foi anulado, havendo uma segunda
instância, com Florentino Cardoso sendo absolvido por unanimidade por ter sido
considerado perturbado dos sentidos no momento do delito. Num terceiro e último
julgamento o delegado foi considerado, mais uma vez, inocente, sendo absolvido da
acusação de ter assasinado Gregório Pereira dos Santos.
Florentino não mais continuou no Piauí. Foi morar no Ceará, na cidade de Crateús. Para
viver, realizava bicos na área de construção civil. Gregório, aos poucos, foi ganhando
fama de santo, por correrem histórias de milagres realizados por ele. O delegado não se
arrependeu de ter cometido o crime, pois, segundo ele, “conseguiu transformar um
pecador em santo”, conforme expões Araújo (1975) no jornal O Estado.
A Água Na Existência Do Santo Não-Canônico
A água é o elemento que tem mais brilho, que foi escolhida para marcar a tragédia e
Gregório como santo não-canônico. Mas nem sempre foi essa a visão predominante.
Para isso, este tópico irá contar como os jornais trataram o assassinato e como a água foi
associada à história do motorista. Também mostrará como os devotos veem a ligação
entre a água e o seu santo.
Após o assassinato do Motorista Gregório, em 1927, o caso foi assunto em jornais de
Teresina, causando até rixa entre “Imprensa
11
” e “O Piahuy”. As matérias, utilizando a
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
classificação de hoje, estariam na editoria policial, pois narram o atropelamento de
Manoel Cardoso de Vasconcelos e o assassinato do motorista.
O jornal “Imprensa”, em 18 de outubro de 1927, um dia após o assassinato, publicou a
matéria “Crime Monstruoso”, na qual conta que o atropelamento foi “inteiramente
casual: passava o automóvel em uma rua, completamente às escuras, quando, a inditosa
criança, saindo de uma porta, foi ao encontro do automóvel, recebendo ferimentos no
rosto e contusões pelo corpo”. Esse jornal continuou tendo como pauta o homicídio,
publicando em 20 de outubro de 1927 um telegrama
12
vindo de Barras, no qual não
identifica o autor, dizendo que:
Pessoas que viram na polícia o cadáver da vítima afirmam que ele
tinha o ventre escavado e as costelas à mostra como a imagem de
Cristo crucificado e que se notava claramente no pescoço a marca da
corrente com que o algoz o suspendeu numa trave na ocasião do
fuzilamento.
... Que a misericórdia Divina se compadeça de nós e nos
proteja, pois, da injustiça dos homens, nada temos a esperar. Ou
somos um povo apodrecido até a medula dos ossos, ou a reação vem
perto.
“O Piahuy” não publicou nenhum exemplar até o dia 27 de outubro de 1927, pois estava
em reforma. A primeira informação a respeito do caso, nesse jornal, ocorreu na edição
de 28 de outubro de 1927, contudo o foco não foi o assassinato em si, mas a
oportunidade de desmentir e criticar o jornal concorrente, o “Imprensa”. Na matéria, as
explicações sobre a arma e sobre a responsabilidade da apuração do caso vêm como
consequência dos apontamentos do erro do jornal rival.
Pede-nos o sr. Secretário de Estado de Governo, bacharel Joel de
Andrade Servio, tornemos público que, no caso da entrega do revolver
uzado
pelo ex-tenente Florentino Cardoso, autor do assassinato do
infeliz
Chauffeur,
Gregorio
dos
Santos,
a
sua
acção
não
foi,
propriamente, a que relataram nossos collegas da “Imprensa”, pois s. s
não
tendo,
absolutamente
atribuições
policiais,
e
conhecendo
perfeitamente as que exerce, em virtude do cargo que ocupa, não teve,
no caso em questão, a interferencia que se afirmou, naturalmente de
pessoa mal informada.
... São, portanto, descabidas as insinuações e
commentarios tendenciosos de que, com relação ao caso, se fizeram
echo
aqueles
nossos
collegas
da
“Imprensa”,
certamente,
positivamente mal informados, por quem, em torno do facto tão
simples na vida policial, procura tecer os fios anonymos de mal velada
intriga. (Jornal “O Piauhy”, 28/10/1927)
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
O caso motorista Gregório ressurgiu na década de 1930 por causa da volta de Florentino
Cardoso ao Piauí para ser julgado. No “Diario Official do Estado do Piahuy” foram
emitidas notas do “Diario da Justiça” sobre o encaminhamento do processo e do
“accórdão”, anulando o julgamento anterior e remarcando um novo.
Algumas linhas apontaram a sede do motorista, mas não foi a parte mais importante das
matérias. Falavam da morte por tiro e da tortura sofrida. Os jornais divergiram sobre
alguns aspectos, mas histórias da morte causada pela sede não apareceram, e muito
menos de “santificação popular”.
Até a década de 1930 não foi encontrado nenhuma fala que reportasse ao Gregório
como um santo. Era um caso policial que necessitava ser resolvido. Eles não falavam de
morte por sede: a morte foi por tiro. Porém, o martírio foi muito comentado, sendo uma
face da história que já foi vista em 1927 e é encontrada até hoje nos jornais e nos
discursos dos devotos.
Em 1975 o Motorista Gregório ganhou destaque novamente, pois, na data de 07 de
setembro, o jornal “O Dia” publicou uma matéria sobre o caso, alegando que o delegado
Florentino “hoje está cego e paralítico na cidade de Crateús”. Então, Helder Feitosa,
dono de “O Estado” (um jornal concorrente), pediu para que o perito criminal Delfino
Vital da Cunha Araújo localizasse e fizesse uma matéria com o assassino do Motorista
Gregório,
a
qual
veio
com
a
manchete:
“não
é
cego
e
nem
paralítico,
está
completamente lúcido e com uma situação financeira razoável, o ex-tenente Florentino
Cardoso” (Jornal “O Estado”, 16 de setembro de 1975).
Nessa época, muitos devotos já visitavam o local em que ocorreu o assassinato,
rezando, pedindo graças e levando garrafas com água para o santo não-canônico, como
pode ser notado na matéria de “O Dia” de 07 de setembro de 1975:
O finado – como justifica para os mortos a linguagem dos vivos –
passou a ser um verdadeiro santo em Teresina.
... A festa do dia 17 terá
sempre as mesmas garrafas d‟água que os devotos colocam no túmulo
de Gregório e as mesmas flores como respeito e crédito à sua
inocência.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
No início da década de 1980 foi inaugurado o monumento ao Motorista Gregório,
localizado na Av. Marechal Castelo Branco, que é em formato de gota para representar
a água e a sede pela qual Gregório passou. Em 1º de novembro de 1983 o jornal “O
Estado” falou que “muitos piauienses acreditam que a alma do motorista José Gregório
seja milagrosa e vão ao local onde foi assassinado, às margens do rio Poti, acender velas
e pagar promessas” e que a prefeitura de Teresina “resolveu cuidar do local onde
Gregório foi morto, construindo um monumento em sua homenagem”.
Monumento ao Motorista Gregório no Dia de Finados de 2009.
Fonte: autor da pesquisa.
O monumento foi construído no local em que Gregório foi assassinado, onde está a
árvore na qual os devotos acreditam que o motorista foi amarrado. As árvores que estão
ao redor da obra foram tombadas em 18 de março de 2002, na gestão do prefeito
Firmino Filho, por considerar:
A necessidade de preservação da vegetação de porte arbóreo situada
em sítios e paisagens de notável feição e especialmente sendo esta
vegetação intimamente vinculada a fato memorável da história de
Teresina; e CONSIDERANDO, ainda, o relevante interesse ambiental,
histórico e religioso associado ao conjunto de árvores situado nas
adjacências do monumento ao motorista Gregório Pereira Santos.
(Decreto nº 5.092 de 18 de março de 2002)
Embora os jornais, em grande maioria, contem sobre a tortura e a execução por tiro, boa
parte dos afeiçoados ao santo não-canônico não vêem a história dessa meneira. No Dia
de Finados de 2010 foram realizadas 12 entrevistas com devotos que estavam no
monumento ao Motorista Gregório, tendo, como um dos objetivos, conhecer a versão
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
que eles conhecem da morte do santo não-canônico. Quando a pergunta foi “Como
Gregório morreu?”, há o seguinte resultado:
- Morte por tiro: 5 devotos acreditam que assim foi;
- “Morreu de
sede”: 4;
- “Morreu com
sede”: 0
- “Um caba matou”, mas não sabe como: 1;
- Foi morto por ter sido arrastado: 1
- Não sabe: 1.
Quando a pergunta foi “E essas garrafas de água.
.. o que são?”, a tendência foi de os
devotos
falarem
sobre
a
morte
do
Motorista
Gregório,
surgindo
um
resultado
interessante, pois não é percebida somente a crença individual, mas o
imaginário criado
pelo grupo.
- “Diz que
morreu com
sede”: 3 devotos dizem que as garrafas
representam isso;
- “Diz que
morreu de
sede”: 1;
- “Morreu de
sede”: 3;
- “Morreu com
sede”: 3;
- Representa a sede que Gregório passou: 1;
- Falou como usa a água: 1.
Há diferença entre as frases “morreu de
sede” e “morreu com
sede”, pois a primeira diz
que a sede foi a
causa mortis
, enquanto que a segunda afirma que o motorista estava
com
sede na hora da morte. Ainda existe diferença entre falar que “diz que” e em
afirmar que “morreu de/com”. O primeiro se refere ao imaginário do grupo, enquanto
que o segundo está relacionado com a versão do devoto. Todos os entrevistados
associam o ex-voto “garrafa com água” à sede. E não há nenhuma peça exposta que
lembre a morte por tiro.
No imaginário dos devotos
, a visão de uma morte com
sede é a mais constante,
aparecendo 6 vezes, enquanto que a de uma morte causada por ela foi apresentada 4
vezes. A morte com
sede é que permeia o imaginário do grupo. Porém, a sede, tendo
sido ou não atribuída a ela a morte, está presente em quase todas as versões, e é ela,
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
aliada ao fato de o Motorista Gregório estar na beira de um rio sem poder se hidratar,
que é o modelo.
É mais recorrente a versão da morte por tiro nos meios de comunicação de massa, como
nos jornais (que foram analisados), do que entre os devotos, mas ambos sempre falam
da sede durante o martírio.
A maior parte dos ex-votos deixados ao Motorista Gregório são garrafas com água.
Alguns deixam comida para o milagreiro. Outros tipos são encontrados, tais comos os
figurativos e discursivos. No próximo tópico será feita uma análise dos ex-votos
encontrados, principalmente das garrafas com água, no intuito de entender o que elas
querem dizer e como esse símbolo foi formado.
Ex-Voto Para O Motorista Gregório
Os ex-votos indicam, na maioria das vezes, a graça alcançada. Se foi uma perna curada,
coloca uma perna de madeira ou gesso; se foi êxito escolar, coloca um diploma; óculos,
para dizer que ficou “bom da vista”. É comum a peça passar uma mensagem próxima do
que foi a graça.
O Motorista Gregório conta com esses tipos de ex-votos mais comuns, como os
figurativos. Porém as garrafas com água aparecem em maior número. Os vasos podem
ser de cerveja, de cachaça etc., sendo as garrafas descartáveis de refrigerante as mais
recorrentes. Lá estão para oferecer água a um injustiçado, hoje milagreiro, que, no
imaginário dos devotos, morreu com sede olhando para o rio Poti. No Dia de Finados de
2010 foram depositados, contando apenas as garrafas PET, 115 no monumento ao
Motorista Gregório e 108 no túmulo dele.
As garrafas podem significar qualquer coisa, qualquer tipo de graça, desde o devoto ter
conseguido um emprego até ser um simples presente para o santo. Pode ter sido
motivado por um milagre ou pela vontade de o fiel dá água ao Gregório.
Se alguém vê uma muleta, por exemplo, numa “sala dos milagres”, associa logo à saúde
recuperada através da ajuda do santo. Porém, a muleta não tem uma ampla gama de
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
mensagens, pois, por exemplo, muito dificilmente será interpretado como a recuperação
de um barco após uma tempestade. Mas as garrafas com água depositadas ao Motorista
Gregório podem ter inúmeros conteúdos simbólicos.
Assim como escolhemos a palavra “mesa” para representar um “móvel que, além de
outras aplicações, serve para sobre ele se porem as iguarias, na ocasião da refeição, e se
executarem
ou
prepararem
certos
trabalhos
artísticos
ou
mecânicos”
(Dicionário
Michaelis), os devotos elegeram o objeto que depositariam ao santo não-canônico. A
palavra “mesa” é um significante, ela foi construída, por um povo, em um contexto,
para ter um conteúdo. O ex-voto “garrafa com água” foi construído historicamente, é o
resultado do martírio sofrido pelo Motorista Gregório; um produto da morte sofrida, da
sede estando à beira de um rio e da transmissão de mensagens entre as pessoas e pelos
meios de comunicação de massa. A garrafa com água como símbolo foi criada para
representar o Motorista Gregório como milagreiro.
O santo é criado pelo povo. São criados “santos de casa”, pois são “sempre entidades
concordantes
com
os
seus
devotos,
espécies
de
DII
CONSENTES
ou
DII
COMPLICES
, demasiados compreensivos e sem maior análise finalista quanto ao
interesse moral das súplicas. A convivência é uma coexistência psicológica” (Câmara
Cascudo, 1974, p. 96). O contato entre os devotos ajuda a fermentar um imaginário que
fortalece a santificação do Motorista Gregório, assim como a estabelecer símbolos que o
marcarão, servindo de referência e marca atuante na lembrança das pessoas.
Tanto a palavra quanto um símbolo de religiosidade popular são impostos pelos
processos históricos, e a garrafa com água como ex-voto passou por isso, continuando
sua ação de fortificação com a ajuda do
habitus
dos devotos.
O principio unificador e gerador de todas as práticas e, em particular,
destas
orientações
comumente
descritas
como
“escolhas”
da
“vocação”,
e
muitas
vezes
consideradas
efeitos
da
“tomada
de
consciência”,
não
é
outra
coisa
senão
o
habitus
,
sistema
de
disposições inconscientes que constitui o produto da interiorização das
estruturas
objetivas
e
que,
enquanto
lugar
geométrico
dos
determinismos objetivos e de uma determinação, do futuro objetivo e
das esperanças subjetivas, tende a produzir práticas e, por esta via,
carreiras objetivamente ajustadas às estruturas objetivas. (Bourdieu,
2005, pp. 201-202)
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
E essa prática de passar, de uma pessoa para outra, crenças e modos de agir é um papel
efetuado pela educação (não somente a formal), pois esta transmite uma determinada
cultura. Isso é comum entre as pessoas que creem nos poderes do santo, pois as
informações que ajudam na formação de um devoto são provenientes da família e dos
amigos, que indicam o local e contam as histórias. A intimidade criada com as visitas ao
monumento favorece a transmissão e a manutenção de algumas ações, transformando a
“herança coletiva em inconsciente individual e comum” (Bourdieu, 2005, p. 346).
Os jornais elegeram, desde 1927, a história da morte de Gregório para ser contada. A
população, tendo a “sede” no imaginário, o escolheu para ser um santo. Barthes, em
“Mitologias” afirma que “Lejana o no, la mitología sólo puede tener fundamento
histórico, pues el mito es un habla elegida por la historia: no surge de la „naturaleza‟ de
las cosas” (2002, p. 200). E o santo não-canônico Motorista Gregório é um produto
histórico, assim como os ex-votos a ele presenteados.
Quando é colocada uma garrafa com água no monumento, ela “diz” que ali há um ente
querido que é capaz de fazer milagres. Se o receptor não conhece a história, não
entenderá o porquê de ela ser depositada. Mesmo que conheça, não saberá, ao certo, o
que ela quer dizer. Curou uma doença? Recuperou um carro? Ajudou o devoto a ter um
emprego? Ou é somente um agrado? Ela pode ser colocada sem que tenha acontecido
milagre. Há apenas uma certeza: uma garrafa com água foi colocada para alguém que
ajuda a população. Existe um significante e um signo entendíveis, mas o significado não
é:
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Essa criação é resultado de uma “concentração simbólica”, que é a junção de histórias e
vontades num único objeto, o qual representa qualquer tipo de promessa e cura, ou
qualquer outra coisa, dependente apenas da imaginação. Assim como um capital
simbólico
13
faz de alguém ser reconhecido num campo
14
, a garrafa com água acumulou
uma ampla gama desse capital, sendo ela a referência quando se fala no Motorista
Gregório. São depositadas cartas, fotos, placas etc., mas a imagem forte é a garrafa com
água. E ela pode representar qualquer coisa, pois tem um significado avolumado, torna-
o difícil de ser entendido, pois não existe uma especificação. É uma formação privativa,
sendo consequência dos processos históricos, sendo “estruturas complexas, constituindo
símbolos de profunda significação e apresentando uma articulação lógica peculiar”
(Beltrão, 2004, p. 69).
Quando
significante
com
poucos
significados
a
comunicação
se
torna
mais
inteligível; um significante com um significado cria uma ligação entre emissor e
receptor menos ruidosa. A garrafa com água como ex-voto foi incorporando a morte de
sede, morte com
sede, a ajuda dos devotos para amenizar a sede do santo, as graças
alcançadas. É um ex-voto capaz de representar qualquer tipo de milagre, ou nenhum.
Trocando em miúdos, está mais para poesia do que para um texto jornalístico.
Três citações, conseguidas durante as entrevistas no monumento ao Motorista Gregório,
podem ser usadas para exemplificar a riqueza de sentidos que as garrafas podem ter. O
devoto K
15
associa o ex-voto a promessas: “É um símbolo. É o povo querendo matar a
sede. Sabe? Todo mundo vem e traz. Faz a promessa. Se alcançar a graça, traz uma
garrafa d‟água”. Já o devoto F fala em amenizar o sofrimento do santo: “É por que ele
morreu com sede e eles acham que botando a água aí alivia o sofrimento dele onde ele
estiver”. Por último, o devoto I, que mora no Pará e foi a Teresina cuidar de um
problema na perna, vê a prática de forma diferente: “Traz a água. Aquela pessoa que tá
com fé pode voltar com ela, como se fosse um remédio. (.
..) Eu lavo muito minha perna
aqui”.
As garrafas com água passam mensagens de milagres, mas entender quais milagres
foram realizados é complicado, e isso por causa da alta “concentração simbólica”, que
não consegue torná-las mais fáceis de entender, muito pelo contrário.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Conclusão
Os ex-votos são capazes de informar, seja
às pessoas que participam de uma
determinada comunidade, seja quem vê de fora a manifestação. Salas dos milagres estão
espalhadas por todo o Brasil, com inúmeros santos e santos não-canônicos recebendo as
ofertas pelos milagres recebidos. O Motorista Gregório é um desses milagreiros criados
pela fé de um povo, sendo uma manifestação da cultura popular. “O povo faz seu
santo”, diria Câmara Cascudo (1974, p. 93), elege quem será capaz de curar e amenizar
as dores. Porém cada santo é criado em contextos específicos. Cada região tem
carências particulares, sendo a criação de símbolos dependente desses contextos.
A formação do santo não-canônico Motorista Gregório teve início logo após o
atropelamento. Os moradores das cidades de Barras e de Teresina ficaram sensibilizadas
com o sofrimento, com os jornais publicando o caso logo após a morte do Motorista e a
população não aceitando a barbárie, tanto que, o próprio Florentino Cardoso relatou a
“buzinadeira” feita pelos motoristas na missa de 7º dia do motorista. O martírio tem
essa capacidade de comover as pessoas, basta ver a quantidade de santos que foram
seviciados. Alguns exemplos são: Santa Catarina de Alexandria, Santa Dorotéia, Santa
Inês, Santa Joana D‟Arc, Santa Lúcia, São Cipriano, São Paulo, São Sebastião etc. Nos
santos não-canônicos essa característica também é comum.
A imagem de milagreiro é transmitida por vários meios de comunicação, como a
oralidade, os jornais e os ex-votos. O
habitus
tem importância nessa difusão, pois ele
ajuda a tornar “natural” algo criado historicamente. Os devotos o fazem porque assim
foi ensinado, assim foi visto, assim é.
Em relação à garrafa de água como ex-voto, ela ganhou o poder de representar o
Motorista Gregório, porém, juntou em si muitas representações, tornando-se uma
transmissora de mensagens, porém, que não consegue especificar quais os motivos de
os devotos lá a depositarem. Há muito conteúdo simbólico numa única peça.
Os devotos não colocam as garrafas no monumento pensando em se comunicar com
outros semelhantes. Eles querem falar com o santo, agradecer alguma coisa e/ou ajudá-
lo na sede. Mas essa ação tem como resultado a comunicação, que pode ser mais ou
menos clara.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Desta forma, o Motorista Gregório é criado pelas ações das pessoas, assim como os
símbolos que o cercam. Não é algo construído rapidamente, mas que precisa ser vivido,
para, então, pouco a pouco, descartar algumas características e sedimentar outras.
Referências
Appêlação criminal da comarca desta capital. Diario Official do Estado do Piahuy. 23
de abril de 1936, p.3.
Azzi, Riolando. (1978). In: Formação Histórica do Catolicismo Popular Brasileiro. In:
A Religião do Povo. São Paulo: Edições Paulinas, p. 44-71.
Bakhtin, Mikhail. (1992). Marxismo e Filosofia da Linguagem. 6ed. São Paulo:
HUCITEC.
Barros, Eneas. (2008). Parabélum. Teresina: [s.n.].
Barthes, Roland. (2002). Mitologias. 13ª ed. México, DF: Siglo veintiuno editores.
Beltrão, Luiz. (2001). Folkcomunicação: um estudo dos agentes e dos meios populares
de informação de fatos e expressão de idéias. Porto Alegre: EDIPUCRS.
Beltrão, Luiz. (2004). Folkcomunicação: teoria e metodologia. São Bernardo do
Campo: UMESP.
Bourdieu, Pierre. (2005). A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva.
Câmara
cascudo,
Luiz
da.
(1974).
Religião
no
povo.
João
Pessoa:
Imprensa
Universitária da Paraíba.
Câmara cascudo, Luiz da. (2000). Dicionário do folclore brasileiro. 9ºed. São Paulo:
Global Editora.
Castoriadis, Cornelius. (1987). As encruzilhadas do labirinto
.
v. II
:
Os Domínios do
homem. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Dias, William Palha; ARAÚJO, Delfino Vital da Cunha. (2005). Motorista Gregório:
mártir ou santo? Teresina: Editora Gráfica Expansão.
Em torno de um caso policial. Jornal O Piahuy. 28 de outubro de 1927, p. 1.
Matador de Gregório não está arrependido. Jornal O Estado, 16 de setembro de 1975. p.
1.
Marques de melo, José. (2008). Mídia e Cultura Popular: história, taxionomia e
metodologia da Folkcomunicação. São Paulo: Paulus.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Martino, Luís Mauro Sá. (2003). Mídia e poder simbólico. São Paulo: Paulus.
Maffesoli, Michel. (2001). O imaginário é uma realidade.
Famecos, 15
. Recuperado em
18
de
novembro
de
2010,
de
Meihy, José Carlos Sebe Bom. (1978). Conceito de Religiosidade Popular. In: A
Religião do Povo. São Paulo: Edições Paulinas, p. 9-15.
Matador de Gregório não está arrependido. O Dia. 7 de setembro de 1975.
Missas no Dia de Finados. Jornal O Estado, 01 de novembro de 1983. p. 5.
Santaella, Lúcia. (1996). Produção de linguagem e ideologia. 2ºed. São Paulo: Cortez.
Símbolo de fé, Gregório faz 70 anos de mito. Jornal Meio Norte. 13 de outubro de 1997.
1
Mestrando em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo – UMESP. E-mail:
iparagao@yahoo.com.br
2
Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP) e professora da
Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). E-mail: magali.cunha@metodista.br
3
“Símbolo” será entendido como um “objeto material que serve para representar qualquer coisa
imaterial” (Dicionário Michaelis).
4
Por “concentração simbólica” entendo a quantidade de histórias, vontades, sentidos e significados
existentes em uma peça, em um símbolo, que, neste caso, são os ex-votos. O assunto será abordado mais
pacientemente no tópico “Ex-voto para o Motorista Gregório”.
5
“Há uma diferença, portanto, que não pode ser esquecida, entre língua e linguagem. Enquanto a língua
se refere exclusivamente à linguagem verbal, „linguagem‟ se refere a qualquer tipo possível de produção
de sentido, por mais ambíguo, vago e indefinido que seja esse sentido. É assim que a poesia é muito mais
lingugem do que língua e é assim também que o cinema e a música, por exemplo, são linguagens sem
serem línguas” (Santaella, 1996, p. 313).
6
Para Beltrão, a linguagem é “qualquer sistema de signos empregados pelos seres vivos do reino animal
para a expressão e/ou intercâmbio de informações”. (Beltrão, 2004, p. 71)
7
Termos utilizado por Beltrão (2004, p. 139) para classificar os ex-votos. Para esse artigo, será
empregada a classificação de González (1981).
8
O termo “santo não-canônico” será utilizado para designar alguém que é visto como santo/milagreiro,
por um grupo de fiéis, sem ter o reconhecimento oficial da Igreja Católica. O termo “santo não-canônico”
não será utilizado como sinônimo de “santo popular”, pois este se refere a qualquer tipo de santo,
canonizado ou não, que é benquisto por uma grande quantidade de pessoas.
9
Por imaginário se compreende aqui a “criação incessante e essencialmente indeterminada (social-
histórica e psíquica) de figuras/formas/imagens, a partir das quais somente é possível falar-se de „alguma
coisa‟. Aquilo que denominamos realidade e racionalidades são seus produtos”. CASTORIADIS,
Cornelius.
As encruzilhadas do labirinto.
v. II
:
Os Domínios do homem. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1987. Desta forma, a realidade é composta por um tecido complexo de significações que impregnam,
orientam e dirigem toda a vida do grupo social e todos os indivíduos que o constituem. Este tecido é o
magma das significações imaginárias sociais
, que se encarnam no grupo social e o animam. Essas
significações são imaginárias porque não correspondem nem se esgotam em elementos “racionais” ou
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
“reais” e porque são introduzidas por uma criação. São sociais porque somente existem enquanto são
instituídas e compartilhadas por um coletivo anônimo e impessoal.
10
Eneas Barros, autor do livro “Parabélum”, o qual é um romance baseado na história do Motorista
Gregório.
11
As matérias do jornal “Imprensa” utilizadas para a elaboração deste artigo foram conseguidas com
Vital Araújo, uma das pessoas que tenta a beatificação do Motorista Gregório. Ele possui transcrições das
matérias do jornal supracitado. Não foi possível o acesso ao “A Imprensa” escrito em 1927 porque ele
está lacrado na Casa Anísio Brito (Arquivo Público de Teresina) para ser digitalizado.
12
Ainda nesse telegrama, a tortura foi relatada: “Gregório, durante a prisão, sofreu bárbaros
espancamentos, não se lhe dando alimento nem água”.
13
“A acumulação desse capital pode levar um determinado agente a conquistar a hegemonia dentro de um
campo” (Martino, 2005, p. 34).
14
“A noção de campo pode ser entendida como espaço estruturado de posições, ocupadas por agentes em
competição, cuja lógica de funcionamento independe desses agentes. Dessa forma, o campo se define
primeiramente como espaço, lugar abstrato, onde age o pessoal especializado no jogo pela conquista da
hegemonia, prerrogativa de determinar as práticas legítimas em cada campo” (Martino, 2005, p. 32-33).
15
Letras aleatórias serão utilizadas em vez dos nomes dos devotos. Isso para garantir o sigilo dos
depoentes.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
logo_pie_uaemex.mx