Artículo en PDF
Como citar este artigo
Número completo
Mais artigos
Home da revista no Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
PONTOS
DE
CULTURA:
ESPAÇOS
DA
MANIFESTAÇÃO
FOLKCOMUNICACIONAL
Júnia Martins
1
Resumo
O
estudo
apresentado,
de
cunho
exploratório
e
natureza
qualitativa,
estabelece
aproximações entre o conceito da Folkcomunicação, cunhado por Luiz Beltrão, e o dos
Pontos de Cultura, projeto do Programa Cultura Viva (Ministério da Cultura do Brasil),
criado pelo historiador Célio Turino. Um Ponto de Cultura consuma-se como espaço de
afirmação e amplificação dos valores sócio-culturais populares, estimulados por meio
da gestão compartilhada entre Estado e sociedade civil. Tal modelo de política pública
cultural traz baixo custo para o governo, porém, reverbera em significativas ações
regionais, promovendo desenvolvimento local por meio do estímulo à cultura e à prática
cidadã. Assim como a Folkcomunicação, cada Ponto de Cultura é radicado nas
expressões da cultura popular produzidas por grupos à margem da grande mídia, os
quais instituem suas próprias formas de comunicação. Neste ínterim, a partir de autores
como Nestór Canclini, Luiz Beltrão, Martín-Barbero, José Marques de Melo e Célio
Turino, é construído aqui o primeiro entrelaço entre o Ponto de Cultura e o campo
folkcomunicacional.
Palavras-chave
Folkcomunicação; Ponto de Cultura; alteridade; identidade; cidadania; cultura popular.
Abstract
The present study, exploratory and qualitative kind, establishing similarities between the
concept of Folkcommunication, developed by Luis Beltrão, and the Points of Culture, a
project of Program Living Culture (Ministry of Culture of Brazil), created by the
historian Célio Turino. A Point of Culture is a space for affirmation and amplification of
the popular socio-cultural values, stimulated by means of cooperative management
between government and civil society. This type of public cultural policy brings a low
cost to the government, however, significant regional actions reverberate in promoting
local
development
by
encouraging
culture
and
practice
of
citizenship.
Like
Folkcommunication, each Point of Culture is rooted in the expressions of popular
culture produced by groups operating outside the mainstream media, which establish
their own forms of communication. Meanwhile, using authors such as Néstor Canclini,
Luis Beltrão, Martín-Barbero, José Marques de Melo and Célio Turino, is the first job
built between the Points of Culture and Folkcomunicacional area.
Keywords
Folkcommunication; Point of Culture, alterity, identity, citizenship, popular culture.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Considerações iniciais
A história da Comunicação Social como campo de pesquisa, no Brasil, tem no
pernambucano Luiz Beltrão, um ícone. Como primeiro Doutor em Comunicação Social
do país, inovou as pesquisas da área na América Latina, anulando a asserção de que os
veículos de comunicação populares eram simples retransmissores ou decodificadores
das mensagens veiculadas pela indústria da comunicação de massa. A criação do termo
folkcomunicação por Luiz Beltrão, com base em estudos desenvolvidos na década de
1940 pelo americano Paul Lazarsfeld, ampliou o olhar sobre a comunicação do homem
comum, num período em que as teorias deste campo de estudo arraigavam-se à
communication research
.
No
conceito
beltraniano,
a
folkcomunicação
se
concebe
como
“conjunto
de
procedimentos de intercâmbio de informações, idéias, opiniões, atitudes dos públicos
marginalizados urbanos e rurais, através de agentes e de meios direta ou indiretamente
ligados ao folclore”. (BELTRÃO, 1980, p.24) Este olhar diferenciado sobre os
fenômenos comunicacionais protagonizados pelas classes subalternas chamou a atenção
de pesquisadores internacionalmente reconhecidos na área, como Umberto Eco e Jesús
Martín-Barbero. (MELO; TRIGUEIRO, 2007, p. 12-13)
Vinte e cinco anos após o falecimento de Luiz Beltrão, seus pensamentos permanecem
enraizados, reinseridos em contextos que vão além do ex-voto
2
. A atualidade das suas
idéias tem alimentado o espírito dos textos de pesquisadores contemporâneos como José
Marques de Melo (história, taxionomia e metodologia da folkcomunicação); Osvaldo
Meira Trigueiro (ativismo midiático, festas populares e religiosas); Betania Maciel
(folkcomunicação religiosa e desenvolvimento regional); Cristina Schmidt (teoria e
metodologia
folkmidiáticas);
Roberto
Benjamin
(sociedade
midiatizada
e
novas
tecnologias); Maria Érica de Oliveira (folkcomunicação e artesanato); Severino Lucena
Filho
(marketing
e
política
folkcomunicacionais);
Maria
Cristina
Gobbi
(folkcomunicação no século XXI).
O presente estudo traz, portanto, um novo elemento ao campo folkcomunicacional: o
Ponto de Cultura – espaço de formação, difusão e implementação da cultura. As
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
aproximações entre os Pontos e a Folkcomunicação aqui apresentadas permeiam a
valorização da identidade e o empoderamento social, ambos canalizados e reafirmados
por meio da comunicação e manifestações singulares da cultura popular.
Pontos de Cultura (PC) são instituições reconhecidas jurídica e socialmente, que
recebem apoio financeiro e técnico do Estado Brasileiro para desenvolverem ações de
impacto sociocultural em suas comunidades. A instituição submete seu projeto a edital
público e, se contemplada, é conveniada ao Ministério da Cultura (MinC), recebendo o
valor de R$ 180 mil para ser investido, conforme projeto apresentado, num período de 3
anos. Do valor total recebido, R$ 50 mil é para aquisição de equipamentos audiovisuais.
A gestão é compartilhada entre o Estado e a comunidade.
Por se tratar de um programa recente de política pública de cultura, instituído
experimentalmente a partir do ano de 2004, ainda é escassa a bibliografia que trata dos
Pontos, motivo que corrobora para a incitação das pesquisas neste campo.
Atualmente,
no
Brasil,
existem
mais
de
2.500
Pontos
de
Cultura,
conveniados
diretamente ao Governo Federal ou ao Estado onde se situa. Os PCs estão presentes em
mais de 1.100 municípios brasileiros, pulverizados em zonais urbanas, rurais e
periféricas. Juntos, abrangeram diretamente, até o ano de 2010, mais de oito milhões de
pessoas (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA
3
).
As atividades estimuladas em cada PC são tão diversas quanto o leque que delineia a
miscigenação cultural do país, pois, ao invés do governo determinar em quê aplicar o
capital cedido, cada instituição define a sua necessidade de investimento, sempre de
encontro à sua identidade cultural.
As ações consubstanciadas, então, variam entre
formação de público, produções em áudio e vídeo, oficinas de qualificação artística,
cursos de qualificação de colaboradores, criação de espetáculos; enfim, afirmação e
preservação do patrimônio cultural material e imaterial.
A possibilidade de cada comunidade estabelecer seu próprio canal de comunicação por
meio da sua cultura identitária, tendo como intermediador o Ponto de Cultura, faz deste
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
novo espaço um campo de expressão da ludicidade, dialogismo e de manifestação da
cultura popular. Além da valorização antropológica das práticas comunitárias, há a
reinvenção da utilização das técnicas e tecnologias que lhes são disponíveis. Diante
destes delineamentos, o PC se estabelece como campo frutífero para o crescimento e
estudo das ações folkcomunicacionais.
Itinerários da Folkcomunicação
No conceito genuíno formulado por Luiz Beltrão, a folkcomunicação é compreendida
como processo de intermediação entre a cultura das elites e a cultura das classes
trabalhadoras, ou seja, entre a cultura erudita ou massiva e a rural ou urbana.
Ressignificado, porém com base preservada, o conceito gerou o termo
folkmídia
, que
abarca um campo comunicacional globalizado, imerso por novas técnicas, tecnologias e
relações sociais. Neste ínterim, ao ressocializar as informações provenientes da grande
mídia, os grupos e as comunidades fortalecem o folclore midiático. Este folclore
midiático define-se, portanto, “como amálgama de signos procedentes de diferentes
geografias nacionais ou regionais, buscando projetar culturas seculares ou emergentes
no novo mapa mundial” (MELO, 2008, p.42), mapa este caracterizado por intenso fluxo
informativo.
Diante dessa efervescência informativa multifacetada por distintos sítios do mundo,
muitas vezes, cabe ao espectador o simples papel de consumista, já que a ele é
desprovida a oportunidade de interação, de participação efetiva na construção do
conteúdo. Neste sentido, Osvaldo Trigueiro (2008) estabelece dois tipos de recepção: a
do indivíduo ativo e a do indivíduo ativista. Não significa, contudo, que o primeiro é
passivo, visto que “na audiência midiática ou folkmidiática não existe espaço vazio”, e
sim que o segundo ocupa um cargo mais substantivo de representação diante do grupo,
otimizando a absorção e distribuição das informações.
A atuação do indivíduo midiaticamente ativista tem cerne nos estudos beltranianos, os
quais
confirmam
que
os
grupos
marginalizados
absorvem
e
ressignificam
as
informações divulgadas no campo macro e as distribuem em suas relações cotidianas,
tendo como peça fundamental desse processo o líder folkcomunicacional. Tal líder é
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
retomado como ativista midiático por Daniel Galindo (2006) e Osvaldo Trigueiro
(2008), instituído como indivíduo flutuante em universos distintos, mediador entre os
produtores de cultura massiva ou erudita e os consumidores de cultura popular. Nesta
ocasião de representatividade, a cultura popular adquire nova roupagem, podendo ser
considerada valorativa não somente por seu viés identitário, mas também como
instrumento de poder.
Elucubrações sobre a cultura popular e de que maneira as classes utilizam ou sub-
utilizam as representações simbólicas culturais para exercer a força são descritas por
autores como Umberto Eco (1998) e Walter Benjamin (1996). Também no livro
Arte e
cultura:
equívocos
do
elitismo
,
Letícia
Santaella
(1995)
trabalha
com
clichês
formalizados no decorrer dos anos; os quais intentam tratar da cultura, da experiência
estética, com definições e padrões delimitados, radiculados em tradições populares ou
simplesmente nas teorias propostas por intelectuais ao longo do tempo.
Entendemos que a análise da cultura, deve ser compreendida além da visão maniqueísta,
fugindo da redução simplificada entre a cultura-ideologia, produzida pela classe
dominante, e a cultura-nacional, fruto das evidências e costumes populares. Como
lembra
Nestór
Canclini
(2008),
na
sociedade
contemporânea
não
é
possível
fragmentar a cultura em elitista, popular ou massiva, por conta da sua hibridização.
Diante destes julgamentos polarizados, Luiz Beltrão deu, todavia, um passo à frente
quando formulou a base conceitual da folkcomunicação, instituindo esta como:
Estudo
dos
procedimentos
comunicacionais
pelos
quais
as
manifestações da cultura popular ou do folclore se expandem, se
socializam, convivem com outras cadeias comunicacionais, sofrem
modificações
por
influência
da
comunicação
massificada
e
industrializada
ou
se
modificam
quando
apropriadas
por
tais
complexos. (HOHLFELDT, 2002)
Neste contexto, é aniquilada a classificação das culturas por suposta hierarquia, pois, no
campo comunicacional, tanto a cultura popular quanto a aurática cumprem seu papel
funcional – o de informar, mediar idéia, pensamento, expressão; não são dissociadas, e
sim coextensivas.
No conceito folkcomunicacional, a hibridização cancliniana é
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
verificada na recriação, por parte dos marginalizados, de suas próprias formas de
expressão. Contudo, já não atuam como meros espectadores, senão como criadores dos
seus próprios veículos comunicacionais; numa horizontalização de conteúdos em
detrimento da verticalização imposta pela mídia.
A cultura popular, por sua vez, a que nos interessa neste delineamento midiático,
refletida enquanto manifestação cultural das classes subalternas, apresenta caráter
ambíguo. Isto porque ela germina profusamente dois fluxos componentes das suas
matrizes, que atuam em constante conflito: a dominação e a resistência, ainda que seus
significados estejam sempre abertos às novas práticas sociais e aos novos sistemas de
comunicação. (TRIGUEIRO, 2008)
Podemos
observar que
as
práticas
sociais,
individuais
ou
coletivas,
imersas
no
cotidiano, são tão diversas quanto as possibilidades infindas de diálogo entre um
cidadão e outro, entre este e as coisas que o cercam. A folkcomunicação propicia a
oportunidade de interpretar estas práticas com a mesma relevância da análise de um
noticiário, filme ou novela veiculada na tevê. Destarte, as classes populares fazem-se
entender pelos seus próprios meios.
Tais meios são, ainda, em grande parte aqueles mesmos que lhes
serviram na fase da Independência: - literatura oral, (.
..) romances, (.
..)
jornalismo
ambulante
dos
caixeiros-viajantes,
(...)
folhetos,
(...)
boletins de propaganda eleitoral, (.
..) publicações periódicas e avulsas
impressas em prelos manuais; ou ainda a linguagem simbólica e
eloquente dos autos e entretenimentos, que se praticam nas festas
religiosas e cívicas (.
..) e também pela 'fala' expressiva das peças de
artesanato, de esculturas, de quadros, de móveis e utensílios rústicos.
(BELTRÃO, 2001, p.125)
No seguimento à empreitada iniciada por Luiz Beltrão, o pesquisador José Marques de
Melo (2008) acrescenta e atualiza alguns dos mais difundidos tipos folkcomunicacionais
da atualidade – abaixo-assinado, amuleto, apelido, baião, bendito, boneco de barro,
brinquedo, canto de trabalho, cantoria, choro, comício, embolada, ex-voto, fofoca, forró,
funk carioca, lenda, literatura de cordel, presépio, rap paulista, santinhos de propaganda,
tatuagem, trova, vaquejada e xilogravura.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Com
o
decorrer
do
tempo,
o
surgimento
de
novos
meios
comunicacionais,
a
reformulação ou extinção de outros, certamente se consumará como ocorrência natural.
Contudo,
enquanto
houver
a
dinamização
da
comunicação
entre
as
classes
marginalizadas e a recriação por parte destas de um sistema próprio de difusão do
pensamento, das mensagens reinventadas e temperadas com um toque de cultura
popular, ali estará o espírito da folkcomunicação.
Pontos da cultura popular
Os veículos de comunicação no Brasil, especialmente o rádio e a televisão, concentram-
se historicamente em mãos de determinados grupos de poder, os quais normalmente
estereotipam
perfis
identitários,
planificam
a
diversidade
de
comportamentos,
espetacularizam situações que lhes são convenientes em busca da audiência. Por outro
lado, o gradativo barateamento dos equipamentos de comunicação tem proporcionado
às classes menos favorecidas social e economicamente, o maior acesso às tecnologias, o
que implica no aumento da diversidade e disseminação de produções em áudio e vídeo.
As produções audiovisuais populares encontram na Internet, por exemplo, canais de
distribuição – sites especializados, redes sociais, grupos de discussão alimentados por
interesses afins – de alcance global (PINHEIRO, 2011); ao passo que também se
concebem como instrumentos da comunicação local, regional,
comunitária. Esta
ampliação do espaço comunicativo à disposição de classes antes não detentoras dos
meios de produção e distribuição gera empoderamento social e cultural, circunstância
semelhante proporcionada pelas ações fomentadas pelos Pontos de Cultura.
O Ponto de Cultura pode ser (ao menos esse é o desejo) um ponto de
apoio
a
romper
com
a
fragmentação
da
vida
contemporânea,
construindo uma identidade coletiva na diversidade e na interligação
entre
diferentes
modos
culturais.
Quem
sabe
um
elo
na
„ação
comunicativa‟, como na teoria de Jürgen Habermas (TURINO, 2010,
p.35)
Os Pontos de Cultura pretendem fazer a transfusão do poder, antes centralizado nas
mãos de grupos hegemônicos, para pessoas da comunidade, a qual passa a filtrar,
edificar
e
multiplicar
aquilo
que
concebe
como
sua
identidade
cultural.
Tal
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
circunstância propõe uma inversão de posições no processo de construção do imaginário
simbólico de cada grupo social, o qual passa a ser potencialmente capaz da escrita de
sua própria história; autonomia conquistada por intermédio desta transferência de poder.
Neste sentido, pensamos que:
Poder é de fato faculdade tanto de querer quanto de fazer. No nível do
indivíduo singular,
querer/ fazer tudo o que lhe apontam as suas
possibilidades existenciais com vistas a obter autonomia pessoal e
expandir-se na direção do reconhecimento do outro
. Na medida em
que
conquista
meios
para
afirmar
a
sua
autonomia
diante
das
determinações grupais ou para aumentar a sua capacidade de ação, o
sujeito desenvolve o seu poder, então dito intrínseco ou interno, que é
a "vontade".(.
..) Diferentemente do extrínseco, o poder interno ou
"potência" não se hierarquiza, já que provém de e se dirige a todas as
direções. (SODRÉ, 1999, p.57 – grifos meus).
Rosa Maria Nava (2004), pesquisadora de Folkcomunicação, ao mencionar a identidade
cultural de um povo como resultado “do conjunto de produções e manifestações que
objetivam uma legitimação” (NAVA, 2004, p.107), alimenta o conceito básico do Ponto
de Cultura.
Cada Ponto de Cultura investe o capital recebido pelo governo em atividades que
enaltecem a cultura popular local. O propósito é trocar, disseminar, formar e fortalecer
saberes relevantes para a comunidade que atende. Além de prêmios dedicados a
atuações ou atuantes com destaque, por meio de outros editais lançados pelo MinC,
como Interações Estéticas, Agente Cultura Viva e Pontões de Cultura, as instituições
contempladas
como
Pontos
de
Cultura
tem
a
oportunidade
de
promover
ações
intercambiadas entre PCs; receber bolsas para jovens estudantes ativistas; unir-se a
outros Pontos promovendo ações comuns, respectivamente.
Um Ponto de Cultura pode estabelecer parceria com outras entidades públicas ou
privadas, desde que respaldadas idoneamente; oportunidade que amplia as perspectivas
das suas ações e facilita a promoção da economia criativa auto-sustentável.
Em sua maioria, cada PC possui um líder comunitário, que se configura normalmente
como
representante
legal
ou
coordenador
do
projeto
local.
Este
líder
se
torna
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
responsável pelo diálogo entre a comunidade, o governo, os partícipes e beneficiados do
Ponto. A forma de atuação deste líder comunitário assemelha-se à do ativista midiático,
pois assim como este, “é depositário da confiança do seu grupo de convivência, é
armazenador de estoque do capital social e cultural, ambos articulados ou desarticulados
conforme as relações e obrigações com outros grupos e sociedades”. (TRIGUEIRO,
2008, p.25)
Por todo o território brasileiro, conveniados diretamente com o MinC
4
ou com o Estado
em que se situam, cada PC atende cerca de 3 mil pessoas por ano (PSL Brasil, 2011).
Anualmente, todos os Pontos do país se reúnem no encontro Teia Brasil, onde dialogam
diretamente
com
o
governo
federal,
documentam
seus
anseios,
perspectivas,
dificuldades e avanços. É também nesta oportunidade que são veiculados muitos dos
materiais confeccionados pelos Pontos de Cultura, tanto aqueles em forma de espetáculo
(apresentações de teatro, dança, música etc) quanto as produções escritas e audiovisuais.
O espaço se torna uma concentração oficializada de canalização da cultura popular.
Os equipamentos adquiridos por todo Ponto de Cultura, por meio do convênio
estabelecido entre a instituição que o representa e o governo, facilitam produções que
antes ficavam concentradas em mãos de outros grupos de poder institucionalizados ou,
simplesmente, deixavam de acontecer por falta de capital. Tais produções realçam a
diversidade de etnias, raças, costumes e tradições, com roteiros pensados por punhos
próprios.
Talvez a experiência dos Pontos de Cultura permita estabelecer novos
termos para o debate sobre as funções dos equipamentos culturais. É
possível que os equipamentos culturais sejam pontos de confluência
do dinamismo social e reflitam possibilidades de transformação desse
dinamismo na direção de cuidados de longo prazo com a qualidade de
vida
e
com
o
desenvolvimento
social,
além
do
respeito
pela
diversidade de formas de vida e expressão, bem como às crenças e
processos culturais locais e singulares. (BRASIL, 2006)
Os casos apresentados a partir de agora tem como fonte o livro publicado pelo
Ministério da Cultura, no registro das ações dos contemplados pelo Prêmio Histórias de
Ponto (BRASIL, 2011), o qual prestigiou alguns dos trabalhos executados com destaque
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
por Pontos de Cultura espalhados em distintas regiões brasileiras. Do campo de
semelhança com a folkcomunicação, traz-se especialmente a necessidade dos grupos
sociais, em diferentes escalas, em “elaborar processos comunicativos que possuem
relações múltiplas entre a comunidade e a sensação de pertencimento, advinda da
intrínseca necessidade de preservação da memória”. (NAVA, 2004, p. 107)
Histórias de Pontos
De norte a sul, de leste a oeste do Brasil, os Pontos de Cultura se incumbem na
produção de documentos escritos e audiovisuais, que figuram como registros simbólicos
da
sua
memória
histórica.
Como
cada
Ponto
recebe
capital
para
compra
de
equipamentos em áudio e vídeo, esta produção é normalmente acompanhada por um
trabalho de formação técnica e teórica dos seus colaboradores, os quais são capacitados
para atuarem como agentes multiplicadores do saber.
Constituem alguns exemplos das ações desprendidas pelos PCs: realizações de festivais,
exposições artísticas, concepções de documentários, lançamento de livros e discos,
oferta
de
oficinas
de
artesanato,
cultura
digital,
dança,
música,
candomblé,
comunicação, capoeira, teatro, fotografia, leitura, instrumentos musicais. Em sua
maioria, os Pontos de Cultura voltam-se para as classes subalternas, aos estudantes de
escolas públicas, aos indivíduos em situação de risco social. Atendem mulheres, jovens,
indígenas,
comunidades
camponesas
e
sem
terra,
comunidades
afro-brasileiras,
populações
ribeirinhas,
urbanas
e
das
florestas.
O
processo
de
gestão
cultural
compartilhada entre governo e sociedade civil, ainda embrionário no país, embora passe
por empecilhos inerentes a todo espaço onde impera o novo, já produz seus frutos e se
firma como exemplo para o mundo. Vejamos alguns modelos.
Em Recife-PE, o PC Estrela de Ouro, situado no Sítio Chã de Camará, na Zona da Mata
Norte Pernambucana, tem o Maracatu Estrela de Ouro, o Cavalo Marinho, o Coco
Popular de Aliança e a Ciranda das Rosas de Ouro auxiliados com verba governamental.
Ali, na velha casa onde funcionava a usina de cana-de-açúcar, o Ponto de Cultura se
instalou, fazendo uma verdadeira revolução da cultura popular na região, a qual ganhou
ainda maior expressão com a criação do Festival Canavial. O Festival agrupa bandas
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
musicais de outros gêneros e cidades. No estúdio multimídia Zé Duda, cocos, maracatus
e caboclinhos puderam gravar ainda seus primeiros discos. O incentivo governamental,
por meio da atuação do Ponto de Cultura, mobiliza da criança ao idoso em atividades
lúdicas que povoam o imaginário social local.
O PC Estrela de Ouro trouxe para a zona rural o fortalecimento da cultura popular,
preservando o que os personagens do Sítio Chã de Camará tinham de mais valioso: sua
identidade cultural. Mais que isso, a gravação dos discos auxilia na construção da
memória histórica da região.
O segundo modelo que trazemos é o do PC Santo Amaro, na Bahia. Ali, sambadores e
sambadeiras, professores e pesquisadores de várias localidades do Recôncavo fundaram,
em 2005, a Associação dos Sambadores e Sambadeiras do Estado da Bahia (ASSEBA).
Com o passar do tempo, agrupou mais de 70 grupos de samba, alcançando cerca de
3.500 participantes. Em 2007, tornou-se um Pontão de Cultura
5
.
No estúdio do Pontão de Santo Amaro, 14 grupos de samba já gravaram seus discos. A
midiateca disponibiliza livros, CDs e DVDs com material sobre o samba de roda. Salas
de música, sala de oficinas de instrumentos e oficina permanente de indumentárias
possibilitam a profissionalização dos grupos e a produção de shows e eventos. Palestras,
oficinas e parcerias com as escolas da rede pública complementam as ações do Pontão,
que tem como prioridades a pesquisa e a documentação; a reprodução e a transmissão
das tradições às novas gerações; a promoção e o apoio aos artistas.
Um outro modelo destacado é o do PC Açor Sul Catarinense, situado no município de
Sombrio, em Santa Catarina. Há cerca de 10 anos, a professora Clair Ferminiano
pesquisava com seus alunos a chegada dos imigrantes açorianos no Estado de Santa
Catarina e resolveu montar um grupo folclórico na cidade. Depois de representar o
município em festas açorianas no Estado, incorporar a dança e a música em suas
apresentações, o grupo conseguiu, em 2009, tornar-se o Ponto de Cultura Açor Sul
Catarinense. Hoje, são mais de 300 famílias envolvidas, com filhos nas oficinas de
dança (balé, dança de salão, dança açoriana e gaúcha), ioga, artesanato, xadrez,
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
capoeira, música (com aulas de violão e violino), teatro e informática. Dançam mais de
vinte coreografias do Arquipélago dos Açores.
A pesquisa em sala de aula uniu, em primeira instância, docente e alunos, estendendo-se
em seguida, às famílias dos estudantes até alcançar a comunidade. A professora Clair
Ferminiano se configura então como mediadora entre a cultura e a educação na
cotidianidade, entre a escola e o governo, entre a comunidade escolar e as famílias. Não
seria ela uma líder folkcomunicacional?
Já em Heliópolis e São João Climaco-SP, o MinC fomenta ações que existiam antes de
tornarem-se um Ponto de Cultura. Na comunidade paulistana, o governo auxilia nas
ações do PC Heliópolis, juridicamente representado pela UNAS (União de Núcleos
Associação e Sociedades dos Moradores de Heliópolis e São João Climaco). A UNAS,
fundada
em
meados
de
1980,
nasceu
da
luta
dos
moradores
da
comunidade
heliopolense, pelo direito à moradia e posse da terra. Atualmente, conta com 400
funcionários e 250 voluntários. Desenvolve ações nas áreas de habitação, educação,
cultura, esportes, saúde, assistência social e comunicação popular. Na sede do Ponto, a
comunidade tem acesso à biblioteca, rádio comunitária, telecentro, estação digital,
oficinas de teatro.
No Ponto de Cultura Heliópolis, os estagiários, funcionários e demais colaboradores
são, em sua maioria, provenientes da própria comunidade. Existe um trabalho de
formação contínuo, voltado especialmente para a educação cultural das crianças e
jovens moradores do bairro. Ali a Rádio Comunitária Heliópolis FM integrada ao PC, é
um dos canais efetivos de denúncia social, diálogo entre os cidadãos, veiculação das
produções artísticas locais. Um exemplo de exaltação da alteridade e de empoderamento
social.
Modelos como estes de Pontos de Cultura aqui apresentados multiplicam-se no Brasil
inteiro, descortinando zonas rurais, periferias urbanas; alcançando cidadãos de distintas
idades, classes, religiões, etnias. Como instrumento norteador destas ações, a cultura do
povo, suas tradições e costumes, configuram-se como ponte de fortalecimento da
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
memória histórica; como instrumento de poder, de afirmação da identidade de cada
grupo social. Ao mesmo tempo, o cidadão encontra seu lugar de pertencimento,
retomando desta maneira, o papel das políticas de identidade, pelas quais “os indivíduos
ganham identidade através de sua adesão a um grupo e afirmam uma identidade
coletiva”. (GUARESCHI; BRUSHI, 2003, p.91) Esta identidade coletiva, definida por
algum segmento da cultura popular e representada por grupos pontuais, reafirma a
aproximação e o feliz encontro entre a folkcomunicação e os Pontos de Cultura.
Considerações finais
Estudiosos como Henry Srour (1978), Antonio Gramsci (1995), Walter Benjamin
(1996) e Martín-Barbero (2009) reafirmam, em diferentes épocas, a detenção do poderio
artístico
e
cultural
em
mãos
de
classes
dominantes;
classes
estas
tidas
como
privilegiadas, já que podem e utilizam este fator como mecanismo não só de opressão,
mas também como meio de permanência em posições hierarquicamente vantajosas.
A mídia se encarrega de colocar os populares como público, mas não como partícipe da
construção do conteúdo; como estereótipo cultural, mas não como cultura genuína. Nos
subúrbios das grandes cidades, nos espaços conhecidos como rurbanos (FREIRE, 1982),
as mensagens da grande mídia são convertidas e dissipadas nos diálogos cotidianos, nos
grupos sociais, nas festas religiosas, nos colóquios familiares, em espaços que o rádio, a
televisão normalmente não se apropriam.
A folkcomunicação, por sua vez, apropria-se desta comunicação cotidiana e fluída,
assim como os Pontos de Cultura.
Ambos se alimentam da cultura popular em seus
processos
comunicacionais.
Os
veículos
de
manifestação
dos
subalternos,
dos
marginalizados, dos „sem-voz‟ na grande mídia, constitui a semente para a constituição
da folkcomunicação e do Ponto de Cultura como terreno fértil para as expressões
populares.
Assim
como
os
estudos
de
Beltrão
chamaram
a
atenção
para
as
Ciências
da
Comunicação Social no Brasil e na América Latina, o programa Pontos de Cultura,
pensado por Célio Turino, tem sido pauta de políticas públicas culturais em outros
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
países. Isto suscita a existência de campos propícios para que expressões outras
continuem a germinar, em nome deste laço que une o homem à natureza, o homem ao
outro, o homem a si mesmo – sua cultura manifestada, enriquecida rotineiramente pelo
folclore.
Referências bibliográficas
BELTRÃO, Luiz.
Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados
, São Paulo:
Cortez, 1980.
BELTRÃO, Luiz.
Folkcomunicação:
um estudo dos agentes e dos meios populares de
informação de fatos e expressões de idéias. Porto Alegre: EDPUCRS, 2001.
BENJAMIN, Roberto.
Itinerário de Luiz Beltrão.
Recife: AIP/ UNICAP, 1998.
BENJAMIN, Walter.
Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre a literatura e
história da cultura.
7 ed. trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1996.
BRASIL.
Histórias de Ponto:
lugares e pessoas que fazem a cultura viva.
Secretaria de
Cidadania
Cultural.
Ministério
da
Cultura.
Brasília,
2010.
Disponível
em:
http://ebookbrowse.com/livro-historias-de-ponto-1-pdf-d46781693.
Acesso
em
02/05/2011.
BRASIL.
Cultura.
Instituto
de
Pesquisa
Econômica
Aplicada.
Políticas
Sociais:
acompanhamento
e
análise.
Brasília,
2006.
Disponível
em:
CANCLINI, Néstor García.
Culturas híbridas:
estratégias para entrar e sair da
modernidade.
São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.
ECO, Umberto.
Apocalípticos e integrados.
São Paulo: Perspectiva, 1998.
FREYRE, Gilberto.
Rubarnização:
que é? Recife: Massangana, 1982.
GALINDO, Daniel.
Folkcomunicação: mediação, midiação ou midiatização?.
In:
Mídia Cidadã, utopia brasileira
. Organizado por José Marques de Melo, Maria Cristina
Gobbi, Luciano Sathler. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São
Paulo, 2006.
GRAMSCI, Antonio.
Os intelectuais e a organização da cultura.
3 ed. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 1995.
GUARESCHI, Neuza Maria de Fátima; BRUSCHI, Michel Euclides. (org.).
Psicologia
social nos estudos culturais. Perspectivas e desafios para uma nova psicologia social.
Rio de Janeiro: Vozes, 2003.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
HOHLFELDT,
Antonio.
A
imprensa
do
povo
na
ficção
brasileira:
cenários
e
personagens.
In: Anuário UNESCO/UMESP de Comunicação Regional.
São Bernardo
do Campo: Umesp, ano 6, n.6, jan-dez de 2002.
MARTÍN-BARBERO,
Jesús.
Dos
meios
às
mediações:
comunicação,
cultura
e
hegemonia.
Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.
MARTINS, Júnia.
Reinvenção do cotidiano em rádios comunitárias contempladas
como Pontos de Cultura na Bahia.
In: Revista Temática. Ano VII, n.04, abril/2011.
Acesso em 19/04/2011.
MELO, José Marques de.
Luiz Beltrão e a Folkcomunicação.
Revista Latina de
Comunicación
Social,
1999.
Disponível
em:
Acesso
em
12/04/2011.
MELO, José Marques de.; TRIGUEIRO, Osvaldo Meira. (org.).
Luiz Beltrão: pioneiro
das Ciências da Comunicação no Brasil.
João Pessoa: Editora UFPB; INTERCOM,
2008.
NAVA, Rosa Maria.
Folkcomunicação impressa na sociedade tecnológico-midiática.
Notícia ou propaganda de fé?
In: Revista Internacional de Folkcomunicação. N.3.
Cátedra Unesco/Umesp de Comunicação para o Desenvolvimento Regional, 2004.
PSL Brasil.
Pontos de Cultura alcançam 8,4 milhões de pessoas.
Disponível em:
http://softwarelivre.org/portal/comunidade/pontos-de-cultura-alcancam-84-milhoes-de-
pessoas.
Acesso em 12/04/2011.
SANTAELLA, Lúcia.
Arte e cultura: equívocos do elitismo.
3 ed. São Paulo: Cortez,
1995.
SODRÉ, Muniz.
Reinventando a cultura.
3 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.
SROUR, Robert Henry. Modos de Produção: Elementos da Problemática. Rio de
Janeiro: Graal, 1978.
TURINO, Célio.
Ponto de Cultura:
O Brasil de baixo para cima. São Paulo: Anita,
2010.
1
Aluna do Mestrado em Comunicação e Culturas Midiáticas da Universidade Federal da Paraíba (UFPB,
Paraíba, Brasil); Especialista em Leitura pela Universidade do Sudoeste da Bahia (UESB, Bahia, Brasil);
Bacharel em Rádio/TV pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC, Bahia, Brasil). Ativista em
Pontos de Cultura no Estado da Bahia. Sócia da Associação de Estudos Interdisciplinares em
Comunicação (Intercom) e da Rede Brasileira de Estudos em Folkcomunicação.
2
Ex-voto é o nome do objeto confeccionado, normalmente exposto em capela ou igreja, como forma de
agradecimento por uma promessa cumprida. Luiz Beltrão pesquisou tal objeto como veículo de opinião e
informação.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
3
Informação obtida a partir do site oficial da Rede dos Pontos de Cultura. Disponível em:
http://culturadigital.br/teia2010/2010/03/27/1105/. Acesso em 12 de maio de 2011.
4
A iniciativa dos Pontos de Cultura, com primeiro edital lançado em 2004, foi idealizada pelo então
secretário de Cidadania Cultural (MinC), o historiador Célio Turino. Países como Argentina, Paraguai,
Uruguai e Inglaterra pesquisam a aplicabilidade em seus territórios. A Itália, todavia, foi o primeiro país a
adotar o modelo do Brasil, em 2006. Para atender os brasileiros no exterior, o MinC também inaugurou
Pontos de Cultura na Flórida, Califórnia, Áustria, Paraguai, Uruguai e Paris. (MARTINS, 2011, p.06)
5
O Pontão de Cultura, conveniado com o Ministério da Cultura após aprovação em edital público, recebe
recurso de até R$ 500 mil para investir em ações de intercâmbio e programações integradas entre vários
Pontos de Cultura.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
Folkcomunicación
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
logo_pie_uaemex.mx