Artículo en PDF
Como citar este artigo
Número completo
Mais artigos
Home da revista no Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
A
MÍDIA
E
OS
MÚLTIPLOS
PROCESSOS
DO
CONSUMO
POR
OBSERVAÇÃO: UMA ANÁLISE DA
GLOBO MARCAS
Ana Paula Silva Ladeira Costa
1
Resumo
O
artigo
analisa
o
consumo
de
produtos
comercializados
pela
Globo
Marcas,
licenciadora de marcas da Rede Globo, e estabelece questões referentes aos atributos
materiais e simbólicos dos artigos comercializados por esta empresa, aos processos de
identificação
e,
finalmente,
ao
processo
de
aprendizagem
observacional
dos
telespectadores.
Realizou-se
uma
revisão
bibliográfica
na
qual
se
partiu
dos
pressupostos de Gilles Lipovetsky e de Albert Bandura, além da perspectiva da
convergência de mídias de Henry Jenkins. Observou-se que a comercialização de
objetos referentes aos produtos midiáticos é um importante artifício utilizado na
consolidação de produções da emissora e que os sucessos são mais capazes de
transformar
gostos estéticos do que formas de comportamento. Somado a isso,
verificou-se que o baixo envolvimento do telespectador com o produto a ser consumido
permite que as escolhas sejam baseadas na observação daquilo que é transmitido através
dos meios de comunicação.
Palavras-chave
Globo Marcas; Licenciamento de marcas; Rede Globo; Consumo; Aprendizagem
observacional; convergência de mídias.
Abstract
This paper aims to understand the consumption of products sold by Globo Marcas,
brand licensee of Rede Globo, the material and symbolic attributes of articles, the
processes of identification and the process of observational learning by audience. The
literature review analyses the theories of Gilles Lipovetsky, Albert Bandura, besides the
perspective of convergence of media, of Henry Jenkins. It was noted that the marketing
of mediatic products is an important way used in the consolidation of productions and
that successes are more capable of transforming aesthetic tastes than forms of behavior.
Added to this, we observed that the viewer choose what is going to consume based on
observation of what is broadcast through the media since there is a low involvement
with the product he wants to buy.
Keywords
Globo
Marcas;
brand
licensee;
Rede
Globo;
Observational
learning;
media
convergence.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Um comércio simbólico:
Em 2000, as organizações Globo deram início ao comércio formal de produtos ligados à
programação da Rede Globo através da empresa Globo Marcas. O intuito seria,
primeiramente, de “zelar pelo licenciamento de suas marcas e personagens” (BUDAG,
2008, p. 71). Além disso, compreende-se que a comercialização de produtos com
referências à empresa favoreceria a divulgação da programação da emissora. Desde
então, mais de 1700 produtos já foram comercializados, todos fazendo alusão a
programas, apresentadores, telenovelas e reality-shows exibidos pela Rede Globo.
Além de vender o licenciamento de marcas para grandes empresas de cosméticos e
vestuários, hoje as organizações Globo disponibilizam um site na Internet através do
qual é possível comprar os mais variados produtos inspirados na programação da Rede
Globo. José Luiz Bartolo, diretor da divisão de licenciamento da empresa, comenta:
Desde 2000 a TV Globo vem construindo um caminho de sucesso na
área de licenciamento, mas percebemos que o público tinha uma
dificuldade em saber onde encontrar nossos produtos. A idéia é que
agora os clientes, fãs dos nossos produtos e programas, possam
encontrar os produtos TV Globo numa só loja
2
.
Se, num primeiro momento, a Rede Globo comercializava essencialmente as trilhas
sonoras de suas telenovelas e mini-séries, hoje existem, à disponibilidade do público
telespectador, roupas, acessórios, jogos, móveis e produtos de beleza e de higiene
pessoal. Compreende-se que esta multiplicação de produtos e de estratégias de vendas
reflita uma nova conduta da empresa, que atualmente se preocupa mais com o lucro
paralelo, gerado através dos produtos veiculados, do que se preocupava anteriormente.
Programas como
Globo Repórter
,
Globo Rural
,
A Grande Família
,
Globo Esporte
e
TV
Xuxa
comercializam essencialmente Cd‟s e DVD‟s. Por outro lado,
Big Brother Brasil
,
Caldeirão do Huck
,
Criança Esperança
,
Esporte Espetacular
,
Fantástico
,
Mais Você
e
as ficções seriadas
Morde & Assopra
,
Insensato coração, Araguaia,
Caminho das
Índias,
Malhação
,
Sítio do Picapau Amarelo
e
Vale a Pena Ver de Novo
vendem os
mais diversos produtos, impregnados por significados que remetem aos estilos de vida,
às temáticas ou às marcas do tempo presentes nestes gêneros televisivos.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Atualmente, a emissora comercializa chinelos, jogos, bijuterias e brinquedos que
remetem à temática da telenovela
Morde & Assopra
, fazendo referências ao universo da
paleontologia e dos dinossauros. Em outra ocasião, o site comercializou objetos
indianos, fazendo referências à telenovela
Caminho das Índias
e ao universo ali
retratado: almofadas, incensos, objetos de decoração com referências ao hinduísmo,
sáris e bijuterias no estilo indiano. Desta maneira, entende-se que as tão variadas
temáticas propostas pela Rede Globo são capazes de sugerir temporariamente a moda e
o comportamento de seus telespectadores em geral.
Enquanto empresa multimidiática que é, as Organizações Globo negociam os mais
diversos tipos de conteúdos e de produtos midiáticos. Além da Globo Marcas, a
empresa possui uma agência de notícias internacional desde 1998; a gravadora Som
Livre, que desde 1971 comercializa CD`s e DVD`s com trilhas sonoras de suas
produções; a Globo
Internacional, inaugurada em 1999 e cujo canal é exibido
atualmente em 115 países. Além disso, é proprietária da Globo Filmes, importante
produtora cinematográfica do Brasil; possui um portal que administra cerca de 400 sites
e é dona do Jornal
O Globo
e de uma editora, que comercializa livros e revistas. As
Organizações
Globo
investem,
ainda,
em
empreendimentos
temáticos,
mantendo
parques infantis e gerenciando eventos em shoppings, escolas e empresas “sempre
divulgando os personagens que têm a imagem veiculada na emissora” (SANTOS, 2005,
p.13). Entende-se, com isto, que algumas negociações do conglomerado objetivam não
apenas o lucro, mas também o fortalecimento do nome de cada uma destas empresas e
sua presença no mercado.
Acontecimentos anteriores são capazes de revelar a força da moda e do consumo ditado
pelos meios de comunicação de massa e, especificamente, da Rede Globo no país. A
telenovela
Dancing Days
transformou as meias de
lurex
em modismo dos anos 1970;
Estrela Guia
fez dos acessórios de cabelo usados pela protagonista da trama um
modismo comum entre os jovens adolescentes do período e, por muito tempo, as roupas
da apresentadora Xuxa foram copiadas por crianças das décadas de 1980 e 1990. Estes
são apenas alguns exemplos de consumos de massa impulsionados por programas da
Rede Globo.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Numa
pesquisa
que
analisou
o
fenômeno
de
consumo
simbólico
e
material
impulsionados pela telenovela mexicana
Rebelde
, Fernanda Budag observa, a partir de
uma perspectiva culturológica, que este gênero é capaz de incentivar “experiências,
desejos e sensações que levam ao consumo”:
Uma telenovela – produto midiático –, colocando no ar músicas,
personagens e situações vividas por estes personagens, impinge
sentidos que serão lidos e interpretados por seus espectadores. A
recepção da mídia desde sempre levou ao consumo material. Isto
porque os produtos sempre adquiriram características singulares, um
encantamento quando inseridos em uma produção cultural como uma
telenovela
ou
um
filme
e
colocados
à
venda
posteriormente.
(BUDAG, 2008, p.105)
A telenovela
Rebelde
é um dos exemplos mais recentes de mudança de posicionamento
das emissoras de televisão, agora voltadas para outros canais de divulgação e de vendas
de seus produtos. Este fenômeno recente foi denominado como convergência de mídias
ou
transmidialidade
por
Henry
Jenkins
(2004;
2009),
que
compreende
que
a
convergência das mídias alterou as relações entre as tecnologias, as indústrias, os
mercados, as audiências e os gêneros. “A convergência das mídias impacta a maneira
como consumimos mídia”, comenta o autor (2004, p.34. tradução nossa
3
).
Enquanto o foco da velha Hollywood era o cinema, os novos
conglomerados têm interesse em controlar toda uma indústria de
entretenimento. A Warner Bros. Produz filmes, televisão, música
popular, games, websites, brinquedos, parques de diversão, livros,
jornais, revistas e quadrinhos. (JENKINS, 2009, p.44)
Hoje, os telespectadores são mais ativos, produzem e buscam conteúdo em diferentes
canais, trazendo à tona a necessidade das empresas se adaptarem a este novo perfil de
telespectador. Com isso, o consumo de produtos associados aos programas televisivos
está ligado também a outras plataformas midiáticas. As informações devem estar
disponíveis na Internet, nos conteúdos para telefonia celular e em material publicitário,
ampliando os mecanismos de consumo propostos por estas produções televisivas.
4
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Velhos produtos, novos significados:
Compreende-se, aqui, que os objetos da Globo Marcas são dotados de significados e
valores simbólicos que ultrapassam aqueles que referem a seus usos habituais. Ao serem
incorporados pela temática de uma telenovela, alguns materiais são impregnados por
características propostas pela emissora. A partir daí, os telespectadores e consumidores
passam
a
conhecer
novos
tipos
de
apropriações
de
determinados
produtos
comercializados.
Através da Globo Marcas, é possível comprar velas, taças e porta-jóias – artefatos que
inicialmente teriam objetivos de usos muito distintos entre si. No entanto, a loja das
empresas Globo sugere um novo uso destes objetos, que criariam uma atmosfera
próxima àquela apresentada através da telenovela
Caminho das Índias
. Pode-se, ainda,
comprar bijuterias feitas à base de materiais naturais, remetendo à estética da telenovela
Araguaia
.
Neste aspecto, Budag considera as esferas materiais e simbólicas inseparáveis na prática
deste tipo de consumo:
Concebemos o consumo como uma prática de cultura e um sistema de
significação que, além de seu domínio material, possui um plano
simbólico
e,
por isso,
comunica
sentidos,
estilos,
identidades
e
diferenças. O material e o simbólico são duas esferas inseparáveis do
consumo. (BUDAG, 2008, p.103)
Numa análise comparada entre o consumo proposto por dois modelos do gênero
melodramático, Cristiane Costa revela que existem mais similitudes do que diferenças
nas mensagens das telenovelas brasileiras e do
culebrón
mexicano. Embora reconheça
que o gênero brasileiro seja mais realista do que o mexicano, a autora comenta a
respeito do consumo impulsionado por estes dois representantes do melodrama latino-
americano: “toda a cultura, sem exceção, acabará participando da aceleração do ciclo de
consumo, através de uma cadeia de imitação e distinção, em que a acumulação de
capital cultural será também uma forma de exclusão social” (COSTA, 2000, p.11). A
autora cita como exemplo de consumo associado à transmissão de telenovelas o caso
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Chiquititas
, uma co-produção argentina e brasileira, que em 1997 comercializou
inúmeros produtos para consumo de seus telespectadores:
No Brasil, a novela, exibida pelo SBT às 20 horas, teve boa audiência
(média de 18 pontos de Ibope), e um sem-número de derivados: as
chiquititas
vendem
bonecas,
CDs,
sapatos,
roupas,
álbuns
de
figurinhas e revistas. (COSTA, 2000, p.58)
Trilhas musicais, materiais para telefones celulares, materiais escolares, roupas e
produtos de beleza comercializados pela Globo Marcas reforçariam, portanto, a
popularidade de certas produções midiáticas e ofereceriam novo repertório de consumo
aos telespectadores mais assíduos, hoje mais acessível através das multiplataformas, que
aliadas ao conteúdo da emissora.
Gilles Lipovetsky compreende que a cultura industrial firma-se no perecível e, na busca
pelo sucesso imediato, uma moda ou “paixonite” é rapidamente substituída por uma
nova tendência (LIPOVETSKY, 1989, p.211). Se o autor observa o fenômeno do
cinema hollywoodiano e da influência dos ídolos midiáticos como um processo
instantâneo e pouco duradouro, de valores ideológicos secundários, poder-se-ia dizer o
mesmo a respeito de todos os produtos e efeitos que estes causam no público
telespectador.
Com as operações multimídia, uma certa „racionalização‟ da moda é
empregada: não porque as modas seriam agora dirigidas e controladas
de ponta a ponta -
o que não tem nenhum sentido - mas porque cada
produção
funciona
como
publicidade
para
uma
outra;
tudo
é
„recuperado‟ de maneira sinergética para amplificar e acelerar o
fenômeno do sucesso. (LIPOVETSKY, 1989, p.209)
Desta maneira, entende-se que estratégias de criação de produtos como aquelas da
Globo Marcas são importantes artifícios usados na atualidade para reforçar o perene
sucesso de determinados produtos culturais. E, a partir daí, os usos de um objeto podem
dizer mais sobre um comportamento ou gosto estético temporário do que sobre sua
própria utilidade, conforme destaca Lipovetsky:
A cultura influi ainda sobre os gostos estéticos, em música por
exemplo, mas pouco sobre valores, as atitudes, os comportamentos
dos indivíduos; cada vez mais vai ao encontro de sua essência moda,
de ser uma cultura superficial sem conseqüência. Se continua a
acelerar o processo de individualização é menos por sua temática
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
própria do que por seu coquetel de escolhas e de diversidades: sempre
mais estilos musicais, grupos, filmes, séries, o que só pode suscitar
mais pequenas diferenciações, possibilidades de afirmar preferências
mais ou menos personalizadas. (LIPOVETSKY, 1989, p.224)
Partindo-se
da
observação
de
Lipovetsky
e
considerando-se
que
os
meios
de
comunicação impulsionam mais moda e consumo do que mudança de comportamento,
propõe-se a análise do processo que se dá entre a observação das mensagens midiáticas
e o consumo do telespectador. Tratando-se de gosto estético, consumo de música,
vestuário ou objetos de decoração, pode-se afirmar que existe pouco envolvimento do
receptor ou consumidor com o bem a ser consumido. Por este motivo, optou-se pela
análise deste processo de consumo de objetos midiáticos através dos pressupostos de
Albert Bandura.
Um consumo por observação:
Parte-se, aqui, do pressuposto de que os telespectadores são capazes de aprender,
através de conteúdos multimidiáticos, aquilo que irão consumir e, principalmente, como
irão utilizar. Para se compreender o processo de consumo dos produtos da Globo
Marcas, optou-se pela teoria da aprendizagem observacional de Albert Bandura (1979).
Este processo é conhecido também como modelação, imitação, aprendizagem por
observação, identificação, cópia, aprendizagem vicária, facilitação social, contágio e
desempenho de papel.
Ele demonstra que o processo de aprendizagem pode ocorrer
através da observação do comportamento de outras pessoas e de suas conseqüências.
Trata-se, portanto, da capacidade do homem desenvolver um aprendizado por imitação,
inspirado em modelos fornecidos por outros indivíduos. É através deste tipo de
aprendizagem que novos tipos de padrão de comportamento são adquiridos e antigos
padrões são transformados.
A capacidade vicariante dos seres humanos proporciona uma aceleração no processo de
aprendizagem, considerando que através dela evita-se que uma pessoa tenha que realizar
todas
as
ações
para
conhecer
suas
respectivas
conseqüências.
O
aprendizado
observacional, portanto, difere-se do aprendizado do fazer individual que alterna
experiências de tentativas e de equívocos.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
A capacidade do ser humano de transmitir modelos a serem copiados estendeu-se e
ganhou novas proporções através dos meios de comunicação. Anteriormente, os homens
estavam em contato direto com apenas um grupo específico de pessoas, tendo suas
concepções de realidade social fortemente influenciadas por experiências vicariantes,
pelo que eles viam e ouviam nestes ambientes. Entretanto, na atualidade, a idéia de
realidade social está intimamente ligada à imagem difundida pela mídia, sendo possível
transmitir modelos a locais longínquos, para uma extensa camada da população,
simultaneamente. Assim, a forte exposição a este universo simbólico da mídia pode
fazer com que aquilo representado na TV pareça ser verdadeiro e seja adotado por
diferentes segmentos da sociedade.
Considerando que anteriormente os modelos de influência estavam
fortemente confinados aos padrões de comportamento exibidos no
ambiente imediato das pessoas, o acelerado acesso às tecnologias de
vídeo
expandiu
vastamente
a
escala
dos
modelos
aos
quais
a
sociedade é exposta dia após dia. (BANDURA: 1994, p.67, tradução
nossa)5
Por este motivo, Antônio C. Ruótolo (1998, p.169) esclarece que a teoria da Modelagem
ou Aprendizagem observacional faz parte de uma das perspectivas que podem explicar
os tipos de respostas que os receptores apresentam frente aos meios de comunicação.
Esta teoria possui, portanto, uma perspectiva comportamental que foca sua análise na
conduta do indivíduo após a exposição aos conteúdos da comunicação e nos efeitos que
a mídia pode provocar no comportamento dos telespectadores.
Para Ruótolo, “o princípio básico desta perspectiva é o processo de aprendizagem
observacional através de modelos. Um indivíduo exposto ao conteúdo dos meios de
comunicação
aprende
os
comportamentos
de
modelos
(personagens
e
situações)
apresentados” (RUÓTOLO: 1998, p. 169). Este aprendizado pode ser posto em prática
apenas quando surgir uma oportunidade, podendo haver algum espaço de tempo entre a
exposição ao conteúdo e a manifestação do comportamento aprendido.
Segundo Bandura, o processo de modelagem não é um simples processo de cópia. É um
processo que deve ser, antes de tudo, adaptado às necessidades do indivíduo. Antes de
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
manifestar um comportamento imitado, são realizadas avaliações; e as vantagens e as
desvantagens daquilo que deverá ou não ser copiado são analisadas. De acordo com o
autor, o processo de modelagem é governado por quatro processos: o processo de
atenção, o processo representacional, a produção de comportamento e o processo
motivacional.
Aplicando-se estes processos àquele de compra e uso de produtos multimidiáticos,
pode-se afirmar que o primeiro deles é fundamental para definir o que será ou não
modelado pelo indivíduo.
Para chamar atenção do telespectador, valores como
afetividade, complexidade, acessibilidade e funcionalidade são importantes aspectos a
serem observados nesta fase. Compreende-se que, neste momento, a maneira como um
produto é exposto ao olhar do público é definitivo para que as qualidades anteriormente
citadas atraiam o olhar do consumidor. Como estratégia para chamar atenção do público
consumidor,
a
Globo
Marcas
expõe
seus
produtos
em
comerciais,
durante
a
programação televisiva e nos diversos sites que a Rede Globo mantém.
Ainda neste primeiro estágio, há variantes correspondentes ao telespectador/consumidor
e à sua capacidade de percepção, seu grau de interesse, suas capacidades cognitivas,
seus preconceitos, seu entusiasmo e suas preferências. Neste aspecto, é mais provável
que determinado produto da Globo Marcas seja adotado pela população quando ela
estiver predisposta a utilizá-lo, apresentando características positivas para que isto
aconteça.
O segundo processo consiste na retenção daquilo que será modelado no futuro. Para que
isto aconteça, deve haver um processo de transformação e reestruturação da informação
percebida
e
futuramente
recordada
pelo
telespectador.
Este
processo
dependerá,
especialmente, das capacidades e estruturas cognitivas que o telespectador possui e da
codificação simbólica e organização cognitiva da mensagem.
Num
terceiro
momento,
denominado
Processo
de
Produção
Comportamental,
as
concepções simbólicas são postas em prática. Em outras palavras: a cognição é
transformada em comportamento. É desta forma que aquilo que se vê exibido na
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
programação da Rede Globo se transforma em ação, modificando o modo de agir, de
vestir e de consumir do telespectador. Neste momento, é tanto mais fácil a adoção de
um novo tipo de comportamento quanto mais fortes forem as sub-habilidades dos
receptores.
Finalmente, na quarta e última fase, denominada Processo Motivacional, Bandura
explica que os indivíduos não colocam em prática tudo aquilo que aprendem. Para que o
processo de modelagem aconteça, é necessário que eles apresentem algumas qualidades
que são importantes neste processo. Para que se realize o consumo, é necessário, por
exemplo, que o indivíduo avalie que a imitação seja vantajosa e que os custos daquela
decisão não sejam muito altos. Isso dependerá dos resultados que outros indivíduos
obtiveram com o mesmo padrão de comportamento. “As pessoas são motivadas pelo
sucesso de outras que são similares a elas mesmas, mas são desencorajadas de seguir
tipos de comportamento que elas têm visto que resultaram em conseqüências adversas”,
explica (BANDURA, 1994, pag.69, tradução nossa).
6
Toda esta capacidade humana de se espelhar no comportamento de outro indivíduo
deve-se
especialmente
à
capacidade
de
simbolização
que
o
homem
possui
de
compreender o meio-ambiente que o cerca, criando e regulando todos os eventos que
influenciam direta ou indiretamente cada aspecto de sua vida. É através de símbolos que
o homem dá sentido às suas experiências, de acordo com sua capacidade cognitiva.
Através da modelagem abstrata, as pessoas adquirem, entre outras
coisas, exemplos para eventos de categorização e julgamentos, regras
lingüísticas de comunicação, habilidades cognitivas de obter e utilizar
os conhecimentos e os modelos pessoais para regular suas motivações
e condutas. (BANDURA, 1994, p. 70, tradução nossa)
7
O baixo envolvimento do receptor da mensagem televisiva com a mensagem “moda de
vestuário” faz com que ele opte pela imitação de um modelo. Isto lhe poupa atividade
criativa e transfere a responsabilidade de ação para o modelo copiado, segundo afirma
Miranda et al. (2000) Isso traz sensação de contentamento consigo mesmo, pois o
indivíduo sente-se parte de um grupo específico ou semelhante a um modelo de
visibilidade.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
Morin (1997, p. 109) destaca que já nos anos 1930, os jovens encontravam no
comportamento dos heróis de filme incitações ao sonho e modelos de conduta. Ele
completa:
Como toda cultura, a cultura de massa elabora modelos, normas; mas,
para essa cultura estruturada segundo a lei do mercado, não há
prescrições impostas, mas imagens ou palavras que fazem apelo à
imitação, conselhos, incitações publicitárias. A eficácia dos modelos
propostos vem, precisamente, do fato de eles corresponderem às
aspirações e necessidades que se desenvolvem realmente.(MORIN,
1997, p.109)
Logo, compreende-se que a Rede Globo e a Globo Marcas são capazes de propor
exemplos de consumo. Para que isto aconteça, é necessário que o consumidor esteja
apto a copiar e consumir determinado objeto. Por isso, o processo de consumo dos
produtos da Globo Marcas não se limita ao processo de cópia, apenas. Significa, antes
disso, a ocorrência de uma avaliação que gerou num resultado positivo para que aquele
aprendizado ocorresse. Esta avaliação geralmente ocorre através da observação direta na
mídia ou de outro indivíduo que adotou anteriormente este modelo, o que provoca a
inibição ou a desinibição de se copiar.
Considerações finais:
Uma das principais funções da Globo Marcas, dentre tantas outras, é a de transformar os
programas da Rede Globo em potentes marcas comerciais. Para isso, a empresa expõe
seus produtos em sites da emissora e através de
merchandisings
durante a programação
televisiva. Esta estratégia comercial se repete em outras empresas, de maneira que hoje
é possível encontrar os mais diversos objetos de consumo anunciados direta ou
indiretamente por companhias cinematográficas e televisivas.
Neste processo, os meios de comunicação potencializam a capacidade vicariante do
homem, estendendo possibilidades de aprendizagem e fornecendo novos modelos de
comportamento. Já o consumidor/ telespectador, na extremidade oposta deste processo,
busca novas possibilidades de consumo através daquilo que é transmitido pela emissora.
Embora o telespectador seja mais ativo e busque conteúdo nas diversas plataformas
midiáticas
disponíveis,
compreende-se
que
existe
um
baixo
envolvimento
do
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
consumidor com aqueles produtos comercializados pela Globo Marcas. Por isto, as
escolhas podem ser feitas através daquilo que se observa através da programação
televisiva. Neste contexto, o consumo baseado na programação da Rede Globo pode
gerar melhores resultados, tais como: a economia de criatividade ou de responsabilidade
nas ações, a semelhança com ideais de beleza, de status, de prestígio e de poder das
pessoas que estão na mídia e o sentimento de se fazer parte de um grupo, no qual o
indivíduo observa novos modelos e será observado.
Somado a isto, pode-se afirmar que o consumo ocorre com intensidade e duração
proporcionais ao sucesso dos programas televisivos da Rede Globo. Se os produtos da
Globo Marcas são comercializados temporariamente, disponibilizados no mercado de
acordo com a programação da emissora televisiva, o consumo destes produtos também é
temporário. Por esta razão, verificou-se que os sucessos televisivos são mais capazes de
transformar eventualmente os gostos estéticos e as formas de consumo do que o
comportamento destes telespectadores e consumidores.
Referências bibliográficas:
BANDURA,
A.
(1979)
Modificação
do
Comportamento.
Rio
de
Janeiro:
Interamericana.
BANDURA,
A.
(1994).
Social
Cognitive
Theory
of
Mass
Communication.
In:
BRYANT, J.; ZILLMAN, D. (orgs.)
Media effects.
Hillsdale, Erlbaum,
p. 61-90
BUDAG, F. E. (2008)
Comunicação, Recepção e Consumo:
suas inter-relações em
Rebelde – RBD.
Dissertação de Mestrado. São Paulo: Escola Superior de Propaganda e
Marketing.
COSTA, C. (2000)
Eu compro essa mulher:
romance e consumo nas telenovelas
brasileiras e mexicanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
DOUGLAS, M. ISHERWOOD, B.(2006)
O mundo dos bens:
para uma antropologia do
consumo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.
IRIARTE, Gregório. ORSINI, Marta. (1992).
Realidad y medios de comunicación:
tecnicas e instrumento de analisis. Centro de Apoyo a la Educación Popular (CAEP)
Huanuni. Centro de Promoción Popular (CEPROMI). Misioneros Oblatos de María
Immaculata. Cochabamba: Ed. Itam.
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
JENKINS, H. (2004).
The cultural logic of media convergence.
International Journal of
Cultural Studies, vol.7. London: Sage.
JENKINS, H.
(2009).
Cultura da convergência.
São Paulo, Aleph.
LIPOVETSKY, G (1989).
O império do efêmero:
a moda e seu destino nas sociedades
modernas. São Paulo: Companhia das Letras.
MIRANDA,
A.
P.
C.
et.
al.
(2000)
Influenciadores
e
hábitos
de
mídia
no
comportamento do consumo de moda.
Santiago do Chile: Alaic.
MORIN, E. (1997)
Cultura de Massas no século XX:
o espírito do tempo I – Neurose.
Trad.: Maura Ribeiro Sardinha. 9ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.
RUÓTOLO, A. C. F. Audiência e Percepção: Perspectivas. In:
Comunicação e
Sociedade
. n.30. São Bernardo do Campo: Umesp, 1998.
SANTOS, S. D. (2009).
A
TV Globo e os seus fluxos de comunicação.
In:
Biblioteca
On line de Ciências da Comunicação
sergio-tv-globo-fluxos-comunicacao.pdf
. Visualização em 15 jun.2009.
www.globomarcas.com.br
1
Doutoranda em Análise da Imagem e do Som pela Universidade Federal Fluminense. Mestre em
Processos Comunicacionais pela Universidade Metodista de São Paulo. Endereço eletrônico:
anapaulaslc@yahoo.com.br
.
2
O dia on line
, 22 de maio de 2007.
3
Texto original: “media convergence impacts the way we consume media”.
4
Em agosto de 2010 a Rede Globo criou o cargo de “produtor de conteúdo transmídia”, atendendo à
demanda de fornecer ao telespectador conteúdos ligados ao programa televisivo de seu interesse, mas
acessível através de outros suportes como a telefonia e publicidade em transporte público.
Informação
315366.asp
. Acesso em 12 de agosto de 2010.
5
Texto original: “Whereas previously modeling influences were largely confined to the behavior patterns
exhibited in one‟s immediate environment, the accelerated growth of video delivery technologies has
vastly expanded the range of models to which members of society are exposed day in and day out”
6
Texto original: “People are motivated by the successes of others who are similar to themselves, but are
discouraged from pursuing courses of behavior that they have seen often result in adverse consequences”.
7
Texto original: “Through abstract modeling, people acquire, among other things, standards for
categorizing and judging events, linguistic rules of communication, thinking skills on how to gain and use
knowledge, and personal standards for regulating one‟s motivation and conduct.”
RAZÓN Y PALABRA
Primera Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación
www.razonypalabra.org.mx
NÚMERO 77
AGOSTO - OCTUBRE 2011
logo_pie_uaemex.mx