Artículo en PDF
Como citar este artigo
Número completo
Mais artigos
Home da revista no Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
602
Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 mai-jun;69(3):602-9.
Sueli Leiko Takamatsu Goyatá
I
, Carolina Costa Valcanti Avelino
I
, Sérgio Valverde Marques dos Santos
II
,
Deusdete Inácio de Souza Junior
III
, Maria Dorise Simão Lopes Gurgel
IV
, Fábio de Souza Terra
I
I
Universidade Federal de Alfenas, Escola de Enfermagem. Alfenas-MG, Brasil.
II
Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Programa de Pós-Graduação Enfermagem
Fundamental. Ribeirão Preto-SP, Brasil.
III
Hospital Unimed Poços de Caldas. Poços de Caldas-MG, Brasil.
IV
Faculdade Pitágoras, Curso de Enfermagem. Poços de Caldas-MG, Brasil.
Como citar este artigo:
Goyatá SLT, Avelino CCV, Santos SVM, Souza Jr DI, Gurgel MDSL, Terra FS. Effects from acupuncture in treating anxiety:
integrative review. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016;69(3):564-71. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690325i
Submissão:
10-04-2015
Aprovação:
01-11-2015
RESUMO
Objetivo:
avaliar as evidências científi cas disponíveis na literatura sobre os efeitos da acupuntura no tratamento da ansiedade
e a qualidade desses estudos.
Método:
revisão integrativa, realizada nas bases/bancos de dados CINAHL, LILACS, PUBMED-
PICO, SciELO,
The Cochrane Library
, no período entre 2001 a 2014. Os descritores
anxiety
,
acupuncture therapy
,
acupuncture
e
anxiety
disorders
foram combinados entre si para garantir a ampla busca de estudos primários.
Resultados:
dos 514 artigos, 67
foram selecionados para leitura na íntegra e 19 incluídos. Desses, 11 apresentaram forte nível de evidência. Dos seis artigos de
estudos clínicos randomizados, cinco apresentaram qualidade classifi cada como razoável. Dois estudos utilizaram acupunturistas
enfermeiros para a aplicação da intervenção. Os resultados mostram efeitos positivos e estatisticamente signifi cativos do uso da
acupuntura para tratamento de indivíduos com ansiedade.
Conclusão:
a acupuntura parece ser um tratamento promissor para a
ansiedade, no entanto, há necessidade de melhorar a qualidade metodológica das pesquisas nessa temática.
Descritores:
Acupuntura; Ansiedade; Terapia por Acupuntura; Medicina Baseada em Evidências; Assistência Integral à Saúde.
ABSTRACT
Objective:
to evaluate the scientifi c evidence that is available in the literature on the effects of acupuncture for treating anxiety
and on the quality of such studies.
Method:
the study is an integrative review of CINAHL, LILACS, PUBMED-PICO, SciELO, and
The Cochrane Library between 2001 and 2014. Keywords
anxiety
,
acupuncture therapy
,
acupuncture
, and
anxiety disorders
were combined among themselves to ensure a wide search of primary studies.
Results:
among 514 articles, 67 were selected to
be fully read and 19 were included. Among these, 11 were found to have strong evidence levels. Among the six articles about
randomized clinical studies, fi ve were found to be of reasonable quality. Two studies used acupuncturist nurses to perform their
interventions. Its results showed positive and statistically signifi cant effects from using acupuncture for treating subjects with
anxiety.
Conclusion:
acupuncture seems to be a promising treatment for anxiety; however, there is a need for improving the
methodological quality of the research on this fi eld.
Descriptors:
Acupuncture; Anxiety; Acupuncture Therapy; Evidence-Based Medicine; Comprehensive Health Care.
RESUMEN
Objetivo:
evaluar las evidencias científi cas disponibles en la literatura sobre los efectos de la acupuntura en el tratamiento de
la ansiedad, y la calidad de dichas investigaciones.
Método
: revisión integradora, llevada a cabo en las bases y bancos de datos
CINAHL, LILACS, PubMed PICO, SciELO, The Cochrane Library, en el periodo entre el año 2001 hasta el 2014. Se combinaron
entre sí mismas las palabras clave “
anxiety
”, “
acupuncture therapy
”, “
acupuncture
” y “
anxiety
disorders
” con el fi n de garantizar
Efeitos da acupuntura no tratamento da ansiedade: revisão integrativa
Effects from acupuncture in treating anxiety: integrative review
Efectos de la acupuntura en el tratamiento de la ansiedad: revisión integradora
REVISÃO
Efeitos da acupuntura no tratamento da ansiedade: revisão integrativa
603
Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 mai-jun;69(3):602-9.
Sueli Leiko Takamatsu Goyatá
E-mail: sueligoyata@yahoo.com.br
AUTOR CORRESPONDENTE
INTRODUÇÃO
Os transtornos de ansiedade são muito frequentes na atua-
lidade, caracterizando-se por estados subjetivos desagradáveis
de inquietação, tensão e apreensão, com tendência à cronici-
dade e, como trazem consequências para o cotidiano da vida
diária dos indivíduos, têm levado ao aumento dos estudos en-
tre vários grupos de pessoas
(1-3)
.
A terminologia transtorno de ansiedade é referenciada em vá-
rias situações, como: ansiedade generalizada, síndrome do pâ-
nico, estresse pós-traumático, fobias, transtorno obsessivo-com-
pulsivo e, indiretamente, em outras condições médicas como
doença da artéria coronária, disfunções gastrointestinais e asma
(4)
.
Isso demonstra que pesquisas sobre ansiedade são de extre-
ma importância, visto que essa enfermidade possui alto índice
de prevalência na população, em qualquer período da vida, re-
fletindo, assim, na saúde pública devido aos altos custos sociais
e individuais, com uma demanda elevada de assistência
(2-3,5)
.
Assistência essa baseada na visão biológica do processo saúde-
-doença, em todas as áreas da saúde, com predomínio da hege-
monia do médico sobre os demais profissionais e as tecnologias
de alta densidade do nível secundário e terciário
(6)
.
Os tratamentos predominantes dos transtornos de ansiedade
têm sido os farmacológicos e psicoterápicos. Entre os farmaco-
lógicos, destacam-se os benzodiazepínicos, que são os medica-
mentos mais prescritos no mundo, utilizados como ansiolíticos
e hipnóticos. Há uma grande preocupação no uso desses fárma-
cos, uma vez que podem ocasionar dependência física, química
e psicológica, especialmente no uso abusivo e prolongado
(7)
.
Nesse contexto, muitas discussões estão sendo realizadas
no âmbito da prática assistencial, a fim de mudar o foco do
cuidado curativista e farmacoterapêutico, o que pode ser al-
cançado com o uso de terapias complementares, como mais
uma forma para promover a integralidade do cuidado
(8)
.
No Brasil, em 2006, as terapias complementares foram
priorizadas como condutas terapêuticas pelo Sistema Único
de Saúde (SUS), com a homologação da Política Nacional de
Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC). O Ministério
da Saúde recomenda o uso dessas práticas, principalmente no
âmbito da Atenção Primária à Saúde, como nova estratégia
para a promoção, a manutenção e a recuperação da saúde, o
que tem levado mais pessoas a conhecê-las e usá-las
(9)
.
Entre as terapias complementares conhecidas, destaca-se a
acupuntura, uma técnica antiga da Medicina Tradicional Chine-
sa, que tem por finalidade o diagnóstico de doenças e a promo-
ção de cura a partir do estímulo da força de autocura do corpo.
A acupuntura teve origem há mais de 4.000 anos e, posterior-
mente, passou a ser utilizada no Japão e na Coreia do Norte e
do Sul, expandindo-se por toda a Ásia. Essa terapia atingiu o
mundo ocidental a partir da década de 1970 e, desde então, tem
sido questionada a sua eficácia. Tal terapia objetiva realinhar e
redirecionar a energia por meio da estimulação de pontos de
acupuntura com agulhas metálicas finas, laser ou pressão, que,
por sua vez, estimula os nervos periféricos, ocorrendo uma al-
teração nos neurotransmissores do sistema nervoso central
(10-11)
.
Em relação aos pacientes, às condições clínicas e aos eventos
ansiogênicos, desde 2002, a Organização Mundial de Saúde
(OMS) já indicava a acupuntura para o tratamento de diversas
doenças agudas e crônicas, com eficácia para todas as faixas
etárias e para todos os níveis de atenção à saúde. Sua resolubili-
dade abrangia as desordens do sistema respiratório, digestivo e
nervoso, assim como problemas psicológicos e emocionais
(12)
.
Dessa forma, estudos têm sido realizados para verificar o
efeito da acupuntura no tratamento de ansiedade em diferen-
tes populações, como, em mulheres com câncer de mama
submetidas a tratamento por quimioterapia
(13)
, em mães
lactantes com recém-nascidos prematuros
(14)
, em pacientes
apresentando ansiedade atendidos em unidades de atenção
primária à saúde
(15)
, em militares que retornaram de guerras
e que vivenciaram traumas físicos e psicológicos
(16)
, o que re-
vela um diversificado interesse no uso dessa terapia.
Para determinar o melhor tratamento de diversas patolo-
gias, entre elas, a ansiedade, é imprescindível a utilização da
prática baseada em evidências (PBE), que é compreendida
como o uso consciente, explícito e judicioso da melhor evi-
dência disponível para a tomada de decisão sobre o cuidar
individual do paciente
(17)
.
É um processo no qual os problemas reais e potenciais que
afetam a saúde dos usuários são apresentados como perguntas,
cuja resposta é procurada e avaliada sistematicamente a partir
dos resultados das mais recentes pesquisas, e serve como
base para a tomada de decisão. Quando a investigação está
separada da realidade clínica, novas descobertas não são
incorporadas nos processos e atividades de enfermagem, o
que gera prejuízo ao cliente
(18)
.
Na enfermagem, a PBE envolve a definição de um proble-
ma, a averiguação e a avaliação crítica das evidências disponí-
veis na literatura científica, a implementação destas na prática
clínica e a apreciação dos resultados, por meio da integração
de três elementos: a melhor evidência, as habilidades clínicas
e a preferência do paciente
(19)
. A PBE utiliza métodos para
a identificação de evidências, a fim de determinar se um
la amplia búsqueda de estudios primarios.
Resultados
: de los 514 artículos encontrados, se eligieron 67 para lectura íntegra,
y se incluyeron 19. De estos, once presentaron fuerte nivel de evidencia. De seis estudios clínicos randomizados, cinco
presentaron calidad clasificada como razonable. En dos estudios fueron empelados acupunturistas enfermeros para aplicar la
intervención. Los resultados mostraron efectos positivos y estadísticamente significantes en el empleo de la acupuntura para
el tratamiento de sujetos con ansiedad.
Conclusión
: la acupuntura puede ser un tratamiento prometedor para la ansiedad, sin
embargo se debe mejorar la calidad metodológica de las investigaciones en este tema.
Descriptores
: Acupuntura; Ansiedad; Terapia con Acupuntura; Medicina Basada en Evidencias; Asistencia Integral a la Salud.
Goyatá SLT, et al.
604
Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 mai-jun;69(3):602-9.
tratamento, ou meio diagnóstico, é efetivo, o que inclui es-
tratégias para a avaliação da qualidade das publicações cien-
tíficas e formas para a incorporação na prática assistencial
(20)
.
Este artigo apresenta como foco de interesse e objetiva ava-
liar as evidências sobre os efeitos da acupuntura no tratamento
da ansiedade e a qualidade dos estudos, que requer adequada
construção da pergunta de pesquisa e de busca bibliográfica
(20)
.
Com isso, pretende-se identificar as melhores evidências das pu-
blicações científicas, com a finalidade de estimular essa prática
de forma segura para os profissionais enfermeiros.
Cabe lembrar que, no contexto brasileiro, o Conselho Fe-
deral de Enfermagem (COFEN) assegura o exercício da acu-
puntura pelo enfermeiro por meio da Resolução COFEN nº
197/97
(21)
e reconhece, regulamenta e dispõe sobre o seu re-
gistro como especialidade do profissional enfermeiro, estabe-
lecida pela Resolução COFEN nº 326/2008
(22)
.
Diante disso, torna-se relevante a busca de evidências cientí-
ficas acerca dos efeitos da terapia de acupuntura no tratamento
da ansiedade na prática clínica, com vistas a contribuir para a
redução do tratamento farmacológico aos pacientes. Da mes-
ma maneira, almeja contribuir para a atuação do profissional
enfermeiro conferindo legitimidade no uso da acupuntura para
tratamento da ansiedade em diferentes populações. Ressalta-se,
também, a importância de agregar novos conhecimentos para o
campo científico, incluindo a área da enfermagem, por meio da
avaliação da qualidade das pesquisas nessa temática, propician-
do maior segurança ao paciente no uso dessa terapia.
MÉTODO
Trata-se de revisão integrativa, sendo um dos métodos de
pesquisa utilizados na PBE, permitindo a incorporação das
evidências na prática clínica. Esse método tem a finalidade
de reunir e sintetizar resultados de investigações sobre um
determinado tema ou questão, de maneira sistemática e orde-
nada, contribuindo para o aprofundamento do conhecimento
do tema investigado
(17,23-24)
.
Desse modo, a revisão integrativa pode ser utilizada como
um instrumento gerador de conhecimento em enfermagem.
Por ter uma abordagem que permite a inclusão de metodo-
logias diversificadas, esta tem um papel importante na PBE,
podendo então auxiliar o pesquisador a sumarizar literatura
teórica e empírica sobre um tema específico
(25)
.
As etapas ao desenvolvimento dessa revisão foram: 1) iden-
tificação do tema e seleção da questão de investigação de pes-
quisa; 2) estabelecimento de critérios de inclusão e exclusão
de artigos (busca da literatura); 3) definição das informações a
serem extraídas dos estudos selecionados; 4) avaliação dos es-
tudos selecionados; 5) análise e síntese dos resultados e apre-
sentação da revisão
(17)
. A questão norteadora desta revisão foi:
Quais são as evidências científicas disponíveis na literatura
sobre o efeito da acupuntura no tratamento da ansiedade e a
qualidade dos estudos?
Realizou-se uma revisão da literatura nacional e internacio-
nal por meio das bases e bancos de dados
Cumulative Index to
Nursing and Allied Health Literature
(CINAHL), Literatura Latino-
-Americana em Ciências de Saúde (LILACS),
Scientific Electronic
Library
(SciELO) e
The Cochrane Library
, em busca de artigos
publicados na íntegra, no período compreendido entre 2001 e
2014. Esse recorte temporal foi adotado uma vez que, durante
esse período, no Brasil, essa terapia passou a ser mais utilizada
na prática clínica, incluindo o tratamento da ansiedade.
Na etapa de busca bibliográfica, foi também utilizada a es-
tratégia PICO, em que esta palavra representa um acrônimo
para P (Paciente/Problema), I (Intervenção ou indicadores), C
(Comparação) e O (Resultado/desfecho). Essa estratégia tem
sido utilizada para construir questões de pesquisa de diferen-
tes naturezas, provenientes da prática clínica
(26)
.
Foram empregados os Descritores em Ciências da Saúde
(DEcS) e os Termos do
Medical Subject Headings
(MeSH) e
utilizado o operador booleano AND, formando, assim, a es-
tratégia de busca a partir dos descritores e termos controlados,
com a seguinte combinação:
anxiety
AND
acupuncture the-
rapy
AND
acupuncture
. O acesso a bases e bancos de dados
ocorreu nos meses de abril a junho de 2014.
Foram utilizados como critérios de inclusão para a seleção dos
artigos: conter resumos e textos completos publicados nos idio-
mas português, inglês e espanhol; de acordo com a questão nor-
teadora; sem distinção de nível de evidência; e estar disponível
eletronicamente. A seleção dos artigos foi realizada por meio do
título e dos resumos e aqueles selecionados foram submetidos à
leitura na íntegra e à análise minuciosa. Já os critérios de exclusão
foram os estudos que não respondiam à questão norteadora e à te-
mática relacionada com a acupuntura como método terapêutico
para ansiedade, bem como as publicações duplicadas.
Os dados extraídos das publicações selecionadas foram
transcritos para um instrumento validado, o qual foi adaptado
para atender ao objetivo do estudo. O instrumento continha va-
riáveis de interesse da pesquisa e os itens foram: título do artigo,
autores, ano de publicação, local do estudo, periódico que pu-
blicou o artigo, objetivo, método, população/amostra, resulta-
dos, conclusões, nível de evidência e qualidade do estudo
(2,26)
.
Adotou-se a proposta descrita por Gershon e colaboradores
(27)
,
com o objetivo de analisar o delineamento de pesquisa e classi-
ficar os níveis de evidência científica extraídos das publicações.
Os estudos clínicos randomizados controlados, identifica-
dos como nível I de evidência, foram analisados em relação à
eficácia da acupuntura para o tratamento da ansiedade. Pos-
teriormente, esses estudos foram classificados quanto a sua
qualidade, utilizando o instrumento proposto por Sniezek
e Siddiqui
(2)
, o
Quality Score for Acupuncture Trials
- QSAT
(Índice de qualidade para ensaios de acupuntura). Essa escala
tipo Likert é o primeiro instrumento de avaliação da qualidade
específica de estudos clínicos randomizados de acupuntura
(2)
.
O QSAT combina qualidade de medidas que são específicas
para ensaios de acupuntura com medidas que são generalizá-
veis a todos os ensaios clínicos randomizados. Ele pode ser usa-
do para avaliar estudos clínicos randomizados de acupuntura
como uma modalidade de tratamento. As dez medidas de quali-
dade QSAT são: (1) inclusão e critérios de exclusão; (2) desenho
do estudo; (3) controle do tratamento; (4) tamanho da amostra;
(5) aleatorização; (6) cegamento; (7) método de acupuntura; (8)
curso de tratamento de acupuntura; (9) desfecho; e (10) perda
de pacientes no acompanhamento do tratamento
(2)
.
Efeitos da acupuntura no tratamento da ansiedade: revisão integrativa
605
Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 mai-jun;69(3):602-9.
O total de pontuação varia de 0 a 20, sendo levantados
por meio de uma escala tipo Likert, de 0 a 2 pontos. A pon-
tuação QSAT de 18–20 indica a realização do estudo de tra-
tamento da acupuntura da mais alta qualidade, uma faixa de
pontuação de 15–17 indica qualidade razoável, uma faixa de
pontuação de 11–14 indica pouca qualidade, enquanto uma
pontuação de 10 ou menos indica má qualidade
(2)
.
Em relação aos aspectos éticos, as informações específicas
extraídas dos artigos foram acessadas por meio de bancos/ba-
ses de dados, não necessitando de autorização para utilizá-las
por se tratarem de material pertencente ao domínio público.
RESULTADOS
A coleta e a seleção dos artigos nas cinco bases e bancos de
dados resultaram na inclusão de 19 artigos no estudo. A Tabela
1 apresenta a distribuição dos artigos incluídos, de acordo com
as bases de dados e os critérios de inclusão e exclusão, respei-
tando o período de janeiro de 2001 a junho de 2014.
Tabela 1 –
Distribuição dos estudos segundo as bases e os
bancos de dados e critérios de inclusão e exclu-
são, no período de janeiro de 2001 a junho de
2014, Alfenas, Minas Gerais, Brasil, 2015
Artigos en-
contrados
Artigos sele-
cionados
Artigos
excluídos
Artigos
incluídos
CINAHL
41
8
7
1
LILACS
29
7
6
1
PUBMED-PICO
398
46
30
16
SciELO
5
2
2
0
The Cochrane Library
41
4
3
1
Total
514
67
48
19
Fonte: Bases de dados eletrônicos CINAHL, LILACS, PUBMED-PICO, SciELO,
The Cochrane Library, 2001–2014.
Dos 19 artigos incluídos, 17 eram internacionais e 2 nacio-
nais. Em relação aos países onde os estudos foram realizados,
os Estados Unidos da América apresentaram maior número de
artigos publicados nesta temática (31,6%), seguido do Brasil
(15,7%). Já o Canadá, o Reino Unido e a Austrália mostraram
o mesmo percentual de produção (10,5%). E Suécia, Turquia,
Áustria e Israel também tiveram o mesmo percentual de pro-
dução (5,3%).
Quando analisado o número de trabalhos por continentes,
de acordo com os países onde as pesquisas foram desenvol-
vidas, observou-se que a América do Norte apresentou maior
quantidade de produção nesta temática (42%), seguida pelo
continente europeu (26,3%). A América do Sul obteve 15,8%
da produção, já a Oceania 10,5%. O continente que teve me-
nor número de produção na temática foi o asiático (5,3%).
Em relação às classificações dos periódicos, segundo os
estratos indicativos de qualidade da Coordenação de Aper-
feiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES (WEBQua-
lis) das revistas ou jornais nos quais estavam publicados, foi
encontrada uma publicação com Qualis A1, seis (31,6%) pu-
blicações A2, seguida de duas (10,5%) publicações B1, cinco
(26,3%) publicações B2, quatro (21,0%) publicações B4, uma
(5,3%) com Qualis B5 e uma (5,3%) não foi classificada por
esse sistema. Posteriormente, realizou-se análise dos fatores
de impacto das revistas e jornais eletrônicos nos quais os arti-
gos foram publicados. Assim, foi possível notar que o fator de
impacto das publicações variou entre 0,09 e 5,163.
Dentre as publicações selecionadas para a revisão, 14
(73,7%) eram provenientes de periódicos relacionados à área
da medicina, três (15,8%) à área da enfermagem, uma (5,3%)
à área da psicologia e uma (5,3%) à área interdisciplinar.
O ano de 2013 foi o de maior número de publicações
com cinco artigos (26,3%), seguido dos anos de 2001, 2004,
2007, 2010 e 2012, com dois artigos em cada ano, totalizan-
do 52,7%. Já nos anos de 2003, 2008, 2009 e 2014 foi encon-
trado um artigo publicado em cada ano, totalizando 21,0%.
A Tabela 2 apresenta a distribuição dos artigos baseados no
tipo de estudo em relação à classificação dos níveis de evidência.
Tabela 2 –
Distribuição dos estudos em relação à classifica-
ção do nível de evidência das publicações sele-
cionadas entre janeiro de 2001 e junho de 2014,
Alfenas, Minas Gerais, Brasil, 2015
Tipo de estudo
Nível de
evidência*
n
%
Metanálise, Revisão Sistemática
de Ensaio Clínico Randomi-
zado, Ensaio Clínico Randomi-
zado Controlado
I
11
57,9
Pelo menos um Ensaio Clínico
Randomizado Controlado bem
delineado
II
-
-
Ensaio Clínico, sem randomi-
zação
III
1
5,3
Estudo de Coorte, Estudo Caso-
controle
IV
3
15,8
Revisão Sistemática de estudos
descritivos ou qualitativos
V
2
10,5
Estudo descritivo ou qualitativo
VI
2
10,5
Opinião de autoridades ou
Relatório de Comitê de Espe-
cialistas
VII
-
-
Total
7
19
100
Notas: *
Gershon RR
,
Karkashian CD
,
Vlahov D
,
Kummer L
,
Kasting C
,
Green-
McKenzie J
. et al. Compliance with universal precautions in correctional health
care facilities. J Occup Environ Med 1999;41(30):181-9.
Dos 19 artigos incluídos na amostra, seis referem-se a ECR,
e as informações dos mesmos encontram-se no Quadro 1.
Para a classificação do nível de evidência, consideraram-se
os níveis I e II como evidências fortes; III e IV, moderadas; e V a
VII, fracas. Do total de artigos incluídos, 11 (57,9%) enquadra-
vam-se no nível de evidência I, ou seja, forte nível de evidência;
quatro (21,0%), moderada; e quatro (21,0%) apresentaram força
Goyatá SLT, et al.
606
Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 mai-jun;69(3):602-9.
de evidência fraca. Entre os artigos analisados, não foram en-
contrados estudos com níveis de evidência II e VII.
O número de participantes variou de 4 a 1.201. O tipo
de ansiedade foi bem amplo, sendo citado desde ansiedade
aguda relacionada a algum evento a transtorno de ansiedade
generalizada. A maioria dos estudos utilizou como método
de avaliação da eficácia da acupuntura os instrumentos de
medidas validados.
Quadro 1 –
Título, ano, país, delineamento, número de pacientes, intervenções e desfechos dos estudos clínicos randomizados
incluídos na amostra
Título
Ano
País
Delineamento/
número de pa-
cientes
Intervenções
Desfechos
Effects of an integrative treat-
ment, therapeutic acupuncture
and conventional treatment in
alleviating psychological dis-
tress in primary care patients
- a pragmatic randomized
controlled trial
(15)
.
2013
Suécia
Ensaio clínico
randomizado e
controlado
n = 120
Tratamento
integrativo (TI)
versus
terapia
por acupuntura
(TA)
versus
trata-
mento conven-
cional (TC)
Os Tratamento Integrativo e Terapia por Acupuntura
resultaram na redução de ansiedade de forma
significativa, estatística e clinicamente, em pacientes
de cuidados primários. Em 4 semanas, as diferenças
entre os grupos foram para TI-TC (
p
= 0,005) e TA-
TC (
p
= 0,006). Da mesma forma, tanto TA e TI mel-
horaram significativamente mais que o TC (ambos
p
< 0,001) da linha de base 8 semanas.
The effect of acupuncture
on working memory and
anxiety
(27)
.
2013
EUA
Ensaio clínico
randomizado e
controlado
n = 90
Tratamento por
acupuntura
ver-
sus
tratamento
convencional
Indivíduos em tratamento por acupuntura relataram
menor estado de anisedade, após a intervenção do
que indivíduos em tratamento convencioanl (26,14
vs.
29,63,
p
= 0,0146).
Acupuncture for Anxiety in
Lactating Mothers with Pre-
term Infants: A Randomized
Controlled Trial
(14)
.
2013
Brasil
Ensaio clínico
randomizado e
controlado
n = 29
Tratamento por
acupuntura
ver-
sus
placebo
As medidas foram coletadas antes e após o trata-
mento e submetidas a um avaliador cego. Antes e
após o tratamento, a diferença nos escores de IDATE-
Estado em ambos os grupos não foi estatisticamente
significativa (
p
= 0,888), embora a análise dentro
do grupo foi significativa para ambos os grupos (
p
<
0,005). Os níveis de cortisol salivar não se alteraram
após o tratamento em ambos os grupos (
p
= 0,480).
Auricular Acupressure as a
Treatment for Anxiety in Pre-
hospital Transport Settings
(28)
.
2003
EUA
Ensaio clínico
randomizado e
controlado
n = 36
Tratamento auric-
ular acupressão
no ponto de re-
laxamento
versus
ponto sham
Os pacientes submetidos ao tratamento auricular
acupressão no grupo de relaxamento relataram
significativamente menos ansiedade do que os
pacientes no grupo sham à chegada ao hospitalar
(
p
= 0,002).
The use of auricular acu-
puncture to reduce preop-
erative anxiety
(29)
.
2001
EUA
Ensaio clínico
randomizado e
controlado
n = 91
Grupo Medicina
Tradicional
Chinesa, Grupo
Relaxamento
versus
Grupo
Controle
Após a intervenção, houve diferenças significati-
vas entre os três grupos (
p =
0,014). Pacientes do
Grupo relaxamento apresentaram menos ansiedade
comparados com pacientes do Grupo controle (
p =
0,01). A ansiedade em pacientes do Grupo medicina
tradicional chinesa não apresentou diferença signifi-
cativa em relação ao Grupo controle (
p =
0,28) e
Grupo relaxamento (
p =
0,37).
Auricular acupuncture:
a potential treatment for
anxiety
(30)
.
2001
EUA
Ensaio clínico
randomizado e
controlado
n = 55
Grupo Shenmen
versus
Grupo Re-
laxamento
versus
Grupo Sham
Houve diferenças significativas entre os três grupos
de tratamento (
p
= 0,001).
Análise
post hoc
demonstrou que os pacientes no
Grupo de relaxamento foram significativamente
menos ansiosos em 30 min (
p
= 0,007) e 24 h (
p
= 0,035), em comparação com os pacientes em
ambos os Grupos Shenmen e o Grupo Sham, e
menos ansiosos em 48 h (
p
= 0,042), em com-
paração com os pacientes no Grupo Shenmen.
Efeitos da acupuntura no tratamento da ansiedade: revisão integrativa
607
Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 mai-jun;69(3):602-9.
Dos seis artigos de estudos clínicos randomizados, analisa-
dos de acordo com QSAT, cinco apresentaram qualidade de
estudo classificada como razoável e um de baixa qualidade.
Nessa análise, destacaram-se quatro itens que apresentaram
pontuação baixa: tamanho da amostra, randomização, cega-
mento e tratamento de acupuntura. O número de participantes
variou de 29 a 120; e, em dois estudos clínicos randomizados
(ECR), a intervenção foi realizada por acupunturistas enfer-
meiros, com formação e experiência na área de intervenção.
Em relação às escalas de medida da ansiedade, quatro ECR
utilizaram o
State Trait Anxiety Inventory
(STAI), um utilizou
o
Visual Analog Scale
(VAS-Anxiety) e um a subescala de an-
siedade (HADS-A) do
Hospital Anxiety and Depression Scale
.
DISCUSSÃO
A estratégia PICO prevê a construção adequada da pergun-
ta de pesquisa e maximiza a recuperação de evidências nas
bases de dados, apresenta o foco de interesse da pesquisa e
evita a realização de buscas desnecessárias. O uso desse mé-
todo de busca, para a seleção das melhores evidências extraí-
das das publicações científicas, possibilita o acesso, de modo
acurado e rápido, ao conhecimento produzido sobre uma de-
terminada questão clínica, sendo um importante recurso para
a prática de enfermagem baseada em evidências
(20)
.
A qualidade da produção é medida pelo estrato indicativo
de qualidade QUALIS/CAPES, sendo representada por: A1,
A2, B1, B2, B3, B4, B5 e C, em que o estrato A1 representa o
maior peso (100) e o C o valor mínimo (zero). Este indicativo
induz a publicação, mostrando em qual periódico o pesquisa-
dor deve divulgar o seu trabalho, baseado na qualidade cien-
tífica dos periódicos
(31)
.
Em relação ao ano de publicação, 2013 obteve o maior
índice de publicação no período. Este resultado mostra que
o uso da acupuntura para o tratamento da ansiedade é um
tema atual. No Brasil, as publicações ainda são escassas, com
tendência ao aumento como decorrência da publicação da
Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares
(9)
.
Dos artigos analisados, a maioria correspondia ao nível de
evidência I, que mostra a relevância do estudo pelo tipo do
método de pesquisa adotado. O nível de evidência I está re-
lacionado à evidência de estudos provenientes de metanálise,
revisões sistemáticas e ensaios clínicos randomizados contro-
lados ou originários de diretrizes clínicas fundamentadas em
revisões sistemáticas de experimentos clínicos randomizados
controlados
(32)
.
Embora a revisão sistemática seja uma metodologia in-
questionável para a busca de evidências dos ECR sobre um
tratamento ou diagnóstico para a tomada de decisão clínica,
verifica-se que os estudos são também inconclusivos devido
à qualidade das pesquisas. É importante ressaltar que a qua-
lidade deve ser um primeiro passo em direção à avaliação da
base de evidências
(33)
.
Diferentes autores explicitam os fatores relacionados à
qualidade das pesquisas realizadas, tais como: a ausência de
justificativas para seleção dos pontos de acupuntura, núme-
ro de sessões e tempo de duração do tratamento, o que foi
evidenciado neste estudo por meio do uso do instrumento
QSAT
(2,15,27)
.
Em se tratando da duração do tratamento, dois ECR em
eventos agudos, aplicaram sessões de acupuntura em número
e tempo inferiores ao preconizado pelo QSAT, o que contri-
buiu para a menor pontuação desses estudos. Esse instrumen-
to estabelece como um dos critéros de qualidade da pesquisa
o curso de tratamento do paciente em 8 sessões por mais de 2
semanas ou 4 sessões de acupuntura por mais de 8 semanas
(2)
.
A falta de definição no número de sessões e tempo da terapia
precisa de novas pesquisas, a fim de melhorar a padronização
e fornecer o tratamento ideal
(34)
.
Outros itens de critérios de avaliação do QSAT, como ver-
dadeira randomização, desenhos de estudos, com cegamento
duplo, inclusão de perdas de sujeitos em análise estatística,
características fundamentais dos pacientes e os procedimen-
tos de intervenções e resultados são importantes para a evi-
dência da qualidade das pesquisas
(2)
.
A Organização Mundial da Saúde indica a acupuntura para
o tratamento da ansiedade com eficácia superior à medicação
convencional
uma vez que é considerado seguro, fácil de apli-
car, não é tóxico, não leva ao abuso ou dependência, os seus
efeitos secundários são escassos e mínimos, e suas contraindi-
cações são quase inexistentes. Além disso, é um procedimen-
to simples e de baixo custo, o que não envolve a utilização de
equipamentos de alta tecnologia
(12)
. Diante disso, evidências
científicas neste estudo mostram efeitos positivos e estatistica-
mente significativos do uso da acupuntura para tratamento de
indivíduos com ansiedade.
Neste estudo, dois artigos recentes apresentavam como
acupunturistas o profissional enfermeiro
(14-15)
. No caso do Bra-
sil, enfermeiros têm investido nesta área de conhecimento e
prática profissional, principalmente após a publicação da Polí-
tica Nacional de Práticas Integrativas e Práticas Complementa-
res, em 2006, e da regulamentação da terapia por acupuntura
como especialidade do profissional enfermeiro em 2008. Esse
fato tem demonstrado a necessidade de maior investigação
no campo do conhecimento do uso da acupuntura e de sua
eficácia na prática clínica de Enfermagem
(11)
.
Constituiu-se como aspecto limitante do estudo o Sistema
WEBQualis da CAPES-Brasil de indexação uma vez que nem
todos os periódicos fazem parte desse sistema, fato que res-
tringe a análise de qualidade dos artigos publicados, princi-
palmente no que se refere a pesquisas de abrangência interna-
cional na temática deste estudo.
Outro fator limitante na busca de evidência se deve a peri-
ódicos não indexados nas bases/bancos de dados eletrônicos
selecionados como parte dos critérios de inclusão e de ex-
clusão. As buscas de artigos em inglês, espanhol e português
também limitam em certa medida a busca e a seleção de ar-
tigos publicados em periódicos nos países orientais, onde a
acupuntura é um tratamento tradicional da medicina. Tal fato
também resulta na dificuldade de comparar o uso dessa tera-
pêutica entre países do ocidente e do oriente
(34).
As evidências científicas permanecem ainda limitadas, e os
estudos muitas vezes apresentam problemas metodológicos,
incluindo pequenas amostras, variabilidade na condução e
Goyatá SLT, et al.
608
Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 mai-jun;69(3):602-9.
duração do tratamento, diversidade de instrumentos de ava-
liação de ansiedade e falta de padrão-ouro no tratamento.
Pesquisas de alta qualidade teórico-metodológicas precisam
ser desenvolvidas para o uso da acupuntura no tratamento
da ansiedade, em diferentes grupos de pacientes e eventos
ansiogênicos.
CONCLUSÃO
Os resultados mostram que os efeitos da acupuntura no
tratamento da ansiedade têm se mostrado significativos se
comparados aos tratamentos convencionais; no entanto, os
estudos de ensaios clínicos randomizados apresentam baixa
qualidade metodológica. O
Quality Score for Acupuncture
Trials
é um instrumento que pode auxiliar na avaliação da
qualidade desses estudos e na elaboração de conclusões clíni-
cas relevantes em futuras revisões. Isso porque o nível ou força
de evidência por si só não garante a qualidade das pesquisas.
Evidências científicas mostram que essa terapia é promisso-
ra e sua incorporação no tratamento da ansiedade na prática
clínica de enfermagem, no contexto do Sistema Único de Saú-
de, poderá contribuir para a redução do tratamento farmaco-
lógico e o seu uso indiscriminado e prolongado, evitando aos
pacientes prejuízos ou mesmo a morte.
REFERÊNCIAS
1.
Schmidt DR, Dantas RA, Marziale MH. Anxiety and de-
pression among nursing professionals who work in surgi-
cal units. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2011[cited 2015
Apr 02];45(2):487-93. Available from: http://www.scielo.
br/pdf/reeusp/v45n2/en_v45n2a25.pdf
2.
Sniezek DP, Siddiqui IJ. Acupuncture for treating anxi-
ety and depression in women: a clinical systematic re-
view. Med Acupunct [Internet]. 2013[cited 2015 Apr
02];25(3):164-72. Available from: http://www.ncbi.nlm.
nih.gov/pubmedhealth/PMH0058508/.
3.
Silva ALP. O tratamento da ansiedade por intermédio da
acupuntura: um estudo de caso. Psicol Ciênc Prof [Inter-
net]. 2010[cited 2015 Apr 02];30(1)199-211. Available
4.
Pilkington K. Anxiety, depression and acupuncture: a review
of the clinical research. Auton Neurosci [Internet]. 2010[cit-
ed 2015 Apr 02];157(1-2):91-5. Available from: http://
www.autonomicneuroscience.com/article/S1566-0702%2
810%2900071-8/abstract
5.
Prado JM, Kurebayashi LFS, Silva MJP. Auriculotherapy
effectiveness in the reduction of anxiety in nursing stu-
dents. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2012[cited 2015
Apr 02];46(5):1200-6. Available from: http://www.prod
ucao.usp.br/bitstream/handle/BDPI/34348/
wos2012-3459_en.pdf?sequence=1
6.
Azevedo E, Pelicioni MCF. Práticas integrativas e comple-
mentares de desafios para a educação. Trab Educ Saúde
[Internet]. 2011[cited 2015 Apr 02];9(3):361-78. Available
7.
Marchi KC, Bárbaro AM, Miasso AI, Tirapelli CR. [Anxi-
ety and the consumption of anxiolytics among nursing
students of a public university]. Rev Eletrônica Enferm
[Internet]. 2013[cited 2015 Apr 02];15(3):729-37. Avail-
v15n3a15.pdf Portuguese.
8.
Paraguaná TTB, Bezerra ALQ, Souza MA, Siqueira KM. As
práticas integrativas na Estratégia Saúde da Família: visão
dos agentes comunitários de saúde. Rev Enferm UERJ [In-
ternet]. 2009[cited 2015 Apr 02];17(1):75-80. Available
9.
Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 971, de 4 de maio
de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integra-
tivas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de
Saúde. Diário Oficial da União. Brasília; 2006.
10. Haddad ML, Medeiros M, Marcon SS. Sleep quality of
obese workers of a teaching hospital: acupuncture as a
complementary therapy. Rev Esc Enferm USP [Internet].
2012[cited 2015 Apr 02];46(1):82-8. Available from:
11. Kurebayashi LFS, Freitas GF, Oguisso T. Nurses percep-
tion about diseases that are treated by acupuncture.
Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2009[cited 2015 Apr
02];43(4):930-6. Available from: http://www.scielo.br/
pdf/reeusp/v43n4/en_a27v43n4.pdf
12. World Health Organization - WHO. Acupuncture: review
and analysis of reports on controlled clinical trials. Ge-
neva; 2002.
13. Genç F, Tan M. The effect of acupressure application on che-
motherapy-induced nausea, vomiting, and anxiety in patients
with breast cancer. Palliat Support Care [Internet]. 2014[cited
2015 Apr 02];30:1-10. Available from: http://journals.cam
bridge.org/action/displayFulltext?type=1&fid=9672708&jid
=PAX&volumeId=13&issueId=02&aid=9672703&bodyI
d=&membershipNumber=&societyETOCSession=
14. Haddad-Rodrigues M, Nakano AMS, Stefanello J, Silveira
RCCP. Acupuncture for anxiety in lactating mothers with
preterm infants: a randomized controlled trial. Evid Based
Complement Alternat Med [Internet]. 2013[cited 2015
Apr 02];2013:1-9. Available from: http://www.hindawi.
com/journals/ecam/2013/169184/.
15. Arvidsdotter T, Marklund B, Taft C. Effects of an integrative
treatment, therapeutic acupuncture and conventional treat-
ment in alleviating psychological distress in primary care pa-
tients - a pragmatic randomized controlled trial. BMC Comple-
ment Altern Med [Internet]. 2013[cited 2015 Apr 02];13:308.
Available from: http://bmccomplementalternmed.biomedce
ntral.com/articles/10.1186/1472-6882-13-308
16. Lee C, Crawford C, Wallerstedt D, York A, Duncan A, Smith
J et al. The effectiveness of acupuncture research across com-
ponents of the trauma spectrum response (tsr): a systematic
review of reviews. Syst Rev [Internet]. 2012[cited 2015 Apr
02];1:46. Available from: http://systematicreviewsjournal.
biomedcentral.com/articles/10.1186/2046-4053-1-46
Efeitos da acupuntura no tratamento da ansiedade: revisão integrativa
609
Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 mai-jun;69(3):602-9.
17. Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integra-
tiva: método de pesquisa para a incorporação de evidên-
cias na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm
[Internet]. 2008[cited 2015 Apr 02];17(4):758-64. Avail-
18. Rodriguez CVA, Paravic KTM. Enfermagem baseada
em evidências e gestão do cuidado. Enferm Glob.
2011;10(24):246-53.
19. Pedrolo E, Danski MTR, Mingorance P, Lazzari LSM,
Méier MJ, Crozeta K. A prática baseada em evidências
como ferramenta para prática profissional do enfer-
meiro. Cogitare Enferm [Internet]. 2009[cited 2015 Apr
02];14(4):760-3. Available from: http://ojs.c3sl.ufpr.br/
ojs2/index.php/cogitare/article/view/16396
20. Santos CMC, Pimenta CAM, Nobre MRA. The PICO strat-
egy for the research question construction and evidence
search. Rev Latino-Am Enfermagem [Internet]. 2007[cited
2015 Apr 02];15(3):508-11. Available from: http://www.
scielo.br/pdf/rlae/v15n3/v15n3a23.pdf
21. Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução
COFEN No. 197/1997. Estabelece e reconhece as Tera-
pias Integrativas como especialidade e/ou qualificação do
profissional de enfermagem. Brasília; 1997.
22. Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução
COFEN No. 326/2008. Regulamenta no Sistema COFEN/
corens a atividade de acupuntura e dispõe sobre o regis-
tro da especialidade. Brasília; 2008.
23. Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o
que é e como fazer. Einstein [Internet]. 2010[cited 2015
Apr 02];8(1):102-6. Available from: http://www.scielo.br/
pdf/eins/v8n1/pt_1679-4508-eins-8-1-0102.pdf
24. Paranhos VD, Pina JC, Mello DF. Integrated management
of childhood illness with the focus on caregives: an inte-
grative literature review. Rev Latino-Am Enfermagem [In-
ternet]. 2011[cited 2015 Apr 02];19(1):203-11. Available
25. Whittemore R, Knafl K. The integrative review: updated
methodology. J Adv Nurs [Internet]. 2005[cited 2015 Apr
02];52(5):546-53. Available from: http://onlinelibrary.wiley.
com/doi/10.1111/j.1365-2648.2005.03621.x/abstract
26. Ursi ES, Galvão CM. [Perioperative prevention of skin in-
jury an integrative literature review]. Rev Latino-Am Enfer-
magem [Internet]. 2006[cited 2015 Apr 02];14(1):124-31.
Available
from:
v14n1a17.pdf Portuguese.
27. Bussell J. The effect of acupuncture on working memory
and anxiety. J Acupunct Meridian Stud [Internet]. 2013[cited
2015 Apr 02];6(5):241-6. Available from: http://www.jams-k
pi.com/article/S2005-2901%2812%2900215-4/fulltext
28. Kober A, Scheck T, Schubert B, Strasser H, Gustorff B, Ber-
talanffy P, et al. Auricular acupressure as a treatment for
anxiety in prehospital transport settings. Anesthesiology [In-
ternet]. 2003[cited 2015 Apr 02];98(6):1328-32. Available
ticleid=1943510
29. Wang SM, Peloquin C, Kain ZN. The use of auricular acupunc-
ture to reduce preoperative anxiety. Anesth Analg [Internet].
2001[cited 2015 Apr 02];93(5):1178-80. Available from:
2010/11/AA-Preoperative-Anxiety.pdf
30. Wang SM, Kain ZN. Auricular acupuncture: a potential
treatment for anxiety. Anesth Analg [Internet]. 2001[cited
2015 Apr 02];92(2):548-53. Available from: http://www.
ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11159266
31. Erdmann AL, Marziale MHP, Pedreira MLG, Lana FCF, Pa-
gliuca LMF, Padilha MI, et al. Evaluation of scientific pe-
riodicals and the Brazilian production of nursing articles.
Rev Latino-Am Enfermagem [Internet]. 2009[cited 2015
Apr 02];17(3):403-9 Available from: http://www.scielo.br/
pdf/rlae/v17n3/19.pdf
32. Gershon RR, Karkashian CD, Vlahov D, Kummer L, Kast-
ing C, Green-mckenzie J, et al. Compliance with uni-
versal precautions in correctional health care facilities.
J Occup Environ Med[Internet]. 1999[cited 2015 Apr
02];41(30):181-9. Available from: http://www.ncbi.nlm.
nih.gov/pubmed/10091141
33. Hammerschlag R, Milley R, Colbert A, Weih J, Yohalem-
Ilsley B, Mist S, et al. Randomized controlled trials of acu-
puncture (1997–2007): an assessment of reporting quality
with a consort- and stricta-based instrument. Evid Based
Complement Alternat Med [Internet]. 2011[cited 2015
Apr 02];2011:1-25. Available from: http://www.hindawi.
com/journals/ecam/2011/183910/.
34. Errington-Evans N. Acupuncture for Anxiety. CNS Neurosci
The r[Internet]. 2012[cited 2015 Apr 02];18:277-84. Available
49.2011.00254.x/abstract
logo_pie_uaemex.mx