Artículo en PDF
Cómo citar el artículo
Número completo
Más información del artículo
Página de la revista en redalyc.org
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
Pro du ção de tex tos nar ra ti vos em pa res:
re fle xões so br e
o pro ces so de in te ra çã o
Tel ma Fer raz Leal
Pa trí cia San tos da Lu z
Uni ver si da de Fe de ral de Per nam bu c o
Re su m o
O ar ti go ana
li sa o pro ces so de in te
ra ção en tre pa
res em
pro du -
ção de tex tos nar
ra ti vos. A es co
lha de tal tema está atre
la da a
uma con cep ção bá si ca de que a ela bo
ra ção tex tu al é uma ati vi -
da de cog ni ti va e so ci al que im põe uma co or de na ção de ações e
de de ci sões de di fe
ren tes ti pos. São ne ces sá
ri os co nhe ci men to s
quan to à si tu a ção de in te
ra ção ime di a ta, quan to às prá ti ca s
cul tu
ra
is, quan to ao gê ne
ro tex tu al e quan to aos as pec tos lin -
güís ti cos for ma
is. Des sa for ma, de fen de-se a idéia de que o tra -
ba
lho em pa
res pode fa vo
re cer a to ma da de cons ciên cia acer c a
das de ci sões a to mar, pois idéi as con fli tan tes de sa u to ma ti za m
a ta re fa da es cri ta. Argu men ta-se tam bém que a in te ra ção pode
le var as cri an ças a tro ca
rem in for ma ções e a tes tá-las du
ran te a
ge
ra ção do tex to, as sim como a par ti
lhar es tra té gi as para co or -
de nar as ações.
Fo
ram re a
li za das ati vi da des
in di vi du a
is e em du pla de es cri ta de
no tí ci as, car
tas e con tos em uma tur ma de 3ª sé
rie (ensi no fun -
da men tal, es co
la mu ni ci pal de Re ci fe, 21 cri an ças, 8 e 13 ano s
de ida de).
Os re sul ta dos mos tram que os tex
tos pro du zi dos pe
las du pla s
fo
ram me
lho
res que os tex tos in di vi du a
is em com po si ções d o
tipo as si mé tri co (fra co-médio) e si mé tri co (mé dio-médio), nã o
sen do tal efe
i to mar can te em du plas com pos tas por cri an ças d e
ní ve
is ini ci a
is (fra co-fraco). As aná
li ses dos pro to co
los evi den -
ci a
ram que em in te
ra ção as cri an ças ne go ci am in for ma ções e
es tra té gi as para ela bo
ra ção tex tu al e que apre sen tam di ver so s
ti pos de di nâ mi ca de tra ba
lho, po den do ha ver di vi são cla
ra d e
pa péis ou ne go ci a ção per ma nen te em cada tre cho do tex to pro -
du zi do .
Pa
la vras-chav e
Pro du ção de tex tos - Inte
ra ção - Ensi no fun da men tal .
Cor res pon dên cia:
Tel ma Fer raz Leal
Rua Má rio Pin to, 49 - Bul trin s
53320-340 - Olin da - PE
e-mail: tfle al@ter ra.com.b r
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 27-4 5, jan./jun. 200 1
2 7
The production of narrative texts in pairs :
reflections o n
the interaction proces s
Tel ma Fer raz Leal
Pa trí cia San tos da Lu z
Uni ver si da de Fe de ral de Per nam bu c o
Abstrac t
The article analyzes the interaction process between pairs o f
pupils in the production of narrative texts. The choice of thi s
issue is linked to the basic conception that the creation o f
texts is a cognitive and social activity that entails
a
coordination of actions and decisions of various types .
Knowledge is necessary about the situation of immediat e
interaction, about the cultural practices, the text genre, an d
about the formal linguistic aspects. Thus, the article defend s
the idea that working in pairs can promote the awareness o f
decisions to be made, because conflicting ideas de-automat e
the task of writing. It also argues that the interaction ca n
make children exchange information and test them during th e
production of the text, as well as to share strategies t o
coordinate actions .
Activities were carried out with a third-year class (Primar y
School in Recife, 21 children aged 8 to 13) involvin g
individual as well as pair writing of news, letters and shor t
stories .
The results show that the texts produced in pairs were bette r
than individual texts for pairs of asymmetric (weak-average )
and symmetric (average-average) arrangement; the sam e
effect was not noticeable in pairs of (weak-weak) symmetri c
arrangement. Analyses of the protocols reveal that, whe n
interacting, children negotiate information and strategies o f
text creation, and that they display various types of wor k
dynamics that may include a clear division of tasks or a
continuous negotiation in each part of the text created.
Keyword s
Creation of texts - Interaction - Primary education .
Cor res pon den ce:
Tel ma Fer raz Leal
Rua Má rio Pin to, 49 - Bul trin s
53320-340 - Olin da - PE
e-mail: tfle al@ter ra.com.b r
2 8
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 27-4 5, jan./jun. 200 1
Por que é im por tan te ana
li sar o
pro ces so de in te ra ção du ran te a
pro du ção tex tu al ?
A es co
lha des te tema foi de fi ni da po r
causa da gran de im por tân cia do tra ba
lho co m
pro du ção de tex
tos nas sé
ri es ini ci a
is, com o
vêm su ge
rin do as di ver sas pro pos tas cur ri cu
la -
res de re des es ta du a
is e mu ni ci pa
is, apre sen ta -
das des de o iní cio da dé ca da de 1980. Optou-se
por tra ba
lhar com tex
tos nar
ra ti vos, pois es se s
cir cu
lam bas tan te en tre as cri an ças da Edu ca -
ção Infan til e das sé
ri es ini ci a
is sob for ma d e
tex tos ora
is
(his tó ri as re a
is e fic tí ci as) e sob for -
ma de tex tos es cri tos (le
i tu
ra de his tó
ri as, no tí -
ci as, car tas, etc.).
O pres su pos to bá si co que guia essa pro -
pos ta é o de que a apren di za gem de pro du çã o
de tex tos com pre en de o de sen vol vi men to d a
ca pa ci da de de co or de nar co nhe ci men tos de vá -
ri os ní ve
is e ati vi da des tam bém di ver si fi ca da s
que es tão em jogo no tra ba
lho de es cri ta. O es -
cri tor pre ci sa usar in for ma ções acer ca das nor -
mas de no ta ção da es cri ta; aten tar para a s
nor mas gra ma ti ca
is de mar ca ção de con cor -
dân cia gra ma ti cal; usar re cur sos co e si vos e si -
na
is de pon tu a ção; or ga ni zar o tex to e m
pa
rá gra fos; de ci dir acer ca das es tru tu
ras da s
fra ses; se
le ci o nar vo cá bu
los; uti
li zar co nhe ci -
men tos acer ca do tipo de tex to a pro du zir, tai s
como or ga ni za ção, se qüên cia de idéi as, es ti
l o
de enun ci a ção; re fle tir acer ca do con te ú do a
ser ve
i cu
la do, en tre ou tras de ci sões necessá -
rias. Des sa for ma, de fen de-se a idéia de que o
tra ba
lho em pa
res pode fa vo
re cer a to ma da d e
cons ciên cia acer ca das de ci sões a to mar, poi s
idéi as con fli tan tes de sa u to ma ti zam a ta re fa d a
es cri ta. De fen de-se, tam bém, que a in te
ra çã o
pode le var as cri an ças a tro ca rem
in for ma ções e
a tes tá-las du
ran te a ge
ra ção do tex to, as si m
como a par ti
lhar es tra té gi as para co or de nar a s
ações du
ran te a ati vi da de. Res ta, por tan to, in -
ves ti gar mais de ta
lha da men te as for mas com o
as cri an ças se or ga ni zam em tal tipo de ati vi da -
de e se exis
tem al guns ti pos de pa
re a men to (si -
mé tri cos ou as si mé tri cos quan to ao ní vel da s
cri an ças em pro du ção de tex tos) mais van ta -
jo sos que ou tros no pro ces so de cons tru çã o
da com pe tên cia tex tu al .
A pro du ção de tex tos como u
m
tra ba
lho com ple xo e
mul ti fa ce ta d o
Mu
i tos au to
res vêm pes qui san do a s
com pe tên ci as de cri an ças em pro du ção d e
tex tos. Góes e Smol ka (1992), Aba ur
re (1992),
Kato e Sca vaz za (1992), San tos (1997) sa
li en -
tam as di fe
ren ças de de sem pe nho de cri an ça s
em pro du ção de tex
tos ora
is e es cri tos, mos -
tran do as di fi cul da des que as cri an ças têm ,
mu
i tas ve zes, em ade quar os tex
tos às ca rac -
te
rís ti cas pró pri as da es cri ta .
Em re
la ção aos tex tos ar gu men ta ti vos ,
au to
res como Ostdam, Glop per e Ei tin g
(1994) e Gol der e Co
i
ri er (1994, 1996) mos -
tram que cri an ças aba
i xo de 14 anos são pou -
co efi ci en tes em pro du zir tex tos ar gu men ta ti -
vos es cri tos. Os au to
res apon tam que a s
cri an ças não apre sen tam to dos os ele men to s
cons ti tu
in tes de um tex to ar gu men ta ti v o
(pon to de vis ta, jus ti fi ca ti va, con tra-ar gu -
men ta ção e res pos ta). Gol der e Co
i
ri er (1994 )
apre sen tam al gu mas hi pó te ses para tais re sul -
ta dos: cri an ças mais jo vens não têm ain da do -
mí nio de pro ces sos cog ni ti vos ne ces sá
ri os à
ta
re fa; ou as ope
ra ções são do mi na das se pa -
ra da men te, mas as cri an ças são in ca pa zes d e
co or de ná-las para pro du ção de um tex to ela -
bo
ra do; ou as ope
ra ções são do mi na das, ma s
as cri an ças ca
re cem de um mo de
lo de com -
por ta men to ar gu men ta ti vo ge
ral, par ti cu
lar -
men te a as so ci a ção en tre a meta e os cons ti -
tu
in tes do dis cur so.
Em re
la ção aos tex tos nar
ra ti vos, tam -
bém fo
ram re a
li za dos es tu dos que mos tra
ra m
di fi cul da des es tru tu
ra
is. Rego (1986) e Bran -
dão (1994), en tre ou tros, dis cu ti
ram o de sem -
pe nho de cri an ças em es cri ta de his tó
ri as ,
mos tran do que es tas pas sam por um pro ces s o
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 27-4 5, jan./jun. 200 1
2 9
de cons tru ção dos es que mas tex tu a
is e que a
his tó
ria com ple ta (si tu a ção ini ci al, de se qui
lí -
brio e des fe cho) só é pro du zi da após um cer
t o
tem po de in ter ven ção e con ta to com esse gê ne -
ro tex tu al.
Ou tras di fi cul da des têm sido apon ta das .
Góes e Smol ka (1992) des cre ve ram di fi cul da des
quan to ao uso dos pro no mes em cons tru çõe s
com ple xas de re fe rên ci as su ces si vas. Mu
i tas ve -
zes, não se sabe a que o “ele” se re fe
re em mei o
a duas ou mais pos si bi
li da des. Pié
ra ut-L e
Bonniec e Va
let te (1991) e Kail e We
is sen bor n
(1991), en tre ou tros, ve
ri fi ca
ram di fi cul da de s
em uti
li zar co nec ti vos ló gi cos .
É im por tan te, no en tan to, ve
ri fi car qu e
tais di fi cul da des são vis tas, ge
ral men te, com o
foco iso
la do e que a cri an ça, ao pro du zir o tex -
to, pre ci sa
li dar com to das elas si mul ta ne a men -
te. Em re
la ção a esse pro ces so, Vi e
i
ra (1992 )
mos tra, por exem plo, que o de sem pe nho da s
cri an ças quan to ao uso de elip ses é di fe
ren t e
nos di ver sos ti pos tex tu a
is (nar
ra ti vos, ar gu -
men ta ti vos e des cri ti vos), ou seja,
o do mí nio de uma ca te go ria re fe ren ci al de pen de
do do mí nio de um tipo de es que ma. Para cons -
tru
ir uma ope
ra ção de ní vel mais ba
i xo como a
elip se, é pre ci so que a cri an ça do mi ne uma ca te -
go
ria de ní vel mais ele va do, como o es que m a
tex tu al .
Nes sa mes ma di
re ção, Bran dão (1994 )
apon ta que as cri an ças que pro du zem as me -
lho
res his tó
ri as, além de abar ca
rem to dos o s
com po nen tes bá si cos des se tipo tex tu al, tam -
bém apre sen tam ma
i or ela bo
ra ção na es tru tu -
ra ção das sen ten ças .
A co or de na ção en tre to das as açõe s
( decidir con te ú do, es tru tu
rar e re
la ci o nar o s
pe
río dos, or ga ni zar a se qüên cia, de
li mi tar pa -
rá gra fos, no tar o tex to, en tre ou tras) e ní ve is de
co nhe ci men to (or to grá fi cos, gra ma ti ca
is, dis -
cur si vos, tex tu a
is) deve ser gui a da pelo sen ti d o
pre ten di do no tex to e pelo efe
i to que se pre -
ten de pro vo car.
Leal e Gu
i ma
rães (1999) aten tam que
as de ci sões aci ma ex pli ci ta das são to ma das,
mu
i tas ve zes, sem que o au tor per ce ba os di le -
mas, tal é sua fa mi
li a
ri da de com o tipo de tex -
to ou tal é a sua fal ta de cons ciên cia acer ca das
múl ti plas pos si bi
li da des. Além dis so, não sã o
de ci sões to ma das to das na fase pre
li mi nar d e
pla ne
ja men to. Mu
i tas des sas de ci sões, as si m
como a co or de na ção com a bus ca dos re cur so s
co e si vos, são to ma das na pró pria ati vi da de d e
ge ra ção do tex to. Assim, mu i tos au to res, como
Rego (1988), Góes e Smol ka (1992), We
is z
(1992) e Kato (1995), ad ver tem que a cri an ç a
pre ci sa de sen vol ver ha bi
li da des me ta cog ni ti -
vas de pla ne
ja men to, mo ni to
ra ção da ati vi da -
de, re vi são, ava
li a ção do tex to pro du zi do.
Du
ran te toda a ta
re fa, a mo ni to
ra ção da açã o
pos si bi
li ta re to ma das e re fac ções. (p. 11 )
A hi pó te se bá si ca in ves ti ga da nes se tra -
ba
lho é que as di fi cul da des que as cri an ça s
en con tram nas pro du ções não de cor
rem sim -
ples men te do des co nhe ci men to de re gras gra -
ma ti ca is ou da fal ta de idéi as so bre as di ver sas
par tes que de vem com por o tex to. Na re a
li da -
de, a con
ju ga ção dos vá ri os ní ve
is de co nhe ci -
men to e a co or de na ção das vá
ri as ta
re fas a
de sen vol ver du
ran te a es cri ta im pli cam u m
es for ço per ma nen te de con cen tra ção em fun -
ção do ob
je ti vo ma
i or, que é o de dar uni da d e
e co mu ni ca bi
li da de ao tex to. Assim, tor na-s e
ne ces sá
rio, a todo mo men to, pla ne
jar e exe -
cu tar tan to no pla no ge
ral (ní vel ma cro: de ci -
sões acer ca do con te ú do e da es tru tu
ra ge ra l
do tex to) quan to no pla no das par ti cu
la
ri da -
des (ní vel mi cro: as di ver sas par tes que o
com põem) .
Qu an do o pro fes sor en ten de es sas di fi -
cul da des, ele pas sa a con tri bu
ir mais para qu e
a cri an ça con si ga fa zer dis tin ção en tre ge rar o
tex to e pen sar so bre ele, como bem sa
li en ta m
au to
res como Góes e Smol ka (1992) e Ca fi e
r o
(1996), en tre ou tros. A co or de na ção en tre o
pla ne
ja men to e a ge ra ção e as to ma das d e
3 0
Tel ma Fer raz LEAL e Pa trí cia San tos da LUZ. Pro du ção de tex tos nar ra ti vos.
..
de ci sões so bre a for ma e o con te ú do são es sen -
ci a
is para a pro du ção de qual quer tipo de tex t o
e de vem ser fe i tas a par tir da ima gem que se faz
do le
i tor pro vá vel ou pre ten di do e da si tu a çã o
de in te
ra ção que será me di a da pelo tex to .
Logo, é ne ces sá
rio que se pro por ci o ne, na prá -
ti ca pe da gó gi ca, si tu a ções re a
is de in te
ra ção .
A in te ra ção como ele men to d e
re fle xã o
A in te
ra ção so ci al vem sen do, des de a dé -
ca da de 1980, es tu da da e dis cu ti da en fa ti ca -
men te por pes qui sa do
res de di fe
ren tes áre as. É
co mum en con trar mos ar ti gos sa
li en tan do a
im -
por tân cia da in te
ra ção para cons tru ção do co -
nhe ci men to. No en tan to, ain da há mu
i t o a se r
fe
i to para elu ci dar, no ní vel mi cro ge né ti co, o
pa pel da in te
ra ção so bre a ação men tal e so br e
o de sen vol vi men to dos pro ces sos cog ni ti vos ,
as sim como para ca
rac te
ri zar com mais de ta -
lhes os di fe
ren tes pro ces sos in te
ra ci o na
is e o s
seus im pac tos so bre a ati vi da de co
le ti va e
in di vi du al .
Entre os pro fis si o na
is da Edu ca ção, vi go -
ra a con cep ção de que a in te
ra ção pla ne
ja da é
uma “es tra té gia pri vi
le gi a da para pro mo ve r
e/ou apri mo
rar a cons tru ção de co nhe ci men to s
por par
te dos alu nos” (Da vis, Sil va e Espó si to ,
1989, p. 50). Entre tan to, não há cla
re za, ain da ,
so bre qua
is pro ces sos cog ni ti vos são ati va do s
du
ran te di fe
ren tes ti pos de in te ra ções. Por
isso,
as in te
ra ções são vis tas de modo ge né
ri co, se m
que seja pos sí vel “elu ci dar qua
is de
las são re al -
men te úte
is para a si tu a ção de sala de aula e
qua
is de
las cabe ao pro fes sor pro mo ver e/o u
in cen ti var” (Da vis, Sil va e Espó si to, 1989, p .
50). Se gun do os au to
res ci ta dos, cabe ao pro -
fes sor/in ter ven tor cri ar con di ções para a co
la -
bo
ra ção, com pre en são mú tua e co mu ni ca çã o
pro du ti va, além de dis cu tir re gras de in te
ra çã o
(tro ca) .
Em re
la ção ao con tex to es co
lar, Vygotsky
(1984) aler ta para a ne ces si da de de se con si de -
rar o ní vel de de sen vol vi men to po ten ci al do s
alu nos, ou seja, o quan to a cri an ça é ca paz d e
apren der sob a ori en ta ção de um adul to o u
em in te
ra ção com ou tra cri an ça mais ca paz .
Esse de sen vol vi men to po ten ci al, quan do con -
fron ta do com o de sen vol vi men to real (o que a
cri an ça é ca paz de fa zer so zi nha), cria a Zon a
de De sen vol vi men to Pro xi mal, na qual as in -
te
ra ções são mais efe ti vas, for ne cen do ba se s
para no vas apren di za gens .
Da vis, Sil va e Espó si to (1989, p. 52) afir -
mam qu e
a in te
ra ção com o ou tro – seja ele um adul t o
ou uma cri an ça mais ex pe
ri en te – ad qui
re, as -
sim, um ca rá ter es tru tu ran te na cons tru ção d o
co nhe ci men to na me di da em que ofe
re ce ,
além da di men são afe ti va, de sa fio e apo io para
a ati vi da de cog ni ti va. A in te
ra ção so ci al atua ,
des sa for ma, so bre a Zona de De sen vol vi men to
Pro xi mal, fa zen do com que pro ces sos ma tu ra -
ci o na is em an da men to ve nham a se com ple tar,
for ne cen do no vas ba ses para no vas apren di za -
gens.
Tais co
lo ca ções pa
re cem des ta car o pa -
pel da in te
ra ção as si mé tri ca (ex pe
ri en te X
inex pe
ri en te) so bre a cons tru ção do co nhe ci -
men to. Po de-se per gun tar, en tão, se as in te -
ra ções en tre igua
is (si mé tri cas) não po de ri am,
tam bém, se
rem pro pul so
ras da cons tru ção d o
co nhe ci men to. Tal ques
tão ne ces sa
ri a men t e
vem acom pa nha da de uma ou tra: qual se
ria o
pa pel da in te ra ção si mé tri ca? Se os
in di ví duos
pos su em ní ve
is pró xi mos quan to ao co nhe ci -
men to em ques tão, como po de
ri am im pul si o -
nar a cons tru ção do co nhe ci men to? H á
al gu ma ou tra ca
rac te
rís ti ca nas si tu a çõe s
além do for ne ci men to de in for ma ções qu e
pos si bi
li tam a apren di za gem?
Para Moro (1991), a in ter ven ção d o
adul to deve ori en tar as ta
re fas e in ter me di a r
tro cas en tre as cri an ças, fa vo re cen do o con fli -
to cog ni ti vo, ma xi mi zan do ade qua da men t e
os con fli tos e pro vo can do so
lu ções es tru tu -
ran tes. Nas re
la ções cri an ça-criança, a au to
r a
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 27-4 5, jan./jun. 200 1
3 1
ob ser va si tu a ções de: re gu
la gem mú tua; imi ta -
ções; com ple men ta ção; ações opos tas de
ini -
ciativa; e di vi são de ta
re fas. Por tan to, tan to a s
in te
ra ções cri an ça-criança (si mé tri cas) como as
in te
ra ções adul to-criança (as si mé tri cas) sã o
im por tan tes para que ocor
ram pro gres sos ex -
pres si vos na cons tru ção cog ni ti va. Moro afir ma
ain da que é im por tan te um pri me
i
ro mo men t o
in di vi du al do su
je
i to com a si tu a ção pro ble m a
a so
lu ci o nar, pois a ação in di vi du al tem sen ti do
e se trans for ma se de fron ta da com ou tras ações
in di vi du a
is .
A re fle xão so bre o pa pel da in te
ra ção e m
du plas so bre o de sen vol vi men to da ca pa ci da d e
de pro du ção de tex tos é im pres cin dí vel, poi s
como su ge
re Per
ret-Clermont (1979), si tu a ções
nas qua
is as cri an ças pre ci sam co or de nar en tr e
si ações ou con fron tar opi niões po dem pro vo -
car mo di fi ca ções na es tru tu
ra ção cog ni ti va e
re so
lu ção de pro ble mas dos alu nos. Essa idéia é
de fen di da por ou tros au to
res como Bor b a
(1996) e Ro az zi e Bryant (1999). Con ce be-se ,
pois, que é pos sí vel que, em in te ra ção, as cri an -
ças pas sem a ex pli ci tar os co nhe ci men tos e
apre en dam es tra té gi as de co or de na ção en tre as
ati vi da des ne ces sá ri as à pro du ção de um tex to .
Con vém des ta car que a pró pria ati vi da d e
de pro du ção tex tu al, mes mo que re a
li za da in -
di vi du al men te, está in se
ri da numa si tu a ção d e
in te
ra ção. Nes se caso, in te
ra ção en tre pro du tor
e le
i tor do tex to. Qu an do o tex to está sen d o
pro du zi do, é a ima gem do in ter
lo cu tor qu e
orienta as de ci sões a to mar. Nes se tra ba
lho, n o
en tan to, o foco de aten ção está vol ta do para a
in te
ra ção en tre pa
res du
ran te a ge
ra ção d o
tex to .
Como ana
li sar o pro ces so d e
in te ra ção ?
Pes qui sas so bre in te
ra ção têm sido con -
du zi das ge
ral men te me di an te dois pro ce di men -
tos bá si cos: aná
li se do de sem pe nho de cri an ça s
in di vi du al men te e em gru po, em ta re fas di ver -
sas; ou aná
li se do dis cur so pro du zi do na si tu a -
ção de in te
ra ção em foco. A pri me
i
ra for m a
ana
li sa os efe
i tos do pro ces so in te ra ti vo po r
meio da aná
li se do pro du to des sa in te ra ção .
Alguns es tu dos ado tam mé to dos experimen -
tais em que se ma ni pu
lam as ca rac te rís ti ca s
das si tu a ções de in te
ra ção. A se gun da for m a
ana
li sa o pro ces so de in te
ra ção por meio d e
ins tru men tos me to do
ló gi cos de abor da gen s
prag má ti cas de aná
li se do dis cur so .
A con cep ção de lin gua gem como pro -
ces so de in te
ra ção for ne ce su por te teó
ri c o
para os pro ce di men tos me to do
ló gi cos em que
ações ver ba
is são to ma das como ob
je to d e
aná
li se. Nes sa pers pec ti va, a lin gua gem é to -
ma da como um fe nô me no si tu a do e os pro to -
co
los ver ba
is são ma ni pu
la dos atra vés d e
aná
li ses mi cro ge né ti cas .
Den tre os pre cur so
res dos mo de
lo s
atuais de Aná
li se do Dis cur so, po de-se ci ta r
Gri ce (1971), que en fa ti zou o pa pel dos in ter -
lo cu to
res nas si tu a ções de uso da lin gua gem ,
apon tan do que os mes mos in te
ra gem mu tu a -
men te me di an te um “con tra to de co o pe ra -
ção”. Bus ca-se, por meio des se mo de
lo ,
per ce ber a for ma como os
in ter
lo cu to res re co -
nhe cem as in ten ções co mu ni ca ti vas do ou tro .
A aná
li se de tais in ten ções foi re a
li za d a
mais sis te ma ti ca men te por Aus tin (1962) e
Se ar
le (1969, 1975). Enfa ti zan do o prin cí pi o
in ten ci o nal da fala, tal abor da gem ex plo
ro u
as três di men sões bá si cas dos enun ci a dos: ato
lo cu ci o ná
rio (con te ú do pro po si ci o nal, o que é
dito); ato ilo cu ci o ná
rio (in ten ção sub
ja cen t e
ao con te ú do pro po si ci o nal, for ça); ato per
lo -
cu ci o ná
rio (efe
i to per
lo cu ci o ná
rio so bre o in -
ter
lo cu tor). Se ar
le (1969, 1975) clas si fi cou o s
atos de fala se gun do suas in ten ções. Den tr e
as con tri bu
i ções da Te o
ria dos Atos de Fala ,
Blum-Kulka (1997) des ta ca a aten ção dada a
qua tro fe nô me nos :
1 – ex pres sões não ser vem ape nas para ex -
pres sar pro po si ções mas tam bém para exe cu -
tar ações lin güís ti cas em con tex to ;
2 – a lin gua gem pro vê a seu fa
lan te uma va ri -
e da de de sig ni fi ca dos lin güís ti cos, va
ri an d o
3 2
Tel ma Fer raz LEAL e Pa trí cia San tos da LUZ. Pro du ção de tex tos nar ra ti vos.
..
em ní ve
is de trans pa
rên cia ilo cu ci o ná
ria e pro -
po si ci o nal para per for man ce em to dos os ato s
de fala ;
3 – a mes ma ex pres são, de pen den do do con -
tex to, pode ser vir para exer cer di fe
ren tes fun -
ções prag má ti cas ;
4 – atos de fala po dem ser di fe
ren ci a dos pe
lo s
ti pos de pre con di ções con tex tu a
is ne ces sá
ri a s
para seu su ces so na per for man ce. (p. 47 )
Tais pos tu
la dos for ne ce ram con tri bu
i çõe s
re
le van tes para o in cre men to de mo de
los teó ri -
cos, den tro de uma pers pec ti va prag má ti ca, qu e
bus cam re a
li zar aná
li se de dis cur so. Uma da s
abor da gens teó ri cas de des ta que, hoje, é a Aná -
li se da Con ver sa ção. Se gun do Mar cus chi (1991 ,
p. 6), os ob
je ti vos ge
ra
is dos teó ri cos da Aná
li s e
da Con ver sa ção são des cre ver as es tru tu ras d a
con ver sa ção e seus me ca nis mos or ga ni za do res ;
es pe ci fi car os co nhe ci men tos lin güís ti cos, pa ra -
lin güís ti cos e so ci o cul tu ra
is que de vem se r
partilhados para que a in te ra ção seja bem-su ce -
di da; ana
li sar os pro ces sos co o pe ra ti vos pre sen -
tes na ati vi da de con ver sa ci o nal. É con si de
ran d o
tais ob
je ti vos que teó ri cos como Orso
li ni e
Pontecorvo (1992), Edwards (1997, 1998) e
Pomerantz e Fehr (1997), en tre ou tros, uti
li za m
a Aná
li se do Dis cur so como ins tru men to par a
com pre en der os pro ces sos in te ra ti vos em sala de
aula .
Dis pon do de tais ins tru men tos me to do -
ló gi cos, op tou-se por ana
li sar o pro ces so d e
pro du ção tex tu al em pa
res atra vés dos pro du -
tos das in te
ra ções (os tex tos in di vi du a
is e e m
du plas) e da aná
li se dos dis cur sos pro du zi do s
em si tu a ção de pro du ção .
Como os da dos fo ram co
le ta dos ?
Esse tra ba
lho foi re a
li za do com uma tur -
ma de 3ª sé
rie do pri me
i
ro grau de uma es co
l a
mu ni ci pal de Re ci fe, com pos ta por 21 cri an ças ,
de am bos os se xos, com ida de va
ri an do en tre 8
e 13 anos de ida de .
Fo
ram re a
li za das ati vi da des de es cri ta d e
no tí ci as, car tas e con tos. Para cada tipo de tex -
to, foi re a
li za da uma ta
re fa de es cri ta in di vi -
du al de um tex to, a par tir da qual as cri an ça s
eram clas si fi ca das em fra cas, mé di as e for tes .
Após a clas si fi ca ção, as cri an ças eram agru pa -
das em du plas (fra co/fra co; fra co/mé dio; fra -
co/for te; mé dio/mé dio; mé dio/for te; for
te /
for te) para pro du ção de ou tro tex to (em du -
pla), se guin do as mes mas ori en ta ções da pro -
du ção in di vi du al. To dos os en con tros fo
ra m
fil ma dos e au di o gra va dos e os tex tos re co
lhi -
dos para aná
li se .
Qu a
is fo ram os efe
i tos d a
in te ra ção ?
A pri me
i
ra ati vi da de foi re a
li za da a par tir
de uma dis cus são acer ca de uma no tí cia di vul -
ga da na te le vi são de que a mãe de um alu no de
uma es co
la par ti cu
lar, em Belo Ho ri zon te, fo i
pre sa por dis cri mi na ção ra ci al. A pes qui sa do r a
per gun tou ao gru po clas se se eles ti nham vis t o
no dia an te ri or, no Jor nal Na ci o nal, a no tí ci a
so bre a pri são de uma mu
lher por ra cis mo .
Algu mas cri an ças dis se
ram que sim. Após isso ,
as cri an ças fa la ram so bre a no tí cia, en quan to a
pes qui sa do ra fa zia per gun tas, pe din do mai s
de ta
lhes, ha ven do, as sim, uma dis cus são so bre
o ra cis mo, com to ma das de po si ção .
As in for ma ções dis cu ti das so bre a no tí -
cia fo
ram: data; lo cal; des cri ção das pes so a s
en vol vi das (des cri ção fí si ca, fun ção na es co
l a
– pro fes so
ra, alu no, mãe do alu no, di
re to
ra ,
fun ci o ná
rio); nar
ra ção dos fa tos; de ta
lhe s
(ofen sas, tes te mu nhas, si tu a ção atu al na pri -
são, tipo de cri me, pu ni ção pre vis ta para o cri -
me, fala da pro fes so ra).
A par tir dos re sul ta dos ob ti dos, a s
crianças fo ram clas si fi ca das em três ní ve is, se -
guin do os cri té
ri os aba
i xo :
Fra co:
tex tos que não apre sen ta
ram as ca rac -
te
rís ti cas des se gê ne
ro e/ou apre sen ta
ram u m
ba
i xís si mo teor de in for ma ti vi da de (ape na s
trê s
in for ma ções da das) ou não in for ma va m
so bre as pec tos es sen ci a
is (mo ti vo da pri são ,
por exem plo) .
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 27-4 5, jan./jun. 200 1
3 3
Mé dio:
tex tos nar
ra ti vos, com boa es tru tu
r a
se qüen ci al e com as in for ma ções es sen ci a
i s
(qua tro a seis in for ma ções), mas sem ex plo ra -
ção dos de ta
lhes, que da ri am mais cre di bi
li da de
ao tex to.
For te:
tex tos nar
ra ti vos, com in tro du ção, bo a
es tru tu
ra se qüen ci al ,
alto teor de in for ma ti vi -
da de (a par tir de seis in for ma ções da das) e pre -
sen ça de re cur sos lin güís ti cos pró pri os ao tip o
de tex to so
li ci ta do.
Fo
ram ana
li sa dos os tex tos in di vi du a
is e
os tex tos das du plas se guin do os mes mos cri té -
ri os aci ma ex pli ci ta dos. A Ta be
la 1 (na pá gi n a
36) mos tra que, após a i nte
ra ção, hou ve um a
me
lho
ra nos re sul ta dos das du plas do tipo fra -
co-médio e mé dio-médio, uma vez que os tex -
tos pro du zi dos em du pla fo
ram clas si fi ca do s
em ní ve
is su pe
ri o
res aos tex tos pro du zi dos po r
cada cri an ça in di vi du al men te. As du plas fra -
co-forte e mé dio-forte pro du zi
ram tex tos qu e
fo
ram clas si fi ca dos como for tes, ou seja, no ní -
vel da cri an ça que ob te ve me
lhor re sul ta do in -
di vi du al men te (não ha via uma ca te go
ria aci m a
para se rem ob ser va das mu dan ças). As du pla s
fra co-fraco e for te-forte per ma ne ce
ram n o
mes mo ní vel .
Logo, po de mos di zer que a in te
ra ção si -
mé tri ca do tipo fra co-fraco não pos si bi
li to u
me
lho
ria no tex to pro du zi do, pois, jun tas, a s
cri an ças não con se gui
ram mo di fi car ou re or ga -
ni zar as in for ma ções tex tu a
is. Não hou ve ne -
nhu ma du pla que apre sen tas se um tex to, e m
du pla, in fe
ri or aos tex
tos in di vi du a
is .
Para a pro du ção das car tas foi re a li za da a
le
i tu
ra de uma his tó
ria (
Me mó ri as de um ri o
)
so bre a po
lu
i ção de um rio ca u sa da por uma in -
dús tria. Após isso, os alu nos in ter pre ta
ram a
his tó
ria e dis cu ti
ram so bre o tema. A par tir des -
se tra ba
lho, a pes qui sa do
ra pro pôs aos su
je
i to s
que es cre ves sem uma car ta para o dono da in -
dús tria, fa
lan do so bre o pro ble ma da po
lu
i çã o
no rio e su ge
rin do so
lu ções .
As cri an ças fo
ram clas si fi ca das em trê s
ní ve
is, de acor do com a ade qua ção do tex to à s
ca
rac te
rís ti cas ti po
ló gi cas, ou seja, ob ser -
vou-se se os com po nen tes pró pri os ao tip o
so
li ci ta do es ta vam pre sen tes. Os com po nen -
tes ana
li sa dos fo ram:
con
tex
tu a
li za do res
(ca -
be ça
lh o
,
co m
lo ca
li za ção no tem po e es pa ço ,
iden ti fi ca ção do des ti na tá
rio e re me ten te) ,
in
tro du çã o
(sa u da ção e apre sen ta ção dos ob -
je ti vos da cor res pon dên cia),
cor p o
(as sun to ,
com cla
re za do ob
je ti vo da car ta e ar gu men -
ta ção),
des pe di d a
(sa u da ção). Des sa for ma, os
cri té
ri os fo
ram :
Fra co:
tex tos sem con tex tu a
li za do res (ou ape -
nas al guns con tex tu a
li za do res), con fu so (se m
cla re za dos ob
je ti vos da cor
res pon dên cia) ;
Mé dio:
tex tos com cla re za dos ob je ti vos e boa
or ga ni za ção das idéi as, mes mo que te nha m
fa
lhas no uso dos re cur sos co e si vos ;
For te:
tex tos com con tex tu a
li za do res, cla
re za
dos ob
je ti vos e boa or ga ni za ção das in for ma -
ções e de fe sa de ar gu men tos .
Em re
la ção à pro du ção das car tas, po -
de-se ob ser var na Ta be
la 1 que, para to dos o s
su
je
i tos, a in te
ra ção foi bas tan te pro ve
i to sa ,
uma vez que ne nhum tex to em du pla fo i
inferior aos tex tos in di vi du a
is. As du plas fra -
co-fraco, fra co-médio e mé dio-médio apre -
sen ta
ram tex tos me
lho
res que os tex to s
in di vi du a
is. As du plas fra co-forte e mé -
dio-forte apre sen ta
ram tex tos no mes mo ní -
vel das cri an ças mais “com pe ten tes” e a du pl a
for te-forte per ma ne ceu no mes mo ní vel (nã o
ha via ou tra clas si fi ca ção pos sí vel). É in te res -
san te ob ser var que du plas si mé tri cas (fra -
co-fraco; mé dio-médio) apre sen ta
ram tex to s
me
lhor es tru tu
ra dos que os pro du zi do s
in di vi du al men te.
Para tra ba
lhar com pro du ção de histó -
rias, foi re a
li za da a le
i tu
ra de ou tra his tó
ri a
(
Fan
tas mas cha
te a do s
), que ti nha como per -
so na gens dois fan tas mas . Após a dis cus sã o
so bre a his tó
ria, re to man do per so na gens, tra -
ma, epi só di os e des fe cho, a pes qui sa do
ra pro -
pôs que es cre ves sem uma nova his tó
ria co m
os mes mos per so na gens (os dois fan tas mas) ,
para que cri an ças de ou tra es co
la pu des se m
ter a opor tu ni da de de ler .
3 4
Tel ma Fer raz LEAL e Pa trí cia San tos da LUZ. Pro du ção de tex tos nar ra ti vos.
..
A his tó
ria é um tex to nar
ra ti vo, li te
rio ,
que apre sen ta em sua es tru tu
ra três mo men to s
di fe
ren tes (si tu a ção ini ci al, de se qui
lí brio, des -
fe cho), que são en
ri que ci dos por des cri ções e
nar
ra ção de epi só di os que re che
i am o en
re do .
Nes se tipo de tex to, as cri an ças fo
ram clas si fi -
ca das em três ní ve
is, se guin do os cri té
ri os d e
clas si fi ca ção :
Fra co:
tex tos clas si fi ca dos nos ní ve
is de 1 a 3 .
No ní vel 1, o tex to não era nar ra ti vo; no ní vel 2,
a cri an ça in tro du zia per so na gem, mas nã o
apre sen ta va con fli to; no ní vel 3, apre sen ta va a
in tro du ção do per so na gem e de
li ne a va con fli to
sem de sen vol vê-lo, sen do este tex to uma re es -
cri ta .
Mé di o
: tex tos que fo
ram clas si fi ca dos nos ní -
ve
is 3 ou 4. No ní vel 3, a cri an ça in tro du zia o
per so na gem e de
li ne a va o con fli to, sem de sen -
vol vê-lo, mas ten do que cri ar tal con fli to se m
re es cre ver do tex to ori gi nal. No ní vel 4, o tex t o
apre sen ta va per so na gem, con fli to e des fe ch o
sem “epi só dio” (só nú cleo), sen do esse tex t o
uma re es cri ta.
For te:
tex tos clas si fi ca dos no ní ve
is 4 e 5. N o
ní vel 4, in tro du zia per so na gem, con fli to e des -
fe cho sem “epi só dio” (só nú cleo), cri an do nov o
con fli to. No ní vel 5, in tro du zia per so na gem ,
con fli to e des fe cho, com acrés ci mo de ele men -
tos de re che
io (epi só di os) .
Po de-se ob ser var na Ta be
la 1 que to do s
os tex tos pro du zi dos em du plas fo
ram clas si fi -
ca dos como for tes, com ex ce ção da du pla for -
ma da por cri an ças fra co/fra co. Logo, é pos sí ve l
con clu
ir que a in te
ra ção en tre pa
res au xi
li ou a
pro du ção tex tu al, fa zen do com que as cri an ça s
pu des sem re fle tir so bre os ob
je ti vos para pro -
du ção e so bre os as pec tos es tru tu ra is do tipo de
tex to so
li ci ta do. Mais uma vez a du pla fra -
co-fraco não apre sen tou pro gres so .
Em suma, po de-se ob ser var que nos trê s
ti pos de tex to hou ve uma me
lho
ra sig ni fi ca ti v a
quan do eles fo
ram pro du zi dos em pa
res. É
interessante re to mar que tan to du plas as si mé -
tri cas (fra co/mé dio) quan to si mé tri cas (mé -
dio/mé dio) pro du zi
ram tex
tos me
lho
res n a
si tu a ção de in te
ra ção en tre pa
res, com ex ce -
ção da du pla fra co/fra co em no tí cia e his tó ria .
É im pres cin dí vel in ves ti gar mais de ti da -
men te as si tu a ções de in te
ra ção do tipo fra -
co-fraco. Nes se pes qui sa não hou ve efe
i to d o
pro ces so in te
ra ti vo em pro du ção de no tí ci as e
his tó ri as. Tal re sul ta do pode ser de cor ren te de
que es sas cri an ças es ta vam em um ní vel d e
de sen vol vi men to tão ini ci al nes sa com pe tên -
cia que não apre sen ta ram me
lho ra, mas é pos -
sí vel que em es tu dos de in ter ven ção, co m
re pe ti das si tu a ções de in te
ra ção em du plas ,
pos sa ha ver evo
lu ção tam bém em in te
ra çõe s
des se tipo.
Qu an to às du plas em que ha via uma o u
mais cri an ças for tes, tal aná
li se pre ci sa ain d a
ser apro fun da da, pois uma das cri an ças j á
apre sen ta va de sem pe nho mu
i to bom, po den -
do ser esta a res pon sá vel pelo bom tra ba
lh o
da du pla. Tal ques
tão será apro fun da da nu m
tra ba
lho pos te
ri or .
É im por tan te res sal tar que a ca te go ri za -
ção ado ta da não es go ta os cri té ri os re
le van tes
para cada um dos ti pos tex tu a
is, mas fo
ra m
con si de
ra dos os mais es sen ci a
is para clas si fi -
ca ção dos tex tos ora pro du zi dos, de ven do-s e
con si de
rar que eram cri an ças de 3
a
sé rie (es co -
la pú bli ca) e que se os cri té
ri os fos sem mais rí -
gi dos cor
re
ría mos o ris co de ni ve
lar to dos o s
tex tos, o que im pos si bi
li ta
ria as aná
li ses acer -
cas das di fe
ren ças en tre as si tu a ções e m
aná
li se .
O que acon te ceu du ran te a
pro du ção dos tex tos ?
As aná
li ses dos pro to co
los de in te
ra çã o
fo
ram re a
li za das de duas ma ne
i
ras. Ini ci al -
men te, bus cou-se, por meio da le
i tu
ra do s
pro to co
los, iden ti fi car no tex to pro du zi d o
(pro du to) as for mas de par ti ci pa ção de cad a
cri an ça, ou seja, quem es ta va no tan do (re gis -
tran do) o tex to, quem es ta va de ci din do o
con te ú do em cada tre cho, quem es ta va de ci -
din do so bre a es tru tu
ra ção dos pe
río do s
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 27-4 5, jan./jun. 200 1
3 5
(enun ci a ção de cada tre cho). Des sa for ma, fo -
ram en con tra das al gu mas pas sa gens em que a
cri an ça que es ta va com o lá pis enun ci a va e no -
ta va o tre cho, al gu mas pas sa gens em que um a
cri an ça no ta va o tre cho e a ou tra enun ci a va, al -
gu mas pas sa gens em que uma cri an ça de ci di a
so bre o que se
ria es cri to e a ou tra cri an ça de ci -
dia so bre como se
ria dito (enun ci a ção), al gu -
mas pas sa gens em que a cri an ça que es ta v a
com o lá pis re gis tra va tre chos sem sub me ter à
apro va ção do par. Essas di fe
ren tes atu a çõe s
das cri an ças em pa res fo ram des ta ca das no tex -
to atra vés das co
res das fon tes, que pos si bi
li -
tam uma me
lhor vi su a
li za ção des sa di nâ mi ca .
Após essa aná
li se, bus cou-se apre en de r
mais so bre as ope
ra ções em ação du
ran te a
ge
ra ção do tex to. Os pro to co
los fo
ram re to -
ma dos e cada ato de fala foi clas si fi ca do. Des -
sa for ma, fo
ram ob ser va dos atos de fala co m
di fe
ren tes fun ções, tais como:
1 - enun ci a ção do tex
to: a cri an ça pro põe a
for ma como o tex
to (tre cho) deve ser re gis -
tra do ;
2 - pro pos ta de con te ú do: a cri an ça pro põe o
que será dito, mas não de fi ne a es tru tu
ra d o
pe
río do ;
3 – apro va ção de su ges tão: a cri an ça dá si na l
de que con cor da com a pro pos ta do co
le ga ;
3 6
Tel ma Fer raz LEAL e Pa trí cia San tos da LUZ. Pro du ção de tex tos nar ra ti vos.
..
Ta be
la 1. Aná
li se dos tex
tos ( in di vi du a
is e em du plas)
Notíci a
Cart a
Cont o
Pro du çõe s
Fra co
Mé di o
For t e
Fra c o
Mé di o
For t e
Fra c o
Mé di o
For t e
Su
je
i
to 0 1
X
X
X
Su
je
i
to 0 2
X
X
X
Inte ra ção 01 X 0 2
X
X
X
Su
je
i
to 0 3
X
X
X
Su
je
i
to 0 4
X
X
X
Inte ra ção 03 X 0 4
X
X
X
Su
je
i
to 0 5
X
X
X
Su
je
i
to 0 6
X
X
X
Inte ra ção 05 X 0 6
X
X
X
Su
je
i
to 0 7
X
X
X
Su
je
i
to 0 8
X
X
X
Inte ra ção 07 X 0 8
X
X
X
Su
je
i
to 0 9
X
X
X
Su
je
i
to 1 0
X
X
X
Inte ra ção 09 X 1 0
X
X
X
Su
je
i
to 1 1
X
X
X
Su
je
i
to 1 2
x
X
X
Inte ra ção 11 X 1 2
X
X
X
4 – dis cor dân cia quan to à su ges tão apre sen ta -
da ;
5 – re pe ti ção como re gis tro mne mô ni co: a cri -
an ça re pe te o que foi dito para que o tre ch o
enun ci a do não seja es que ci do ;
6 – re pe ti ção como au xí
lio para o re gis tro: a
cri an ça re pe te o que foi dito va ga
ro sa men t e
para au xi
li ar a no ta ção (foco de aten ção em as -
pec tos or to grá fi cos) ;
7 – re pe ti ção para re to ma da do tex to: a cri an ç a
re pe te o que foi dito para dar pros se gui men t o
ao pe
río do em an da men to ;
8 – le
i tu
ra para re to ma da do tex to: a cri an ça l ê
o tex to para re to mar a se qüên cia e de ci dir so -
bre a con ti nu a ção ;
9 – le
i tu
ra para re vi são ;
10 – so
li ci ta ção de pros se gui men to: a cri an ç a
so li ci ta que o par dê pros se gui men to ao tex to ;
11 – in ter ven ções para or ga ni zar a di nâ mi ca d a
ati vi da de em du pla .
Os di fe
ren tes atos de fala po dem ilus trar ,
de for ma cla
ra, a com ple xi da de do pro ces so d e
ge
ra ção de um tex to e as di fe ren tes ações que o
pro du tor pre ci sa co or de nar. As cri an ças, e m
du plas, po dem ex pli ci tar es tra té gi as e in for ma -
ções. O fato de uma cri an ça pro ce der à le
i
tu
r a
do tex to para re to mar o que foi es cri to pod e
au xi
li ar a ou tra cri an ça a ado tar tal tipo de es -
tra té gia quan do ela for pro du zir o seu tex to in -
di vi du al men te. Igual men te im por tan tes são a s
es tra té gi as de re pe ti ção, com di fe
ren tes fun -
ções (au xí
lio mne mô ni co, re to ma da do tex t o
para con ti nu
i da de, au xí
lio para re gis tro) e le
i -
tu
ra (para re to ma da do tex to e para re vi são d o
que já está es cri to) .
Para ilus
trar a di na mi ci da de das açõe s
em jogo, fo
ram se
le ci o na dos dois pro to co
lo s
que exem pli fi cam al guns fe nô me nos que po -
dem evi den ci ar a com ple xi da de dos pro ces so s
du
ran
te a ge
ra ção de um tex
to. O pri me
i
r o
pro
to co
lo cons tou de uma si tu a ção de pro du -
ção de car ta. Os tex
tos pro du zi dos in di vi du al -
men te pe
las cri an ças en vol vi das (
N
e
J
) fo
ra m
clas si
fi ca dos como mé di os. N não co
lo cou o s
con tex tu a
li za do res da car ta, pro du ziu u m
tex
to cur to e con
fu so, com mu
i tas vi o
la çõe s
or to grá fi cas.
J
uti
li zou os con tex tu a
li za do -
res, mas fora do for ma to pa drão.
J
foi me
lhor
que
N
em or to gra fia e fez um tex to mai s
longo por que enu me
rou os rios que nã o
deve
riam ser po
lu
í dos, mas não apre sen to u
so
lu ção para o pro ble ma .
de
re tor por que quan do voc ê
fei se
fa bre ca você nã o
boto um fico po
re s o
você acho que e tra z e
nata coze boa e você de
re to r
você a cabo a fo
re ta .
(Tex to in di vi du al de N )
você dono da fa bri ca não que
ria que tod o
mun do fose joga lixo na sua casa não em tã o
por que você joga lixo da cua fa bri ca no Ri o
Ca pi ba
ri be nas não e so por voce e para to do s
que tem fa bri ca até os pi tal tudo nas e as pe so -
as não de ve
ria joga lixo no Rio Ca bi ba
ri be e
otros até o de pa
ris da xina e da afri ca e d a
aus tra lha e nu sul em pa u lo nor te eo São pa u lo
Rio de ja ne i ro Rio e ti ju ca Rio ama zo nas eo Rio
de ca ma ra ca o Rio da bra zi
li t e
Re ci fe. 03 de ju nho de 199 8
Ass. J.
. .
(Tex to in di vi du al de J )
O tex to pro du zi do em du pla, com o
pode ser vis to aba
i xo, foi mais bem es tru tu ra -
do, com uti
li za ção dos con tex tu a
li za do
res ,
apre sen ta ção cla
ra dos ob
je ti vos e de sen vol -
vi men to co e
ren te da men sa gem .
Re ci
fe, 20 de agos
to de 199 8
Para: Di re
to
da Fa bri c a
Por fav o
dona d a Fá bri ca man de faze ou
tr a
Fa bri ca em ou
tro lu gar si não vai aca ba com a
na
tu re za si não bota um fi u
tro para não aca ba
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 27-4 5, jan./jun. 200 1
3 7
com a na
tu re za é está po
lu
i do o mar e o a r
Assi na do: Nel son é Ju
li a n a
(
XX – tex
to enun ci a do por N
)
(XX – tex to enun ci a do por J )
Para ana
li sar me
lhor a or ga ni za ção du ran -
te a ge
ra ção do tex to, op tou-se por de mar ca r
quem es ta va enun ci an do cada par te da car ta .
Como pode ser ob ser va do,
N
(em itá
li co) foi res -
pon sá vel pela enun ci a ção de qua se todo o tex to.
Por meio da aná
li se do diá
lo go, po de-se per ce -
ber que hou ve, nes se caso, uma dis tri bu
i ção d e
ta re fas. Enquan to
J
(em ne gri to), que se gu ra v a
o lá pis, pre o cu pa va-se pri o
ri ta
ri a men te em no -
tar o tex to,
N
pre o cu pa va-se em enun ci ar .
Po de-se per ce ber, no diá
lo go, nas pá gi -
nas 39 e 40, que
J
não teve um pa pel mu
i to
im -
por tan te quan to às decisões so bre o con te ú d o
do tex to, mas ser viu como re gu
la do
ra do tex
t o
de Nel son, além de ter ati va do nele a ne ces si da -
de de co
lo car os con tex tu a
li za do
res. O fato d e
o lá pis ter fi ca do com
J
fez com que
N
pu des s e
pen sar mais so bre a es tru tu
ra tex tu al e enun -
ciar um tex to mais co e so. A le
i tu
ra do tex
t o
individual de
N
pode le var a uma ava
li a çã o
equi vo ca da quan to à com pe tên cia que o alu n o
tem em pro du zir um tex to do tipo so
li ci ta do .
Como foi dito ante
riormente, o tex to
in di vi du al
de
N
não ti nha os con tex tu a
li za do res;
N
nã o
apre sen tou com clareza os ob
je ti vos da cor res -
pon dên cia e não con se guiu or ga ni zar as in for -
ma ções de for ma co e sa e cla
ra. As di fi cul da de s
do alu no em or to gra fia po dem tê-lo le va do a
in ves tir mais nes sa di men são, fa zen do com que
ele não con se guis se co or de nar as ações ne ces -
ri as para ge
rar o tex to. Mu
i to in ves ti men t o
em or to gra fia era ne ces sá
rio, fa zen do com qu e
a enun ci a ção fi cas se em um pla no in fe ri or.
J
,
por ou tro lado, ti nha mais fa ci
li da de em re -
gis trar o tex to, mas não pla ne
jou bem os con -
teúdos a ve
i cu
lar, ten do pro du zi do um tex to re -
pe ti ti vo. No tex to em du pla,
N
pôde fun ci o na r
como mo de
lo para
J
quan to ao pro ces so de ge -
ra ção e or ga ni za ção das idéi as e acer ca das con -
ven ções de uso dos con tex tu a
li za do res.
J
, po r
ou tro lado, pos si bi
li tou que
N
exer ces se tal ati -
vi da de por li be rá-lo da ta re fa de no tar o tex to .
Di fe
ren te men te da du pla aci ma,
W
e
A
ado ta
ram uma di nâ mi ca em que não hou v e
uma di vi são tão cla
ra de ta
re fas. Embo
ra no s
tex tos in di vi du a
is (aba
i xo), as cri an ças te -
nham pro du zi do no tí ci as clas si fi ca das com o
mé di as, quan do pro du zi ram em du pla, o tex to
me
lho
rou em qua
li da de, ten do sido ava
li a d o
com bom .
JONAL DO COMECI O
Re ci fe, 20 de ou tu bro de 199 8
Ti tu
l o
A MÃE DO MENINO VIO APROFESOR A
FALANO DO MENINO QUE ELE CHEGAV A
MUITO TATE NA ESCOLA PATICOLA E
M
BEROLISONTE A MÃE DO MENINO QU E
CICHAMAVADENIS A MEA DE DENIFOI PRES A
PORQE CHIGO A PROFESORA DE SENO QU E
ELA É NEGRA E A MÃE DE DENI FOI PRES A
ELA VAI SE APANHA DA PELO OS PULICIAL.
ELA VAI SE CASTIGAD A
ASS: W.
..
(Tex to in di vi du al de W )
FOLHA DE PERNAMBUCO ?
x
Um me ni no che gou atra za do na es co
la a pro -
fes so
ra fi cou re cra man do com ele e a mãe del e
ou viu tudo e dis si com a pro fes so
ra e no er a
para você ser pro fes so
ra não era para você se r
uma ba bar era bom que o car ro ba tes se e m
você a de
re to
ra e as mãe dois ou tro me ni no s
fi ca
ram ven do e a pro fes so
ra cha mou a po
lí ci a
e a mãe do me ni no fi cou cho
ran do fa
lan do n o
ni cro fo ne e a po
lí cia le vou a mãe do me ni n o
pre za e ela sor sera sol ta ser ela pas sa do jug a
men to ser ela não pas sar ela sera pre za de 1 até
3 ano isso foi lar in be
ro
li zon de ?
QUEM ESCREVEU FO I
A... ?
(Tex to in di vi du al de A )
3 8
Tel ma Fer raz LEAL e Pa trí cia San tos da LUZ. Pro du ção de tex tos nar ra ti vos.
..
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 27-4 5, jan./jun. 200 1
3 9
Pro
to co
lo de in
te ra ção en
tre
N x J em pro du ção de car
t a
Diá
lo g o
Aná
li se dos atos de fal a
(...)
N - Diz.
N so
li ci
ta que J ini cie o tex
to .
J - Diz tu tam bém.
..
Por fa vor, dona da.
..
J so
li ci
ta que o co
le ga o faça, mas logo após co me ça a
enun ci ar e re gis
trar o tex
to .
N - Fá bri ca, man de fa zer essa fá bri ca em ou
tro lu gar .
N as su me o tur no, con
ti nu an do a enun ci a ção .
J - Essa fá bri ca.
.. Man de fa zer essa fá bri ca em ou
tr o
lu gar .
J re pe
te o tex
to, re gis
tran do. A re pe
ti ção pa re ce ter a
fun ção de au xí
lio mne mô ni co (para não es que cer o qu e
foi enun ci a do) e au xí
lio para o re gis
tro (mo men
to e
m
que a me ni na pre o cu pa-se com as ques
tões no
ta ci o na
is
(re gis
tro do tex to)
N - Aí tu bota.
.. se não.
. .
N con
ti nua a enun ci a r
J - Se não.
. .
J re pe
te para fa zer o re gis
tr o
N - Se não vai aca bar com a na
tu re za .
N con
ti nua a enun ci a r
J - Se não vai aca bar com a na
tu re za .
J re pe
t e
N - Aí tu bota.
.. Se não bota.
.. bo
tar um fil
tro para não
aca bar com a na
tu re za e está po
lu
in do o mar e o ar.
Pron to.
N con
ti nua a enun ci ar o tex
to e si na
li za que a ta re
f a
aca bou .
J - Pron
t o
J con cor da com o co
le g a
(...)
P - Pron
to? Os dois con cor dam que aca bou? Não está
fal
tan do mais nada ?
P pro cu ra con
fir ma ção so bre o tér mi no da ati vi da de.
N e J - Nã o
P - E ago
ra ?
J - É bo
tar re me
ten
te para o cara que man dou.
J lem bra que é ne ces sá rio co
lo car o nome do re me
ten
te
(con
tex
tu a
li za dor)
P - É isso ?
N - É pra fa zer uma car
ta, é? Ou é uma car
ta nor mal ?
N pro cu ra in
for ma ções so bre o tipo de tex
to que es
tã o
pro du zin do (pa re ce que não ha via per ce bi do que de ve ria
es cre ver uma car
ta "de ver da de")
P - É uma car
ta nor mal .
J - Bota re me
ten
te .
J re pe
te que é ne ces sá rio co
lo car o re me
ten
t e
P - É ?
N - Eita! E se fos se para fa zer o nome, aí a gen
te ti -
nha que bo
tar Re ci
fe, o lu gar onde a gen
te tava. A
gen
te se es que ceu de tu di nho, não foi não ?
A in
ter ven ção de J ati va os co nhe ci men
tos pré vi os de N
so bre os con
tex
tu a
li za do res do tex
t o
P -
O que foi Nel son, que es que ceu ?
N - De bo
tar Re ci
fe, qual dia foi.
.. A gen
te es que ceu .
W
in di vi du al men te apre sen tou um tex t o
com mu
i tos pro ble mas or to grá fi cos e organiza -
cionais, sem uti
li zar uma lin gua gem apro pri a d a
ao tipo de tex to so
li ci ta do e ba
i xo teor de in for -
ma ti vi da de. Os de ta
lhes que ser vem para dar cre -
di bi
li da de ao tex to jor na
lís ti co não fo ra m
ex pli ci ta dos.
A
, por ou tro lado, mos trou ser me -
lhor em or to gra fia do que
W
, mas o tex to in di vi -
du al es ta va mais con fu so. Ne nhu ma das dua s
cri an ças de mons trou fa ci
li da de em or ga ni zar as
in for ma ções no tex to. É co mum, nes se tipo d e
tex to, apre sen tar ini ci al men te as in for ma çõe s
mais ge ra
is e de po
is os de ta
lhes que ca rac te ri -
zam a cena ou o fe nô me no que está sen do des -
cri to.
A
, em seu tex to
indivi dual, acres cen to u
in for ma ções não ve rí di cas ao tex to, fato qu e
de mar ca um des com pro me ti men to com a ve ri -
di ci da de pró pria do tex to jor na
lís ti co.
4 0
Tel ma Fer raz LEAL e Pa trí cia San tos da LUZ. Pro du ção de tex tos nar ra ti vos.
..
J - Mas, bota em ba
i xo .
J pro põe que os con
tex
tu a
li za do res se
jam co
lo ca dos em
lo ca
is não con ven ci o na
is (da mes ma for ma que fez n o
tex
to in di vi du al)
N - Não!
N não ace
i
t a
P - Tem je
i
to ain da de fa zer isso ?
N - Ter, tem. Só que aqui é mu
i
to gros so. Só se fa ze r
uma lis
ta bem gran de aqui, olha!
N pro cu ra uma so
lu ção para o pro ble ma, apro ve
i
tan do o
es pa ço su pe ri or do pa pel
J - Bota uma ré gua.
J so
li ci
ta que isso seja fe
i
to de for ma or ga ni za da (co
m
ré gua)
P - Com bi na com ela .
N - Com quem ?
P - Com Ju
li a na .
N - Heim? Vai fa zer? Pron
to, ago ra.
.. bota Re ci
fe, a
data, onde a gen
te tá, olha a vír gu
la aqui.
.. de 1998.
Pron
to. Aí bota o nome da pes soa. Como é o nome da
pes soa ?
N ori en
ta J so bre a ma ne
i ra como os con
tex
tu a
li za do res
de vem ser co
lo ca dos.
P - Não é pro di re
tor, né? Que a gen
te tá es cre ven do ?
N - É, aí bota o nome di re
tor .
N enun cia o tex
t o
P - Eu não sei o nome dele, vo cês tam bém não sa -
bem. Cha ma ele de di re
tor .
N - Aí bota o nome di re
tor. Aqui em ba
i xo.
J - Di re
tor da fá bri ca.
J com ple men
ta
N - Aqui em ba
i xo tu bota: as si na do Nel son e Ju
li a na ,
vai?Assi na do é com dois "s", é? Vai, dita seu nome.
. .
Nel son e Ju
li a na, bota um "i",
não ?
N au xi
lia J quan
to ao re gis
tro, ex pli ci
tan do dú vi da s
quan
to à or to gra fia.
J - Um "e" ?
J res pon de so bre a dú vi da co
lo ca da .
N - É um "e" mes mo ?
J - Pron to.
Pro
to co
lo de in
te ra ção en
tre
N x J em pro du ção de car
ta (cont.)
O tex to em du pla, como pode ser vis t o
aba
i xo, apre sen tou uma me
lhor or ga ni za çã o
das idéi as, com uma ma
i or quan ti da de de in -
for ma ções re a
is e au sên cia de in for ma çõe s
in ven ta das .
UM ALUNO JEGOU ATRASADO NA ISCOL A
PATICUL A
EN BEROULISOT E
A
PROFESSORA
FICO U
RECRAMANO COM ALUN O
A MÃE DO ALUN O
ESCUTO E COMEÇOU A CHIGA A PROFESSOR A
DESENO QUE ELA ERA NEGR A
E DISE QUANDO VIS E
ELA NA RU A
IA PASA PO PO SIMA DEL A
E A
PROFESSORA JAMO A POLICI A
A POLICI A
LEVOU A MÃE DO ALUNO PRESA E DESE QU E
NO POD E
PAGA FIANÇ A
ELA PODE SAI N O
JUGAMET O
.
XX – TRECHO ENUNCIADO POR
W
XX – TRECHO ENUNCIADO POR A
XX – TRECHO ENUNCIADO POR A E
W
CONCOMITANTEMENT E
XX – TRECHO REGISTRADO POR W SE
M
SUBMETER À APRECIAÇÃO DE A
X X – TRECHO ENUNCIADO POR A E MODIFICAD O
POR W, SEM CONSULTA AO PA R
XX – TRECHO ENUNCIADO POR W E MODI -
FICADO POR A
Atra vés da vi su a
li za ção do tex to é pos -
sí vel per ce ber que não hou ve, nes se caso, uma
di vi são rí gi da de pa péis, pois, em bo ra
W
te -
nha fi ca do com a ta
re fa de no tar o tex to, a
enun ci a ção foi re a
li za da pe
las duas cri an ças .
Por ou tro lado, po de-se ve
ri fi car que
W
ti nh a
mais po der so bre o tex to, pois ele é quem fa -
zia mo di fi ca ções nos tre chos enun ci a dos po r
A
sem re a
li zar con sul ta pré via, as sim com o
re gis trou a pa
la vra “par ti cu
lar” em si
lên cio .
Tal ca
rac te
rís ti ca fica evi den te na aná
li se d o
pro to co
lo (aba
i xo) .
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 27-4 5, jan./jun. 200 1
4 1
Pro
to co
lo de in
te ra ção en
tre W x A em pro du ção de no
tí ci a
(...)
W - Eu fico com o lá pi s
W in
for ma so bre uma de ci são so bre a di nâ mi ca de tra ba -
lho.
(...)
W - Diz aí.
W so
li ci
ta que A enun cie o tex
to .
A - No dia 20 de ou
tu bro de 1998.
. .
A enun cia o tex
to .
W - Diz alto me ni na.
P - É. Tem que fa
lar alto, você vai que rer ou vir de -
po
is na voz.
..
A - Um alu no che gou atra sa do na es co
la.
A enun cia o tex
to .
W - Fala alto me ni na. Em Belo Ho ri zon
te, não foi ?
W con
fir ma o tre cho enun ci a do.
A - Em Belo Ho ri zon
te .
A con
fir ma o tre cho enun ci a do.
W - A mãe do alu no es cu
tou e co me çou a xin gar a
pro
fes so ra.
W enun cia o tre cho.
A - Não. A pro
fes so ra re cla mou com o alu no.
A re
je
i
ta a pro pos
ta do co
le ga e pro põe ou
tra or dem a
ser re gis tra da.
(...)
4 2
Tel ma Fer raz LEAL e Pa trí cia San tos da LUZ. Pro du ção de tex tos nar ra ti vos.
..
W - Re cla man do. A mãe do alu no es cu
tou e co me -
çou a xin gar a pro fes soa.
W mo di
fi ca o tre cho enun ci a do man
ten do o con
te ú do e
pros se gue re
to man do o tre cho re
je
i
ta do por A .
A - Escu
tou.
. .
A ace
i
ta o tre cho enun ci a do na nova or dem em que foi
pos
ta e au xi
lia o co
le ga re pe
tin do o tre cho que ele es
ta va
re gis
tran do .
W - E
W re pe
te en quan
to re gis
tra .
A - A pro
fes so ra, di zen do que ela era ne gra.
A re pe
te um pe da ço do tre cho, au xi
li an do W a no
tar ( a
pro
fes so ra) e dá con
ti nu
i da de, enun ci an do o res
tan
te d o
pe río do.
W - Fala alto me ni na.
A - Di zen do que quan do ela fos se atra ves sar um a
rua.
. .
A enun cia novo pe río do .
por cima dela. Aca bou.
.. a his
tó ria .
W mo di
fi ca o tre cho enun ci a do e re gis
tra-o no pa pel.
W in
for ma o tér mi no da ati vi da de.
A - Não, ain da tem mais .
A não ace
i
ta a su ges
tão, de
fen den do que ain da é ne ces -
sá rio com ple
tar a no
tí cia .
W - Então diz .
W so
li ci
ta que ela as su ma a enun ci a ção do res
tan
te d o
tex
to .
(...)
P - Pe raí, ele tá achan do que aca bou. Ela que não ,
não é isso? Então faz o se guin
te: lê a his
tó ria do co -
me ço e vê se aca bou mes mo. Vê se tá fal
tan do, t á
cer
to ?
A - Bota aí.
. .
A pen sa so bre o que irá pro por.
W - (lê o tex
to) Um alu no che gou atra sa do em um a
es co
la em Belo Ho ri zon
te. A pro
man do com o alu no. A mãe do alu no es cu
me çou a xin gar a pro
fes so ra.
..
W lê o tex
to para re
to mar e dar con
ti nu
i da de .
W e A - .
.. di zen do que ela era ne gra e dis se quan do
vis se ela na rua ira pas sar por cima dela.
W e A con
ti nu am a le
i
tu ra do tex
to para dar pros se gui -
men
to ao mes mo.
W e A - E a pro
fes so ra cha mou a po
lí cia.
W e A enun ci am novo tre cho con co mi
tan
te men
te.
A - Po
lí cia e dis se.
. .
A ten
ta con
ti nu ar o tex to.
W - Po
lí cia e dis se.
. .
W ten
ta con
ti nu ar o tex to.
A - .
.. le vou a.
..
um.
.. mãe do alu no pre sa .
A enun cia novo pe río do .
W - Pre sa. Aca bou, fim.
W re pe
te para no
tar o fim do pe río do e su ge re que a ati -
vi da de seja con clu
í da .
A - E dis se que ela não pode.
..
A ig no ra a su ges
tão e con
ti nua a enun ci ar.
Pro
to co
lo de in
te ra ção en
tre W x A em pro du ção de no
tí cia (cont.)
Ape sar de
W
ter enun ci a do a ma
i or par
t e
do tex to, fica evi den te que
A
tem um pa pel de -
ci si vo na or ga ni za ção das in for ma ções, pois in -
ter fe
ria, quan do ne ces sá
rio, para que
W
nã o
co
lo cas se os da dos de for ma de sor de na da (po r
exem plo, no iní cio, não de
i xou que ele es cre -
ves se que “a mãe do alu no es cu tou” an tes d e
di zer que “a pro fes so
ra re cla mou com o alu -
no”).
A
tam bém fez in ter ven ções re
le van te s
para que uma ma
i or quan ti da de de in for ma -
ções fos se re gis tra da, pois não de
i xou que se u
co
le ga fi na
li zas se a ta
re fa na quar ta li nha .
É in te
res san te per ce ber que no tex to in -
di vi du al de
W
, ele teve di fi cul da des em fa zer a
in tro du ção e, no tex to em du pla, foi
A
que m
ini ci ou a enun ci a ção, em bo
ra eles te nham per -
di do o co me ço do tre cho di ta do, quan do
A
pro pu nha que fos se co
lo ca da a data em que o
epi só dio acon te ceu (no dia 20 de ou tu bro d e
1998) .
Ape sar de
W
ter mos tra do di fi cul da de s
em co nec tar as idéi as no seu tex to in di vi du al ,
ele pôde, com o au xí
lio de
A
, pen sar em pe que -
nas pas sa gens do tex to, re to man do o que já ti -
nha sido es cri to. Esse tipo de com po si ção ,
como pode ser ob ser va do no tex to, é mu
i t o
rica, pro pi ci an do que cada cri an ça apre en da es -
tra té gi as e in for ma ções do co
le ga .
Con clu sã o
Ve
ri fi ca mos que, em du plas, as cri an ças ,
quan do ne go ci a vam as di fe
ren tes con cep çõe s
que ti nham so bre uma de ter mi na da ques tão ,
ge
ral men te con se gui am me
lho
res re sul ta do s
do que quan do es ta vam pro du zin do so zi nhas .
Per ce be mos, tam bém, que, ao fi ca
re m
em tal si tu a ção, os su
je
i tos se vi ram
ins ta dos a
to mar de ci sões não mais so zi nhos, e, por isso ,
obri ga dos a ex pli ci tar o que es ta vam que ren -
do fa zer, o que sa bi am fa zer, e para isso ti -
nham que se fa zer en ten der pelo ou tro ,
va
li dar o que que
ri am di zer , con fron tar sua s
idéi as, tro cá-las. Enfim, de ci dir como es cre ver
o tex to. De po
is de pas sa
rem por uma cer ta re -
fle xão so bre sua es tru tu
ra, mo di fi ca vam o u
não o que que
ri am es cre ver, re sol ven do, por -
tan to, en tre o que ele “acha va” que de via co -
lo car e o que o ou tro “acha va”, sen do ta l
de ci são to ma da a par tir da ex pli ci ta ção mai s
con vin cen te, ou, ain da, por aque
le su
je
i to que
fos se mais au to
ri tá
rio .
Cons ta ta mos que, ape sar de as pro du -
ções dos su
je
i
tos em in
te
ra ção te
rem apre -
sen
ta do me
lho
res re sul ta dos, o sim ples fat o
de co
lo car tais su
je
i
tos nes sa si tu a ção ne m
sem pre é um fa
tor de
ter mi nan
te para se ob -
ter um me
lhor de sem pe nho, como pôde se r
ob ser va do nos tex
tos pro du zi dos pe
las du -
plas fra co-fraco em no
tí cia e con to. Alé m
dis so, foi ob ser va do que al gu mas cri an ça s
ex pli ci
ta
ram boas su ges tões para a es cri
t a
dos tex
tos tra ba
lha dos, mas fo
ram ven ci da s
pe
las ar gu men ta ções dos par ce
i
ros, tal ve z
mais per su a si vos.
A ma
i o
ria das du plas si mé tri cas (fra -
co-fraco, em car ta; e mé dio-médio, em car ta ,
con to e no tí cia) apre sen tou me
lho
res re sul ta -
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 27-4 5, jan./jun. 200 1
4 3
W - E dis se que ela não pode.
.. não pode pa gar im -
pos
to .
W con
ti nua a enun ci ar o pe río do de onde A pa rou.
A - .
.. pa gar fi an ça .
A mo di
fi ca o tre cho su ge ri do (im pos
to / fi an ça)
W - Ela não pode sair no jul ga men
to. Aca bou. Aca -
bou.
W enun cia fim do tex
to e in
for ma que a ati vi da de che go u
ao fim .
Pro
to co
lo de in
te ra ção en
tre W x A em pro du ção de no
tí cia (cont.)
dos em in te
ra ção. Acre di ta mos que es ses su
je
i -
tos, quan do fo
ram co
lo ca dos nes se tipo d e
si tu a ção, pu de
ram re fle tir so bre suas res pos ta s
ini ci a
is e as res pos tas di fe
ren tes das suas e, as -
sim, re e
la bo
rar seus co nhe ci men tos .
Qu an to às du plas as si mé tri cas (fra -
co-médio em con to, car ta e no tí cia), tam bé
m
apre sen ta
ram me
lho
res re sul ta dos, fa zen -
do-nos acre di tar que hou ve re al men te uma boa
me
lho
ra após as si tu a ções de in te
ra ção e qu e
es tas, por tan to, po dem fa ci
li tar a apren di za -
gem das cri an ças .
As du plas que ti nham uma ou dua s
crianças for tes (fra co-forte, mé dio-forte e for -
te-forte) per ma ne ce
ram for tes quan do pro du -
zi
ram em día de. Tal tipo de com po si ção ser á
pos te
ri or men te ex plo
ra da mais de ti da men te ,
pois po de
rá for ne cer in for ma ções valiosas so -
bre as es tra té gi as já ad qui
ri das por cri an ça s
nes se ní vel de es co
la
ri da de .
As si tu a ções de in te
ra ção for ne cem in -
for ma ções im por tan tes para o de sem pe nho de
um me
lhor tra ba
lho em sala de aula. Os su
je
i -
tos en vol vi dos per ce bem que exis tem res pos -
tas di fe
ren tes das suas e que a par tir des sa s
di fe
ren ças po dem tro car idéi as e re fa zer tai s
res pos tas. Nós, edu ca do
res, sa be mos que o s
alu nos po dem, ain da, me
lho
rá-las, re e
la bo -
rá-las, após as ex pli ci ta ções, en quan to tro -
cam es ses co nhe ci men tos, po den do, des s a
for ma, fa vo
re cer suas apren di za gens. Os tra -
ba
lhos em du plas são, por tan to, po de
ro so s
recursos no pro ces so de cons tru ção do co nhe -
ci men to das cri an ças em sala de aula .
4 4
Tel ma Fer raz LEAL e Pa trí cia San tos da LUZ. Pro du ção de tex tos nar ra ti vos.
..
Re fe rên ci as bi bli o grá fi ca s
ABAURRE, M.B.M. O que revelam os textos espontâneos sobre a representação que faz a criança do obj eto escrito? In :
KATO, M.
A concepção de escrita pela crianç a
. 2 ed. Campinas: Pontes, 1992 .
AUSTIN, J.
How to do things with word s
. Oxford University Press, 1962 .
BLUM-KULKA, S. Discourse Pragmatics. In: VAN DIJK, T. A.
Discourse as Social Interactio n
. London: SAGE Publications ,
1997 .
BORBA, E.S.R.
A resolução de problemas aditivos com inteiros relativo s
: conhecimentos anteriores e a interação de pares .
Recife; 1996. Projeto de Pesquisa – UFPE, 1996.
BRANDÃO, A.C.P. A.
Produção e compreensão de histórias por criança s
. Recife; 1994. Dissertação (Mestrado) – UFPE .
CAFIERO, D. A produção da informatividade na escrita.
Boletim da Associação Brasileira de Lingüístic a
, 19,
p. 153-162.1996.
DAVIS, C., SILVA, M & ESPÓSIT O, Y. Papel e valor das interações sociais na sala de aula.
Cadernos de pesquis a
. 71, 1989.
p. 49-54 .
EDWARDS, D.
Discourse and cognitio n
. London: Sape, 1997 .
EDWARDS, D. Em direção a uma psicologia do discurso em sala de aula. In: COLL, C. & EDWARDS, D.
Ensino ,
aprendizagem e discurso em sala de aul a
: aproximações do estudo do discurso educacional. Porto Alegre: Arte s
Médicas, 1998 .
GÓES, M.C.R. e SMOLKA, A.L.B. A criança e a linguagem escrita: considerações sobre produção de tex tos. In: ALENCAR,
E.S.
Novas contribuições da Psicologia aos processos de ensino e aprendizage
m
. São Paulo: Cortez, 1992 .
GOLDER, C. & COIRIER, P
.
Argumentative text writing: developmental trends .
Discourse Processe s
, 18, 1994. 187-219.
GOLDER, C. & COIRIER, P. The production and recognition of typological argumentative text markers.
Argumentatio n
, 10,
1996. 271-282 .
GRICE, H.P. Meaning. In: D. STEINBERG and L. JAKOBOVITS (eds.).
Semantics: na interdisciplinary reader in Philosoph y
.
Cambridge: Cambridge University Press, 1971 .
KAIL, M. & WEISSENBORN, J. Conjunctions: developmental issues. In: G. PIÉRAUT - LE BONNIEC & M. DO LITSKY (eds.).
Language base s
... discourse bases. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 1991 .
KATO, M. A. e SCAVAZZA, B. A produção de estruturas coordenadas reduzidas por crianças na linguage
m oral e escrita. In:
KATO, M.A.
A concepção de escrita pela crianç a
. 2 ed. Campinas: Pontes, 1992 .
KATO, M. A.
No mundo da escrita: uma perspectiva psicolingüística.
5 ed. São Paulo: Ática, 1995 .
LEAL, T.F. e GUIMARÃES, G.L. Como as professoras avaliam os textos narrativos das crianças? 2 2
a
REUNIÃO ANUAL D A
ANPED. Anais (CD room). Caxambu: ANPED, 1999.
MARCUSCHI, L. A.
Análise da conversaçã o
. São Paulo: Ática, 1991.
MORO, M. Crianças com crianças, aprendendo: interação social e construção cognitiva.
Cadernos de pesquis a
, 79, 1991.
p. 31-43 .
ORSOLINI, M. & PONTECORVO, C. Children’s talk in classroom discussions.
Cognition and instructio n
, 9 (2), p. 113-136 ,
1992.
OSTDAM, R.; GLOPPER, K. & EITING, M.H. Argumentation in written discourse: secondary school studen ts’ writin g
problems. In: F.H. VAN EEMEREN & R. GROOTENDORST (eds).
Studies in Pragma-dialectc s
. Amsterdam: Sec. Sat, 1994.
PIÉRAUT - LE BONNIEC, G. & VALETTE, M. The development as argumentative discourse. In: G. PIÉRAUT - LE BONNIEC & M.
DOLITSKY (eds).
Language bases and discourse bas e
. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 1991 .
PERRET-CLERMONT, A. N.
A construção da inteligência pela interação social
. Lisboa: Sociocultural, Divulgação Cultural,
1979.
POMERANTZ, A. & FEHR, B.J. Conversation analysis: na approach to the study of social action as sen se making practices.
In: VAN DIJK, T. A.
Discourse as social interactio n
. Discourse studies: a multidisciplinary introduction. vol. 2. London :
Sape, 1997.
REGO, L. L. B. A escrita de estórias por crianças: As implicações pedagógicas do uso de um Registr o Lingüístico .
D.E.L.T.A. ,
2(2), p. 165-180, 1986 .
_______ _.
Literatura infantil: uma nova perspectiva da alfabetização na pré-escol a
. São Paulo: FTD, 1988 .
ROAZZI, A e BRYANT, P.E.
Interação social e inferência lógic a
. Recife; 1999. Mímeo (artigo ainda não publicado) – UFPE .
SANTOS, S.L. O desenvolvimento da escrita argumentativa.
Arquivos Brasileiros de Psicologi a
, vol. 49, n
o
3, 1997. 23-42 .
SEARLE, J.
Speech act s
. Cambridge: Cambridge University Press, 1969 .
SEARLE, J. Indirect speech acts. In P. COLE AND J. MORGAN (Eds.).
Syntax and Semantics 3
: Speech acts. New York:
Academic Press, 1975.
VIEIRA, M. A. C. O desenvolvimento da elipse em textos narrativos, descritivos e argumentativos. I n: M. A. KATO (Org.).
A
concepção da escrita pela crianç a
. 2
a
ed. Campinas: Pontes, 1992 .
VYGOTSKY, L.S. Interação entre aprendizado e desenvolvimento. In: M. COLE, V.J.STEINER, S.SCRIBNER E E. SOUBERMAN
(Org.).
A formação social da ment e
. São Paulo: Martins Fontes, 1984.
WEISZ, T.
Por trás das letra s
. São Paulo: FDE, 1992 .
Re ce bi do em 27.06.0 1
Apro va do em 04.09.0 1
Telma Ferraz Leal
é mestre em Psicologia Cognitiva, doutoranda em Psicologia Cognitiva e atualmente professora d a
Universidade Federal de Pernambuco (DMTE - Centro de Educação).
Patrícia Santos da Lu z
é professora da Escola Arco Íris ( 2
a
série), Graduada em Pedagogia e bolsista do Programa de Iniciação
à Docência da UFPE.
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 27-4 5, jan./jun. 200 1
4 5
logo_pie_uaemex.mx