Artículo en PDF
Cómo citar el artículo
Número completo
Más información del artículo
Página de la revista en redalyc.org
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
As mar cas da vi o
lên cia na cons ti tu
i ção d a
iden ti da de de jo vens da pe ri fe ri a
Car
la Ara ú
j o
Pon ti fí cia Uni ver si da de Ca tó li ca de Mi nas Ge ra i s
Re su m o
Este tra ba
lho foi ba se a do em uma pes qui sa, de ca
rá ter in ves ti -
ga tó
rio, que bus cou com pre en der as vi vên ci as es co
la
res de jo -
vens alu nos mo
ra do
res da Vila da Luz, que se lo ca
li za n a
pe
ri fe
ria de Belo Ho
ri zon te, cujo co ti di a no é mar ca do pela vi o -
lên cia, pela in se gu
ran ça pú bli ca e pela ex clu são so ci al .
Exa mi nou-se como as vi vên ci as fora da es co
la in va dem o co ti -
di a no e re o
ri en tam ati tu des e com por ta men tos dos alu nos en -
tre si, e des tes em re
la ção aos pro fes so
res e a ou tros agen te s
es co
la
res. Bus cou-se ca
rac te
ri zar so ci o
lo gi ca men te o am bi en t e
es co
lar como es pa ço de in te
ra ções com ple xas, no qual vi o
lên -
cia sim bó
li ca e agres são fí si ca se en tre cru zam, pro pi ci an do u m
tipo de vi vên cia es co
lar ba se a da no medo e na an si e da de. Fo ca -
li zou-se a ex pe
riên cia e as re pre sen ta ções so ci a
is dos jo ven s
alu nos, com o in tu
i to de com pre en der como eles cons
tro e m
suas iden ti da des, ten do a vi o
lên cia como pano de fun do e m
suas re
la ções gru pa
is e in ter pes so a
is .
Assim, a in ves ti ga ção abriu pos si bi
li da des para se pen sar a es -
co
la como es pa ço de me di a ção de con fli tos e de con vi vên cia d a
di ver si da de cul tu
ral e so ci al. Cen tra do em uma me to do
lo gia d e
pes qui sa par ti ci pan te com ên fa se no mo de
lo in ter pre ta ti vis ta ,
este es tu do per mi tiu apro fun dar ques tões re fe
ren tes à edu ca -
ção e sub
je ti vi da de, sob a óti ca de al guns teó ri cos
im por tan tes ,
tais como Anthony Gid dens, Nor bert Eli as e Erik Erik son .
Pa
la vras-chav e
Ju ven tu de – Vi o
lên cia – Esco
la – Iden ti da de .
Cor res pon dên cia:
Rua Mon te Sião, 346/ 20 2
30.240-050
Belo Ho ri zon te-M G
e-mail: car la ra u jo@uol.com.b r
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 141-16 0, jan./jun. 200 1
14 1
Scho ol ex pe ri en ces of Bra zi
li an young sters: th e
ef fects of vi o
len ce in the cons truc ti on of the
i r
iden ti ti e s
Car
la Ara ú
j o
Pon ti fí cia Uni ver si da de Ca tó li ca de Mi nas Ge ra i s
Abstrac t
This work de als with the scho ol ex pe ri en ces of young pu pil s
li ving in Vila da Luz – a ne
igh bor ho od on the outs kirts of Bel o
Ho ri zon
te, Bra zil - who se da
ily life is cha rac
te ri zed b y
vi o
len ce, pu blic in se cu rity, and so ci al ex clu si on .
The ex plo ra
tory study exa mi ned how ex pe ri en ces out si d e
scho ol, par
ti cu
larly in Vila da Luz, in
frin ge on the
ir da
il y
li ves and re o ri ent pu pil’s at
ti
tu des and be ha vi ors amon g
them sel ves and to wards te a chers and ot her scho ol wor kers .
The scho ol en vi ron ment was so ci o
lo gi cally cha rac
te ri zed as a
spa ce of com plex in
te rac
ti ons, in which symbo
lic vi o
len ce and
physi cal ag gres si on in
ter sect, gi ving rise to a scho o l
ex pe ri en ce ba sed on fear and an xi ety. The ex pe ri en ces an d
so ci al re pre sen
ta
ti ons of young pu pils were emp ha si zed wit h
a view to un ders
tand how they bu
ild the
ir iden
ti
ti es whe n
the
ir group and in
ter per so nal re
la
ti ons take pla ce aga
inst a
back ground of vi o
len ce .
Thus, the in ves
ti ga
ti on of
fe red pos si bi
li
ti es to think th e
scho ol as a spa ce for the me di a
ti on of con
flicts and th e
co e xis
ten ce of so ci al and cul
tu ral di ver sity. Cen
te red on a
par
ti ci pa
ti ve re se arch met ho do
logy with emp ha sis on th e
in
ter pre
ta
ti ve mo del, this study per mit
ted de ve
lo ping is su e s
con cer ning edu ca
ti on and sub
jec
ti vity un der the op
tics o f
some im por
tant the o rists such as Anthony Gid dens, Nor ber t
Eli as, and Erik Erik son .
Key word s
Youth - Vi o
len ce - Scho ol - Iden
tity .
Cor res pon dence:
Rua Mon te Sião, 346/ 20 2
30.240-050
Belo Ho ri zon te-M G
e-mail: car
la ra u
jo@uol.com.b r
14 2
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 141-16 0, jan./jun. 200 1
Medo, imo bi
li za ção e
hi pó te se da es co
l a
Qu an do esta pes qui sa foi ini ci a da, um a
am pla in ves ti ga ção pre
li mi nar so bre qua
is a s
re giões da ci da de es ta
ri am vi ven ci an do de for -
ma acen tu a da a vi o
lên cia nas es co
las foi fe
i ta ,
par tin d o de um pe que no le van ta men to que j á
ha via sido re a
li za do pela Se cre ta
ria Mu ni ci pa l
da Edu ca ção .
1
Ao che gar à es co
la “Pro fes so
r a
Inês Gon çal ves” um fato era novo e sin gu
lar s e
com pa ra do aos de ou tras es co las: um alu no ha -
via com pa
re ci do, ar ma do, à aula. A di
re ção d a
es co
la su pôs que esse alu no fos se mo
ra dor d e
um ba
ir
ro po bre, a Vila da Luz, mo ti vo pel o
qual ele, por al gu ma ra zão, pre ci sa
ria le var a
arma para a es co
la. Foi nes se mo men to que a
di men são do con tex to da Vila pas sa va a ser o
cen tro de nos sa aten ção. A es co
la aten dia o s
alu nos des sa Vila, mas tam bém alu nos de ba
ir -
ros mais pró xi mos da es co
la, de ma
i or po de r
aqui si ti vo. So men te no de cor
rer da pes qui sa é
que pu de mos ver as ri va
li da des en tre a Vila d a
Luz e uma ou tra Vila, o Con
jun to ABC .
2
Par a
che gar e sair des ta vila é pre ci so pas sar pela Vila
da Luz, o que agra va a si tu a ção de con fron t o
en tre es sas duas co mu ni da des, como ob ser va -
mos pe
los re
la tos dos jo vens da Vila da Luz n o
de cor
rer da pes qui sa. A pró pria es co
la se sur -
pre en deu com essa ri va
li da de e não ti nha a di -
men são des sa re per cus são em seu in te
ri or. A
hi pó te se da es co la para os atos de vi o lên cia que
ocor
ri am em suas de pen dên ci as, em es pe ci a l
para o fato de um alu no com pa
re cer ar ma do ,
era a vi o
lên cia do lo cal de mo
ra dia do jo vem ,
co nhe ci da por toda a co mu ni da de pró xi ma .
Vi ven ci ar a vi o
lên cia no lo cal de mo
ra di a
(no caso, a Vila da Luz) pode se tor nar um ele -
men to cons ti tu
in te da
iden ti da de dos
jo vens? E
mais: quan do es ses jo vens vão para a es co
la ,
como se com por tam, se or ga ni zam, con vi vem e
cri am es tra té gi as de con vi vên cia com os ou
tro s
alu nos? A ima gem que os ou tros alu nos fa ze m
dos jo vens da Vila da Luz tam bém par ti ci pa n a
cons ti tu
i ção da iden ti da de de
les? Nes se sen ti -
do, as fa las dos jo vens so bre suas vi vên ci as n a
Vila da Luz fo
ram im pres cin dí ve
is para a com -
pre en são das ques tões aci ma co
lo ca das .
Ato res, iden ti da de e
me to do
lo gia – a cons tru çã o
As dis cus sões teó
ri cas das ca te go
ri a s
uti
li za das para a aná
li se das ques tões pro pos -
tas par ti
ram, es sen ci al men te, dos re fe
ren ci a
i s
de Anthony Gid dens, Nor bert Eli as e E. Erik -
son. Fo
ram uti
li za das nes sa pes qui sa a ob ser -
va ção, as con ver sas in for ma
is com os alu no s
den tro das sa
las de aula, du
ran te o re cre
io ,
nas en tra das e sa
í das da es co
la, etc., além da s
en tre vis tas se mi-estruturadas, ati vi da des e m
gru po a par tir de ex po si ção de gra vu
ras, d a
exi bi ção (par ci al) de uma fita de ví de o
3
e d e
as so ci a ções li vres a par
tir da pa
la vra in du to
r a
jo ve m
. As ati vi da des em gru po fo ram fil ma das
pe
los pró pri os alu nos, com ex ce ção das as so -
ci a ções li vres, que não fo
ram fil ma das. Ess a
me to do
lo gia se jus ti fi cou pela ne ces si da de de
não ex por os jo vens mo
ra do
res da Vila da Lu z
se pa
ran do-os dos de ma
is e so bre tu do pela di -
fi cul da de en con tra da em re u ni-los ao mes m o
tem po e tam bém nos mes mos dias (há um alto
ín di ce de ab sen te
ís mo) .
A in ten ci o na
li da de dos atos, as per cep -
ções dos ato res e o ca rá ter in ter sub
je ti vo do s
sig ni fi ca dos fo ram al ta men te pri vi
le gi a dos. J á
no que con cer ne à iden ti da de, bus cou-s e
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 141-16 0, jan./jun. 200 1
14 3
1 .
Esse levantamento foi feito por meio de um questionário enviad o
para as diretorias das escolas em Belo Horizonte, no qual elas deveria
m
responder perguntas sobre a violência: se existia ou não violência n a
escola, qual era o tipo de violência mais comum, etc. De posse dess e
material, partimos para a Regional (conjunto de bairros) onde
a
violência estava sendo mais citada. Todas as escolas de ensino noturn o
que atendiam alunos no ensino regular noturno (5ª a 8ª série) foram,
inicialmente, entrevistadas, antes da escolha pela escola “Professor a
Inês Gonçalves”.
2 .
O Conjunto ABC fica localizado nos “fundos” da Vila da Luz. Ess e
conjunto foi “projetado” pela Prefeitura para transferir moradores d e
um local onde não havia a menor infra-estrutura, segundo relato do s
jovens entrevistados.
3 .
Fita:
ABCD Joven s
– Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Sã o
Paulo e TV dos Trabalhadores.
en ten dê-la fco mo um con
jun to de ima gens ,
representações, con ce
i tos de si, sen do con si de ra -
do, es pe ci al men te, o ca rá ter di a
lé ti co de su a
cons tru ção, a sa ber, a im por tân cia da al te ri da d e
nes se pro ces so. Assim, foi ne ces sá rio a in clu são ,
na me to do
lo gia, de pro ce di men tos que pu des -
sem for ne cer da dos para a com pre en são da im -
por tân cia do
ou
tr o
nes se pro ces so .
4
Por se r
di a
lé ti ca, além de de ter mi na da, a iden ti da de é
tam bém de ter mi nan te, pois o jo vem tem um pa -
pel ati vo, quer na cons tru ção des se con tex to a
par tir de sua in te ra ção, quer na sua apro pri a ção .
A iden ti da de só pode ser cons tru í da a par tir des sa
in te ra ção. Inte res sou-nos, por tan to, a per cep çã o
que os alu nos têm uns dos ou tros e da vi o
lên ci a
que tes te mu nham e vi ven ci am em seus lo ca
is d e
mo ra dia (em es pe ci al na Vila da Luz) e na es co la .
Sen do, os jo vens, su
je
i tos his tó ri co-so -
ciais, a aná
li se, ob vi a men te, não se man
tém es -
tá ti ca du
ran te o pas sar dos anos e os au to
re s
ab sor vem as mu dan ças em seus tra ba
lhos. D e
acor do com o mo men to his tó
ri co, há in ter fe -
rên ci as nas pro du ções que vão sen do re a
li za das
pe
los di ver sos au to
res des sa te má ti ca. A ju ven -
tu de tem sido, de acor do com o mo men to his -
ri co, con si de
ra da de mo dos va
ri a dos. N a
dé ca da de 1960, por exem plo, era en ten di d a
como um “pro ble ma”, na me di da em que po di a
ser iden ti fi ca da como ge
ra do
ra de uma cri se d e
va
lo
res e de um con fli to de ge
ra ções. Já na dé -
ca da de 1970, as ques tões eram aque
las rela -
cionadas ao jo vem e o tra ba
lho (em pre go) .
Se pen sar mos na ju ven tu de as so ci a da a o
ca
rá ter tran si tó
rio que ca rac te ri za esse pe río do,
po de mos de fi ni-la como um con
jun to so ci a l
de ri va do de uma de ter mi na da fase da vida, com
en fo que e ên fa se nos as pec tos ge
ra ci o na
is .
Nes se sen ti do, vá
ri as po dem ser as fun ções atri -
bu
í das à ju ven tu de, cujo sig ni fi ca do di fe ren -
cia-se em cada con tex to só cio-histórico. Um a
de
las se
ria a de
agen
te re vi
ta
li za do r
: um re cur -
so la ten te de ener gia e for ça a ser usa do pel a
so ci e da de como um di na mis mo cri a dor que ob -
je ti va dar no vas ori en ta ções à so ci e da de (Man -
nhe
im,1970) .
A mo der ni da de as so cia o jo vem a um a
idéia de fu tu
ro (Spo si to,1999). No en tan to ,
cabe lem brar que, por mais que a ju ven tu d e
pos sa ser en ten di da como per ma nen te e, por -
tan to, com ca
rac te
rís ti cas pró pri as, ela tam -
bém é mar ca da por “ri tu a
is de pas sa gem” qu e
nos apon tam para sua tran si to
ri e da de. Esse s
ri tu a
is exis tem e não há como ne gá-los. Pe re
i -
ra (2000) mos tra como as cri an ças vão de
i -
xan do de brin car, mar can do as sim um ri tu a l
de pas sa gem da in fân cia para a ado
les cên cia .
Assim, há mu dan ças que vão se ope
rar com o
jo vem e que não vol ta
rão a se re pe tir da mes -
ma ma ne
i
ra no fu tu
ro .
É ne ces sá
rio con tex tu a
li zar, sem pre, d e
qual ju ven tu de es ta mos nos re fe
rin do. Assim ,
tal vez de vês se mos ter em men te que, quan d o
fa
la mos de “ju ven tu de”, na re a
li da de es ta mos
fa
lan do de “ju ven tu des”, no plu
ral (Spo si to ,
1998). A de fi ni ção de ju ven tu de é bas tan t e
fle xí vel, pois ela é car
re ga da de sig ni fi ca do s
cul tu
ra
is e so ci a
is. Há di ver sos mo dos de
se r
jo ve m
em nos sa so ci e da de e, por tan to, não há
ape nas uma ca te go
ria teó
ri ca que pos sa da r
con ta des sa di ver si da de de si tu a ções (Spo si to,
1998) .
5
O pe río do de tran si ção da ju ven tu d e
deve le var em con si de ra ção essa di ver si da d e
so ci al, cul tu ral, ét ni ca, re
li gi o sa pois vá ri as sã o
as for mas de en tra da no mun do adul to e não é
pos sí vel exi gir que haja ape nas uma. Do pon
t o
de vis ta da exi gên cia da mo der ni da de, ou seja ,
de ver a ju ven tu de sem pre as so ci a da ao fu tu ro,
há algo que não po de mos ne gar: o jo vem, hoj e
em dia, an tes de ter pro
je tos fu tu
ros, pre ci s a
ter ações para o pre sen te. E es ses pro
je tos d e
fu tu ro e as ações para o pre sen te es tão in ti ma -
men te li ga das à enor me he te ro ge ne
i da de do s
seg men tos ju ve nis exis ten tes. O modo de s e
14 4
Car la ARA Ú JO. As mar cas da vi o lên cia na cons ti tu i ção.
..
4 .
Cabe ressaltar que as técnicas em grupo tiveram o objetivo d e
priorizar a relação
entr e
os jovens, as imagens que faziam de si e do s
outros, ou seja, a alteridade como ponto importante a ser explorado.
5 .
Conferência sobre Juventude, em maio de 1998, na Faculdade de
Educação da UFMG.
tor nar adul to so fre as in fluên ci as his tó ri cas po r
ter como base a am pla di ver si da de so ci o cul tu ra l
na qual a ju ven tu de está in se ri da .
Nes te es tu do en ten de-se a ca te go
ria
ju -
ven
tu d e
como o mo men to da vida ex pres so n o
in ter va
lo – cuja va
ri a ção tem po
ral é his tó
ri ca –
en tre a pos se de con di ções de re pro du ção bi o -
ló gi ca (se xu al) e a de con di ções de pro du çã o
so ci al (ma tu
ri da de fí si ca e men tal para o tra ba -
lho), acom pa nha das do re co nhe ci men to so ci a l
de sua ha bi
li ta ção ple na para o de sem pe nh o
des sas ati vi da des na vida adul ta .
Ao dis cu tir a vi o
lên cia, De bar bi e ux (1998 )
as so cia a ju ven tu de à in ci vi
li da de e des ta ca a
de sor ga ni za ção da or dem, a in tro du ção do cao s
e a per da de sen ti do/de com pre en são. Ao rela -
cioná-la com essa in ci vi
li da de, ele aca ba po r
apon tar tam bém a de sor ga ni za ção do mun do da
es co
la, ou seja, a cri se de sen ti dos pelo qual pas -
sa essa ins ti tu
i ção. Nes sa pers pec ti va, o au to r
“de nun cia” o fra cas so das es co
las em cum prir a s
pro mes sas de in te gra ção so ci al, uma vez que a
in ser ção dos jo vens no mer ca do de tra ba
lho é
pro ble má ti ca: “É bem pos sí vel que a
in ci vi
li da de
de cer tos jo vens seja uma in ci vi
li da de re a ti va à
ex pres são de um amor de cep ci o na do com um a
es co
la in ca paz de cum prir suas pro mes sas de in -
ser ção ”
6
(De bar bi e ux, 1998, p.13) .
Nes te es tu do foi pos sí vel ex plo
rar a vi o -
lên cia que era vi ven ci a da pe
los jo vens em seu s
lo ca
is de mo
ra dia para se en ten der como est a
vi vên cia po de
ria es tar in ter fe
rin do na di nâ mi c a
es co
lar. Assim, foi ana
li sa d a
como a vi o
lên ci a
vi ven ci a da no lo cal de mo ra dia se re
la ci o na v a
com a cons
tru ção da iden
ti da de dos jo vens ,
por meio da in
ter pre
ta ção das ações dos alu -
nos, bem como das sig ni
fi ca ções que eles atri -
bu
íam aos fe nô me nos so ci a
is .
O uni ver so da Vila da Luz na vo z
e na vez de seus jo ven s
mo ra do re s
Os jo vens (de am bos os se xos) da Vila d a
Luz, que fo
ram ou vi dos nes ta pes qui sa, ti nha m
en tre 14 e 19 anos . To dos eles mos tra
ram te r
cla
re za da si tu a ção de vi o
lên cia vi ven ci a da n a
Vila e ten ta
ram ex pli car os mo ti vos pe
lo s
quais isso se dava: uns di zi am que a Vila d a
Luz vi via em guer
ra com o Con
jun to ABC po r
ques tões de dro gas, ou seja, pela dis pu
ta d e
pon tos de ven das, etc; ou tros fa
la vam que o s
mo
ra do
res do Con
jun to ABC eram “pes so a s
ma
lan dras”, que não que
ri am sa ber de nada e
que, ten do che ga do de po
is, não se sub me ti am
às re gras an te ri or men te co
lo ca das por aque
les
que “man dam no pe da ço" ;
7
ou tros di zi am que
tudo co me çou por ca u sa da mor te de um ra -
paz que foi rou ba do após ter de ci di do aban -
do nar o ví cio, de
i xan do, por tan to, de ad qui
ri r
dro gas dos ma
lan dros do Con
jun to ABC. Ou -
tros di zi am que os mo
ra do
res do Con
jun t o
ABC são pes so as que pe gam as ou tras “por sa -
ca na gem, sem mo ti vos”, o que, com ra zão, o s
de
i xa va mais apa vo
ra dos .
Qu es tões im por tan tes co me çam a se r
cons tru
í das nes se per cur so de com pre en sã o
da pro ble má ti ca da vi vên cia da vi o
lên cia e d a
cons tru ção de iden ti da de dos jo vens: com o
es ses jo vens po dem se de fen der, se nem o s
ino cen tes são pou pa dos? Como sa ber que m
so bre vi ve
rá, se há mor tes sem mo ti vos ?
A re a
li da de des cri ta pe
los jo vens pa
re c e
in di car que eles ne ces si ta m de es tra té gi as que
os pro te
jam, de um cer to ano ni ma to com o
me di da de se gu
ran ça na Vila da Luz. Eles nã o
po dem se en vol ver em con fu sões, e quan
t o
me nos eles fo
rem vis tos, me
lhor. Ao mes m o
tem po, há re
la tos que nos apon tam para a ne -
ces si da de que eles têm de se
rem re co nhe ci dos
pelo gru po de mo
ra do
res da Vila da Luz e d a
re gião, que in clui o Con
jun to ABC. Em al gun s
mo men tos, eles di zem que pre ci sam se r
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 141-16 0, jan./jun. 200 1
14 5
6 .
“No original: “ll est bien possible que l’incivilité de certains jeunes
soit une incivilité réactive, l’expression d’un amour déçu pour une écol e
incapable de tenir ses promesses d’insertion (.
..)”. Trad. da autora.
7 .
Essa expressão é dos meninos da Vila da Luz. Parece que é
comum existir alguém que mande no pedaço. Eles convivem com isso,
com alguém que deve ser respeitado por ser aquele que “manda n o
pedaço”.
co nhe ci dos e re co nhe ci dos como mo
ra do
res do
ba
ir
ro, que isso lhes dá se gu
ran ça para, po r
exem plo, en tra
rem e sa
í
rem da Vila da Luz .
Assim a am bi güi da de,
re co nhe ci men -
to/ano ni ma
t o
, pa
re ce fa zer par te im por tan t e
da pro ble má ti ca vi ven ci a da por es ses jo vens .
Em cer tas oca siões , ser re co nhe ci do é o qu e
traz a se gu
ran ça e, em ou tras, é o que gera in -
se gu
ran ça e medo. Não ser anô ni mo pode se r
bom (po dem an dar pela Vila da Luz, li vre men te,
se gu
ros e pro te gi dos con tra a dis cri mi na ção) .
Qu ando anô ni mos, po dem cor
rer ris co de vida ,
pois nin guém sabe quem eles são ou de ond e
vi e
ram, o que pode ser ame a ça dor .
Mas a am bi güi da de não ter mi na com essa
di vi são ou se pa
ra ção, pois ve
re mos opor tu na -
men te que, às ve zes,
ser re co nhe ci do como mo -
ra dor da Vila da Luz traz ga nhos para o jo ve m
,
pro pi ci an do-lhe res pe
i to, pelo me nos na es co -
la. Isso lhe dá uma iden ti da de de au to ri da de, de
te mi do, de va
len te e de “mais vi vi do” .
8
Alé m
dis so, é bom lem brar que, por ser tra tar de am -
bi güi da de, os dois sen ti men tos es tão sem pr e
pre sen tes, ou seja, eles con ti nu am exis tin d o
mes mo quan do um de
les não está ex plí ci to .
Além dis so, o fato de exis ti rem ca sos d e
pes so as ino cen tes que fo ram as sas si na das, de
i xa
os jo vens em si tu a ção de aler ta. Afi nal, se a ino -
cên cia não ga
ran te a vida, o que a ga
ran te? Ino -
cen te, na Vila da Luz, é mor to por en ga no, o u
seja, eles “pe gam” a pes soa er
ra da, pes so as qu e
não são do trá fi co. A au sên cia de mo ti vos cla ros,
que ex pli quem as mor tes vi o
len tas, de
i xa os jo -
vens em to tal in se gu ran ça e fra gi
li da de. Não h á
con tro
le e, ob vi a men te, isso traz con se qüên ci a s
para a cons tru ção da iden ti da de. É como se ele s
se per gun tas sem a todo mo men to: essa pes so a
mor reu por quê? Ela era cul pa do, tra fi can te o u
foi mor ta por en ga no? Como pos so me pro te ge r
para não ser con fun di do? É me
lhor ser anô ni m o
ou ser re co nhe ci do por to dos? Se sou anô ni m o
pos so mor rer por en ga no (afi nal, eles não sa bem
quem eu sou), mas se sou re co nhe ci do tam bé m
não te nho a ga
ran tia de não ser mor to (poi s
tam bém ma tam por en ga no) .
Os sen ti men tos de in se gu
ran ça e in cer -
te za pa
re cem cri ar um ou tro: o
med o
. Mo
ra r
na Vila da Luz, sem som bra de dú vi da, afe
t a
sig ni fi ca ti va men te a vida da que
les jo vens. A
vi vên cia da vi o
lên cia no lo cal de mo
ra dia des -
per ta sen ti men tos que, en
re da dos com os ele -
men tos in te gran tes de iden ti da de, se tor nam ,
tam bém, ele men tos im por tan tes na sua cons -
ti tu
i ção. As iden ti da des são cons tru
í das po r
meio de cri ses, no sen ti do erik so ni a no, o que ,
por tan to, sig ni fi ca que o jo vem vi ve
rá mo -
men tos de am bi va
lên cia de sen ti men tos :
medo e co ra gem, por exem plo. De acor do com
as pas sa gens pe
las cri ses pre vis tas nes s e
processo, o jo vem vai fa zen do es co
lhas, re to -
man do pon tos de sua his tó
ria, sig ni fi can d o
si tu a ções acon te ci das an te
ri or men te, etc .
Como a ju ven tu de é uma fase em que há per -
das (ine vi tá ve
is), por exem plo, do cor po in -
fan til, o medo pode apa
re cer de for m a
ima gi ná
ria, como uma pro te ção: até que s e
te nha cer te za, é me
lhor te mer e fi car a
dis tân cia .
Da mes ma ma ne
i
ra que o jo vem os ci
l a
en tre
ser re co nhe ci do e ser anô ni m o
, ele tam -
bém os ci
la com re
la ção a
se ex por ou re -
trair-s e
. Di zer so bre o que acon te ce lá na vil a
pode com pro me tê-los mu
i to, pois po dem se r
“co bra dos” por isso de po
is. Assim, omi tem a s
si tu a ções e não se ex põem com fa ci li da de. Um
jo vem re
la ta que, quan do eles vêem os mo ra -
do
res do Con
jun to ABC, pre ci sam cor rer. Mas,
ao mes mo tem po, te mem to mar essa ati tu de ,
afi nal, aque
le que cor
re é por que tem al gu m a
co
i sa a te mer. A si tu a ção é ex tre ma men te an -
gus ti an te: pois se fi cam pa
ra dos, po dem se r
ba
le a dos: se cor
rem, po dem in di car que de -
vem al gu ma co
i sa e, tam bém, ser ba
le a dos. O
que fa zer? Esta é a per gun ta que nor te ia o co -
ti di a no do jo vem mo
ra dor da Vila da Luz .
14 6
Car la ARA Ú JO. As mar cas da vi o lên cia na cons ti tu i ção.
..
8 .
Expressão utilizada por um dos entrevistados, morador de u
m
outro bairro. Ser “mais vivido” é, de certa forma, ser mais esperto, ter
vivenciado mais situações, que lhe permitiram ser mais “vivido”,
menos ingênuo.
Ao pen sar na mo der ni da de tar dia po de -
mos, se gun do Gid dens (1991), con si de
rar qu e
te mos de cons tru
ir nos so pro
je to re fle xi vo d o
sel f
,
9
di a
ri a men te, ou seja, op tar, fa zer es co -
lhas. Se as sim é, como fica essa ca
rac te
rís ti c a
da mo der ni da de tar di a
1 0
(es co lha diá ria) na vida
de um jo vem que já tem, nes sa fase de sua vida ,
de li dar com tan
tas es co
lhas, dú vi das e in se gu -
ran ças? Não se
ria para o jo vem da Vila da Lu z
uma gran de ta
re fa essa, de cons tru
ir seu pro
je -
to re fle xi vo ten do ques tões tão sé
ri as, de so -
bre vi vên cia, para se
rem es co
lhi das a cad a
mo men to? Não se
ria isso cru el de ma
is, pel o
me nos para a ju ven tu de aqui pes qui sa da, in se -
ri da na mo der ni da de tar dia ?
Dan do con ti nu
i da de à vi vên cia das am bi -
güi da des dos jo vens, te mos a ques tão da sin gu -
la ri da de:
ser mais um ou ser um qual quer/se r
sin gu
lar ou ser di
fe ren ci a d o
. Faz par te da ju -
ven tu de esse mo vi men to de bus car, nos gru -
pos, o re co nhe ci men to de uma iden ti da de qu e
faça com que o jo vem se sin ta per ten cen te a
eles. No en tan to, tal mo vi men to tam bém é am -
bí guo, pois, ao mes mo tem po, o jo vem quer se r
re co nhe ci do tam bém como um su
je
i to sin gu
lar,
di fe
ren te dos de ma
is e bus ca esta au -
to-afirmação. O fato de es
tar em gru po, pode ,
às ve zes, ser ame a ça dor. Afi nal, no gru po to dos
pa
re cem ser qua se “igua
is” (até pelo pró pri o
jeito de se ves tir, an dar, fa
lar, etc.) e, por tan to ,
po dem ser con fun di dos uns com os ou tros, ino -
cen tes ou não. Mais uma vez ve mos a ne ces si -
da de de con tex tu a
li zar de qual ju ven tu d e
es ta mos fa
lan do, pois, tal vez com jo vens qu e
pos su am ou tras vi vên ci as, o “an dar em gru po ”
seja mais se gu
ro se com pa
ra do com o “an da r
em gru po ” para os jo vens des sa pes qui sa .
Os jo vens pro cu
ram re fe
ren ci a
is para mi -
ni mi zar os sen ti men tos de de sam pa
ro qu e
sentem, mas, no en tan to, nem sem pre os en -
con tram. Ve mos que uma das ma ne
i
ras pod e
ser exa ta men te o com por ta men to que eles tê m
apre sen ta do nas es co
las: agres si vos e o u
“ fechados” para o diá
lo go. As dú vi das com a s
qua
is eles se de pa
ram, di a
ri a men te, são subs ti -
tu
í das por atos im pul si vos, ati tu des gru pa
i s
ir
ra ci o na
is ou ne ga ções .
É es pan to so ou vir os jo vens con ta
re m
como essa vi vên cia da vi o lên cia na Vila da Luz
mo di fi cou suas vi das, seus co ti di a nos, seu s
pen sa men tos e até suas es tra té gi as para s e
pro te ge
rem. Algu mas ati tu des po dem nos pa -
re cer exó ti cas ou im pos sí ve
is, mas na que
l a
realidade é ques tão de so bre vi vên cia .
O di
re
i to de ir e vir, sem dú vi da, ali men -
ta a au to no mia tão ne ces sá
ria para o de sen -
vol vi men to do jo vem. Mas o jo vem da Vila d a
Luz não o pos sui. A fal ta de op ção im pos t a
para se ob ter um mí ni mo de se gu ran ça, cer ta -
men te es bar
ra na sua for ma ção, uma vez que ,
por ex ce
lên cia, o jo vem está em uma fase n a
qual “fa zer es co
lhas” é cri ar e for ta
le ce r
iden ti da des .
Exis te uma ân sia de lo co mo ção que é
ex pres sa da por um “ir em fren te” e que tam -
bém apa
re ce na par ti ci pa ção dos jo vens e m
pas se a tas, mo vi men tos de gru pos de jo vens ,
etc. Além dis so, a so ci e da de ofe
re ce ao jo ve m
pos si bi
li da des para que ele pos sa exer cer ess a
ân sia de lo co mo ção: es por tes, dan ças, etc .
Essa ca
rac te
rís ti ca da ju ven tu de faz par
te d a
cons tru ção da iden ti da de e é es sen ci al par a
que o jo vem con si ga es ta be
le cer a sua iden ti -
da de e seu es ti
lo .
A so ci a bi
li da de des ses jo vens pa
re c e
não ter con se gui do, ain da, dri blar as di fi cul -
da de s im pos tas pelo seu lo cal de mo
ra dia. S e
há uma so ci a
li za ção, como apon ta Spo si t o
(1994), que vem nas cen do no mun do da rua ,
nas es qui nas e pon tos de en con tro, onde o s
jo vens de sen vol vem suas re
la ções de ami za d e
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 141-16 0, jan./jun. 200 1
14 7
9 .
“O projeto reflexivo do
self
consiste na manutenção de narrativa s
biográficas coerentes ainda que continuamente revistas e ocorre n o
contexto da escolha múltipla filtrada através dos sistemas abstratos ”
(Giddens,1991, p. 4).
10 .
“A modernidade é uma ordem pós-tradicional, na qual a pergunta
‘como hei de viver?’ tem de ser respondida através de decisões diária s
acerca de como comportar-se, o que vestir e o que comer – e muita s
outras coisas, bem como interpretada no desenrolar temporal d a
auto-identidade” (Giddens, 1991,p.13).
e la zer, exa ta men te por en fren ta
rem os me ca -
nis mos da vi o
lên cia ur ba na, essa so ci a
li za çã o
não pôde ser ob ser va da nos jo vens pes qui sa -
dos. Se gun do ela, nes ses es pa ços da rua os jo -
vens bus ca
ri am cons tru
ir suas iden ti da de s
co
le ti vas e as mo da
li da des de so ci a bi
li da de .
Per ce be-se que os jo vens pes qui sa dos ain d a
não se en vol ve
ram em ações co
le ti vas, não tor -
na
ram-se ato
res so ci a
is atu an tes. O es pa ço ur -
ba no da Vila da Luz não é vis to como u m
es pa ço que foi re a pro pri a do por aque
les jo ven s
com pos si bi
li da de de se tor nar um novo es pa ç o
para no vas re des de so ci a bi
li da des. Nes se sen ti -
do, o fato de não po de
rem sair de casa só di fi -
cul ta a ar ti cu
la ção des ses jo vens, que po de ri am
bus car nova so ci a bi
li da de, ape sar do lo cal onde
mo
ram .
Erik son (1971) fala de eta pas de evo
lu -
ção, cada uma de
las cor
res pon den do a um a
aqui si ção que o in di ví duo deve re a
li zar em su a
in te
ra ção com o mun do. A or ga ni za ção d a
iden ti da de é a eta pa cen tral pro pos ta por ele na
evo
lu ção do ci clo hu ma no. É um mo men to d e
sín te se, de trans for ma ção de iden ti fi ca ções e m
iden ti da de e de in te
ra ção ori gi nal com o mun -
do (Fi o
ri,1981) .
Assim, che gar na ju ven tu de e não po de r
fa zer es co
lhas po de
rá com pro me ter a afir ma -
ção de sua iden ti da de, cri se psi cos so ci al des s e
mo men to, se gun do Erik son. É como se hou ves -
se uma re gres são do pon to de vis ta emo ci o na l
pois esse é o mo men to, por ex ce
lên cia, em qu e
o jo vem pre ci sa acre di tar que é ca paz de
ser al -
guém no mun d o
.
É im pos sí vel fa
lar de iden ti da de sem fa
la r
de so ci a bi
li da des. A iden ti da de pode ser en ten -
di da como um con jun to de re pre sen ta ções que a
so ci e da de e os in di ví du os cons tro em so bre alg o
que dá uni da de a uma ex pe riên cia hu ma na ,
múl ti pla, fa ce ta da, tan to no pla no psí qui c o
como no pla no so ci al (Mar ques,1997). Tan to a s
ju ven tu des quan to as iden ti da des são cons tru
í -
das de for mas di ver sas, se gun do as di fe ren te s
so ci e da des, o lu gar so ci al que o su
je
i to ocu pa ,
os con
jun tos de va
lo res, idéi as e nor mas, etc. ,
que vão for mar seu ins tru men to de le i tu ra para
a in ter pre ta ção do mun do. Assim, cada su
je
i to,
de acor do com seu con tex to só cio-histórico e a
par tir des ses re fe ren ci a
is, vai or ga ni zan do a
sua per cep ção da re a li da de. “Toda iden ti da de é
so ci al men te cons tru
í da no pla no sim bó
li co d a
cul tu ra” (Mar ques,1997, p.67) .
Sa be mos tam bém que pos su
í mos, to -
dos, vá
ri as iden ti da des: a iden ti da de pes so al ,
a iden ti da de fa mi
li ar, a iden ti da de so ci al, etc .
Assim tam bém é com o jo vem: ele pos sui um a
iden ti da de na fa mí
lia, na es co
la, na ga
le
ra, no
fu te bol, no tra ba lho, no lo cal de mo ra dia, etc.
Como há mu
i tas iden ti da des, pre ci sa mos pen -
sar como o jo vem se re
la ci o na com a fa mí
lia ,
na es co
la, no lo cal de mo
ra dia, etc., para pen -
sar a sua iden ti da de. Pela pes qui sa, em to da s
es sas áre as, o jo vem da Vila da Luz ain da nã o
tem como re com pen sar a so ci a bi
li da de com -
pro me ti da na Vila .
A vila
des c e
11
para a es co
l a
Pro fes so ra Inês Gon çal ves – a
di nâ mi ca dos en con tros e a s
es tra té gi as de con vi vên ci a s
Pen san do nos alu nos da Vila da Luz, so -
mos le va dos a con si de
rar que eles li dam co m
algo que lhes de sa gra da (mo
rar na Vila d a
Luz), mas que, ao mes mo tem po, é algo qu e
os pro te ge (mo rar na Vila da Luz). Essa am bi -
güi da de nos foi as si na
la da por alu nos qu e
mo
ram em ou tros ba
ir
ros. Ao des cre ve
rem o s
co
le gas da Vila da Luz, eles si na
li zam tra ço s
de vi o
lên cia nos com por ta men tos de seus co -
le gas da vila; en tre tan to, en ten dem que es se s
tra ços, em bo
ra mar gi na
li zem os alu nos d e
Vila da Luz, são usa dos por es tes, con ve ni en -
te men te, para ga
ran tir sua pró pria so bre vi -
vên cia ou au to pro te ção na es co
la .
A so ci a bi
li da de dos jo vens da Vila d a
Luz, mar ca da pela vi o
lên cia, se re pro duz ,
14 8
Car la ARA Ú JO. As mar cas da vi o lên cia na cons ti tu i ção.
..
11 .
Termo utilizado pelos jovens da Vila da Luz para referirem-se a o
fato de irem para a escola.
por tan to, tam bém no in te ri or da es co la. Na me -
di da em que a es co
la não re pre sen ta mais um a
for ta
le za de “sos se go e tran qüi
li da de”, el a
pode, como vem sen do, ser fre qüen ta da po r
pes so as que não fa zem par
te de sua di nâ mi c a
in ter na. Nes sa pers pec ti va, ela de
i xa de ser u m
fa tor de pro te ção, para se cons ti tu
ir em fa to r
de ris co .
As re pre sen ta ções que os ou tros alu no s
cons tro em de seus co le gas da Vila da Luz ofe re -
cem-nos um qua dro de per ple xi da des, pois nele
vis
lum bra-se um tipo de so
li da
ri e da de gru pa l
que se cons ti tui
por
e
n a
vi o
lên cia .
Mo vi dos pelo medo e pe
las ame a ças, al -
guns alu nos re ce
i am que seus co
le gas da Vil a
se
jam eles mes mos os “ma
lan dros” da Vila, “o s
que ma tam”; ou tros, en tre tan to, re ce
i am qu e
eles se
jam ami gos dos “ma
lan dros” da Vila, es -
tes, por sua vez, po den do ser con vo ca dos a
qual quer mo men to, para dar uma “mão zi nha ”
nas bri gas do més ti cas, na es co la: está for ma da,
as sim, numa es pé cie de cor po
ra ção a ser vi ço da
vi o lên cia; cor po ra ção esta que, se gun do os alu -
nos de ou tros ba
ir
ros, tem sido uti
li za da par a
ame a çar os ou tros .
Cha ma-nos a aten ção, nos re
la tos, o fat o
de que os jo vens de ou tros ba
ir
ros in ter pre ta m
a vi o
lên cia pra ti ca da pe
los alu nos da Vila d a
Luz como uma “vi o
lên cia gra tu
i ta”, sem mo ti vo
real, pa u ta da em mo ti vos in ven ta dos: “é um a
des cul pa” ou “uma opor tu ni da de para cai r
numa bri ga”, di zem eles .
É in te
res san te ob ser var que os jo vens re -
la to
res iden ti fi cam a “bri ga” qua se como um a
ne ces si da de do “ou tro”, um im pul so que te m
de cum prir sua tra
je tó
ria na tu
ral, com ou se m
mo ti vo cons ci en te. Nes se sen ti do, tal vi sã o
coincide, em par
te, com al guns pres su pos to s
psi ca na
lí ti cos, den tre os qua
is aque
le que en -
ten de os im pul sos como algo que exis te na es -
tru tu
ra psí qui ca hu ma na, não ne ces si tan do d e
ne nhu ma ra zão ex ter na para ma ni fes tar-se .
Pa re ce-nos que a dis tin ção en tre mo ti vos
e ra zão nos aju da a com pre en der me
lhor a ob -
ser va ção fe
i ta pe
los alu nos de ou tros ba
ir
ros .
Bas ta lem brar que, para Gid dens (1997), as ra -
zões se di fe
ren ci am dos mo ti vos, por que ela s
for mam uma ca
rac te
rís ti ca cons tan te d e
ações, ou seja, se qui ser mos com pre en de r
como os su
je
i tos mo ni to
ram a pró pria açã o
re fle xi va men te, de ve mos en ten der as ra zõe s
que os fa zem agir des ta ou da que
la ma ne
i
ra .
Já os mo ti vos, como nos diz o au tor, “de ve m
ser en ten di dos como um ’es ta do sen ti men tal ’
sub
ja cen te do in di ví duo, en vol ven do for ma s
in cons ci en tes bem como afli ções e
in ci ta men -
tos ex pe
ri men ta dos de for ma mais cons ci en -
te” ( Gid dens, 1997, p.59) .
A res pos ta a essa ques tão tem de se r
bus ca da, tam bém, no pla no da cul tu
ra. El a
tem nos ofe
re ci do ca te go
ri as co o pe
ran tes o u
al ter na ti vas que nos aju dam a en ten der o fe -
nô me no em con si de
ra ção .
Ve
ja mos: o jo vem pode cri ar, por exem -
plo, um mo ti vo que jus ti fi que seu ato de vi o -
lên cia em re
la ção a seus co
le gas por que sab e
que será jul ga do por suas ações. Uma vi o
lên -
cia sem mo ti vos pla u sí ve
is é “mu
i to pior” d o
que uma ou tra jus ti fi ca da, em bo
ra am ba s
pro du zam o mes mo efe
i to para a sua ví ti ma .
Mas ele pode, tam bém, jus ti fi car seu ato in -
ven tan do um mo ti vo ba na
lís si mo, con
for m e
os que fo ram re la ta dos, por que ele não con se -
gue ex pres sar, no ní vel da lin gua gem dis cur si -
va, os mo ti vos in ter nos que o le vam a agi r
da que
la ma ne
i
ra .
Enri quez (1990), ao es tu dar a na tu
re z a
dos vín cu
los so ci a
is, de mons tra o quan to a
violência pode sig ni fi car uma for ma de o
in -
divíduo pro te ger-se con tra uma pos sí ve l
desintegração do pró prio ego. Ele re a ge vi o -
len ta men te to das as ve zes em que se sen
t e
im po ten te e mu
i to frá gil ante as ame a ças ex -
ter nas de per da de sua in te gri da de .
No caso do jo vem ci ta do aci ma, se ria di -
zer que, para pro te ger seu ego de ame a ça s
cons tan tes de de sin te gra ção psí qui ca, ele ,
mo
ra dor da Vila da Luz, in ven ta um mo ti v o
para ex pri mir sua “agres são” au to pro te to
ra .
Dito de ou tra for ma, age com vi o
lên cia, nã o
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 141-16 0, jan./jun. 200 1
14 9
por que seja des te mi do, e sim por que é frá gil e
des pro te gi do. Sua se gu
ran ça on to
ló gi c a
1 2
est á
pro fun da men te ame a ça da; en tre tan to esse é
um dado que per ma ne ce ocul to ou, pelo me -
nos, não con se gue ser tra du zi do em lin gua ge m
oral. Isso tal vez ex pli que por que sua vi o
lên ci a
em re
la ção a ou tros alu nos seja vis ta, por es se s
ou tros alu nos, não como re sul ta do de uma “in -
se gu
ran ça psí qui ca”, mas, sim, como afir ma ção
de sua iden ti da de .
Uma ou tra hi pó te se pla u sí vel ao uso d a
“vi o
lên cia gra tu
i ta” apon ta para o fato de qu e
nos so jo vem pode agir des sa for ma por que tem e
o diá
lo go. Nes se caso, es ta mos li dan do com ou -
tra for ma de se pen sar os atos de vi o
lên cia. Est á
im plí ci ta, na hi pó te se aci ma, a idéia de que tai s
atos po de ri am ser con tro
la dos e/ou eli mi na dos ,
se pu dés se mos fa zer com que os mo ti vos que o s
tor nam vi o
len tos fos sem con ver ti dos, ou seja ,
tra du zi dos em lin gua gem ra ci o nal, com per gun -
tas e res pos tas, com ré pli cas, com concordân -
cias, dis sen sos, en fim, com diá
lo gos .
Como o con fli to só se ma ni fes ta quan d o
há di ver si da de de idéi as, de opi niões e de prá ti -
cas, po de-se di zer que ele fun ci o na como es pé -
cie d e “ani ma dor cul tu
ral”, es ti mu
lan do o
de ba te e o diá
lo go en tre os in di ví du os qu e
com par ti
lham, en tre si, um mes mo es pa ço par a
re a
li zar al gum tipo de ati vi da de. É as sim que a
so
lu ção de con fli tos po de ria se re a
li zar na tu ral -
men te na “mesa de ne go ci a ções” (Ve lho, 1986) .
A es co
la po de ria vir a ser o lo cal d o
apren di za do des sa ne go ci a ção .
Como não tem,
em sua ma
i o
ria, cum pri do essa fun ção, os con -
fli tos têm se exa cer ba do a pon to de fi ca
re m
ine go ciá ve
is, dan do-se, as sim, es pa ço à vi o
lên -
cia ex plí ci ta. Já que nes se jogo de cons tru çã o
iden ti tá
ria cor
re mos o ris co de en con trar iden -
ti da des es tig ma ti za das, como, por exem plo ,
en tre os me ni nos da Vila, não de ve
ría mos es ta r
pen san do se exis
te al gu ma for ma de ne u tra
li -
zá-las no am bi en te es co
lar? Po de
ria a es co
l a
in ter fe
rir em re pre sen ta ções tão ne ga ti vas ?
ri os as pec tos pre ci sam ser ana
li sa dos .
Como exem plo, po de
ría mos en ten der o ges
t o
de hos ti
li da de em re
la ção ao “olhar-na-cara -
do-outro”, como um ato de in ci vi
li da de, d e
des cor te sia. Goff man (1992) mos tra que a in -
te
ra ção em lu ga
res pú bli cos cria re gras par a
os olha
res: em ge
ral o que se ob ser va é um a
es pé cie de “in di fe
ren ça ci vil” quan do se est á
en tre es tra nhos. Ora, sa be mos que não é ace
i -
tá vel o fato de “olhar no olho do ou tro” e
muito me nos “en ca
rar com in sis tên cia” al -
guém com quem não se tem mu
i ta
in ti mi da de .
Entre tan to, o caso em ques tão pode in -
di car algo para além da des cor te sia. O olha r
para o ou tro pode des per tar es tig mas, so bre -
tu do se esse ou tr o for con si de
ra do su pe
ri or ,
es no be ou “boy”, tal como os me ni nos da Vil a
da Luz con si de
ram os alu nos de ou
tro s
ba
ir
ros .
Do pon to de vis ta psi ca na
lí ti co, po de -
mos re fle tir que olhar pode in di car uma en -
cru zi
lha da para onde con ver gem di fe
ren te s
fan ta si as in cons ci en tes, de na tu
re za se xu al e
agres si va. Há uma di men são an gus ti an te d o
olhar/ser olha do. O
ato de ve r
está a ser vi ço de
um con tro
le e de uma dis cri mi na ção (Me zan ,
1989). O ima gi ná
rio pode, mais uma vez, fa -
zer aqui sua apa
ri ção, uma vez que qual que r
olhar di
ri gi do já vem car
re ga do de sig ni fi ca -
dos pe
jo
ra ti vos e de ex clu são. Para os me ni -
nos da Vila da Luz, es ses olha
res po de m
sig ni fi car um ato que de fla gra suas di ver si da -
des, além de se sen ti
rem jul ga dos e tal ve z
con de na dos à ex clu são ou à mar gi na
li da de. É
um olhar que ame a ça e con fir ma uma iden ti -
15 0
Car la ARA Ú JO. As mar cas da vi o lên cia na cons ti tu i ção.
..
12 .
Erikson (1971) nomeou uma série de estágios d e
desenvolvimento da personalidade que vai da infância até a idad e
adulta. Em cada um desses estágios a criança vai superando u
m
obstáculo para que se sinta capaz de enfrentar o próximo. Ele comenta:
que a primeira realização social da criança é, portanto, sua disposiçã o
de perder a mãe de vista sem que isso lhe cause angústia ou raiva s
desmedidas, pelo fato de a mãe ter se tornado tanto uma certez a
interna quanto uma previsibilidade externa. Dito de outra forma: é
desde muito cedo que a criança vai adquirindo “confiança” qu e
significa para ela também segurança. Inspirando-se nessas reflexões,
Giddens procura trilhar um caminho em busca do que ele denomina d e
“segurança ontológica”. Para ele, a consciência prática, as rotinas e a
confiança são possibilitadoras dessa segurança (1997).
da de que eles não su por tam, mas que, tam bém,
lhes ser ve como pro te ção .
No re
la to de um dos jo vens, po de-s e
observar que a ques tão do “olhar-na-ca -
ra-do-outro” apa
re ce como mo ti vo su fi ci en t e
para uma bri ga. Ele mes mo, em bo
ra mo
ra do r
da Vila, re co nhe ce que as bri gas têm mo ti vo s
fú te
is. Cha ma-nos a aten ção o fato de ele in di -
car que al guns ti pos de pro ble mas po de ri am ser
con ver sa dos, ou seja, re sol vi dos por meio d o
diá
lo go, mas no en tan to, vi
ram bri ga. Como o
pró prio jo vem nos re me te à di men são co mu ni -
ca ti va como uma for ma de re so
lu ção de con fli -
tos pes so a
is, ima gi na mos que essa di men sã o
po de
ria ser mais ex plo
ra d a pela es co
la .
As es tra té gi as de con vi vên cia,
na es co
la, dos jo vens que mo ram
na Vila da Lu z
Como a so ci a bi
li da de pres su põe um jog o
com re gras, mais ou me nos de fi ni das, é co -
mum, na in ves ti ga ção dos pro ces sos que a
com põem, ou vir os su
je
i tos fa
la
rem da for m a
que usam es sas re gras para con se guir al gum ní -
vel de ace
i ta ção so ci al .
Enga nam-se aque
les que acre di tam se
re m
os su
je
i tos com ple ta men te des pro vi dos de es tra -
té gi as de so ci a bi
li da de ca pa zes de pro du zir u m
mí ni mo de in ser ções, ape sar das hos ti
li da des e
es tig mas que pe sam em todo pro ces so de ex clu -
são so ci al. Nes se caso, não dis cor dar sig ni fi c a
agir pre ven ti va men te, em bo ra a dis cus são e a dis -
cor dân cia se
jam fun da men ta
is para a cons tru çã o
da iden ti da de ju ve nil. Mu
i tas for mas, su tis, d e
de fe sa do
sel f
con tra os es tig mas e dis cri mi na -
ções fo ram re ve
la das nas en tre vis tas. Den tre elas ,
des ta ca-se a omis são do lo cal de mo ra dia .
Áre as ca
ren tes são as so ci a das à vi o
lên ci a
e, por isso, exis te um medo ge ne
ra
li za do. N o
caso da Vila da Luz, pa
re ce que a vi o
lên cia atin -
giu ín di ces mu i to ele va dos, sen do esta Vila alvo
de ações de di ver sos ór gãos da pre fe
i tu
ra d e
Belo Ho
ri zon te. As pes so as da re gião te mem a
Vila da Luz, es pe ci al men te. Há um cer t o
es tig ma que mar ca a re fe
ri da Vila, pois alé m
do alto ín di ce de as sas si na tos que ocor
rem n o
lo cal, a bru ta
li da de dos cri mes, às ve zes, as -
sus ta mo
ra do
res e não-moradores .
1 3
Escon der onde mora pode ser es tra té gi -
co para se con se guir um(a) na mo
ra da(o), u m
em pre go e, so bre tu do, para não ser es tig ma ti -
za do. De ci dir pela “ocul ta ção” ou “men ti r
para não ser dis cri mi na do” tem pro fun das
im -
pli ca ções éti cas. Nes ses ca sos, fica cla
ro o
quan to o de ba te so bre a mo
ral, en quan t o
cons
truc
t o
fun da men tal da for ma ção d a
iden ti da de, não pode se afas tar da re a
li da d e
so ci o cul tu
ral so bre a qual os su
je
i tos jul ga m
os com por ta men tos alhe
i os. Por exem plo ,
diante do re
la to de um jo vem de 18 anos qu e
se vê com pe
li do a men
tir so bre o lo cal ond e
mora para evi tar dis cri mi na ção, como de ve
ri a
se por tar um pro fes sor? Como será que ele de -
ve
ria ori en tar mo
ral men te esse alu no ?
A vi o
lên cia iden ti fi ca da ao lo cal de mo -
ra dia im pe de o trân si to de ami gos e co
le gas .
Os en con tros são res tri tos a áre as fora da Vila.
A si tu a ção co me ça a ser com pre en di da, pois ,
quan to ma i or a vi o lên cia, ma i or será o medo e
me nor será a sa tis fa ção com o ba
ir
ro, a li ga -
ção com o lu gar, o es pí
ri to de co mu ni da de, a
iden ti fi ca ção com os ou tros, a dis po ni bi
li da de
para ações co
le ti vas e para a co o pe
ra ção .
Os jo vens da Vila, cons ci en tes do med o
que des per tam em seus co
le gas, pa re cem te r
apren di do a li dar com este es tig ma. Entre tan -
to, ne ces si tam de um es for ço su ple men tar para
con quis tar a con fi an ça dos ou tros. Os sen ti -
men tos de in
jus ti ça e de es tig ma ti za ção fi ca m
mu
i to cla ros: mes mo quan do não têm cul pa ,
eles são con si de ra dos os cul pa dos: “tudo d e
ruim que acon te ce na es co la, a cul pa é nos sa” .
Vale res sal tar o peso da ver go nha e d a
hu mi
lha ção na for ma ção da iden ti da de do s
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 141-16 0, jan./jun. 200 1
15 1
13 .
Não é incomum o relato de alguém que morreu com um númer o
elevado de facadas ou tiros e até mesmo com atos de crueldades d o
tipo: arrancar os olhos, a língua, as unhas, pedaço da orelha, etc. O s
jovens, ao falarem dos crimes que acontecem lá, sempre os relata
m
com essas características de barbárie.
jo vens. Eli as (1990; 1994), em seu cé le bre es tu -
do so bre o
pro ces so ci vi
li za do r
, mos tra-nos d e
que ma ne
i
ra mu
i tos de nos sos há bi tos ci vi
li za -
dos fo ram in cu ti dos por meio do sen ti men to de
ver go nha (ges tos ou com por ta men tos) qu e
sen tía mos .
Gid dens re me te a ver go nha di
re ta men t e
para a au to-identidade: “a ver go nha ma ni fes ta -
da re fe re-se a sen ti men tos ex pe
ri men ta dos po r
uma cri an ça quan do é de al gum modo hu mi
lha -
da por ou tra pes soa” (1997, p.61). O in ver so d a
ver go nha se
ria, se gun do ele, o or gu
lho, a au -
to-estima: ”a con fi an ça na in te gri da de e va
lo r
da nar
ra ti va de au to-integridade” (1997, p.42) .
Sen do as sim, pro vo car a hu mi
lha ção pú bli ca d e
uma cri an ça, ou aqui, de um ado
les cen te, é o
mes mo que di mi nu
ir sua au to-estima, fa zê-l o
per der a con fi an ça na in te gri da de de sua au -
to-integridade. Em ou tros ter mos, é ex pô-lo e
in ci tá-lo a agir com vi o
lên cia ex tre ma para sal -
var seu “ego da de sin te gra ção psi co
ló gi ca” .
A al te
ri da de na cons tru ção da iden ti da d e
é fun da men tal – a ima gem qu e
o ou
tr o
faz d o
jo vem pode in ter fe rir na cons tru ção da ima gem
que ele faz de si pró prio. Mais uma vez a vi o -
lên cia tor na-se, mes mo
in di re ta men te,
ele men -
to que par
ti ci pa na cons
tru ção de iden
ti da de s
dos jo vens, uma vez que essa vi o
lên cia in
ter
fe -
re em ele men
tos fun da men
ta
is para ess a
cons
tru ção .
O medo sen ti do pe
los jo vens mo
ra do
re s
de ou tros ba
ir
ros aca ba in ter fe
rin d o na con vi -
vên cia dos alu nos na es co
la. O sen ti men to d e
re
je
i ção nem sem pre é re sol vi do de ma ne
i
ra pa -
cí fi ca. A ati tu de mais usu al é re a gir com cer t a
agres si vi da de, que aca ba cri an do um ci clo vi ci -
o so: a vi o
lên cia que acon te ce na Vila da Lu z
ame a ça e ame dron ta os ou tros jo vens n a
es co
la .
A vi o
lên cia que ocor
re na es co
la tem vá -
rias in ter pre ta ções: para os mo
ra do
res de ou -
tros ba
ir
ros, ela co me ça pe
los me ni nos da Vil a
da Luz; es tes afir mam que os ou tros me ni no s
os pro vo cam e os tra tam mal. Assim, cada u m
tem suas ex pli ca ções. Cabe en ten der como essa
con vi vên cia está acon te cen do e qua
is as es -
tra té gi as eles têm usa do para, bem ou mal, es -
ta
rem no mes mo lo cal, to das as no
i tes .
Con fi an ça e se gu ran ça n o
co ti di a no dos jo vens da
Vila da Lu z
Os re
la tos dos jo vens da Vila da Lu z
apon tam para aqui
lo que con si de
ra mos cen -
tral na for ma ção de suas iden ti da des: o sen ti -
men to de se gu
ran ça ca paz de aju dá-los a
en fren tar as an si e da des exis ten ci a
is no co ti di -
a no. Como o re fe
ri do sen ti men to é apre sen ta -
do de for ma mu
i to res tri ti va, vale exa mi nar, a
se guir, o que leva aque
les jo vens a nu trir tan -
ta in se gu
ran ça no seu dia-a-dia .
Co me ce mos, por exem plo, pela pró pri a
ori gem des se sen ti men to. Se gun do Gid den s
(1997), os in di ví du os de sen vol vem es ta dos d e
con fi a bi
li da de, na pri me
i
ra in fân cia, a par
ti r
das ex pe
riên ci as com seus “edu ca do
res” (pais,
tu to
res, etc.). Essa ma ne
i
ra de con ce ber a ori -
gem do sen ti men to de se gu ran ça está apo
i a da
nas te o
ri as dos psi ca na
lis tas D. Win ni cott e E .
Erik son, para os qua
is as cri an ças es ta be
le cem
elos com seus edu ca do
res ini ci a
is e apren de m
a li dar com a au sên cia do ou tro sem an si e da -
de. Se guin do essa li nha de ra ci o cí nio, “a con -
fi an ça bá si ca, de sen vol vi da atra vés da s
aten ções ca
ri nho sas dos en car
re ga dos d e
edu ca ção nos pri me
i
ros anos de vida, liga fa -
tal men te a au to-identidade com os edu ca do -
res ini ci a
is”. E ain da, “a mu tu a
li da de com o s
edu ca do
res ini ci a
is (.
..) pres su põe uma so ci a -
bi
li da de base, pré via para qual quer diferen -
ciação en tre os dois” (Gid dens, 1997, p.36) .
Em ter mos teó
ri cos, para o es tu do d a
re a ção dos nos sos jo vens pe
ran te si tu a çõe s
ame a ça do
ras, o que nos in te
res sa ana
li sar é a
efi cá cia des se sen ti men to para eles. Te
ría mo s
con di ções de co men tar al gu ma co
i sa a ess e
res pe
i to ?
Cer ta men te nada po de mos fa
lar acer c a
da re
la ção en tre os jo vens e os en car
re ga do s
15 2
Car la ARA Ú JO. As mar cas da vi o lên cia na cons ti tu i ção.
..
de sua edu ca ção na pri me
i
ra in fân cia. Mas h á
mu
i to o que di zer so bre o sen ti men to de in se -
gu
ran ça ou de pou ca pro te ção em face de si tu -
a ções de bi
li tan tes com as qua
is eles têm s e
con fron ta do .
Co me ce mos pelo re
la to de um a
en tre vis ta da :
Há dois anos atrás eu gos ta va mu i to de sair co m
mi nhas ami gas, gos ta va de na mo
rar, ado
ra va o
pai da mi nha ne ném, gos ta va mu
i
to de fi car d o
lado dele, eu sen tia que do lado dele eu tav a
pro te gi da e tudo (.
.. )
Eis aí um belo re tra to de au to con fi an ça .
Uma jo vem de 16 anos, ro de a da de ami gas e
apa
i xo na da. Um amor pro te tor. Entre as ami -
gas, ela des ta ca a irmã e uma ou tra jo vem .
1 4
Ambas são ad mi
ra das pela fran que za. Mas tudo
isso, esta au to-segurança, aca bou. Hoje, di z
ela,
eu não sei te fa
lar do meu je
i
to de ser.
.. s e
você me per gun
tas se isso há.
..dois anos atrá s
eu sa bia te res pon der, mas hoje eu não sei
.
Há dois anos atrás ela en gra vi dou; hoje, é
mãe de uma me ni na. Em seu re
la to, fica cla
r o
que o pai de sua fi
lha, aque
le que a fa zia s e
sen tir pro te gi da, não quis fi car com el a:
quan -
do eu pre ci sei dele prá fi car co mi go ele nã o
quis (.
..) eu gos
ta va mu
i
to dele. Ago ra eu gos -
to dele como pai dela (.
..) não acon
te ce sexo ,
não acon
te ce nada .
Ao per der seu amor pro te tor, ela re du z
seu cír cu
lo de re
la ções. Assim no s diz:
ma s
hoje.
..o que te nho prá fa
lar mes mo é da mi nha
ne nen zi nha, da mi nha mãe e da mi nha irm ã
(...). Fre qüen
to a Igre
ja Uni ver sal, mi nha mã e
fre qüen
ta, aí vou jun
to com ela .
A vida da jo vem pa
re cer ter mu da do d e
rumo com a rup tu
ra afe ti va; en tre tan to, o nú -
cleo bá si co de sua “con fi an ça” foi re a ti va do: a
mãe e a irmã. Pa
re ce que esse nú cleo a tem au -
xi
li a do a su por tar as an gús ti as do dia-a-dia .
Esse ca su
lo pro te tor per mi te a ela dis tan ci ar-s e
de ati tu des que fe rem a sua au to-identidade .
Afir ma com ve e mên cia :
Tudo que eu não gos to é tra
i ção, é a pes so a
vim e eu pe gar ela fa lan do de mim, ode io isso .
Eu fico au to ri tá ria, sabe, eu não me mudo ,
1 5
eu
co me ço a bri gar, co me ço a fa
lar alto.
..dis cu -
tir.
..eu fico fora de mim.
A tra
i ção é uma ati tu de im per doá vel, na
sua fala. Para ela, isso deve ter um sig ni fi ca d o
mu
i to for te. Sen tir-se tra
í do é per der a con -
fiança em al guém no qual foi de po si ta da um a
par ce
la im por tan te da vida ín ti ma. No cas o
dela, hou ve uma mu dan ça de sua au to-iden ti -
da de :
As pes so as me acham um pou co es qui si ta, ah ,
por que eu não sou.
..aque
la pes soa de che gar ,
con ver sar, de fi car brin can do, eu gos to de fi car
mais qui e ta no meu can to, eu e mi nha irmã, s e
a pes soa che ga per to de mim prá con ver sar e u
con ver so, ago ra se for prá mim sair prá con ver -
sar eu não con si go con ver sar não. Aí eles m e
vê, ah, es qui si ta prá ca
ram ba, não vê eu com o
uma pes soa nor mal. Mas acho que não te m
nada a ver não, prá mim não .
Tudo in di ca, em seu re
la to, que a pos si -
bi
li da de de con ta to com o ou tro está blo que -
a do por um for
te sen ti men to de tra
i ção .
Ain da que o nú cleo bá si co de sua con fi an ç a
te nha sido res ti tu
í do, ele tem fun ci o na d o
mais como um ca su
lo pro te tor do qu e um es -
tí mu
lo para no vas re
la ções .
Nos ou tros re
la tos, o nú cleo fa mi
li a r
de sa pa
re ce pra ti ca men te da re fe
rên cia d a
“con fi an ça bá si ca”. Os ami gos apa
re cem for -
man do o gru po no qual os jo vens se sen
te m
par ci al men te se gu
ros .
Um ou tro jo vem diz que gos ta de sair no
fim de se ma na com “os me ni nos da sala” .
Quase tudo que eu gos
t o
, diz ele, meus ami -
go s
gos
tam. Isso eu acho le gal. Eles gos
ta ,
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 141-16 0, jan./jun. 200 1
15 3
14 .
Esta amiga morreu em 1997, de meningite.
15 .
Pelo sentido da frase, no contexto, “não me mudo” é “não m e
calo”.
tipo as sim, de mú si cas que eu gos
to, sair no s
lu ga res que eu gos
to, é.
.., a mi nha idéia é a
de
les .
Nes se exem plo o “nú cleo de con fi an ça ”
está na es co
la: são seus co
le gas de sala. Mes m o
ten do al guns mo
ra do
res da vila como ele, a es -
co
la é fo ca
li za da como o ce ná
rio dos en con -
tros. Há tam bém o va
lor dado ao tra ba
lho :
tra ba
lhar prá mim é bão, não fico à to a
. Sal v o
quan do está com os ami gos, ele pre fe
re o sos -
se go:
Eu não sou mu
i
to de brin car, as sim, d e
fi car zo an do pela rua afo ra, ando mais é ca
la -
do.
.. ca
la do no meu can
to .
O “nú cleo fa mi
li ar” está au sen te em se u
re
la to, mas suas re
la ções
ín ti mas e de con fi an ça
são cons tru
í das no co ti di a no es co
lar; ou seja ,
ra di ca
li zan do-se a idéia de que alu nos são, an -
tes de mais nada, su
je
i tos so ci o cul tu
ra
is, ca pa -
zes de dar sen ti do e sig ni fi ca do às suas ações ,
po de mos ve
ri fi car qual o sig ni fi ca do que ess e
jo vem mo
ra dor da Vila da Luz tem dado à es co -
la. Esta pode se cons ti tu ir em um es pa ço de de -
sen vol vi men to de afe ti vi da des, aju dan do a
cons tru
ir re
la ções de em pa tia, a re co nhe cer n o
ou tro vir tu des a se
rem cul ti va das. Nos ou tros ,
diz ele,
ad mi ro a be
le za, sabe, o je
i
to de tra
tar ,
a edu ca ção, o res pe i to, ad mi ro mu i to isso .
Não
nega seu co ti di a no vi o
len to. Afir ma:
já vi mu
i -
ta vi o
lên cia .
Para se de fen der, pen sou em com -
prar um re vól ver. Diz ele:
an dei ar ma do mu
i
t o
tem po, ti nha um pou co de bos
ta na ca be ça ,
mas eu nun ca pen sei de fa zer co var dia com o s
ou
tros, as sim não, eu sem pre fui mais cal mo .
Cu
ri o sa re
la ção en tre “an dar ar ma do” e “se r
cal mo”. Aliás, foi o “an dar ar ma do” que no s
mo ti vou a re a
li zar a pre sen te en que te .
1 6
Com o
se pode ver no re
la to des se jo vem, a arma apa -
re ce para pro te gê-lo da vi o
lên cia. É um a
resposta ab so
lu ta men te in di vi du al a um fe nô -
me no so ci al mais am plo. Os ami gos e a re
la çã o
afe ti va ti ve
ram um pa pel im por tan te na re a va -
li a ção que ele faz do pró prio co ti di a no. Entre -
tan to, não des car ta o es for ço pes so al:
Prá um a
pes soa ser fe
liz as sim, só bas
ta ela ter.
. tip o
as sim, ca be ça, não se en vol ver mu
i
to .
A re
la ção de con fi an ça, no atu al con -
tex to cul tu
ral, exi ge uma cer ta mu tu a
li da de ,
como nos lem bra Gid dens (1997), ou seja, a
con fi an ça não pode mais, por de fi ni ção, as -
sen tar-se em cri té
ri os ex te
ri o
res à re
la ção e m
si – tais como cri té
ri os de pa
ren tes co, de ve r
so ci al ou obri ga ção tra di ci o nal. Para con so
li -
dar-se, a con fi an ça só pode ser mo bi
li za d a
me di an te um pro ces so de re ve
la ção mú
tu a
en tre as pes so as. Embo
ra ain da haja mu
i to s
cri té
ri os ba se a dos em re
la ções fa mi
li a
res o u
em cri té
ri os tra di ci o na
is do tip o re
li gi o so, h á
cri té
ri os in trín se cos re
la ci o na dos ao pra ze r
mú tuo .
Esbo ça das as idéi as que nos aju dam a
com pre en der a ori gem do sen ti men to de con -
fi an ça quan to suas ca
rac te
rís ti cas bá si cas ,
vale exa mi nar as ra zões que os le vam a sen
ti r
fal ta de se gu
ran ça .
Di fe
ren te men te do que se pode ima gi -
nar, a in se gu
ran ça não é ori gi ná
ria da an si e -
da de ou de sen ti men tos di fu sos e im pre ci sos .
Ao con trá
rio, ela tem uma ca u sa mu
i to con -
cre ta: a vi o
lên cia, que gera medo. É daí qu e
vem a per da de re fe
rên cia; a in se gu
ran ça é
ali men ta da por di ver sos fa to
res. A au sên ci a
de mo ti vos para os as sas si na tos ou os as sas si -
na tos por en ga no ge
ram uma in se gu
ran ç a
que se tor na to tal men te per se cu tó
ria: que m
será pou pa do? Quem será o “es co
lhi do”? O
que pre ci so fa zer para que e u não seja a pró xi -
ma ví ti ma ?
Achar os mo ti vos para as mor tes e ex -
pli car ta ma nha vi o
lên cia pa
re ce tra zer aos jo -
vens pes qui sa dos um grau mí ni mo d e
15 4
Car la ARA Ú JO. As mar cas da vi o lên cia na cons ti tu i ção.
..
16 .
Quando a diretora da escola foi entrevistada ela relatou qu e
alunos da vila estavam indo armados e era exatamente isso qu e
preocupava a escola naquele momento. O desconhecimento sobre o
que fazer nesse caso e também a explicitação desse fato é qu e
determinou a escolha dessa escola para a realização da pesquisa, como
dito anteriormente. A Vila da Luz, nesse momento, passou a ser um a
fonte importante para a coleta de dados, especialmente por meio da fala
dos jovens moradores de lá. Ou seja, era preciso investigar por qual
motivo os alunos moradores da Vila da Luz “precisavam” ir armado s
para a escola e seus desdobramentos no interior e na dinâmica d a
mesma.
se gu
ran ça para vi ve
rem. A re
la ção en tre
me re -
ci men
to/mor
te/vi o
lên ci a
pa
re ce ser vir ao mes -
mo pro pó si to, ou seja , quem faz algo de er ra d o
me
re ce mor
rer – isso pa
re ce tran qüi
li zá-los .
A ex pe
riên cia da vi o
lên cia os faz ques ti o -
nar suas vi das, suas ami za des, seus sen ti men -
tos, suas es tra té gi as de se gu
ran ça: para o s
jo vens da Vila da Luz a cons tru ção re fle xi va d o
sel f
é fe
i ta com mu
i to em pe nho e a tod o
mo men to .
Em cli ma de tan ta in se gu ran ça, a
con fi an -
ç a
sur ge como ca te go ria a ser in ves ti ga da be m
c om sua re
la ção com
o
lo cal de mo ra di a
.
Parece que
não mo ra r
na Vila faz com que a
con fi an ça te nha ou tras con fi gu
ra ções. O lo ca l
pe
ri go so da mo
ra dia in ter fe
re na aqui si ção o u
não da con fi an ça nos ou tros e pe
los ou tros, o
que traz con se quên ci as nas aqui si ções e ma nu -
ten ções das ami za des. Assim, a “mãe” e “Deus ”
apa
re ce
rem como os úni cos dig nos de con fi an -
ça, com ra
ras ex ce ções .
Um jo vem toca no cer ne do pro ble ma d a
con fi an ça, a sa ber: o seu po ten ci al de per se ve -
ran ça, mes mo quan do o
ou
tr o
está au sen te. N o
con ce
i to de se gu
ran ça bá si ca, a con fi an ça só se
es ta be
le ce quan do, na au sên cia dos edu ca do -
res
ini ci a
is, a cri an ça con se gue con tro
lar a an si -
e da de, ou seja, quan do a con fi an ça se ar ti cu
l a
com a fi de li da de: como con fi ar em al guém que,
na sua fren te pa re ce ami go, mas lon ge tor na-se
seu “ini mi go” e co
lo ca sua vida em ris co ?
Para ou tros, a con fi an ça está re
la ci o na d a
à vi vên cia es tri ta men te pes so al: “eu” e “ ele” e
mais nin guém :
Ah, tem um só co
le ga meu qu e
eu con
fio nele né, por que nós anda, só nós qu e
anda jun
to. Nele eu con
fio .
Além des se exem plo, o mes mo jo vem fal a
da di fi cul da de em con fi ar em al guém por ca u s a
de suas ex pe
riên ci as an te
ri o
res. Ele tra ba
lho u
para uma pes soa e não re ce beu o sa
rio. Mas o
medo que faz par te de sua vida, que o acom pa -
nha no seu dia-a-dia, o im pe diu de exer cer su a
ci da da ni a e co brar do pa trão .
Se gun do Gid dens (1997), o
sel f
não é
pas si vo e de ter mi na do por in fluên ci as ex ter -
nas; ao con trá
rio, ao for
ja
rem suas iden ti da -
des, in de pen den te do ca
rá ter re du zi do do s
seus con tex tos de ação, os in di ví du os
con
tri -
bu em par a
e
pro mo ve m
di
re ta men te in fluên -
ci as so ci a
is com con se qüên ci as e im pli ca çõe s
glo ba
is. Em ou tros ter mos, o
sel f
tem de se r
cons tru
í do re fle xi va men te e no meio de um a
con fu sa di ver si da de de op ções e pos si bi
li da -
des. No mun do da mo der ni da de tar dia, no s
diz ain da Gid dens, a iden ti da de não est á
dada, pron ta, aca ba da. Os su
je
i tos
influen -
ciam e são in flu en ci a dos pe
los con tex tos so -
ciais, lo ca
is e glo ba
is. Há uma di ver si da de d e
op ções e pos si bi
li da des nas qua
is o su
je
i t o
pre ci s a
cons tru
ir seu
sel f
, re fle xi va men te .
Estra té gi as sin gu
la res na bus c a
da se gu ran ça e suas pos sí ve
i s
con tri bu
i ções no en ten di men t o
da vi o
lên cia como ele men t o
cons ti tu
in te da iden ti da d e
Pa
re ce não ha ver mu
i tas re gras co mun s
para se evi tar a vi o
lên cia e se pro te ger dela n a
Vila .
1 7
Cada um, de acor do com suas vi vên ci as,
bus ca suas pró pri as es tra té gi as: a da “boa vi -
zi nhan ça”, ci ta da por al guns jo vens, pode pa -
re cer boa, mas ca be-nos per gun tar qual se u
efe
i to para a cons tru ção de iden ti da de do jo -
vem. Não di zer o que pen sa, não po der posi -
cionar-se de acor do com os prin cí pi os qu e
jul ga cor re tos, éti cos, sem dú vi da,
in ter fe re na
cons tru ção da iden ti da de
ju ve nil. E, se qui ser -
mos sa ber qual é o mo ti vo pelo qual ele nã o
pode ser au tên ti co, ques ti o na dor, etc., ve mo s
que a vi o
lên cia pa
re ce es tar por trás dos com -
por ta men tos as sim des cri tos por eles:
é pre ci -
so ter “jogo de cin
tu ra”
,
não pode ser
des co nhe ci do de to dos, mas tam bém não
pode ser ín
ti mo de nin guém
,
não é se gu ro
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 141-16 0, jan./jun. 200 1
15 5
17 .
Parece que a “lei do silêncio” também impera na Vila da Lu z
como em tantas outras. Não ver nada, não saber de nada ainda parec e
trazer certa segurança ou, no mínimo, não procurar confusão, com o
eles dizem.
“em bo
lar no meio de
les”, mas tam bém é pre ci -
so cum pri men
ta r
, etc .
O am bi en te se gu
ro, cal mo e tran qüi
l o
que nós tan to pre za mos e sa be mos im por tan t e
para o cres ci men to do jo vem e para a cons tru -
ção de sua iden ti da de, tam bém é al te
ra do n a
Vila da Luz .
A casa, lu gar de acon che go, de pro te çã o
cede ao cli ma da vi o
lên cia. Seus mo
ra do
res co -
me çam a ques ti o nar sua efi cá cia: mu dam-s e
ca mas de lu ga
res, ba
las en tram pela ja ne
la.
. .
Qual é, en tão, o lu gar da se gu
ran ça ?
As am bi güi da des vi ven ci a das pe
los jo -
vens da Vila da Luz apa
re ce
ram em vá
ri o s
momentos, na fala de mu
i tos de
les. A so ci a bi -
li da de pa
re ce ser ame a ça da a todo ins tan t e
por uma fra se, ima gi ná
ria, vin da de seus co
le -
gas e, de modo ge
ral, pela co mu ni da de, as si m
re su mi da: di ga-me de onde vens que te di
re i
quem és .
Infe
liz men te, es ses jo vens ain da pre ci sam
pro var que, ape sar de se
rem mo
ra do
res da re fe -
ri da vila, são jo vens e me
re cem res pe
i to, ape sa r
das di fe
ren ças. E, para isso, pa gam um pre ço à s
ve zes alto de ma
is para pes so as jo vens de ma
is .
Te mos a ex pec ta ti va de que a es co
la pos sa par -
ti ci par cada vez mais unin do “di ver si da de” e
“res pe
i to” e in cen ti van do o diá
lo go en tre o s
alu nos como uma das for mas de rom per com a
vi o
lên cia. A es co
la é um lo cal onde os jo ven s
bri gam, cri ti cam, de pre dam, mas, ape sar dis so ,
de se
jam, e so bre tu do vão até lá, no mí ni mo ,
para se en con tra
rem. E, nós, não po de mos no s
es que cer dis so .
Con si de ra ções fi na
i s
Embo
ra mu
i tas ques tões te nham sido le -
van ta das e nem to das te nham sido res pon di -
das, ain da ca bem al gu mas con si de
ra ções .
A hi pó te se (ini ci al) de os alu nos da Vil a
da Luz se
rem os au to
res da vi o
lên cia na es co
l a
pre ci sou ser ve
ri fi ca da ao lon go de toda a pes -
qui sa, par tin do da fala des ses alu nos e tam bé
m
de seus co
le gas de ou tros ba
ir
ros .
A re a
li da de do seu lo cal de mo
ra dia, a
Vila da Luz, re ve
lou-nos um alto ín di ce d e
violência re
la ta do pe
los alu nos, com des ta que
para as sas si na tos com re quin tes de cru el da de.
Os jo vens mos tra
ram como é pos sí vel e o qu e
pre ci sa vam fa zer para so bre vi ve
rem. As es tra -
té gi as, as mais va
ri a das pos sí ve
is, eram o qu e
os per mi ti am man ter-se vi vos e não per de
re m
a es pe
ran ça de que tudo po dia mu dar. Qu an to
ma
i or a vi o
lên cia, ma
i or pa
re cia ser a sua ba -
na
li za ção para seus mo
ra do
res .
Vi mos, nes te tra ba
lho, que os jo ven s
que se sen tem ví ti mas na Vila da Luz che ga m
à es co
la e vi vem o es tig ma do “ma
lan dro” ,
em bo
ra não seja exa ta men te isso que ele s
de se
jem .
Ser da vila pa re ce tra zer van ta gens e des -
van ta gens. Essa am bi güi da de é vi vi da in ten sa -
men te no es pa ço es co
lar, de sem bo can do, à s
ve zes, em si tu a ções de vi o
lên cia en tre os alu -
nos (bri gas de cor ren tes, es pan ca men tos, etc. )
ou em atos de vi o
lên cia con tra o pa tri mô ni o
(bom bas no ba nhe
i ro, fogo nas la tas de lixo ,
etc.). Essas bri gas acon te cem mu
i to mais par a
mos trar o que eles são ca pa zes de fa zer par a
ame dron tar co
le gas e pro fes so res. Não se tra
t a
de uma vi o
lên cia es co
lar no sen ti do de um a
reação à ins ti tu
i ção es co
lar. Os atos de vi o
lên -
cia ser vem para de mar car es pa ços de po der .
A pre sen te pes qui s a mos trou tam bé m
que a vi o lên cia que ocor re em casa ou no ba ir -
ro pode afe tar a cons tru ção da iden ti da de .
Nas en tre vis tas com os jo vens, foi pos sí vel ob -
ser var uma cer ta di fi cul da de, so bre tu do do s
que vi nham da Vila da Luz, de se or gu
lhar d o
lo cal onde mo
ram e de ter uma iden ti fi ca çã o
com os mo
ra do
res de lá .
A alta ro ta ti vi da de dos mo
ra do
res d a
Vila da Luz, na fala dos jo vens, pode, de cer
t a
for ma, au men tar a des con fi an ça nas pes so as ,
pre
ju di can do, as sim, o con ta to en tre elas e ,
con se quen te men te, a cons tru ção das iden ti -
da des en tre eles .
A ba na
li za ção da vi o
lên cia é pre o cu pan -
te, pois não po de mos ver com na tu ra
li da d e
15 6
Car la ARA Ú JO. As mar cas da vi o lên cia na cons ti tu i ção.
..
que um jo vem acre di te que um ato de vi o
lên ci a
seja so men te aque
le que en vol va re vól ver e
mor te .
Nes se cli ma de ten são e de ter
ror, co m
tra fi can tes e pes so as mor
ren do sem sa ber o s
reais mo ti vos, é es pe
ra do que haja uma dimi -
nuição ou um em po bre ci men to de mo de
los, se -
jam es ses fa mi
li a
res, so ci a
is, pro fis si o na
is e d e
as cen são so ci al .
Mas há algo que não po de mos ne gar: o s
jo vens da Vila da Luz, “des cem” para a es co
la .
Isto nos mos tra que esta úl ti ma ain da é um lo -
cal pú bli co que fa vo
re ce en con tros en tre ele s.
Sem a par ti ci pa ção des ses jo vens, nós ja -
ma
is sa
i
ría mos do sen so co mum. Os jo vens d a
Vila da Luz aju da
ram-nos a com pre en der um a
di nâ mi ca de es tig ma ti za ção na es co
la e o s
significados de seus con fli tos. Gra ças a eles pu -
de mos cons tru
ir no vas re fe rên ci as, nes te tra ba -
lho, so bre a cons tru ção de iden ti da de en tre eles
e tam bém so bre as re
la ções de con fi an ça, fun -
da men ta
is nes sa cons tru ção .
Cabe res sal tar que em bo ra te nham sido ci -
ta dos vá ri os teó ri cos que en xer gam a ju ven tu d e
como um pe río do em que há con fli tos em casa e
no qual os jo vens pre fe
rem an dar em gru pos, o s
da dos em pí
ri cos des sa pes qui sa não apon ta ra m
para isso. Os jo vens pes qui sa dos da Vila da Lu z
ain da têm a casa e os pais como re fe rên ci as re -
la ti va men te se gu ras e pre fe ren ci a
is, tal vez po r
já vi ve
rem tan tos ou tros con fli tos e in se gu ran -
ças fora de casa. Com re
la ção ao fato de os jo -
vens da Vila da Luz, às ve zes, pre fe
ri
rem es ta r
so zi nhos a es tar em gru pos, tal vez se deva fat o
de que, es ses jo vens vi vam, como já ci ta do an -
te
ri or men te, uma am bi güi da de com re
la ção à
vi vên cia gru pal: ora sen tem-se se gu ros, or a
cor rem ris co de vida, o que pode não ocor re r
com um ou tro jo vem que vive em um ou tr o
con tex to so ci o cul tu ral, no qual vi ver em gru po
é se gu ro e sa tis fa tó
rio .
Isso nos leva a pen sar que não po de mos
to mar as te o
ri as como vá
li das em qual que r
con tex to. Cabe a nós, pes qui sa do
res, bus ca r
dis cer nir den tre as te o
ri as em vi gor aque
la s
que nos aju dam a en ten der a re a
li da de qu e
es tu da mos .
So bre os jo vens da Vila da Luz, o que te -
mos a di zer é que não há ví ti mas nem vi
lões .
Não há ma
lan dros que, aqui, vi
ram he
róis. O
que cabe fa zer tal vez seja abrir pos si bi
li da de s
para que eles pos sam atu ar como su
je
i tos d e
sua his tó
ria, para que pos sam par ti ci par d e
pro
je tos que va
lo
ri zem e res pe
i tem sua di ver -
si da de e in cen ti vem a pos tu ra de diá
lo go aci -
ma de qual quer co
i sa .
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 141-16 0, jan./jun. 200 1
15 7
Re fe rên ci as bi bli o grá fi ca s
ABRAMO, H. W. Con si de ra ções so bre a te ma ti za ção so ci al da
ju ven tu de Bra sil.
Re vis ta Bra si
le
i ra de Edu ca ção .
Ju ven tu d e
e Con
tem po ra ne
i da de, n. 5-6, 1997. Nú me ro es pe ci al .
ABRAMOVAY, M. et al.
Gan gues, ga
le ras, che ga dos e rap per s
:
ju ven tu de, vi o
lên cia e ci da da nia nas ci da des da pe ri fe ria d e
Bra sí
lia. Rio de Ja ne
i ro: Ga ra mond, 1999 .
AMORETTI, R. Ba ses para a le
i
tu ra da vi o
lên cia. In: _______ _ (Org.).
Psi ca ná
li se e vi o
lên ci a
. Pe
tró po
lis: Vo zes, 1992.
_______ _. (Org.).
Psi ca ná
li se e vi o
lên ci a
. Pe
tró po
lis: Vo zes, 1992 .
BARRETO, V. Edu ca ção e vi o
lên cia: re fle xões pre
li mi na res.
In: ZALUAR, A.
Vi o
lên cia e edu ca çã o
. São Pa u lo: Cor tez, 1992.
BÉVILLARD, S.
Com pren dre les je u ne s
: rup
tu res et émer gen ce d’une nou vel
le cul
tu re. Lyon: Chro ni que So ci a
le, 1998.
CAMACHO, Ma ria Lu í za Y.
Vi o
lên cia e
in dis ci pli na no co ti di a no es co
lar de
jo vens es tu dan tes de clas ses mé di a s
. São Pa u lo;
2000. Tese (Dou
to ra do) – Fa cul da de de Edu ca ção da USP .
CANDAU, V. M.
Esco
la e vi o
lên ci a
. Rio de Ja ne
i ro: Dp&A, 1999.
CARDIA, N. A vi o
lên cia ur ba na e a es co
la.
Con
tem po ra ne
i da de e Edu ca çã o
, Rio de Ja ne
i ro, v. 2, n. 2, set. 1997.
CARNAJAL, G.
Tor nar-se ado
les cen
t e
: a aven
tu ra de uma me
ta mor
fo se (uma vi são psi ca na
ti ca da ado
les cên cia). Sã o
Pa u
lo: Cor
tez, 1998.
COLOMBIER, C. (Org.).
A vi o
lên cia na es co
l a
. São Pa u
lo: Sum mus, 1989.
COSTA, He
lo
í sa H.
A tra ma da vi o lên cia na es co l a
. Rio de Ja ne i ro; 1993. Dis ser ta ção (Mes tra do) – IESAE/Fun da ção Ge tú li o
Var gas .
DEBARBIEUX, E. Le pro
fes se ur el le sa u va ge on: vi o
len ce à l’école, in ci vi
li
té et post mo der ni
té.
Re vue Fran ça
i se d e
Pé da go gi e
, n. 123, avril-juin, 1998 .
_______ _.
La vi o
len ce em mi
li eu sco
la
i re 1
: état des li e ux. Pa ris: ESF, 1987.
_______ _.
La vi o
len ce em mi
li eu sco
la
i re 2:
le dé sor dre des cho ses. Pa ris: ESF, 1987 .
_______ _. Vi o
len ce sco
la
i re: la cote d’alerte.
Le Nou vel Obser va
te u r
, Pa ris, n. 1784, 14-20 jan. 1999 .
ELIAS, N.
O pro ces so ci vi
li za do r
. Rio de Ja ne
i ro: J. Za har, 1990. v. 1-2 .
_______ _.
Os es
ta be
le ci dos e os
out si ders. Rio de Ja ne
i ro: J. Za har, 2000.
ENRIQUEZ, E.
Da hor da ao Esta d o
. Rio de Ja ne
i ro: Za har, 1990.
ERIKSON, E
. Iden
ti da de, ju ven
tu de e cri s e
. Rio de Ja ne
i ro: J. Za har,1971 .
FACHINI, N. Enfo que psi ca na
ti co da vi o
lên cia so ci al. In: AMORETTI, R. (Org.).
Psi ca ná
li se e vi o
lên ci a
. Pe tró po
lis: Vo zes ,
1992 .
FEIXA, C.
De jó ve nes, ban das y tri bu s
. Bar ce
lo na: Ari el, 1998 .
FIGUEIREDO, L. C. Ado les cên cia e vi o lên cia: con si de ra ções so bre o caso bra si le i ro. I n: LEVISKY, D. L. (Org.).
Ado
les cên ci a
pe
los ca mi nhos da vi o
lên ci a
. São Pa u
lo: Casa do Psi có
lo go, 1998.
FLORO, M.
Qu es
ti ons de vi o
len ce à l’écol e
. Ra mon vil
le Sa
int-Agne: Érés, 1996.
FORACCHI, M.
A ju ven
tu de na so ci e da de mo der n a
. São Pa u
lo: Pi o ne
i ra, 1972.
FUKUI, L. Estu do de caso de se gu ran ça nas es co
las pú bli cas do es
ta do de São Pa u
lo.
Idéi a s
, São Pa u
lo, n.21, 1994.
FURTER, P.
Ju ven
tu de e tem po pre sen
te: fun da men
tos de uma pe da go gia.
Pe
tró po
lis: Vo zes,1975 .
GIDDENS, A.
Mo der ni da de e iden
ti da de pes so al
. Por
tu gal: Cel
ta ,1997.
_______ _.
A cons
ti
tu
i ção da so ci e da d e
. São Pa u
lo: Mar
tins Fon
tes, 1991 .
GOFFMAN, E.
A re pre sen
ta ção do eu na vida co
ti di a n a
. Pe
tró po
lis: Vo zes, 1992 .
GUIMARÃES, A. M.
A di nâ mi ca es co
la r
: con
fli
to e am bi güi da de. Cam pi nas: Au
to res Asso ci a dos, 1996 .
_______ _.
A de pre da ção es co
lar e a di nâ mi ca da vi o
lên ci a
. Cam pi nas; 1990. Tese (Dou
to ra do) – UNICAM P
_______ _.
A es co la e a vi o lên cia: re la ções en tre vi gi lân cia, pu ni ção e de pre da ção es co la r
. Cam pi nas; 1984. Dis ser ta çã o
(Mes
tra do) – PUC-Campinas.
GUIMARÃES, E. Co
ti di a no es co
lar e vi o
lên cia. In: ZALUAR, A (Org.).
Vi o
lên cia e edu ca çã o
. São Pa u
lo: Cor
tez, 1992 .
15 8
Car la ARA Ú JO. As mar cas da vi o lên cia na cons ti tu i ção.
..
_______ _. Crô ni ca do co ti di a no es co
lar: vi o
lên cia e es co
la.
Edu ca ção e So ci e da d e
, Cam pi nas, n. 38, p. 81-90, abr. 1991 .
_______ _.
Esco
las, ga
le ras e nar co
trá
fi c o
. Rio de Ja ne
i ro: Ed. da UFRJ, 1998.
_______ _ (Org.). Vi o
lên cia e vida es co
lar.
Con
tem po ra ne
i da de e Edu ca çã o
, Rio de Ja ne
i ro, v. 2, n. 2, set. 1997 .
JELEN, C.
La guer
re des rues:
la vi o
len ce et “les je u nes”. Pa ris: Plon, 1999.
KNOBEL, M. Nor ma
li da de, Res pon sa bi
li da de e Psi co pa
to
lo gia da Vi o
lên cia na Ado
le s cên cia. In: LEVISKY, D. (Org) .
Ado
les cên cia e Vi o
lên cia: con se qüên ci as da re a
li da de bra si
le
i r a
. Por
to Ale gre: Artes Mé di cas, 1997.
KUPFER, M.C. Vi o
lên cia da Edu ca ção ou Edu ca ção Vi o
len
ta? In: LEVISKY, D. (Org.)
Ado
les cên cia nos ca mi nhos d a
vi o
lên ci a
. São Pa u
lo: Casa do Psi có
lo go,1998 .
LEVISKY, D. (Org.).
Ado
les cên cia e vi o
lên cia :
con se qüên ci as da re a
li da de bra si
le
i ra. Por to Ale gre: Artes Mé di cas, 1997 .
_______ _ (Org.).
Ado
les cên cia pe
los ca mi nhos da vi o
lên ci a
. São Pa u
lo: Casa do Psi có
lo go, 1998 .
_______ _ (Org.). Aspec tos do pro ces so de iden ti fi ca ção do ado les cen te na so ci e da de con tem p o râ nea e suas re la ções co
m
a vi o lên cia. In: _______ _.
Ado
les cên cia e vi o
lên cia:
con se qüên ci as da re a
li da de bra si
le
i ra. Por to Ale gre: Artes Mé di cas ,
1997.
_______ _. (Org.). Pre
fá cio. In: _______ _.
Ado
les cên cia e vi o
lên ci a
: con se qüên ci as da re a
li da de bra si
le
i ra. Por
to Ale gre:
Artes Mé di cas, 1997.
LUCAS, P. Pe que no re
la
to so bre a cul
tu ra da vi o
lên cia no sis
te ma es co
lar pú bli co e
m Nova York.
Con
tem po ra ne
i da de e
Edu ca çã o
, Rio de Ja ne
i ro, v. 2, n. 2, set. 1997 .
MANNHEIM, K. Fun ções das ge ra ções no vas. In: FORACCHI, M.
Edu ca ção e so ci e da d e
. São Pa u
lo: Ed. Na ci o nal, 1970.
_______ _. O pro ble ma so ci o
ló gi co das ge ra ções. In: FORACCHI, M.
Man nhe
i
m
. São Pa u
lo: Áti ca, 1982.
MARQUES, M. O. da S. Esco la no tur na e jo vens.
Re vis ta Bra si
le
i ra de Edu ca çã o
. Ju ven tu de e Con tem po ra ne
i da de, n. 5-6.
Nú me ro es pe ci al .
MEZAN, R. A me du sa e o te
les có pio ou Verg gas se 19. In: No va es, A.
et al
.
O olha r
. São Pa u
lo: Cia. das Le
tras, 1989.
_______ _. Ado
les cên cia e Vi o
lên cia: A Psi ca ná
li se na Prá ti ca So ci al.
In: LEVISKY, D. (Org.)
Ado
les cên cia pe
los ca mi nhos da
vi o
lên ci a
. São Pa u
lo: Casa do Psi có
lo go, 1998 .
OLIVEIRA, C. R.
O fe nô me no da vi o lên cia em duas es co las: es tu do de cas o
. Por to Ale gre; 1995 . Dis ser ta ção ( Mes tra do) –
UFRGS/FE .
PERALVA, A. Esco
la e vi o
lên cia nas pe ri fe ri as ur ba nas fran ce sas.
Con tem po ra ne
i da de e Edu ca çã o
, Rio de Ja ne i ro, v. 2, n.
2, set. 1997.
_______ _. A vi o
lên cia ur ba na e a es co
la.
Con
tem po ra ne
i da de e Edu ca çã o
, Rio de Ja ne
i ro, v. 2, n. 2, set. 1997 .
PEREIRA, E.T.
Brin car na Ado
les cên cia: uma le
i
tu ra no es pa ço es co
la r
. Belo Ho ri zon
te; 2000. Dis ser
ta ção (Mes
tra do) –
Fa cul da de de Edu ca ção da UFMG .
RODRIGUES, A. S.
A es co la si len ci o sa: aqui não há vi o lên cia –
um es tu do et no grá fi co. Rio de Ja ne i ro; 1994 . Dis ser ta çã o
(Mes
tra do) – PUC-RJ .
RUANO-BORBALAN, J.-C. (Org.).
L’identifé (l’individu, le grou pe, la so cié té)
. Pa ris: Sci en ces Hu ma
i nes, 1998.
SPOSITO, M. P. Estu dos so bre ju ven tu de em edu ca ção.
Re vis ta Bra si
le
i ra de Edu ca çã o
. Ju ven tu de e Con tem po ra ne
i da de ,
n. 5-6, 1997. Nú me ro es pe ci al .
Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 141-16 0, jan./jun. 200 1
15 9
_______ _. A ins
ti
tu
i ção es co
lar e a vi o
lên cia.
Ca der nos de Pes qui sa: Re vis
ta de Estu dos e Pes qui sa em Edu ca çã o
, Sã o
Pa u
lo, n.104, 1998 .
_______ _. Jo vens e edu ca ção: no vas di men sões da ex clu são.
Em Aber
t o
, Bra sí
lia, v.11, n. 56, out./dez. 1992 .
_______ _. A so ci a bi
li da de
ju ve nil e a rua: no vos con fli tos, ação co
le ti va da ci da de.
Re vis ta de So ci o
lo gia da US P
, São Pa u
lo,
v.1-2, n. 5, p. 161-178, nov. 1994 .
VALENÇA, V. L. C. A vi o lên cia na es co la: da pal ma tó ria à vi o lên cia su a ve.
Pers pec
ti v a
, Flo ri a nó po lis, v. 5, n. 10, p. 42-48 ,
jan./jun. 1998 .
VASCONCELOS, A. T. Vi o lên cia e edu ca ção. In: LEVISKY, D. L. (Org.).
Ado
les cên cia e vi o
lên ci a
: con se qüên ci as da re a
li da de
bra si
le
i ra. Por
to Ale gre: Artes Mé di cas, 1997.
VELHO, G. (Org.).
Ci da da nia e vi o
lên ci a
. Rio de Ja ne
i ro: Ed. da UFRJ, 1996 .
_______ _.
Vi o
lên cia e cul
tu r a
: de ba
tes. Rio de Ja ne
i ro: Ed. da UFRJ, 1996 .
WAISELFISZ, J. J.
Ju ven
tu de, vi o
lên cia e ci da da ni a
: os jo vens de Bra sí
lia. São Pa u
lo: Cor
tez, 1998.
WHITAKER, D. Vi o
lên cia na es co
la.
Idéi a s
, São Pa u
lo, n. 21, 1994 .
ZALUAR, A. A ilu são dos jo vens e o cri me or ga ni za do.
Co mu ni ca ção e Po
ti c a
, v. 1, n. 2, p. 231-250, dez./mar. 1995 .
_______ _ (Org.).
Vi o
lên cia e edu ca çã o
. São Pa u
lo: Cor
tez, 1992 .
Re ce bi do em 16.07.0 1
Apro va do em 16.08.0 1
Car la Ara ú j o
é psi có
lo ga, com es pe ci a
li za ção em Psi co pe da go gia, e mes tra em Edu ca ção pela UFM G.
É
pro fes so ra-assistente III pela PUC-MG/cam pus de BETIM e mi nis tra au las de Psi co lo gia da Edu ca ção nos cur sos de Le tras e
Ma te má ti ca des sa Insti tu i ção bem como da PUC-MG/BH.
16 0
Car la ARA Ú JO. As mar cas da vi o lên cia na cons ti tu i ção.
..
logo_pie_uaemex.mx