Artículo en PDF
Como citar este artigo
Número completo
Mais artigos
Home da revista no Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
Opción, Año 31, No. Especial 1 (2015): 113 - 133
ISSN 1012-1587
Contribuições da Neurociência
para a gestão de pessoas
Alva Benfica da Silva e Iris Barbosa Goulart
Centro Universitário UNA. Belo Horizonte (Brasil)
alvabenfica@gmail.com - irisbgoulart@gmail.com
Resumo
Este estudo busca identificar contribuições da Neurociência para a
Administração, destacando o papel do cérebro no comportamento e na
natureza humanos, objetivando uma visão diferenciada da gestão. Infe-
re-se que tais pesquisas podem proporcionar
insights
a um modelo de
gestão que priorize o potencial humano, a criatividade, o respeito pelas
limitações humanas, ampliando a produtividade. Abordam-se temas
como ritmos circadianos, importância da respiração, do sono, do relaxa-
mento, da meditação, das pausas e do ócio criativo, buscando otimizar
procedimentos para inovar a gestão organizacional. Na trajetória meto-
dológica, foi feito levantamento da produção científica disponível bus-
cando consolidar o conteúdo abordado no referencial teórico.
Palavras-chave:
Gestão organizacional, Comportamento organizacio-
nal, Gestão de pessoas, Neurociência.
Aportes de Neurociencia para la gestión
de personas
Resumen
Este estudio busca identificar aportes de la Neurociencia para la
Administración, destacando el papel del cerebro en el comportamiento y
la naturaleza humana, con el objetivo de una visión diferenciada de la
Recibido: 01-08-2015 • Aceptado: 01-09-2015
gestión. Se infiere que este tipo de investigación puede proporcionar in-
formación a un modelo de gestión que prioriza el potencial humano, la
creatividad, el respeto de las limitaciones humanas, el aumento de la pro-
ductividad. Aborda temas como ritmos circadianos, importancia de la
respiración, el sueño, la relajación, la meditación, las pausas y el ocio
creativo, buscando la optimización de los procedimientos para innovar
la gestión organizacional. La trayectoria metodológica se realizó estudio
de la literatura científica disponible buscando consolidar el contenido
cubierto en el marco teórico.
Palabras clave:
Gestión Organizacional. Comportamiento organiza-
cional. Gestión de personas. Neurociencia.
Contributions of Neuroscience
for managing people
Abstract
This study seeks to identify contributions of Neuroscience for Admin-
istration, highlighting the role of the brain in behavior and human nature,
aiming a differentiated view of management. It is inferred that such research
can provide insights to a management model that prioritizes human poten-
tial, creativity, respect for human limitations, increasing productivity. It ad-
dresses issues such as circadian rhythms, importance of breathing, sleep, re-
laxation, meditation, breaks and the creative leisure, seeking to optimize
procedures to innovate organizational management. The methodological
trajectory was made survey of scientific literature available seeking to con-
solidate the content covered in the theoretical framework.
Keywords:
Organizational Management, Organizational behavior,
People management, Neuroscience.
1. INTRODUÇÃO
A Administração como área de estudo formalizada é bem recente,
contando pouco mais de um século, e a produção científica sobre as orga-
nizações tem buscado alicerçar-se teoricamente em ciências como a So-
ciologia, a Filosofia, a Economia, a Matemática e o Direito.
Alva Benfica da Silva e Iris Barbosa Goulart
114
Opción, Año 31, No. Especial 1 (2015): 113 - 133
As transformações que estão em curso, evidenciando um processo
de mudança paradigmática, afetam as organizações. Os programas de for-
mação e desenvolvimento de administradores têm constituído espaços
privilegiados para a busca de superação das limitações até então enfrenta-
das no trato da complexidade do mundo moderno. O presente estudo se
detém na análise de alguns aspectos do humano, na medida em que toma
como referência uma abordagem nova, a Neurociência, que vem ganhan-
do espaço entre os pesquisadores e que pode influenciar a Administração.
Nos últimos anos, houve a consolidação explícita do projeto de con-
densação do sujeito no cérebro, o que resulta numa mudança fundamental
no modo como é compreendido o ser humano e seu psiquismo. Assim, de-
pois de descrições psicológicas, culturalistas e fisicalistas, emergem atual-
mente as descrições cerebrais e genéticas, apoiadas na grande quantidade
de informações novas, produzidas pela Neurociência, sobre as bases bio-
lógicas da experiência subjetiva (Winograd, 2010-2011: 522).
ANeurociência é um campo interdisciplinar que usa a contribuição
de outras disciplinas e várias ciências no estudo da organização funcio-
nal do sistema nervoso (especialmente o cérebro), a fim de compreender
sua estrutura, desenvolvimento, funcionamento e evolução, bem como a
relação entre o comportamento e a mente e suas alterações (Siqueira-Ba-
tista & Antônio, 2008). Nesse contexto, a Neurociência se mostra rele-
vante para vários estudiosos pela possibilidade de compreensão dos me-
canismos das emoções, pensamentos e ações, doenças e loucuras, apren-
dizado e esquecimento, sonhos e imaginação, fenômenos que definem e
constituem o ser humano (Ribeiro, 2013).
A aproximação de “cientistas” e “homens de negócios”, combina-
ção de esforços de áreas distintas (a Neurociência fornecendo auxílio
para importantes
insights
à Administração), deu origem ao nascimento
de teorias alternativas importantes, como: Neuromarketing, que visa en-
tender os desejos, impulsos e motivações das pessoas através do estudo
das reações neurológicas a determinados estímulos externos (Zaltman,
2003:160); Neuroliderança, que combina princípios do funcionamento
do cérebro humano com as práticas de desenvolvimento de competênci-
as de liderança. “[.
..] alguns achados da Neurociência são úteis para en-
tender e aperfeiçoar a capacidade de liderança” (Herculano-Houzel,
2009); Neuroeconomia, que utiliza métodos da Neurociência com ferra-
mentas mais antigas, associadas aos campos da Economia experimental
Contribuições da Neurociência para a gestão de pessoas
115
e comportamental, e da Psicologia cognitiva e social (Lowenstein, Ca-
merer & Prelec, 2008:72-76).
Para Hamel (2010), o modelo de gestão para o século XXI tem de
ser reinventado, no sentido de potenciar ao máximo a iniciativa e a ima-
ginação humanas, segundo uma organização onde a disciplina e a liber-
dade não devem ser mutuamente exclusivas. Desafios do novo século es-
tão a colocar em evidência as limitações do tradicional modelo de gestão
das empresas que, em geral, ainda resistem em abandonar os princípios
básicos da teoria da escola neoclássica (divisão do trabalho, especializa-
ção, hierarquia e distribuição da autoridade e responsabilidade) que foi a
sustentação da administração do século XX. Passamos de um mundo in-
dustrial, em que a riqueza provinha da capacidade de acumular e empre-
gar o capital, para um mundo de conhecimento, em que a riqueza era ge-
rada pela capacidade de crescer e empregar habilidades e competências.
Agora, avançamos rumo a uma economia criativa, na qual até o próprio
conhecimento está se convertendo em produto indiferenciado, cujas
vantagens se dissipam muito rapidamente.
Hamel (2010) argumenta ainda que as empresas precisam de inova-
ção em gestão. No mundo atual a adaptabilidade e a criatividade impulsio-
nam o sucesso empresarial. Agestão tem de ampliar e agregar as capacida-
des humanas para criar as condições que inspirem e incentivem as pessoas
a dar o melhor de si para que possam fazer coletivamente o que não poderi-
am fazer individualmente. O que infunde um compromisso mais profundo
nas pessoas é alguma causa, um objetivo maior do que o de fazer dinheiro.
Se pretendem vencer no futuro, as organizações têm de encontrar manei-
ras de energizar as pessoas, para que não apliquem no trabalho apenas suas
capacidades, mas também sua paixão e iniciativa.
Entender como funciona o cérebro humano pode ajudar os relacio-
namentos interpessoais, bem como, os processos práticos dentro de uma
organização. Administrar cérebros se tornará a busca pelo equilíbrio en-
tre a razão e a emoção.
Verifica-se que o entendimento do funcionamento do sistema ner-
voso é importante para uma gestão de pessoas que proporcione a motiva-
ção para o alcance dos objetivos organizacionais, assim como para a saú-
de do cérebro.
Alva Benfica da Silva e Iris Barbosa Goulart
116
Opción, Año 31, No. Especial 1 (2015): 113 - 133
2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
Há milênios, o homem manipula o conteúdo do crânio dos seus se-
melhantes por motivos variados. Fazia-se trepanação (do grego
trupa-
non
, broca), a mais antiga entre as cirurgias, por inúmeras razões – espe-
culando, as mais prováveis seriam por rituais mágicos e religiosos, para
trazer sorte ou realizar sacrifícios; terapias feitas por curandeiros; trata-
mento médico de fraturas no crânio; obtenção das placas de osso retira-
das do crânio (
rondelles
), para a composição de beberagens, isto é, para
finalidades terapêuticas (Kolb & Whishaw, 2002).
Thomas Willis, neuroanatomista inglês e seus seguidores, no final
do século XVII, prenunciaram uma nova era: “Neurocêntrica, em que o
cérebro não é apenas a essência do corpo, mas a visão que temos de nós
mesmos”. Ante a constatação de semelhanças entre cérebros de sapos, la-
gartos, coelhos, cães, macacos e homens, Thomas Willis transformou o
cérebro e os nervos em alvos para os estudos neurocientíficos; ao negar ao
fígado e ao coração papel mais importante na fisiologia humana. O autor
retirou desses órgãos a condição de residências da alma, concentrando tal
privilégio no cérebro, ao reconhecer que as emoções, as percepções e a
memória sediavam-se nos tecidos encefálicos. Ao tornar interdependentes
uma alma sensitiva e uma alma racional e correlacioná-las, ele traçou os
caminhos da ciência no século XXI (Zimmer, 2004:20-21).
ANeurociência dos dias atuais conjectura que o metabolismo cere-
bral é uma medida da atividade mental, mesmo porque o consumo de
oxigênio e glicose aumenta proporcionalmente ao incremento da ativi-
dade celular. Na segunda década do século XX, o psiquiatra alemão
Hans Berger inventou o EEG - Eletroencefalograma, descobrindo que a
atividade mental provocava o bloqueio das ondas alfa no traçado do
EEG; logo, se alteração das ondas elétricas cerebrais corresponde a um
aumento da excitação neuronal, a atividade mental deve corresponder a
um aumento do metabolismo cerebral (Lent, 2010:591).
Atarefa da ciência neural é a de fornecer explicações do comporta-
mento em termos da atividade cerebral, esclarecendo como bilhões de
células neurais individuais atuam para produzir o comportamento e
como, por sua vez, elas são influenciadas pelo meio ambiente, e pelo
comportamento de outras pessoas (Kandel, Schwartz & Jessel, 1997:5).
O conhecimento de como funciona o cérebro humano tem impor-
tância fundamental para a Neurociência. As imagens cerebrais desempe-
Contribuições da Neurociência para a gestão de pessoas
117
nham um papel preponderante no estudo do funcionamento do cérebro e
diferentes técnicas são utilizadas pela Neurociência. A física e a enge-
nharia auxiliam o conhecimento do funcionamento do cérebro através de
recursos como: o Eletroencefalograma (
electroencephalogram -
EEG),
a Ressonância Magnética funcional (
function magnetic resonance ima-
ging
- fMRI), Tomografia por emissão de positrões (
posítron emission
tomography -
PET) e a Magnetoencefalografia (
magnetoencephalo-
gram -
MEG) (Rose, 2006:12).
Desde o século XIX, o cérebro tem funcionado como um mediador
e como uma superfície de projeção. Após o rápido crescimento da dis-
cussão a respeito do impacto social da Neurociência, termos como “cere-
bralidade” e “sujeito cerebral” podem auxiliar a conectar processos soci-
ais, representações culturais, desenvolvimentos em medicina, filosofia,
educação, mídia e outros campos, que têm sido estudados a partir de ou-
tras perspectivas. “Sujeito cerebral” é a figura antropológica que incor-
pora a ideia de que o ser humano é essencialmente reduzível a seu cére-
bro (Ortega & Vidal, 2007:257-258).
Para Marino Júnior (2010),
Nosso cérebro [.
..] é, sem dúvida, a sede do que consideramos
ser a nossa humanidade, nossa pessoalidade, bem como da
ética, da moral, das emoções e sentimentos, do que é certo ou
errado, bom ou mau. O cérebro nos torna único como indiví-
duos e nos empresta nossa personalidade, individualidade,
caráter, ideais, memórias, habilidades criativas e nosso Eu ou
self
, nossa mente e tantas outras funções (Marino Júnior,
2010:109).
O cérebro não é imutável nem estático; na verdade, ele é remodela-
do continuamente pela vida que se leva. Trata-se de uma propriedade
chamada neuroplasticidade, que é a capacidade de modificar de forma
considerável sua estrutura e seus padrões de atividade (Davidson,
2013:162). Aneuroplasticidade é uma reorganização da dinâmica do sis-
tema nervoso, um novo crescimento neural gerado pela exposição a no-
vas experiências e pelo aprendizado de novas capacidades (Chopra &
Tanzi, 2013:28-33).
Gerir pessoas deve envolver um foco mais abrangente, observando
não somente o profissional para a empresa, mas também o cidadão e sua
saúde cognitiva.
Alva Benfica da Silva e Iris Barbosa Goulart
118
Opción, Año 31, No. Especial 1 (2015): 113 - 133
Na busca de
insights
para a Administração serão abordados a se-
guir, estudos de Neurociências sobre o funcionamento do cérebro huma-
no (limitações do cérebro; a lógica de atuação do cérebro), a importância
do relaxamento (relaxamento x estresse crônico; respiração; sono, medi-
tação), a importância das pausas (pico gama; ócio criativo) e sua aplica-
ção à gestão de pessoas.
2.1. O funcionamento do cérebro humano
Kahneman (2012:20) divide o pensamento humano em duas for-
mas: a primeira é rápida, criativa, intuitiva e emocional. A outra é lenta,
analítica, deliberativa e lógica. O cérebro humano trabalha coordenando
os dois mecanismos. O rápido é responsável por captar as impressões
imediatas de uma situação e fazer uma interpretação prévia. Em seguida,
ele repassa as informações ao sistema lento de pensamento, que as pro-
cessa com maior profundidade e detalhamento. O grande problema
apontado por Kahneman é que, frequentemente, o sistema rápido sugere
ao sistema lento impressões sobre as situações que nem sempre são as
melhores ou mais corretas. De certa forma, o pensamento intuitivo é o
que diferencia o ser humano dos robôs, pois permite ao cérebro proces-
sar informações na velocidade necessária, orientando muitas decisões e
julgamentos que a pessoa faz.
Goleman (2014) discorre sobre os tipos de atenção que se formam
em nossa mente. Aatenção superior, situada no córtex pré-frontal, é ana-
lítica e devagar (sistema “devagar” na concepção de Kahneman), exami-
na as opções antes de dar uma resposta, opera de cima para baixo (siste-
ma descendente). É a atenção superior que diferencia o ser humano das
demais espécies animais; é a possibilidade de pensar a longo prazo, de
ponderar situações e de escolher a mais adequada às próprias circunstân-
cias. Aatenção inferior é intuitiva e rápida (sistema rápido na concepção
de Kahneman), age em questão de segundos, operando em um sistema
ascendente. Os movimentos são automáticos - agir sem pensar muito
(por exemplo, ao sentir que um perigo está se aproximando, a atenção in-
ferior é a responsável por executar a reação de fuga).
O gestor deve ser capaz de identificar o tipo de atenção necessária a
cada situação, de modo a obter o máximo de rendimento do trabalhador,
dosando o tempo e a capacidade de atenção de cada um.
Contribuições da Neurociência para a gestão de pessoas
119
Kahneman (2012:43) afirma que o cérebro é inerentemente pregui-
çoso e prefere tentar usar os circuitos já gravados para lidar com qualquer
demanda, antiga ou nova. A operação consciente consome mais energia e
é mais lenta que a operação inconsciente e por isto o cérebro prefere atuar
de forma inconsciente (automática). A maioria dos comportamentos físi-
cos e mentais do ser humano é iniciada e ocorre à revelia da consciência. A
percepção do ser humano baseia-se quase exclusivamente em circuitos
gravados e usados de forma automática. O sistema nervoso consome mais
glicose do que outras partes do corpo, e a atividade mental trabalhosa pare-
ce ser mais dispendiosa no consumo da glicose.
O cérebro não trabalha unicamente a partir da mais recente infor-
mação sensorial, mas desenvolve previsões, simula internamente o que
acontecerá se alguma ação, sob condições específicas, for realizada. O
cérebro faz pressupostos para poupar tempo e recursos e tenta ver o mun-
do apenas na medida em que ele precisa (Eagleman, 2012:58-60). O cé-
rebro busca gastar pouca energia, e em razão disso, ele usa atalhos e com-
pleta pensamentos, palavras e decisões que não estão completos.
O aprendizado é feito através de associações com conhecimentos
já adquiridos. Por vezes, o cérebro estabelece memórias que são falsas na
sua origem, normalmente porque um evento é interpretado de maneira
errada. Memória que se imaginou (esperou ver) e não do que de fato este-
ve (algo parecido e confundido); também podem ser criadas durante o
que parece ser uma recordação (a pessoa está convencida que algo acon-
teceu, pode reformular o evento a partir de esboços de outras memórias
e, então, vivenciá-la como se fosse uma recordação real) (Carvalho &
Hennemann, 2012).
O cérebro funciona como um simulador de ação: ensaia ou imita
mentalmente toda ação que observa. Damásio (2004:92) entende que o
cérebro humano é mais complexo que o de qualquer primata, porque tem
a consciência do eu, a intencionalidade dos atos, reconhece a alteridade
do outro. O autor explica a particularidade humana de ter percepção da-
quilo que se está fazendo, de desenvolver sentimento de culpa, de se sen-
tir responsável, por meio de uma categoria biológica do próprio cérebro,
os
neurônios espelho.
Os neurônios espelho, descobertos por Giacomo Rizzolatti, Vitto-
rio Gallesw e Leonardo Fogasi, no início da década de 1990, são respon-
sáveis pela imitação mimética do comportamento humano, possibilitan-
Alva Benfica da Silva e Iris Barbosa Goulart
120
Opción, Año 31, No. Especial 1 (2015): 113 - 133
do a aprendizagem - se ativam ao ver agir um outro indivíduo, normal-
mente da mesma espécie; impulsionam a imitar o comportamento do ou-
tro como se ele mesmo estivesse realizando a ação. Os neurônios espelho
possibilitam o reconhecimento do outro, estimulam a empatia, constitu-
em a base fisiológica do sentimento de pertença ao grupo e da identidade
coletiva (Gaschler, 2009:48).
De acordo com Goleman (2006),
Os neurônios espelho tornam as emoções contagiosas, fazen-
do com que os sentimentos que observamos fluam através de
nós, ajudando-nos a entrar em sincronia e acompanhar o que
está a acontecer. ‘Sentimos’ os outros no sentido mais lato do
termo: sentindo os seus sentimentos, os seus movimentos, as
suas sensações, e as suas emoções, enquanto eles atuam den-
tro de nós (Goleman, 2006:69).
Quando se observa alguém realizar uma ação, esses neurônios dis-
param - daí o nome “espelho”. Por isso, essas células cerebrais são essen-
ciais no aprendizado de atitudes e ações, como conversar, caminhar ou
dançar. Eles permitem que as pessoas executem atividades sem necessa-
riamente pensar nelas, apenas acessando o seu banco de memória. Em si-
tuações de treinamentos e capacitação de pessoas, os neurônios-espelho
são ativados para que aprendam, acompanhem e vivenciem situações
propostas pelos instrutores.
Vários comportamentos e funções biológicas apresentam uma va-
riação rítmica, com ciclos que refletem uma adaptação evolutiva dos or-
ganismos aos fenômenos de um ambiente que apresenta mudanças re-
correntes, tais como o dia e a noite. Assim, é possível que o organismo se
antecipe às alterações ambientais e se prepare para responder adequada-
mente, garantindo a variabilidade necessária para sua sobrevivência
(Marques & Menna-Barreto, 2003).
Os ritmos circadianos são ritmos biológicos que variam em torno
de 24 horas e podem ser eventos bioquímicos, fisiológicos ou comporta-
mentais importantes para sobrevivência. São controlados por sincroni-
zadores externos como a luz, a alimentação, entre outros, mas também
persistem sem estas pistas ambientais, o que os caracterizam como rit-
mos gerados endogenamente (Pereira, Tufik & Pedrazzoli, 2009).
O ser humano é um animal diurno. Para isso, diversas variáveis fi-
siológicas estão em seus níveis máximos durante o dia: cortisol sanguí-
Contribuições da Neurociência para a gestão de pessoas
121
neo (hormônio envolvido na mobilização dos estoques de glicose em si-
tuações de estresse, especialmente logo após o despertar), temperatura
corporal, pressão arterial, nível de atenção, disponibilidade de glicose,
colesterol, entre outras. Enquanto isso, outras variáveis estão no seu ní-
vel mais baixo: melatonina (hormônio liberado nos períodos de escuro,
que está envolvido na regulação do ciclo vigília-sono), hormônio de
crescimento, nível de atenção, etc. À noite, durante o sono, a situação se
inverte. Com base nessa organização temporal interna, confirma-se que
o ser humano tem horários ótimos para se alimentar, para dormir, para fa-
zer exercícios e para realizar atividades cognitivas, necessárias ao traba-
lho (Valentinuzzi, 2011).
Essas conclusões podem ser relevantes para a definição dos turnos
de trabalho dos profissionais nas organizações. Pode-se identificar em
quais horários do dia o organismo humano produz mais substâncias quí-
micas para a atividade física e mental. Se o gestor souber explorar tais
períodos, pode conseguir um aumento significativo de produtividade.
Trabalhar contra o relógio biológico pode causar diversos distúrbi-
os do sono, como a fadiga, agitação, sonolência, diminuição da atenção e
perturbação do processo metabólico do organismo, piora o humor, dimi-
nui a capacidade cognitiva e os reflexos e torna as pessoas mais vulnerá-
veis a doenças.
Pessoas que trabalham no turno noturno têm que se adaptar a um cro-
nograma que não é natural, trabalhando enquanto outros estão dormindo e
dormindo enquanto outros estão trabalhando. São forçadas a lutar contra
esse ritmo natural enquanto tentam permanecer alertas e funcionais duran-
te o período em que deveriam estar descansando. Adicionalmente, eles
podem não ter a quantidade de sono suficiente durante o dia, como os tra-
balhadores diurnos têm e o sono frequentemente é fragmentado durante o
dia porque seu cérebro está ativo e programado para estar acordado.
2.2. A importância do relaxamento
Quando há momentos de relaxamento na rotina, o sistema imuno-
lógico funciona melhor, em razão da diminuição da quantidade de algu-
mas substâncias na circulação, principalmente, a adrenalina e o cortisol
– os hormônios do estresse. Quando o cérebro registra que haverá um
tempo livre e relaxante, produz uma sensação de prazer e tranquilidade
prévios, a mente e o corpo descansam por antecipação. Um valor psico-
Alva Benfica da Silva e Iris Barbosa Goulart
122
Opción, Año 31, No. Especial 1 (2015): 113 - 133
lógico especial do relaxamento parece ser o de restabelecer um equilí-
brio adequado da excitabilidade entre as várias partes do sistema nervo-
so (Guyton & Hall, 2002:60).
Através do relaxamento, busca-se melhorar a relação com o meio
ambiente, uma vez que este atua sobre a mente, produzindo tranquilida-
de e, por correlação de funções, uma descontração muscular geral. As
técnicas do relaxamento permitem perceber as tensões musculares e, em
seguida, as controlar e as inibir (Lapierre, 1982:55).
O estresse crônico prejudica o bem-estar na vida moderna e um de
seus agravantes mais terríveis é a sensação de impotência diante dos
acontecimentos, a sensação de falta de controle sobre aquilo que se dese-
ja dominar – a frustração (Herculano-Houzel, 2007:134).
Arespiração feita de forma adequada é um antídoto contra o estres-
se, reduzindo a ansiedade, a depressão, a irritabilidade, a tensão muscu-
lar e a fadiga (Davis, Eshelman & Mikary, 1996:61). A maioria das pes-
soas tensas respira mal, tem pouca capacidade vital e elasticidade toráci-
ca. Isto sucede porque a rigidez dos músculos do tronco bloqueia a caixa
torácica, que perde a elasticidade e o pulmão não pode cumprir sua fun-
ção com toda normalidade. A função respiratória está intimamente liga-
da à harmonia da circulação sanguínea e, portanto, é assim denominada
de aparato cardiopulmonar. A reeducação do movimento respiratório
combate vícios respiratórios e restaura a via nervosa correspondente,
através da força voluntária durante o treinamento (Vecchio, 1963:61).
A tensão e o estresse no ambiente laboral tem elevado o diagnósti-
co de doenças mentais relacionadas com o trabalho, tais como a Síndro-
me de Burnout ou Síndrome do esgotamento profissional. Esta Síndro-
me é um processo de enfraquecimento decorrente de um período prolon-
gado de estresse profissional. É uma resposta à tensão crônica no traba-
lho, gerada a partir do contato direto e excessivo com outras pessoas, de-
vido à tensão emocional constante, atenção concentrada e grande res-
ponsabilidade profissional. O indivíduo submetido ao estresse ocupaci-
onal pode deixar de responder adequadamente às demandas do trabalho
e geralmente se encontra irritável, ansioso e ou deprimido (França & Ro-
drigues, 2011:29-36). Os sinais iniciais incluem sentimentos de exaus-
tão emocional e física, sentimento de alienação, cinismo, impaciência,
negativismo e isolamento.
Contribuições da Neurociência para a gestão de pessoas
123
São inúmeros os métodos e as técnicas de relaxamento existentes,
podendo-se destacar a Yoga e a Meditação. A Yoga, na Índia, reúne um
grande número de técnicas, doutrinas e variações, e tem como objetivo
reforçar a homeostase fisiológica e psicológica, e é baseada em métodos
que ensinam a respirar melhor, como trabalhar o corpo através de exercí-
cios saudáveis, como relaxar (descontrair-se), como se concentrar me-
lhor (De Rose, 1995:67).
A prática da meditação produz efeitos no cérebro que proporcio-
nam respostas benéficas ao corpo como um todo. Através da estimulação
contínua de complexos circuitos cerebrais que alteram a frequência das
suas ondas e estimulam áreas no cérebro que ajudam a transpor o excesso
de pensamentos e a acalmar a mente para que ela se torne focada e alerta.
O efeito produzido pelo treinamento é algo que se deve à chamada plasti-
cidade cerebral (Mascaro, 2008).
Muitos praticantes de meditação adquirem uma espécie de percep-
ção panorâmica, na qual estão conscientes de seus pensamentos e senti-
mentos, além do ambiente externo. Se a mente estiver calma, facilita a
recepção dos estímulos, o que é expresso pela sincronia de fase das osci-
lações corticais a esses estímulos (Davidson, 2013:226).
Aquele que medita relaxa com mais facilidade depois de experienciar
um desafio. Isto permite que a probabilidade de ver ocorrências inocentes
como ameaçadoras diminua. Assim, o meditador consegue perceber a ame-
aça com maior precisão e reagir com excitação apenas quando necessário.
Mesmo em estado de excitação, sua rápida recuperação se torna mais prová-
vel, fazendo com que o indivíduo tenha reações normais, quando uma pes-
soa ansiosa perceberia como ameaça (Goleman, 1997:178).
Independente de método ou da técnica utilizada, o treinamento do
relaxamento se inicia como um exercício mental de concentração inter-
na, que consiste em ficar tranquilo, pondo o corpo em estado de passivi-
dade (Zenteleit, 1968:68). O processo de relaxamento deve se aplicar em
todos os momentos da vida, a fim de levar o indivíduo a adquirir um do-
mínio de si mesmo, que o capacitará a alcançar diversos objetivos, com-
batendo os maus hábitos e adquirindo outros novos e saudáveis, por
meio de uma reeducação baseada no aspecto mental do relaxamento
(Davis, Eshelman & Mikary, 1996:68).
Repousar é bom e saudável, mas é necessário ouvir as necessidades do
cérebro. O sono é mais do que um simples descanso e proporciona benefíci-
Alva Benfica da Silva e Iris Barbosa Goulart
124
Opción, Año 31, No. Especial 1 (2015): 113 - 133
os para o cérebro que resultam do seu modo diferente de funcionar nesse
estado. Não adianta insistir em mais horas de raciocínio se os neurônios
que cuidam do assunto já se esgotaram. O sono é um período de atividade
intensa no cérebro, diferente do período de vigília: a consciência está
desligada, os sonhos estão ativados de vez em quando, os músculos são
desativados, as memórias são passadas a limpo (o cérebro, protegido da
influência dos sentidos, passa a limpo e armazena as novas informações
adquiridas ao longo do dia). É o período em que o cérebro desliga os qua-
dros associados ao estresse crônico (Herculano-Houzel, 2007:149).
Esses estudos são fundamentais para que o gestor compreenda situ-
ações que podem levar a um trabalho produtivo e outras que podem de-
terminar o estresse. É oportuno lembrar que o estresse tem sido conside-
rado um dos mais frequentes tipos de adoecimento, principalmente entre
profissionais da área de saúde e da área bancária.
2.3. A importância das pausas
Apausa permite que a engrenagem cerebral funcione melhor e que
as informações sejam consolidadas. Apausa é importante para a criativi-
dade e para a sanidade do ser humano. Acultura da pressa, que faz parte
da realidade das pessoas no mundo contemporâneo, assim como o traba-
lho excessivo, é prejudicial para a saúde. Encontrar equilíbrio entre pro-
dutividade no trabalho e manter a saúde mental é um dos principais desa-
fios da sociedade atual. O ser humano precisa de um momento, no traba-
lho e na vida, para parar e pensar. Sem concentração equilibrada perde-se
o controle dos pensamentos. O período de interrupções no trabalho diá-
rio, o sono, prestar atenção na própria respiração, meditar, relaxar, pro-
porcionam ativação do circuito cerebral responsável pela concentração
(Goleman, 2013).
Santos (2014) considera que uma das descobertas mais importan-
tes da Neurociência na última década foi o estudo dos mecanismos neu-
rais de como a mente divaga – MW, do inglês
Mind Wandering.
O autor
afirma que a neurofenomenologia do MW classicamente tem apontado
esse estado cognitivo como prejudicial em tarefas que requerem aten-
ção seletiva, interpretação de textos e memória. O MWé dependente de
um grupo de áreas do cérebro (lobo frontal, principalmente) que envol-
vem córtex pré-frontal medial, cingulado posterior e córtex temporo-
parietal. Mas estudos recentes de neuroimagem em humanos têm mos-
trado que o MW desempenha papel crucial na formação da autobiogra-
Contribuições da Neurociência para a gestão de pessoas
125
fia de um indivíduo e na resolução criativa de problemas diversos. O
mais intrigante é que a rede formada pelas áreas citadas está bastante ati-
va no MW quando o indivíduo não tem ideia de que sua mente está diva-
gando. O autor afirma que se pode concluir que o MW parece ser aquele
momento necessário para que uma nova ideia seja incubada, um tempo
importante para a reorganização de circuitos neurais subjacentes à auto-
matização de rotinas.
As regiões reveladas pelos exames de neuroimagem como ativas du-
rante a divagação da mente (lobo frontal, principalmente) são consideradas
fundamentais para manter a pessoa focada numa tarefa. Os exames mos-
tram que, em ambos os casos, mente focada e mente divagando, tais regiões
estão ativadas. Cientistas cognitivos veem a mente divagadora como o mo-
do-padrão do cérebro – aonde ele vai quando não está trabalhando em algu-
ma tarefa mental. Uma mente à deriva permite que sua essência criativa flua
eos
insights
aconteçam. Entre as outras funções positivas da divagação da
mente estão a geração de cenários para o futuro, a autorreflexão, a capacida-
de de se relacionar em um mundo social complexo, a incubação de ideias
criativas, a flexibilidade do foco, a ponderação do que se está aprendendo, a
organização das lembranças ou a mera meditação sobre a vida – e também a
possibilidade de dar aos circuitos de foco mais intensivo uma pausa revigo-
rante (Goleman, 2014:45-46).
Em momentos criativos, pouco antes de um
insight
, o cérebro costu-
ma descansar em um foco aberto e relaxado, caracterizado por um ritmo
alfa. Isso sinaliza um estado de devaneio ou sonho acordado. Como o cére-
bro armazena diferentes tipos de informações em circuitos de amplo al-
cance, uma consciência vagando livremente aumenta as chances de novas
combinações e associações em serendipidade (fazer descobertas por obra
do acaso e sagacidade, de coisas pelas quais não se está procurando). A
consciência aberta cria uma plataforma mental para descobertas criativas
e
insights
inesperados. A serendipidade vem primeiro com a abertura da
possibilidade e, depois, com a concentração em aplicar um
insight
. Quan-
do um momento imaginário ganha vida na mente, o cérebro quase certa-
mente gera um pico gama (Goleman, 2014:47-49).
O início do
insight
é uma inesperada atividade cerebral (pulso de
ritmo gama, a mais alta frequência elétrica gerada pelo cérebro). No en-
tanto, para que esses neurônios gerem o pulso gama, o córtex precisa re-
laxar e desfocar, para que associações mais remotas sejam recolhidas por
essas eventuais sinapses errantes. O relaxamento parece ser essencial;
Alva Benfica da Silva e Iris Barbosa Goulart
126
Opción, Año 31, No. Especial 1 (2015): 113 - 133
por isso, muitas pessoas relatam que tiveram
insights
durante o banho ou
ao acordar (Muotri, 2008).
Imediatamente depois do pico gama, a nova ideia surge na consci-
ência. Esses picos gama indicam que o cérebro teve um novo
insight
.
Momentos espontâneos de
insights
criativos podem parecer realmente
vir do nada. Mas, é possível supor que ocorreu esse mesmo processo, em
que havia algum grau de envolvimento em um problema criativo, e em
seguida, durante o “tempo ocioso”, circuitos neurais fizeram novas asso-
ciações e conexões (Romantini, 2013).
Um dos maiores defensores da teoria de que o cérebro precisa de
uma pausa para funcionar bem é o sociólogo italiano Domenico De
Masi, que elaborou o conceito de ócio criativo. Segundo ele, é possível
estabelecer uma rotina equilibrada e fazer com que o trabalho, o estudo e
o lazer se cruzem de maneira tão harmoniosa que a pessoa praticamente
não consiga distinguir de qual deles está se ocupando em determinado
momento. De acordo com De Masi, o ócio não é caracterizado por mo-
mentos inertes, mas justamente pela ocupação do tempo de forma grati-
ficante e criativa (De Masi, 2000:16).
Nos dicionários, geralmente o ócio aparece como sinônimo de pregui-
ça, caracterizado pela inatividade física e mental e a falta de produtividade.
Entretanto, o tempo livre capaz de aumentar a criatividade ocorre em situa-
ções que levam uma pessoa ao contato com habilidades não utilizadas na ro-
tina diária ou a desenvolver melhor aquelas que já são usadas. Acivilização
grega pôde se dedicar ao trabalho intelectual porque havia condições para
produzir ideias filosóficas, artísticas e políticas e, sob esse olhar, era preciso
levar uma vida com mente e corpo sãos. Para desenvolver a criatividade,
torna-se importante cuidar da criatividade, que está mais ligada à capacida-
de de acolher e de elaborar, do que aos recursos disponíveis, mesmo que
haja forte troca de ideias em um grupo criativo (De Masi, 2000:16).
Mesmo sendo o lazer uma prática distinta do ócio, a maneira como
esse último se apresenta em Descartes abre espaços para compreender as
incidências dos sentidos de ambos nos dias de hoje. O lazer em Descartes
está próximo da conotação de ‘ter tempo para’ou ‘ter repousado suficiente
para’superar batalhas, chegar ao conhecimento verdadeiro e aquietar o es-
pírito agitado pelas paixões da alma. Por causa disso, há uma grande preo-
cupação no filósofo francês com o impedimento de seu lazer o qual é, ao
mesmo tempo, o impedimento de sua tranquilidade para se dedicar aos de-
Contribuições da Neurociência para a gestão de pessoas
127
sígnios aos quais se propôs. O ócio, em Descartes, se distancia do sentido
de uma experiência contemplativa de pura criação e de prazer estético,
desprendida da utilizada prática, para se aproximar do sentido de repou-
so do espírito, do descanso e da tranquilidade como indispensáveis para
produzir conhecimentos seguros e capazes de promover o bem coletivo.
Por esse motivo, o ócio cartesiano não é algo desinteressado, mas alta-
mente comprometido com o bem de todos (Nogueira, 2009:18-20).
O ócio pode ter efeitos positivos, principalmente quando as pessoas se
colocam de acordo com o sentido da palavra trabalho. Para os gregos, por
exemplo, a palavra tinha uma conotação estritamente física – o trabalho era
tudo aquilo que fizesse suar, com exceção do esporte. Quem trabalhava, isto
é, suava, ou era escravo ou era cidadão de segunda classe. “As atividades
não físicas como a política, o estudo, a poesia e a filosofia eram considera-
das ociosas, ou seja, como expressões mentais, dignas somente dos cida-
dãos de primeira classe”. A sociedade industrial permitiu que o trabalhador
usasse o corpo para agir, mas não havia tempo ou liberdade para expressar-
se com a mente. A sociedade pós-industrial ofereceu uma nova liberdade:
depois do corpo, liberta a alma. Entende-se que é da alma que saem os ensi-
namentos que permitem aos indivíduos lidar com a própria realidade. É na
alma que reside o que é belo (De Masi, 2000:10).
De Masi (2000) vai além da crítica ao modelo industrial, que ele
considera arcaico e ultrapassado, e sugere um novo modelo de gestão – o
Ócio Criativo, que se materializa como proposta de um novo modelo de
gestão pela natural combinação de três variáveis: Trabalho, Estudo e La-
zer (ou Prazer).
A proposta de De Masi é conciliar uma atividade que possa ser
exercida (Trabalho), que nela perceba-se e encontre-se uma forma per-
manente de aprendizado (Estudo) e que possa conferir uma agradável
sensação de realizar algo prazeroso (Prazer) (Loureiro, 2013:82).
Os benefícios do ócio criativo, das pausas, do
Mind Wandering
são
diversos: aumento de produtividade dos funcionários, fazendo um traba-
lho mais eficaz, a criatividade cresce nesses momentos de antiestresse,
gerando vivência de experiências criativas no seu sentido mais global,
como criação e recriação, que propiciam surgimento de soluções ou idei-
as inovadoras. É uma ação pessoal e comunitária que tem a sua raiz na
motivação e na vontade. Acriatividade se nutre de ócio. Para se ter ideias
é preciso tempo para introspecção.
Alva Benfica da Silva e Iris Barbosa Goulart
128
Opción, Año 31, No. Especial 1 (2015): 113 - 133
3. METODOLOGIA
Este trabalho, através de uma pesquisa bibliográfica, busca explo-
rar algumas descobertas da Neurociência que convergem para a Admi-
nistração, especialmente na área de gestão de pessoas, destacando o pa-
pel do cérebro no comportamento e na natureza humanos. Tais estudos
podem proporcionar
insights
a um novo modelo de gestão, que priorize o
potencial humano, a criatividade, o respeito pelas limitações humanas.
Foi utilizado o método exploratório, que se justifica quando o tema
é pouco explorado e/ou se pretende levantar questões para outras pesqui-
sas (Goulart, 2013). No caso presente, verifica-se que os estudos de Neu-
rociência são recentes e são poucos os pesquisadores que têm apresenta-
do sugestões sobre a aplicação desse conhecimento à Administração.
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
A Administração contemporânea é marcada por mudanças provo-
cadas pela revolução nas comunicações, na tecnologia, na modernização
resultante da globalização, as quais fazem com que as empresas tenham
que romper paradigmas e criar novas posturas para encarar a dinâmica
organizacional. Essas transformações determinam o desenvolvimento
de novas atitudes empresariais para transformar a empresa numa organi-
zação capaz de ter uma visão global e sistêmica de seus processos, desen-
volvendo capacidades importantes.
Aárea da Neurociência visa à compreensão do funcionamento do sis-
tema nervoso e de como ele se relaciona com o comportamento humano,
podendo oferecer subsídios ao conhecimento e melhoria do desempenho da
organização. Trata-se de uma área caracteristicamente interdisciplinar, na
qual as contribuições têm vindo não só das Ciências Biológicas e da Saúde,
mas também das Ciências Físicas e Humanas. Conhecer o conjunto men-
te–cérebro–corpo ajuda no entendimento da estrutura do comportamento
humano, e, por consequência, da dinâmica organizacional.
Os pontos estudados neste trabalho corroboram a importância da
observação, por parte das organizações, da emergente importância atri-
buída às pessoas para confrontar as adversidades no presente e no futuro.
Amodernização na forma de gerir pessoas permitirá à organização avali-
ar a possível contribuição de todos os seus colaboradores, bem como
deve possibilitar a conciliação de expectativas entre a organização e as
pessoas de maneira mais dinâmica.
Contribuições da Neurociência para a gestão de pessoas
129
No momento em que foi produzido este trabalho, era notória a pre-
ocupação com o desenvolvimento do ser humano, que na Era do Conhe-
cimento passou a constituir uma imposição, uma vez que o investimento
no capital humano é considerado atualmente o suporte fundamental de
uma organização.
A Neurociência está se configurando, neste início de século XXI,
como mais um caminho viável para a investigação do comportamento
humano nas Ciências Sociais Aplicadas. Os cientistas e formadores de
opinião precisam ter clara a importância do diálogo genuíno com a socie-
dade sobre o que fazem e pensam os seres humanos, sabedores que tal
atitude é determinantemente crítica para a promoção de uma sociedade
justa e participativa. O progresso advindo das contribuições da Neuroci-
ência trouxe desafios éticos, legais e sociais, principalmente pela possi-
bilidade da aplicação dessas tecnologias tornar possível o acesso ao pen-
samento, quando se deve manter o respeito à privacidade e confidencia-
lidade do ser humano (Kipper, 2011:397-409).
ANeuroética surge como uma nova especialidade que leva ao estu-
do das implicações éticas de intervenções sobre o cérebro: os presentes e
futuros desafios a monitorar, mapear, estimular ou alterar as funções ce-
rebrais por meio de imagens radiológicas, fármacos ou técnicas neuroci-
rúrgicas avançadas, que modificam a cognição, humor, afetividade e, até
mesmo, invadem a privacidade dos pensamentos do ser humano – como
os modernos detectores de mentira empregados em assuntos forenses ou
em grupos antiterroristas (Marino Júnior, 2010:117).
Torna-se urgente considerar a necessidade de se desenhar um mo-
delo normativo e institucional que, num futuro próximo, trate não so-
mente de viabilizar o acesso de todos, por igual, a benefícios provenien-
tes da revolução neurocientífica, como, especialmente, evitar que alguns
(ou muitos) possam ser prejudicados por um particular uso e aplicação
desses novos avanços (Fernandez & Fernandez, 2008:72).
Referências
CARVALHO, Seilla & HENNEMANN, Ana Lúcia. 2012. Memória e Aprendi-
zagem. 26 set. Disponível em http://neuropsicopedagogianasaladeau-
la.blogspot.com.br /2012/09/memoria-e-aprendizagem.html. Acesso em
13.10.2014.
Alva Benfica da Silva e Iris Barbosa Goulart
130
Opción, Año 31, No. Especial 1 (2015): 113 - 133
CHOPRA, Deepak & TANZI, Rudolph E. 2013.
Supercérebro: como expan-
dir o poder transformador da sua mente.
Tradução de Bianca Albert,
Eliana Rocha, Rosane Albert. Alaúde Editorial. São Paulo (Brasil).
DAMÁSIO, Antônio. 2004.
Em busca de Espinosa
. Companhia das Letras.
São Paulo (Brasil).
DAVIDSON, Richard J. 2013.
O estilo emocional do cérebro
. Tradução de
Diego Alfaro. Sextante. Rio de Janeiro (Brasil).
DAVIS, M.; ESHELMAN, E. R. & MIKARY, M. 1996.
Manual de relaxa-
mento e redução do stress.
Summus. São Paulo (Brasil).
DE MASI, Domenico. 2000.
O ócio criativo.
Tradução Lea Manzi. Rio de Ja-
neiro: Sextante. 232 p.
DE ROSE. 1995.
O Mestre e sua obra.
União Nacional de Yoga-Primeira Uni-
versidade de Yoga do Brasil. São Paulo (Brasil).
EAGLEMAN, David. 2012
.
Incógnito - As Vidas Secretas do Cérebro. Tra-
dução de Ryta Vinagre. Ed. Rocco. Rio de Janeiro (Brasil).
FERNANDEZ, Atahualpa & FERNANDEZ, Marly. 2008.
Neuroética, Direi-
to e Neurociência.
Juruá. Curitiba (Brasil).
FRANÇA, Ana Cristina Limongi & RODRIGUES, Avelino Luiz. 2011.
Stress
e trabalho: uma abordagem psicossomática
. Atlas. pp 29-55, 159-177.
São Paulo (Brasil).
GASCHLER, K. 2009. A descoberta do outro.
Revista Mente e Cérebro,
194: 46-51. São Paulo (Brasil).
GOLEMAN, Daniel. 1997.
A Mente Meditativa.
Editora Ática. São Paulo
(Brasil).
GOLEMAN, Daniel. 2006.
Inteligência Social: o poder das relações huma-
nas.
Elieser. Rio de Janeiro (Brasil).
GOLEMAN, Daniel. 2013.
Não temos tempo para refletir
. Entrevista para re-
vista Exame em 30 mar. Disponível em http://exame.abril.com.br/revis-
ta-exame/edicoes/1056/noticias/nao-temos-tempo-para-refletir. Acesso
em 24.03.2014.
GOLEMAN, Daniel. 2014.
Foco: a atenção e seu papel fundamental para o
sucesso
. Tradução Cássia Zanon. Objetiva. Rio de Janeiro (Brasil).
GOULART, Iris Barbosa. 2013.
Estudos exploratórios em psicologia organi-
zacional e do trabalho.
In: GOULART, Iris Barbosa (organizadora) Psi-
cologia organizacional e do trabalho: teoria, pesquisa e temas correlatos.
Casa do Psicólogo. pp. 159-183. São Paulo (Brasil).
GUYTON, Arthur Clifton & HALL, John E. 2002.
Tratado de Fisiologia Mé-
dica.
Editora Guanabara Koogan SA. Rio de Janeiro (Brasil).
Contribuições da Neurociência para a gestão de pessoas
131
HAMEL, Gary. 2010.
Gestão na era da criatividade
. HSM Management 79,
mar./ abr. Entrevista concedida a Chris Stanley. Disponível em hsmma-
nagement.com.br. Acesso em 30.05.2014.
HERCULANO-HOUZEL, Suzana. 2007.
Fique de bem com seu cérebro:
Guia prático para o bem-estar em 15 passos.
Sextante. Rio de Janeiro
(Brasil).
HERCULANO-HOUZEL, Suzana. 2009.
Neuroliderança. Folha de São
Paulo equilíbrio, set. Disponível em
fsp/equilibrio/eq0309200907.htm. Acesso em 10.09.2014.
KANDEL, Eric R.; SCHWARTZ, James H. & JESSEL, Thomas M. 1997.
Fun-
damentos da Neurociência e do Comportamento.
Tradução: Charles
Alfred Esbérard e Mira de Casrilevitz Engelhardt. Editora Prentice Hall
do Brasil Ltda. Rio de Janeiro (Brasil).
KAHNEMAN, Daniel. 2012
. Rápido e devagar: duas formas de pensar.
Tra-
dutor Cássio de Arantes Leite. Editora Objetiva. Rio de Janeiro (Brasil).
KIPPER, Délio José. 2011.
Neuroética: uma disciplina em construção
.Re-
vista bioética, Vol. 19. Nº 2: 397–420. Brasília (Brasil).
KOLB, Bryan & WHISHAW, Iván Q. 2002.
Neurociência do Comportamen-
to
. Brasileira. Editora Manole. São Paulo (Brasil).
LAPIERRE, A. 1982.
A reeducação física.
Manole. São Paulo (Brasil).
LENT, Roberto. 2010.
Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais
de Neurociência
. Editora Atheneu. São Paulo (Brasil).
LOUREIRO, Roberto de Oliveira. 2013.
Ócio Criativo: reflexão sobre um
novo modelo de gestão.
Faculdade de Administração FAAP-Revista Es-
tratégia, pp 75-85. São Paulo (Brasil).
LOWENSTEIN, George; CAMERER, Colin & PRELEC, Drazen. 2008.
Aau-
rora da neuroeconomia
. HSN Management, Vol. 12. Nº 67. São Paulo
(Brasil).
MARINO JÚNIOR, Raul. 2010.
Neuroética: o cérebro como órgão da ética e
da moral
. Revista Bioética, Vol. 18. Nº 1: 109–120. Brasília (Brasil).
MASCARO, Leonardo. 2008.
Arquitetura do eu
. Elsevier. Rio de Janeiro
(Brasil).
MARQUES, Miriam & MENNA-BARRETO, Luiz S. 2003.
Cronobiologia:
princípios e aplicações.
Editora da Universidade de São Paulo. São Pau-
lo (Brasil).
MUOTRI, Alysson. 2008.
Quer ter uma idéia genial? Relaxe, diz neurociên-
cia - O pulso gama e… Ahá!!!!!.
10 out.
. Disponível em http://g1.glo-
bo.com/platb/espiral/2008/10/10/o-pulso-gama-e-aha/.
Acesso
em
14.10.2014.
Alva Benfica da Silva e Iris Barbosa Goulart
132
Opción, Año 31, No. Especial 1 (2015): 113 - 133
NOGUEIRA, Quéfren Weld Cardozo. 2009.
Descartes, ócio e os fundamen-
tos de uma ciência admirável.
Licere, Vol. 12. Nº 3. Belo Horizonte
(Brasil).
ORTEGA, Francisco & VIDAL, Fernando. 2007.
Mapeamento do sujeito ce-
rebral na cultura contemporânea. RECIIS –
R. Eletr. de Com. Inf.
Inov. Saúde, Vol. 1. Nº 2: 257-261. Rio de Janeiro (Brasil).
PEREIRA, D. S.; TUFIK, S. & PEDRAZZOLI, M. 2009.
Moléculas que mar-
cam o tempo: implicações para os fenótipos circadianos
.
Rev. Bras.
Psiquiatria,
Vol.31. Nº 1: 63-7. São Paulo (Brasil).
RIBEIRO, Sidarta. 2013.
Tempo de cérebro.
Estudos avançados. Vol. 27. Nº
77. (Brasil).
ROMANTINI, Juliana. 2013.
Potencializar sua criatividade .
..
23 maio. Dis-
ponível em http://julianaromantini.com/2013/05/uncategorized/poten-
cialize-sua-criatividade/. Acesso em 10.10.2014.
ROSE, Steven. 2006.
O Cérebro do Século XXI – como entender, manipular
e desenvolver a mente.
Globo. São Paulo (Brasil).
SANTOS, Guilherme Cunha dos. 2014.
Tempo livre e ócio criativo colabo-
ram para o bem-estar e maior produtividade.
Belo Horizonte: Jornal
Estado de Minas. Entrevista concedida a Lilian Monteiro. Disponível em
cia_saudeplena,148201/tempo-livre-e-ocio-criativo-colaboram-para-o-
bem-estar-e-maior-produtividade.shtml. Acesso em 10.04.2014.
SIQUEIRA-BATISTA, Rodrigo & ANTÔNIO, Vanderson Esperidião. 2008.
Neurociência da mente e do comportamento.
Disponível em http://
www.scielo.br/pdf/anp/v66n3b/a42v663b. Acesso em 13.10.2014.
VALENTINUZZI, Verónica. 2011.
Cronobiologia - os ritmos da vida.
Revis-
ta Educação, 21 nov. Entrevista concedida a Marcos Gomes. Disponível
da-vida-241624-1.asp. Acesso em 10.10.2014.
VECCHIO, Carlos A. 1963.
Relajacion.
Buenos Aires (Argentina).
WINOGRAD, Monah. 2010-2011
. O sujeito da neurociência.
Trab. Educ.
Saúde. Vol. 8. Nº 3: 521-535. Rio de Janeiro (Brasil).
ZALTMAN, Gerald. 2003.
Afinal, o que os clientes querem? O que os consu-
midores não contam e os concorrentes não sabem?
Elsevier. Rio de Ja-
neiro (Brasil).
ZENTELEIT, Andrea. 1968.
Relax ital
. Forum. Rio de Janeiro (Brasil).
ZIMMER, Carl. 2004.
A Fantástica istória do Cérebro.
Editora Campus.
Rio de Janeiro (Brasil).
Contribuições da Neurociência para a gestão de pessoas
133
logo_pie_uaemex.mx