Artículo en PDF
Como citar este artigo
Número completo
Mais artigos
Home da revista no Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
153
Passagens.
Revista Internacional de História Política e Cultura Jurídica,
Rio de Janeiro: vol. 2 no.4, maio-agosto 2010, p. 153-180.
ESPAÇO
PUBLIDIÁTICO
E HEGEMONIA IDEOLÓGICA
CONSTRUÇÃO NARRATIVA ATRAVESSADA PELO IMAGINÁRIO
ESPACIO PUBLIDIÁTICO
Y HEGEMONÍA IDEOLÓGICA: CONSTRUCCIÓN
NARRATIVA ATRAVESADA POR EL IMAGINARIO
PUBLIC AND MEDIA SPACE
AND IDEOLOGICAL HEGEMONY
A NARRATIVE CONSTRUCTION CROSSED BY THE IMAGINARY
ESPACE PUBLIMÉDIATIQUE
ET HÉGÉMONIE IDÉOLOGIQUE
CONSCTRUCTION NARRATIVE TRAVERSÉE PAR L´IMAGINAIRE
DOI:
10.5533/1984-2503-20102407
Wilson Couto Borges
RESUMO
Com
este
trabalho,
buscamos
apresentar
algumas
das
principais
reflexões
desenvolvidas em nossa tese de doutorado sobre a relação entre as narrativas
produzidas pelos meios de informação, o imaginário social e a ideologia. Para tanto,
partiremos de um caso concreto presente na mídia apontando suas conexões com
práticas distantes no tempo e no espaço, através da noção de inconsciente político
do
autor,
destacando
o
quanto
impressões,
emoções,
sensações,
sentidos
particulares são universalizados pelos “homens de imprensa”.
Palavras-chave: Ideologia, Imaginário, Jornalismo, Narrativa, Inconsciente Político.
RESUMEN
En
este
trabajo,
objetivamos
presentar
algunas
de
las
principales
reflexiones
desarrolladas
en
nuestra
tesis
doctoral
sobre
la
relación
entre
las
narrativas
producidas por los medios de información, el imaginario social y la ideología. Para
ello, partiremos de un caso concreto presente en la midia apuntando sus conexiones
con prácticas distantes en el tiempo y en el espacio, a través de la noción de
154
inconsciente político del autor, destacándose lo cuanto impresiones, sensaciones,
sentidos particulares son universalizados por los “hombres de la prensa”.
Palabras-clave: Ideología, imaginario, periodismo, narrativa, incosciente político.
ABSTRACT
This
work presents some
of
the
main
reflections, developed
in
our
doctoral
dissertation, on the relationship between the narratives produced by the means of
information, social imaginary and ideology. To do so, it resorts to a concrete case
present in the media. After pointing out its connections to practices distant in time
and space, through the notion of political unconscious of the author, it highlights to
what
extent particular impressions,
emotions, sensations
and meanings
are
universalized by the ‘men of the press’.
Key words: Ideology, imaginary, journalism, narrative, political unconscious.
RÉSUMÉ
Avec ce travail, nous prétendons présenter certaines des principales réflexions
développées dans notre thèse de doctorat concernant les rapports existants entre les
récits produits par les moyens d’information, l’imaginaire social et l’idéologie. À cet
effet, nous partirons d’un cas concret issu des médias pour signaler ses connexions
avec des pratiques éloignées dans le temps et dans l’espace, grâce à la notion
d’inconscient politique de l’auteur. Nous mettrons en outre l’accent sur la façon dont
des impressions, des émotions, des sensations et des significations particulières
sont universalisées par les « hommes de presse ».
Mots-clés : Idéologie, imaginaire, journalisme, récit, inconscient politique.
I
Nos dias 4 e 5 de março deste ano, tivemos a oportunidade de acompanhar
pelos meios de informação um episódio que, se não chamava a atenção pela notícia
em si, destacava-se pelo conjunto dos depoimentos que o cercavam. Tratou-se
daquilo que as fontes oficiais (dentre outras, a Secretaria Estadual de Segurança
Pública) classificaram como “surto psicótico” de um agente da Polícia Civil. De todas
as falas concorrentes, uma em especial vai nos interessar aqui: a de um repórter da
Rádio Tupi
, que acompanhou durante horas o desenrolar dos
acontecimentos
.
155
Antes, porém, vamos à sequência dos
fatos
. De acordo com a dinâmica
descrita pelos veículos, ao receber a escala de serviço, um policial foi à sala de seu
superior – o delegado responsável –, iniciando uma acalorada discussão, que
culminou com o agente sacando sua arma e ameaçando matar o titular de 39ª DP
(Pavuna). Ao presenciar aquela cena que poderia acabar de forma trágica, um
inspetor (apontado como um dos mais qualificados negociadores daquela instituição
policial) conseguiu retirar o titular da delegacia, permanecendo ele mesmo por
aproximadamente cinco horas ponderando com seu colega de profissão. Ao final,
para
alívio
dos
personagens
envolvidos,
o
protagonista
entregou
sua
arma,
rendendo-se em seguida.
Há uma longa discussão, que não convém ser aprofundada aqui, sobre o
papel
desempenhado pelos três principais meios de difusão da notícia: rádio, TV e
impresso. Mas, em linhas gerais, ao primeiro, pela facilidade na mobilidade, caberia
a função de trazer a notícia em primeira mão, afinal, para tanto, basta que um
repórter tenha um telefone celular e do local transmita os acontecimentos “em tempo
real” aos ouvintes; ao segundo, através da convergência entre imagem e som,
utilizar do poder que a imagem em movimento goza para produzir um estatuto de
verdade junto aos telespectadores, especialmente em função do prestígio que a
máxima “uma imagem vale mais que mil palavras” desfruta no imaginário social; ao
último,
sobretudo
por,
em
geral, circular
apenas
no
dia
seguinte
ao
fato,
contextualizar
um pouco mais a notícia para os leitores, isto porque como as
informações nos outros dois são muito sintéticas (o custo é medido por tempo) os
jornais impressos produzem a sensação de que a apuração foi muito além daqueles.
Isto posto, ficaremos com o conjunto das narrativas produzidas pela rádio (neste
caso, a
Tupi
) devido a imediatez da cobertura e pela proximidade com os ouvintes.
Durante a programação do chamado “Show do Apolinho” foram várias as
inserções que o repórter realizou para atualizar aos ouvintes sobre aquele conflito
que, em suas palavras, “
poderia acabar numa tragédia
”. Menos nos interessa o
episódio em si, seja numa dimensão sociológica seja humana, tampouco o estamos
valorando. Mas, ele se revela um interessante caso analítico na justa medida em
que se insere no antagonismo social brasileiro, não no embate entre chefe e
subordinado,
mas
revelado
através
da
oposição “pessoas de
bem”
versus
“criminoso”.
156
Expliquemos melhor: numa das participações do personagem que fazia a
cobertura daquele conflito, a apresentador do “Show” o interpela: “
mas, vem cá, se o
delegado já saiu e o problema do rapaz era com ele, por que essa situação continua
se arrastando?
” Resposta do repórter: “
Na verdade, o clima está tenso. O rapaz
continua armado e ameaçando atirar. O negociador está lá dentro, mas não pode
tomar a arma da mão dele
”. O apresentador o interrompe e pergunta: “
o cara estava
dizendo que iria matar o delegado, mas se ele não está mais lá, é só entrar e
prender o rapaz
”. O repórter retoma a fala e argumenta: “
infelizmente não é assim.
Trata-se de um trabalhador que deve ter algum problema psicológico. Os atiradores
de elite já estão até posicionados. A situação é bem tensa. Se fosse um marginal
ficava mais fácil, era só dar um tiro na cabeça e acabava a história
”. Pois bem, num
só golpe, o intrépido homem de imprensa atualizava não só nosso antagonismo
social, mas o fazia inclusive com relação à pena de morte para aqueles que, se não
são culpados legalmente, o são moralmente.
O que a passagem do parágrafo anterior guarda de singular é a amplificação
de uma determinada forma de pensar junto a uma audiência que, pelos números, é
de relativa expressão. Neste caso, nos vemos diante daquele movimento que
Jameson, White, Stallybrass, Cerqueira Filho, Zizek e nós enxergamos como a
manifestação do inconsciente político do autor. Isto é, a abordagem daquele
profissional do rádio estava atravessada, ainda que o próprio eventualmente não
tenha consciência disso, por um processo onde o imaginário social aparece numa
perspectiva conservadora e é construído na longa duração.
Na verdade, longe de representar um processo de mediação entre aquilo que
efetivamente
ocorreu
e
a
recepção,
nossa
proposta
teórica
trabalha
com
as
construções narrativas produzidas pelos veículos de comunicação no marco daquilo
que afirmamos ser um novo tipo de espaço público: o
espaço publidiático
. Isto é, se
em outros momentos da nossa história a imprensa era concebida como um dos
aparelhos privados da sociedade civil, contemporaneamente, na exata medida em
que produz um amálgama de vários discursos dentro dela, ela tende a se converter
num simulacro da sociedade civil, ou como preferimos no
espaço publidiático
. Sendo
nossa premissa pertinente, as informações trazidas pelo repórter da
Rádio Tupi
reificam no imaginário social a noção de que a execução de um “criminoso” é
legitima (ainda que seja ilegal).
157
Há aqui duas construções ideológicas que se tocam e se complementam –
além de se fossilizarem no tempo: a primeira é a de que o jornalista é um portador
da verdade, trabalho que realiza de maneira imparcial, neutra, objetiva, atualizando
alguns dos princípios celebrados pelo jornalismo norte-americano, que encontra na
imprensa brasileira um solo fértil para tal concepção, especialmente a partir dos
anos 1950-60; a segunda, a de que a imprensa é um poder mediador, mas que se
converte
fantasisticamente
num
poder
moderador,
que
é
capaz
de produzir
sentenças
sociais
à
medida
que
representa
os
interesses
da
sociedade.
Evidentemente, o ponto de partida dessas produções é a noção de que os meios de
informação refletem as demandas da sociedade. No entanto, queremos chamar a
atenção para um aspecto bastante singular e que se configura neste artigo como
linha para uma futura investigação. Trata-se da revisão da concepção da imprensa
como veículo de publicização encontrada em Habermas
1
, ainda que este autor
destaque as transformações sofridas pela atividade jornalística.
II
Dentro
da
abordagem
teórico-metodológica
que
estamos
propondo,
encontramos em Gilbert Keith Chesterton um interessante ponto de ancoragem.
Destacado escritor e crítico inglês, não podemos esquecer que Chesterton também
desempenhou a atividade jornalística – sendo apontado inclusive como um locutor
de rádio muito popular –, o que nos autoriza a tomar por empréstimo algumas de
suas
histórias
sobre
o
padre-detetive
Father
Brown
2
. Em
A
cabeleira
roxa
,
Chesterton
3
conta o episódio em que o Padre Brown investiga um dos mitos que
envolvem a aristocracia inglesa, neste caso o dos
Eyres de Exmoor
. Não trata-se
aqui de um mero detalhe o fato de o relato envolver a pauta, a apuração, a
elaboração da notícia, mas principalmente, a troca de correspondências entre o
1
Habermas, Jürgen (1984).
Mudança estrutural da esfera pública
, Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.
2
Ainda que não seja o objeto principal da nossa argumentação, é um dado bastante interessante e
revelador o fato de o protagonista das histórias de Chesterton ser Father Brown (Pai Brown). A opção
por Padre Brown (Priest Brown) pode guardar relação com a influência de São Tomás de Aquino,
cuja vida foi escrita pelo literato-jornalista inglês.
3
Chesterton, G. K. (2004). “A cabeleira roxa”. In: Braga, R. (Coord.).
Contos ingleses
, Rio de Janeiro:
Ediouro.
158
repórter que cobria o caso e o redator-chefe do
Daily Reformer
– periódico escolhido
pelo escritor para ser o pano de fundo do conto.
Na
construção
da
personagem
Edward
Nutt
(redator-chefe), assim
o
caracteriza Chesterton:
“o Sr. Nutt, bem como muitos que exercem funções de mando no
jornalismo, poder-se-ia dizer, realmente, que sua emoção mais habitual
fosse a de medo permanente: de processos de difamação, de perder
anunciantes, de erros tipográficos, do olho-da-rua”
4
.
Note-se que um dos pontos mais interessantes das atividades do Sr. Nutt é o
processo de revisão, com as constantes “substituições de palavras” como
“‘adultério’
por
‘mau
comportamento’
ou
‘judeu’
por
‘estrangeiro’”
5
,
“‘sobrenatural’
por
‘maravilhosos’, ‘
dar cabo
’, por ‘
reprimir
’”
6
ou ainda
“‘Deus’ por ‘circunstâncias’”
7
.
Por outro lado, o repórter Francis Finn era o responsável por abastecer o periódico
com história sobre “feitiçaria e assombrações”, isto é, aquilo que se presumia ser o
principal interesse do leitor do
Daily Reformer
. Atravessando a construção narrativa
de Chesterton, não menos significativa para nós é a presença da “autonomia do
repórter” para cobrir o episódio, o que nos permite inferir sobre a presença das
noções de imparcialidade, neutralidade, objetividade, no jornalismo inglês do século
XIX.
No processo de construção da história do jornalismo brasileiro encontram-se
duas poderosas influências ao longo desses 200 anos. Desde a vinda da Família
Real para o Brasil (1808) até o início dos anos 1920, a principal influência era a
francesa, com um tipo de jornalismo mais literário, romanceado, com narrativas onde
se privilegiava a riqueza de detalhes. A partir desse momento, gradativamente,
passaríamos a uma revisão desse modelo, especialmente em função da importação
de alguns parâmetros do jornalismo norte-americano, o que produzirá, a partir das
reformas
gráficas
e
editoriais
dos
anos
1950-60,
a
hegemonia
de
um
fazer
jornalístico assentado nas concepções de lide, de pirâmide invertida, bem como de
objetividade, neutralidade, imparcialidade. Note-se que, se entre em 1808 e 1821
fala-se da presença do jornalismo inglês, particularmente representado no
Correio
4
Ibidem, p. 293-294.
5
Ibidem, p. 294.
6
Ibidem, p. 296.
7
Ibidem, p. 308.
159
Braziliense
,
editado
em
Londres
por
Hipólito
da
Costa,
a
partir
da
nossa
independência
(1822), arrefece-se
a
necessidade
de
combater
aquele
jornal
considerado clandestino.
Na verdade, ainda que o “jornalismo inglês” tenha desaparecido dos debates
públicos, nos interrogamos se a mesma “erradicação” se produziu na prática e no
imaginário dos homens de imprensa. Paralelamente, um dos grandes colaboradores
de Chesterton no diário por ele editado (G.K.’s Weekly) foi Hebert Georg Wells.
Sabe-se que H. G. Wells representou uma importante influência no jornalismo norte-
americano, especialmente quando nos lembramos da reprodução de seu livro
Guerra dos mundos
narrado por Orson Wells e que levou aquela sociedade a um
pânico generalizado.
Novamente, podemos notar a influência do “jornalismo inglês” no tipo de
produção noticiosa elaborada na terra do Tio Sam. Seria factível pensarmos então
que, seja atravessando o Atlântico seja descendo as Américas, práticas jornalísticas
distantes no tempo e no espaço poderiam influenciar o tipo de imprensa que
atualmente temos no Brasil? Seria possível estabelecermos analogias entre o
Daily
Reformer
de Chesterton e os nossos diários reformados dos anos 1990? Seria ainda
possível enxergarmos tal conexão a partir do relato elaborado pelo repórter Finn,
que afirmava que sua descoberta jornalística e sua redação
“hão de se ler por toda a
Europa e, com certeza, por toda a América e todas as Colônias”
8
? Voltemos então
ao
A cabeleira roxa
.
Além da presença de uma narrativa que apelava às sensações (prática
corrente no jornalismo inclusive nos dias atuais),
“com subtítulos; e estes eram de
sabor mais picante”
9
, Chesterton nos permite perceber o quanto a necessidade de
se organizar os acontecimentos por ordem de importância (pirâmide invertida) já é
uma prática corrente no jornalismo inglês na passagem do século XIX para o XX,
como mostra em outra passagem descrita por Finn:
“sei que é de praxe entre os
jornalistas apresentar o fim de uma reportagem no começo da mesma, antecipação
a que denominam manchette”
10
. Não menos interessante é o recurso à sua
imaginação (do repórter Finn) para dar conta da montagem dos estereótipos dos
personagens de sua investigação: um padreco (o Padre Brown), um fidalgo (um
8
Ibidem, p. 303.
9
Ibidem, p. 296.
10
Ibidem.
160
Eyres). No entanto, a validade de suas impressões (poderíamos mesmo dizer, do
seu imaginário) se assenta no fato de arrogar-se:
“Repórter calejado que sou, não me foi preciso forçar muito o meu
descaramento para ir-me sentando logo junto à comprida mesa (.
..). O
homenzarrão de preto
tinha jeito
de ser pessoa muito instruída e versada
mormente nas antiguidades locais; o homenzinho, também de preto,
embora muito menos falador,
surpreendeu-me
com sua ainda mais vasta
cultura. De modo que nos entendemos e acomodamos muito bem”
11
.
Toda essa experiência do repórter Finn permite a ele antever que, no
contexto da sua apuração, das suas investigações,
“algumas das suas narrações
não são próprias para o jornal”
12
. Na verdade, previamente a “dinastia dos Eyres” já
era tratada como culpada de produzir os horrores materializados no personagem da
cabeleira roxa. Nesse sentido, nos sentimos autorizados a propor que implicitamente
outra analogia se faz presente, na exata medida em que, tanto lá quanto cá, os
antecipadamente culpados tendem a não verem reproduzidas nas páginas dos
periódicos suas demandas (suas narrações).
Evidentemente, Finn é apenas um primeiro “filtro” dos assuntos tratados pelo
Daily Reformer
. Ou seja, há nele uma construção imaginária do que deve (ou que
não deve), do que pode (ou do que não pode), do que interessa (ou do que não
interessa)
ao
diário,
pois
mesmo
apurando
e
confirmando
os
fatos
por ele
investigados, com consulta a fontes de informação –
“penso dever ao Dr. Mull a
justiça de declarar que as minhas duas investigações iniciais confirmam a sua
história”
13
– sentencia em sua correspondência à redação:
“Bom, digam vocês, aí no
jornal, o que quiserem de tudo isso; ou tirem-lhe o sentido que preferirem”
14
.
Evidentemente, as aproximações por nós propostas podem ser questionadas.
No entanto, nos parece plausível pensar na atuação do repórter e do diário na
perspectiva que aqui marcamos, isto é, na investigação do papel da imprensa como
poderoso
agente
político.
Mudou-se
o
conteúdo
da
construção – ontem,
na
Inglaterra,
o
combate
à
aristocracia;
hoje,
no
Brasil,
o
combate
às
“classes
perigosas” – sem que a forma sofresse profundas transformações. Quando o
11
Ibidem, p. 298.
12
Ibidem, p. 302.
13
Ibidem.
14
Ibidem.
161
redator-chefe do
Daily Reformer
escreve ao repórter dizendo:
“Sua reportagem
serve, mas tenho que incluir-lhe algumas manchettes; e nossos leitores jamais
tolerariam uma personagem padre católico”
15
, vemos aqui a presença da noção de
Contrato de Leitura
, proposta por Véron
16
e produzida a partir da construção teórica
de Chartier
17
sobre os
Protocolos de Leitura
18
.
Não
vamos
estabelecer
neste
artigo uma
profunda
discussão sobre
a
presença de analogias no plano do conteúdo. Porém, quando nos deparamos com
um relato (poderiam argumentar, simplesmente ficcional) como o que o repórter faz
nas linhas finais de sua correspondência à redação –
“Isto tudo me parece muito
caracteristicamente adequado a incidir sob a nossa campanha contra a nossa
aristocracia pelo que ela vale, e pelo que valerá ainda, enquanto Deus não nos
mandar melhor gente”
19
–, julgamos que estamos diante do mesmo processo
descrito por Sevcenko
20
sobre a primeira década do século XX, bem como o da
última década, descrita por nós
21
.
III
As conexões entre aquilo que descrevem Chesterton, Sevcenko e Borges são
particularmente importantes porque enxergamos nelas profundas semelhanças do
ponto de vista da presença de construções narrativas que apelam às emoções, aos
afetos, aos sentimentos, às sensações, imersas num processo mais amplo de
difusão da ideologia dominante. Com essa perspectiva, nossas premissas apontam
15
Ibidem.
16
Véron, Eliseo (1981).
A produção de sentido
, São Paulo: Cultrix.
17
Chartier, Roger (1996).
Práticas de leitura
, São Paulo: Estação Liberdade.
18
Para Chartier, os
Protocolos de Leitura
representam
“senhas, explicitas ou implícitas, que um autor
inscreve em sua obra a fim de produzir uma leitura correta dela, ou seja, aquela que estará de acordo
com sua intenção. Essas instruções, dirigidas claramente ou impostas inconscientemente ao leitor,
visam definir o que deve ser uma relação correta com o texto e impor seu sentido”
(Ibidem, p. 95).
Nossa opção em trabalhar com a noção de
Protocolos de Leitura
em detrimento da de
Contrato de
Leitura
se dá em função de o direcionamento não ser produzido sempre de forma consciente.
19
Chesterton, G. K. (2004). Op. Cit., p. 307.
20
Sevcenko, Nicolau (1989).
Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira
República
, São Paulo: Brasiliense.
21
Borges, Wilson Couto (2009).
Narrativas jornalísticas como produção material da cultura: a
presença do imaginário na construção ideológica em torno da criminalidade
, Niterói: Tese de
Doutorado em Comunicação, UFF.
162
para a centralidade do imaginário como uma instância que orienta a produção
cultural, evidenciando o processo pelo qual uma dada ideologia ganha o conjunto da
sociedade, mormente pelo papel desempenhado pelos meios de comunicação de
massa que, longe de simples difusores, tornam-se protagonistas na cristalização de
determinadas
representações
de
mundo. Com
esta
afirmação
não
queremos
recuperar uma tradição teórica que concebia os receptores (fossem eles leitores,
ouvintes ou telespectadores) como sujeitos passivos, que simplesmente consumiam
e reproduziam as informações massivas. Entretanto, cremos que também não
podemos negar que os
Protocolos de Leitura
representam uma porta aberta para
compreendermos como um determinado saber é compartilhado por uma dada
formação social.
Em nossa avaliação, os veículos de informação constroem, a partir de
determinados mecanismos de produção das narrativas, uma aproximação entre a
experiência humana e a contada nas páginas dos periódicos – ou seja, entre a
realidade e a ficcionalidade. Desse modo, é muito interessante observar como o
apelo às sensações e aos sentimentos tem sido uma importantíssima estratégia de
interlocução entre os meios e a sociedade, o que evidencia a permanência dessas
chaves-de-leitura (mais ou menos homogêneas) entre a narrativa jornalística e a sua
leitura – pelos menos no intervalo entre os séculos XIX e XXI, sem perdermos de
vista que tal narrativa se assenta sobre a verossimilhança.
Portanto, a narrativa jornalística é concebida para que o leitor empregue o
sentido sobre ela, sendo os protocolos responsáveis por fornecerem as chaves para
que tais sentidos sejam empregados de forma mais ou menos semelhantes. Assim,
a forma como o antagonismo social vem sendo absorvido (a partir de um jogo tenso
entre o que deve ser memorizado e o que deve ser esquecido) tem ainda produzido
seus efeitos na conformação da sociedade brasileira.
Como
nossa
reflexão
se
desenvolve no
sentido
de
apontar
que
o
antagonismo social, ou a luta de classes, como nomeou Marx, está presente não no
campo estrito da política, mas no da cultura – entendendo-o não só como arena de
disputas e conflitos, mas também como espaço de mediação e de hibridização, de
produção de sentidos e de significados – é fundamental que compreendamos que
essa busca por produzir sentidos revela em si mesmo uma disputa por produzir
memória, identidade e projetos. Com isso, o que buscamos apontar é o caráter
processual (sempre circular) da dinâmica cultural, não perdendo de vista o jogo
163
complexo que existe entre conter e resistir, entre negação e sedução entre os
grupos
sociais.
Na
verdade,
o
que
estamos
querendo
é
fugir
da
dicotomia
simplificadora entre cultura popular
versus
cultura erudita, o que acabaria implicando
num
reducionismo
que
inviabilizaria
a
identificação
das
ambiguidades,
as
contradições, mas igualmente as permanências presentes nesse processo.
Em Chartier
22
, por exemplo, observa-se que desde o século XVI os textos e
os livros eram
destinados a uma civilidade, ocupando
o impresso
um
papel
significativo na circulação dos modelos culturais. Porém, e sem que qualquer
anacronismo atravesse suas reflexões, o autor destaca que a apropriação dos
conteúdos dos escritos se dava por mecanismos outros que não somente a leitura
individualizada. Também não estamos menosprezando o fato de que uma parte
considerável dos impressos (talvez a maioria) era consumida pelos clérigos, nobres
ou letrados. O que nos interessa identificar são as formas como os leitores
populares se apropriavam deste tipo de literatura, como é o caso descrito pelo autor,
em que há a aproximação dos mercadores com a nobreza pelo fato de seus filhos
estudarem juntos
23
.
Ao abordar
os manuseios coletivos do impresso
, o historiador francês destaca
que uma das principais formas de mediação presente no período pré-moderno é a
leitura em voz alta que acontece em alguns lugares sociais, tais como oficina ou loja
de livros e assembleias religiosas, conferindo o caráter de aprendizagem coletiva
desse material. Das formas de apropriação descritas por Chartier, uma em particular
nos chama a atenção: os cartazes. Eles, mas principalmente os avulsos e os
pasquins, vão representar um importante instrumento de publicização dos conteúdos
impressos, publicização essa que vai desaguar nos jornais modernos.
Há outros dois pontos destacados por Chartier sobre práticas de leitura a que
vale a pena dar um pouco mais de atenção: o Pasquim e a Biblioteca Azul. Para
nós, a formação de
uma estratégia discursiva assentada no sensacionalismo
presente na contemporaneidade se alicerça, principalmente, sobre esses dois
pontos. No caso dos pasquins, é interessante destacarmos, primeiramente, a
padronização e a regularidade de suas tiragens, sem, é claro, desprezarmos o fato
de que as elites urbanas consumiam o seu conteúdo editorial. Apesar de o autor
22
Chartier, Roger (2004).
Leituras e leitores na França do Antigo Regime
, São Paulo: Ed. UNESP.
23
Situação análoga é a de Menocchio em
O queijo e os vermes
, onde Ginzburg mostra como o
moleiro se apropriava dos conteúdos discursivos que circulavam no Antigo Regime.
164
trabalhar com os primórdios da circulação e do consumo em larga escala de textos
impressos, a tentação de comparar com a grande imprensa brasileira é grande,
especialmente
em
função
dos
temas
imersos
nas “novidades” trazidas
pelos
periódicos. Como destaca o autor,
“entre as 517 edições de pasquins (.
..) seis motivos predominam: os crimes
e as execuções capitais (89 edições), as aparições celestes (86), os feitiços
e possessões diabólicas (62), os milagres (45), as inundações (37), e os
tremores de terra (32)”
24
.
É interessante observarmos que, em larga medida, já encontramos nos
pasquins a presença do sensacionalismo. Para nós, não é outra coisa o que o autor
quer dizer quando afirma que o pasquim
“alimenta as imaginações citadinas com narrativas em que o excesso, seja
ele o do desregramento moral seja o da desordem dos elementos, e o
sobrenatural,
miraculoso
ou
diabólico,
rompem
com
o
ordinário
do
cotidiano”
25
.
Ora, mas não é exatamente desse tipo de material que se alimenta o
Daily
Reformer
de Chesterton?
Nesse processo que buscamos evidenciar parece ter um papel muito especial
a Biblioteca
Azul.
Ela
é
fundamental
para o
desenvolvimento
das
modernas
estratégias
de
narrar
em
função
da
tradutibilidade
do
texto
literário
e
sua
massificação. Acompanhando essa massificação do texto literário, outro aspecto
bastante interessante é que
“desde seus inícios a Biblioteca Azul é, antes de tudo,
uma fórmula editorial suscetível de difundir textos de natureza muito diferentes”
26
.
Medicina,
astrologia,
livros
técnicos
eram
os
temas
do
período
pré-moderno;
economia, política, internacional, meio ambiente, são os contemporâneos. Tal como
acontece no século XXI, esse texto produzido em larga escala, para consumo
também em larga escala,
mantém o aspecto daqueles editados à
época
da
Biblioteca Azul.
No entanto, há características que marcam os jornais da grande imprensa,
que são o caráter individual das leituras, bem como a distinção em possuí-lo e lê-lo.
24
Chartier, Roger (2004).
Leituras e leitores na França do Antigo Regime
, Op. Cit., p. 115.
25
Ibidem.
26
Ibidem, p. 118.
165
Nesse sentido, o jogo entre produção-distribuição-consumo continua, tornando-se,
entretanto, o consumo um poderoso signo de distinção social. Como efeito, o que a
Biblioteca Azul introduz com sua estratégia editorial é um sistema de classificação
cultural dos produtos, de um lado; e um novo desenho das fronteiras culturais, de
outro. No entanto, será a partir de reconfigurações de matrizes da cultura popular na
modernidade que o desenho dessas fronteiras se tornará mais evidente, mormente
em função do dualismo razão/emoção produzido a partir desse momento histórico.
Ao bipolarizar a cultura a partir do dualismo cultura popular
versus
cultura
erudita ou alta cultura
versus
baixa cultura, o que o projeto iluminista negligenciou foi
o fato de que o popular é ao mesmo tempo o lugar do vulgo e da mediação. No
entanto, não podemos deixar de pensar em uma associação do sensacionalismo a
uma ideia de democracia, ao incluir o povo no processo de produção da cultura. Ao
forjar o dualismo razão/emoção, o projeto iluminista relegou ao segundo o espaço
dos excessos, dos sentimentos, das sensações. Mas, ao fazê-lo, conferiu às classes
populares um papel importante na dinâmica social. Não sem muito embate, o que as
classes altas possibilitaram foi o acesso do povo aos mesmos mecanismos que as
permitiam se estabelecer como classe dominante. Barbero
27
nos chama a atenção
para a presença de uma produção cultural que, sendo destinada ao vulgo, ao povo,
não era pura
ideologia
, já que não só abre às classes populares o acesso à cultura
hegemônica, mas confere a essas classes a possibilidade de fazer comunicável sua
memória e sua experiência.
A análise de Barbero é fundamental para a compreensão do jogo que se
estabelece a partir da modernidade. Se é ilusória a distinção entre alta e baixa
cultura, é necessário que se desenvolva uma série de estratégias de conformação
do que pertenceria a um campo ou ao outro. É nesse ambiente que o excesso e a
contenção emergiram como parâmetros de classificação entre os níveis de cultura.
Esse é o contexto em que se associa o melodrama, sobretudo em função do seu
caráter excessivo e da sua relação com o carnavalizado, a um gosto estritamente
popular.
27
Martín-Barbero, Jesús (2001).
Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia
, Rio
de Janeiro: Editora UFRJ.
166
Vejamos algumas características fundamentais do melodrama tomadas a
partir de Barbero e de Baltar
28
: excesso; identificação/projeção (catarse); justiça;
dramatização;
música;
fatalismo;
esquematização
maniqueísta;
hibridização
de
gêneros;
emoticidade
(sensações),
em
oposição
à
razão;
estrutura
sintática/gramática própria; presença de mitos, arquétipos, estereótipos, oposição
público
versus
privado; pedagogia moral. O melodrama, pela forma teatral, pela
forma dramatúrgica que o compõe no século XIX, vai ser identificado como (a) o
espetáculo popular, representando um lugar de chegada de uma memória narrativa
e gestual e lugar de emergência de uma cena de massa. Nesse sentido, o
melodrama se configura como uma possibilidade concreta de construção de uma
memória, de um imaginário.
Já demonstramos em outra oportunidade
29
como o sensacionalismo foi um
importante catalisador do processo de circulação do impresso. Nesta ocasião,
gostaríamos de focar o conceito de inconsciente político nos termos trabalhados por
Fredric Jameson
30
. Sua proposta está associada à ideia de que o romance vai se
reconfigurar no século XIX, deixando de ser um gênero “autônomo” para se tornar
um gênero atravessado pelas questões de então. Neste autor, tal como acontece
com os que trabalhamos até aqui, a presença da circularidade das matrizes é um
traço constitutivo do romance moderno. Isso, de alguma forma, coloca Jameson no
centro
das
questões que
nos
interessam
frontalmente. Nele também
vamos
encontrar a ideia de que, apesar das possibilidades que o “novo” romance oferece, é
necessário que as leituras sejam
feitas dentro
de um universo
minimamente
compartilhado pelos leitores. Para o autor,
“ele [o romance] não se limita a solicitar
do leitor que reconstrua essa casa e paisagem por meio de um olhar interior, mas
que as reinvente como uma
Idéia
e como desejo do seu coração”
31
. Como é o leitor
quem valora, quem atribui desejo e sentido à obra, novamente a
noção
de
Protocolos de Leitura se revela uma importante chave na compreensão de por que
os leitores, a despeito de serem diferentes uns dos outros, respondem a esses
estímulos de forma ou menos parecida.
28
Baltar,
Mariana
(2006).
“Moral
deslizante.
Releituras
da
matriz
melodramática
em
três
movimentos”. Texto apresentado na
XV COMPÓS
, Bauru (SP).
29
Borges, Wilson Couto (2009).
Narrativas jornalísticas como produção material da cultura: a
presença do imaginário na construção ideológica em torno da criminalidade
, Op. Cit.
30
Jameson, Fredric (1992).
O inconsciente político: a narrativa como ato socialmente simbólico
, São
Paulo: Ática.
31
Ibidem, p. 159. Grifo nosso.
167
Uma das possibilidades apresentadas no trabalho de Jameson é que, a partir
da formação de um inconsciente político, é possível aos produtores das obras
literárias forjarem um discurso mais ou menos semelhante sobre a dinâmica social.
Compartilhando dessa perspectiva, nossa investigação tem se desenvolvido no
sentido de apontar que essa mesma formação que interfere na produção se espraia
para o conjunto da sociedade reconfigurando essa dinâmica. Colocado em outros
termos, o que estamos propondo é que, ao universalizar elementos que são em
alguma
medida
particulares
aos
produtores
culturais,
os
leitores
“emprestam”
sentido a algo que é particular, mas que recebe o caráter de universal.
Assim, ao explorarmos as pistas oferecidas por Jameson – para quem o
poeta reproduz seus anseios, seus desejos, a partir da formação de um inconsciente
político – gostaríamos de destacar que, num jogo dialético, essa
re
configuração do
mundo feito pelo produtor volta para o mundo num processo dinâmico e contínuo.
Portanto, nossa proposta é que o inconsciente político compõe não só o corolário
que fornece elementos para a produção textual, mas também é aquele que é
responsável por uma atribuição de sentidos de forma mais ou menos parecida por
um universo de leitores bastante heterogêneo a partir da formação de um imaginário
social
32
.
Uma segunda pista é quanto ao caráter exclusivo desse jogo que se dá no
campo estrito da produção literária. Já vimos o quanto a produção discursiva dos
periódicos responde, inicialmente, a um alargamento da produção textual e à sua
consequente popularização. Uma vez que o jornalista também narra o mundo,
conferindo sentidos a ele, nos parece crível pensar na possibilidade de que os
“homens de imprensa” também universalizaram, através de estratégias narrativas,
sentidos, sensações, emoções que são particulares.
Como extensão das duas primeiras, uma terceira pista diz respeito à relação
entre os processos de expansão do mercado editorial e o de civilização. Para nós,
eles caminharam
vis à vis
com a
distribuição
do ideário iluminista. Evidentemente,
não
estamos
afirmando
que
o
mercado
editorial
se
expandiu
por
conta
do
Iluminismo,
tampouco
que
este
concebeu
um
processo
civilizatório onde
a
32
Estamos optando por trabalhar inicialmente com o conceito de
imaginário social
por entender que,
em
si,
ele
compreende
tanto
o
aspecto
racional
quanto
o
emocional
dos
atores
sociais.
Evidentemente, é a contribuição jamesiana que abre essa perspectiva, uma vez que traz para o
debate contemporâneo a possibilidade de as emoções (entendidas por ele a partir do conceito de
inconsciente político) atravessarem a atividade produtora de um autor mesmo dentro da racionalidade
burguesa.
168
impressão fosse essencial. Na verdade, há um fluxo do imaginário que precede a
Idade das Luzes
e a sucede. Mas, igualmente, não há como negar que esses dois
fatores foram importantes para a expansão dos valores burgueses a partir do século
XVIII.
Porém, admitindo a presença desse projeto político iluminista, cuja separação
entre razão/emoção era (e cremos que continua sendo) fundamental, avaliamos que
na contemporaneidade essas características aparecem misturadas, uma vez que
são constitutivas dos agentes sociais. É assim que os jornais se revelam espaços
privilegiados para percebermos como essa relação entre razão e sensação aparece
através das pistas, das marcas, dos sintomas revelados em suas páginas.
IV
Uma das questões mais centrais de nossas investigações diz respeito ao
quanto a formação de um imaginário interfere decisivamente na forma como os
indivíduos,
na
contemporaneidade,
se
apropriam daquilo
que
ouvem, leem
e
assistem conferindo-lhe sentido. Isso porque partimos da premissa de que uma
quantidade significativa de narrativas – nos interessam em particular as midiáticas –
são produzidas a partir de um conjunto de referenciais que tem como marco
fundador a passagem do Império à República no Brasil, iluminando o que deve ser
lembrado e buscando obstaculizar o que deve ser esquecido.
Na verdade, não negligenciamos o fato de que se um determinado projeto é
colocado em marcha naquele momento histórico ele não é isento de disputas. No
entanto, se há ruptura, o que mais evidencia a presença de um projeto burguês-
conservador é a continuidade de boa parte dos processos que ali foram gestados.
Esse é o sentido de argumentarmos que há uma íntima relação entre os protocolos
de leitura associados a tal projeto (com suas devidas atualizações históricas) e que
os mesmos influenciam decisivamente na forma como os sujeitos conferem sentido
ao antagonismo social.
Em nossa avaliação, há uma estreita relação entre as narrativas dos meios de
informação, especialmente pelo apelo que fazem às emoções, aos sentimentos, às
sensações, e a construção do imaginário dos indivíduos. A aproximação entre as
narrativas jornalísticas e a construção do imaginário se dá justamente em função da
169
expansão dos romances de sensação ter acontecido preponderantemente através
dos jornalistas, grandes precursores da presença de tais romances nas páginas dos
periódicos. Assim, a despeito de ser o leitor quem valora uma leitura, dando sentido
a ela, com o romance de sensações espera-se que o conjunto de leitores de uma
dada formação social responda aos estímulos produzidos por eles de forma mais ou
menos homogênea. Ou seja, podemos perceber o discurso produzido pela mídia a
partir de um duplo movimento: de um lado, a presença do verossímil; por outro, um
regramento (imaginação regrada) investido no imaginário. Nessa perspectiva, os
atores sociais tendem a compreender a realidade – na verdade, uma mistura entre o
real e o ficcional
33
– de forma mais ou menos semelhante em função de um conjunto
de convenções que são interiorizadas em seu imaginário.
Nesse
processo,
é
preciso
dar destaque à
memória
e
igualmente
ao
esquecimento como instâncias antitéticas e dialéticas no processo de produção da
realidade. Evidentemente, a memória só existe enquanto categoria discursiva,
enquanto narrativa, o que traz Ricoeur para o centro desse debate. Mas, a presença
do filósofo francês aqui se faz necessária sobretudo em função de sua noção de que
a narrativa se revela na tessitura da intriga, uma atividade produtora que se realiza
dentro de certas regras culturais. Com essa abordagem, abre-se caminho para a
interpretação da ação humana a partir da leitura/compreensão que o significar
humano produz, dentro de uma relação dialética e viva entre a prefiguração do
mundo (ou
mimese
I); sua configuração (
mimese
II) e a reconfiguração (
mimese
III),
ressaltando que é através da
mimese
II que a mediação entre a apropriação do
mundo e a sua reconfiguração acontece.
Da
tríplice mimese
ricoeuriana, iniciemos com a
mimese
I. Para Ricoeur,
“a narrativa não se limita a fazer uso de nossa familiaridade com a trama
conceitual da ação. Acrescenta a esta os traços discursivos que a distingue
de uma simples sequência de frases de ação”
34
.
É bem verdade que tais traços discursivos são reveladores de um jogo
dialético entre aquilo que assumimos que seja a verdade (ainda que ela seja
verossímil) e o que pretendemos empreender no mundo. Esse, afinal, é o círculo
33
Para Ricoeur, como os relatos com pretensão de verdade e os relatos ficcionais se embaralham,
não apresentando fronteiras fixas, haveria uma unidade ficcional entre modos e gêneros narrativos: o
tempo. Cf. Ricouer, Paul (1994).
Tempo e Narrativa
, Campinas: Papirus, Vol. 1.
34
Ibidem, p. 90.
170
hermenêutico de que fala o autor, onde a conexão dupla entre regras de tessitura da
intriga e termos de ação constitui uma relação de pressuposição e uma de
transformação. No entanto, tais narrativas são elaboradas dentro de um conjunto de
regras, de convenções, que estabelecem alguns limites à atividade de tecer intrigas.
Ou seja, se por um lado temos uma atividade altamente produtora/criativa, por outro
temos um controle (uma regulação) dos mecanismos que, em larga medida,
condicionam tal atividade.
Em
nossa
análise,
os
meios
de
comunicação
de
massa
têm
sido
amplificadores deste regramento na medida em que cristalizam determinado uso
social da língua, dando forma à ideologia dominante. Ainda que a proposta do autor
seja evidenciar o caráter ativo da elaboração da obra no mundo, de um fazer que dê
unidade entre a prefiguração e a refiguração, através da configuração (mediação),
temos trabalhado com a perspectiva de a regulação/normatização dos códigos
culturais servirem à reificação do
status quo
na justa medida em que limitam as
alternativas (principalmente se levarmos em conta a interferência dos meios de
comunicação na dinâmica social) de respostas dos indivíduos. O principal esforço
das nossas elites (classes dirigentes do projeto civilizador brasileiro) tem sido no
sentido de naturalizar os códigos culturais. Se consideramos que os meios de
informação têm tido a primazia desse processo, não podemos negligenciar o fato de
que se trata de um processo um pouco mais antigo, que pode ser remontado à
Idade
Média, como
propõe
Ricoeur,
destacando
a
pertinência
do
conceito
bakhtiniano de circularidade.
Note-se
que,
na
dinâmica
acima
descrita, os
meios
de
comunicação
assumem a centralidade na constituição do sistema de ideias dominantes que têm
orientado as ações humanas, evidenciando o que é socialmente importante – que,
portanto, deve estar presente na pauta de debates públicos oferecidos pelas
narrativas jornalísticas – naquilo que acontece cotidianamente em nossa sociedade.
Nessa
perspectiva,
ganha
relevância
o
processo
de
produção de
um
imaginário social. Imaginário esse que serviria para
modelar
a recepção, por
exemplo, através de protocolos de leitura. Assim, o discurso midiático, a partir de
uma
construção
narrativa
onde
as
sensações,
emoções e sentimentos
são
apelados, valorando a vida e normatizando-a, encontra forte ressonância entre os
leitores, ouvintes ou telespectadores. Em nossa avaliação, é justamente na
mimese
II
(que possui a função de mediação) que acontece a aproximação com a construção
171
da identidade dos sujeitos sociais. Isso se torna possível à medida que o passado é
evocado e, por uma ação produtora, vai retornar ao mundo, refigurando-o. Assim, a
tessitura da intriga
seria o meio pelo qual o ser humano recebe as ressonâncias do
mundo, configura-as e produz leituras, que também retornaram ao mundo.
O papel da articulação da memória (e, consequentemente, do que deve ser
esquecido) nesse
jogo é
central.
Como
essa
memória
evocada
recebe
um
investimento dos projetos que a sociedade abraça, é interessante pensarmos o
quanto as respostas (ou atos de configuração) são mais ou menos semelhantes do
ponto de vista da ação individual. Evidentemente, não estamos buscando apontar
uma dicotomia simplificadora entre a ação e o regramento na construção dos nossos
argumentos.
Porém,
não
podemos
deixar
de
pensar
o
quanto
essas
ações
(produtoras,
individuais)
têm
recebido
um
investimento
de longa
duração
na
conformação de uma maneira mais ou menos análoga de agir. Por mais que o
sentido se complete na mediação que o homem realiza, não devemos descartar a
indução que os protocolos sociais exercem sobre o ato configurante. Se tomarmos
como referência a construção da ideia de ordem (e com ela a de desordem, com os
sujeitos “desviantes” sendo criminalizados) não é de se estranhar que toda a carga
repressiva contra os crimes narrados nas páginas dos jornais encontre eco na
sociedade.
Um dos efeitos mais perniciosos desse processo é o fato de as narrativas
produzidas pelos meios de comunicação (principalmente na chamada imprensa
informativa) receberem a chancela de verdadeiras, como se de fato não fossem
discursos produzidos a partir de interesses claramente ideológicos. Evidentemente,
tal articulação midiática está imersa num processo complexo onde o lembrar tem
tanto ou menos peso que o esquecer, com disputa pelos recursos utilizados para
que se rememore.
Como o foco do nosso interesse são os
media
, não podemos desprezar o tipo
de memória com o qual trabalham (o excepcional), tampouco o quanto transformam
seus
documentos
em
monumentos,
associado
ao
fato
de
se
investirem
de
autoridade para apontar e destacar o que deve e como deve ser lembrado. Ao
lembrarmos de algo no presente, não devemos perder de vista a necessidade de
esquecermos de outras tantas lembranças. No entanto, também não podemos
negligenciar o quanto a memória e o que deve ser esquecido se articulam com a
172
identidade. Identidade essa que é produzida a partir de um jogo dialético e
processual originado de situações, posições, interações.
Mas, deste jogo entre lembrar e esquecer, queremos nos deter sobre dois
pontos que nos parecem cruciais para a presente discussão. O primeiro é o
esquecimento
. Mais ainda, o esquecimento como ausência da coisa lembrada, que
permite representações. O segundo é a
imaginação regrada
, que representaria uma
suposta eliminação da consciência imaginante, permitindo certa cristalização da
“média” das imaginações.
Para tanto, gostaríamos de estabelecer uma aproximação entre Ricoeur e
Huyssen
35
a partir da tipologia proposta pelo primeiro para pensar os usos e abusos
da memória. As análises desses autores em torno do esquecimento manipulado
tornam-se bastante interessantes quando pensadas à luz, por exemplo, da Ditadura
brasileira ocorrida entre as décadas de 1960 e 1980. Mesmo depois de produzirem
toda sorte de cerceamento e repressão, os militares são convocados para solucionar
o problema do conflito urbano na cidade do Rio de Janeiro em pelo menos cinco
ocasiões
36
.
Podemos inferir que, no caso brasileiro, a anistia política representou não
somente o esquecimento das demandas sociais, representadas pelas
reformas de
base
que o presidente João Goulart ameaçava pôr em curso, mas também o
esquecimento das atrocidades cometidas durante o regime. Cremos que a ação do
Exército em 1992 revela esse duplo trabalho de memória (o lembrar e o esquecer).
Por um lado, temos o esquecimento
37
produzido a partir do apagamento de um
regime que trouxe profundas marcas no cenário nacional brasileiro; por outro, a
memória
38
,
fomentada
pela
cobertura
jornalística,
através
de
um
projeto
de
recuperação da imagem do Exército que passou por um ostracismo no interregno
35
Huyssen, Andréas (2005). “Resistência à memória: os usos e abusos do esquecimento público”. In:
Bragança, Aníbal e Moreira, Sônia Virginia (org.).
Comunicação, acontecimento e memória
, São
Paulo: Intercom.
36
RIO-92
,
Rio I
e
Rio II
,
Rio contra o crime
e, apesar da natureza distinta, o
Pan-Rio 2007
.
37
Podem-se observar em 1992 os três tipos de abuso de esquecimento proposto por Ricoeur. O
impedido, para quem sofreu diretamente com os excessos do regime militar; o manipulado, através
das
narrativas
produzidas
pela
imprensa;
o
convocado,
primeiro
com
a
própria
anistia
e
posteriormente com a ideologia que vem orientando a questão da segurança pública.
38
De forma análoga ao esquecimento, também os três tipos de memória são produzidos: a memória
impedida, quando se apaga (ou melhor, se tenta apagar) o que representou a ditadura; a manipulada,
novamente com o trabalho discursivo dos meios de informação; e a convocada, que se revela
sobretudo por uma assunção contemporânea de que a ação do Exército (ou das Forças de
Segurança) é mais eficaz que a das Polícias Civil e Militar do Rio de Janeiro.
173
entre o fim da ditadura e a primeira década de 1990. Os exemplos poderiam se
multiplicar. Mas, o que queremos ressaltar é o quanto a relação da memória e do
esquecimento mantém proximidade com a formação de um imaginário, que interfere
na maneira como os indivíduos conferem sentido às narrativas produzidas pelos
meios.
V
Nossa principal linha de investigação se desenvolve em torno da concepção
de
que
houve
um
deslocamento
da
luta
ideológica
para
o
campo
cultural,
especialmente em função da centralidade que os veículos de informação passam a
ter nos debates políticos contemporâneos. Isso porque, mais que meros difusores da
produção material da cultura, os
media
desempenham um papel preponderante no
antagonismo social sobre o qual a sociedade brasileira se construiu.
Ao realizarmos um mapeamento das construções narrativas da imprensa
39
,
pudemos perceber e apontar as relações existentes (no plano do discurso) entre
uma “criminalidade sempre crescente” e a necessidade de aumento da repressão,
(materializada na “intervenção das Forças Armadas”) no Rio de Janeiro. Com essa
perspectiva, buscamos evidenciar o deslocamento do conflito entre classes para
dentro do
espaço publidiático
, identificando os sinais que podem nos revelar que
este espaço se constitui como um lugar privilegiado para assistirmos àquilo que
Zizek definiu como
“presença da ideologia justamente no lugar onde se julga que ela
não esteja”
40
.
Ao trabalhamos com a premissa de a imprensa, a partir da veiculação de um
discurso próprio, interferir decisivamente no jogo de disputas entre as classes, é
porque
entendemos
que
a
produção
discursiva
gerada
por
ela acerca
do
antagonismo social produz, como um dos seus efeitos, a construção/reificação de
um imaginário social que orienta as ações engendradas por outros atores sociais. Se
voltarmos ao episódio com o qual abrimos este artigo, poderemos perceber o quanto
a construção narrativa gerada pelo repórter evidencia o fato de que medidas letais
contra
marginais
são aceitáveis. Ora, a palavra
marginais
, no sentido tomado por
39
Borges, Wilson Couto (2009).
Narrativas jornalísticas como produção material da cultura: a
presença do imaginário na construção ideológica em torno da criminalidade
, Op. Cit.
40
Zizek, Slavoj (1996).
Um Mapa da Ideologia
, Rio de Janeiro: Contraponto.
174
aquele ator e difundido
nas ondas do rádio
, acaba por abarcar tanto aqueles que
vivem à margem quanto na margem. Tomando por base a ideia de que as
informações jornalísticas
são,
em
larguíssima
medida,
assumidas
pelo
senso
comum, e que o sentido que aquela expressão assume fortalece o desrespeito aos
direitos humanos, fica muito evidenciado que os excessos produzidos contra os
considerados perigosos devem ser tolerados. Esse tipo de construção semântica
revela, dentre outros aspectos, o lugar de produção e enquadramento da memória
coletiva – sem que nos esqueçamos do esquecimento igualmente produzido – que
converte a imprensa, não naquele partido orgânico do qual Gramsci já abordou, mas
na
sociedade civil, na medida em que pasteuriza os discursos sociais dentro dela.
É
por
isso
que
faz
todo
o
sentido
pensar
a
imprensa
(não
aquela
habermasiana que iluminava a esfera pública, mas
como se
a própria esfera pública
fosse) como o “Poder Moderador” de que tratou Albuquerque
41
, entendendo-a em
sua
dimensão
política,
uma
dimensão
que
mascara
que
as
interpretações
produzidas pelos meios representam um lugar de interpretação da realidade, mas
não o único. Note-se que, antes das transformações por que passaram algumas
empresas jornalísticas (anos 1950-60) não havia distinção entre as chamadas
imprensa
informativa
e imprensa sensacionalista.
Isto
significa
dizer
que
a
adaptação da realidade brasileira aos parâmetros norte-americanos produziu a
noção
de
que se tratava
da
distinção
entre
um
jornalismo
independente,
principalmente de ligações políticas, e um outro que representava claramente
vinculações com interesses político-ideológicos. Mas, uma vez que se trata de
realidades distintas, com contextos culturais igualmente distintos, talvez faça mais
sentido pensar, concordando com o autor, que os homens da imprensa se atribuam
o papel de solucionar conflitos na nossa sociedade.
Ainda que Albuquerque destaque que o Poder Moderador fosse
“a solução
clássica, da Constituição de 1824, acrescentando aos três poderes originais um
quarto, o Poder Moderador, exercido pelo Imperador e encarregado de resolver
conflitos entre o Executivo e o Legislativo”
42
e que fosse uma estratégia criada
“sob
medida para os interesses de Pedro I, tal arranjo político demonstrou ter um
41
Albuquerque, Afonso de (2000). “Um outro ‘Quarto Poder’: imprensa e compromisso político no
Brasil”. In:
Contracampo: Revista do Mestrado em Comunicação, Imagem e Informação
, nº 4, p. 23-
57.
42
Ibidem, p. 29-30.
175
invejável fôlego, resistindo até a proclamação da República, em 1889”
43
– sendo
atribuído tal
poder
aos militares, posteriormente
44
–, inferimos se uma certa fantasia
mediadora (moderadora) já não atravessa as mentes dos homens de imprensa (que
em muitos dos casos eram também homens das letras).
Afinal, não nos parece fortuito o debate fomentado pelo plebiscito sobre o
sistema
de
governo
(1993)
trazer
a
“necessidade”
da
existência
“do
poder
moderador do rei”
45
, mesmo após 104 anos de República. A presença dessa
proposta, mesmo um século após o fim do Império, nos parece reveladora do quanto
a formação de um imaginário atua na ação humana. Menos fortuita ainda parece ser
a noção de perfeição subsumida na moderação evocada – a de um monarca –
caracterizada pela possibilidade de determinar, de maneira “isenta”, quais são as
melhores alternativas para a sociedade.
Quando apontamos a primazia da imprensa no processo de construção de
uma dada ordem social, destacando a presença do sensacionalismo e a importância
que a construção de um imaginário tem na forma como os sujeitos sociais se
apropriam das informações produzidas pelos meios, julgamos que nos aproximamos
de análises como as de Ginzburg, especialmente em função de sua afirmação de
que
“o mesmo paradigma indiciário usado para elaborar formas de controle
social (.
..) pode se converter num instrumento pra dissolver as névoas da
ideologia que obscurecem a estrutura social como a do capitalismo maduro
(...). Se a realidade é opaca, existem zonas privilegiadas – sinais, indícios –
que permitem decifrá-las”
46
.
Obviamente, o que a formulação da proposta do historiador italiano indica é
que a construção desse imaginário social se estabelece num processo que é de
longuíssima duração. Se olharmos para as construções narrativas produzidas pela
imprensa caindo naquela cilada de que se trata da descrição de fatos episódicos e
cotidianos, perderemos a dimensão do quanto o processo de construção da ordem
burguesa remete a momentos históricos não visíveis ao primeiro olhar.
43
Ibidem.
44
Albuquerque explica que às Forças Armadas foi associado o papel de um poder neutro, apolítico,
responsável pelo equilíbrio entre os três poderes e a ordem pública. Essa lógica foi rompida em 1964
quando a linha-dura dos militares tomou o poder, mantendo-se nele até o primeiro quinquênio dos
anos 1980.
45
Albuquerque, Afonso de (2000). Op. Cit., p. 29-30.
46
Ginzburg, Carlo (1989).
Mitos, Emblemas e Sinais
, São Paulo: Cia. das Letras, p. 177.
176
No
horizonte
das
nossas
observações
está a perspectiva
de
que
compromissos longevos que ainda atravessam o imaginário da formação social
brasileira na passagem do século XX ao XXI. Quando nos recordamos da “via
prussiana” de desenvolvimento da sociedade brasileira, como destacou Cerqueira
Filho,
podemos
perceber
o
quanto
ela
pode
ser
concebida
como
“metáfora/metonímia
para
um
complexo
de
afetos,
emoções
e
sentimentos
inconscientes (.
..) que obstaculizam a prática política liberal e democrática ainda
hoje no Brasil”
47
.
Ao fazer referência aos afetos e sentimentos inconscientes, o autor se
aproxima da investigação proposta por Barbero sobre a pesquisa na América Latina
nos anos 1990. No entanto, nos parece infrutífero olhar para o final do século XX
sem lançar os olhos para seu início, isto porque seria lá que poderíamos encontrar
alguns contornos daquilo que assistimos contemporaneamente, mormente no que
diz respeito aos meios de informação. Com esse olhar, torna-se muito pertinente a
incorporação
de Nicolau
Sevcenko no
desenvolvimento
da nossa
reflexão,
especialmente no que ele nos diz sobre o exercício intelectual como atitude política,
imerso na construção do regime republicano brasileiro. No entanto, queremos reter
deste autor aquilo que aparece em sua obra como um dado marginal.
Não nos parece um mero apêndice a presença de “campanhas na imprensa”
sobre o modelo de sociedade que se erigia no Brasil no início do século XX. Não
queremos
vilipendiar
as
contribuições
do
autor,
principalmente
porque
não
perdemos de vista que seu objeto de estudo era outro. Entretanto, a pouca
importância dada à imprensa em detrimento dos literatos obliterou um pouco,
acreditamos, o papel dos meios no processo de formação social brasileiro
48
. Isso
porque, se de fato os literatos tiveram um papel importante na construção dessa
ordem burguesa (e a proliferação dos romances de sensação é um indicativo disso),
(a) não foi através deles que se irradiava para o restante do país aquele conjunto de
47
Cerqueira Filho, Gisálio (2005).
Autoritarismo afetivo: a Prússia como sentimento
, São Paulo:
Escuta, p. 30.
48
Poderíamos até tentar entender que o período trabalhado pelo historiador não contava com os
jornais organizados como empresa jornalística, o que poderia sugerir que não contávamos com uma
classe organizada em termos profissionais, ou com o prestígio social, como os literatos. Mas, é
justamente por entender que a ação dos homens de imprensa já se fazia sentir com muita ênfase na
passagem do século XIX para o XX e que as décadas de 1930 e 1960 não
mudaram
substancialmente (ou seja, na forma) a estrutura narrativa dos
relatos do dia a dia
que optamos por
evidenciar que naquele momento histórico os marcos para a ação
moderadora
dos meios já
começavam a florescer.
177
transformações – não podemos esquecer, tampouco o faz o autor, do contingente
bastante significativo de iletrados espalhados (aproximadamente 86% da população)
não só no Distrito Federal, mas por todo o território nacional – e (b) era na imprensa
que referidas campanhas ganhavam a sociedade – o que muito provavelmente era
corroborado pelo fato de as técnicas de oralidade permitirem uma circularidade
muito maior do que a escrita
49
.
Temos a exata noção de que a imprensa não julga (do ponto de vista legal) os
comportamentos
desviantes
na nossa sociedade. Antes, porém, não é menos
verdade
que
ela
julgue
moralmente,
antecipando,
em
muitíssimos
casos,
a
condenação
pública
daqueles
que
divergem
dos
modelos
hegemonicamente
celebrados – como, por exemplo, legitimando o extermínio dos “marginais”. Assim,
nos
interrogamos:
na
contemporaneidade,
quando
se
elimina
dos
debates
publidiáticos
as alternativas para a politização da “questão social”, não se está
simultaneamente produzindo a inscrição de que não há alternativas? Ou, propondo
em outros termos, quando se dá voz a determinadas construções, deixando de fora
as que a essas se opõem, não se estaria concomitantemente produzindo o que deve
(e o que não vai) ser celebrado? É por isso que o estudo das narrativas jornalísticas
é central, porque ao interferir na produção material da cultura, eliminando de suas
páginas as tensões que atravessam qualquer modelagem social, o que os meios
fomentam
é
a
formação
de
mentalidades
(ou
de
imaginações)
acerca
do
antagonismo social. Nesse sentido, o que as informações noticiosas produzem é
uma espécie de soberania sobre as imaginações ou, mais especificamente, uma
hegemonia ideológica atravessada pela questão do imaginário.
Referências Bibliográficas
Albuquerque, Afonso de (2000). “Um outro ‘Quarto Poder’: imprensa e compromisso
político no Brasil”. In:
Contracampo: Revista do Mestrado em Comunicação, Imagem
e Informação
, nº 4, p. 23-57.
49
O próprio Sevcenko destaca que as tiragens dos jornais excediam em mais de mil por cento às dos
livros e que os que liam nas capitais limitavam-se aos jornais. Ainda que admita que os números não
refletiam a quantidade de leitores, nos parece um indício bastante evidente de que, se havia difusão
das ideias, ela era fomentada pelos periódicos e não pela literatura. Para mais detalhes ver
Sevcenko, Nicolau (1989).
Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira
República
, Op. Cit. ou ainda Barbosa, Marialva (2007).
História Cultural da Imprensa: Brasil, 1900-
2000
, Rio de Janeiro: Mauad X.
178
Baltar, Mariana (2006). “Moral deslizante. Releituras da matriz melodramática em
três movimentos”. Texto apresentado na
XV COMPÓS
, Bauru (SP).
Barbosa, Marialva (2007).
História Cultural da Imprensa: Brasil, 1900-2000
, Rio de
Janeiro: Mauad X.
Barbosa, Marialva e Enne, Ana Lucia S (2006). “O jornalismo popular, a construção
narrativa
e
o
fluxo
do
sensacional”.
Artigo
apresentado
na
LUSOCOM/2006
,
Santiago de Compostela/Espanha.
Borges, Wilson Couto (2009).
Narrativas jornalísticas como produção material da
cultura:
a
presença
do
imaginário
na
construção
ideológica
em
torno
da
criminalidade
, Niterói: Tese de Doutorado em Comunicação, UFF.
__________ (2006).
Criminalidade no Rio de Janeiro: a imprensa e a (in)formação
da realidade
. Rio de Janeiro: Revan.
Carvalho, José Murilo (1990).
A formação das almas: o imaginário da República no
Brasil
, São Paulo: Cia. das Letras.
Castoriadis, Cornélius (1987).
A instituição imaginária da sociedade
, Rio de Janeiro:
Paz e Terra.
Cerqueira Filho, Gisálio (2005).
Autoritarismo afetivo: a Prússia como sentimento
,
São Paulo: Escuta.
Chartier, Roger (2004).
Leituras e leitores na França do Antigo Regime
, São Paulo:
Ed. UNESP.
__________ (1996).
Práticas de leitura
, São Paulo: Estação Liberdade.
Chesterton, G. K. (2004). “A cabeleira roxa”. In: Braga, R. (Coord.).
Contos ingleses
,
Rio de Janeiro: Ediouro.
179
Ginzburg, Carlo (2002).
História noturna. Decifrando o Sabá
, São Paulo: Cia. das
Letras.
__________ Ginzburg, Carlo (1989).
Mitos, Emblemas e Sinais
, São Paulo: Cia. das
Letras.
Habermas, Jürgen (1984).
Mudança estrutural da esfera pública
, Rio de Janeiro:
Tempo Brasileiro.
Huyssen,
Andréas
(2005).
“Resistência
à
memória:
os
usos
e
abusos
do
esquecimento
público”.
In:
Bragança,
Aníbal
e
Moreira,
Sônia
Virginia
(org.).
Comunicação, acontecimento e memória
, São Paulo: Intercom.
Jameson, Fredric (1992).
O inconsciente político: a narrativa como ato socialmente
simbólico
, São Paulo: Ática.
Martín-Barbero, Jesús (2004).
Ofício do Cartógrafo
, São Paulo: Loyola.
__________ (2001).
Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia
,
Rio de Janeiro: Editora UFRJ.
Ricouer, Paul (2003).
La memoria, La historia, El olvido
, Madri: Trotta.
__________ (1994).
Tempo e Narrativa
, Campinas: Papirus, Vol. 1.
Sevcenko, Nicolau. (1998) (org.).
História da vida privada no Brasil, vol. 3 –
República: da Belle Époque à era do rádio
, São Paulo: Cia. das Letras.
__________ (1989).
Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na
Primeira República
, São Paulo: Brasiliense.
Véron, Eliseo (1981).
A produção de sentido
, São Paulo: Cultrix.
180
Zizek, Slavoj (1996).
Um Mapa da Ideologia
, Rio de Janeiro: Contraponto.
logo_pie_uaemex.mx