Artículo en PDF
Como citar este artigo
Número completo
Mais artigos
Home da revista no Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
Revista Portuguesa de Educação, 2002, 15(2), pp. 169-214
© 2002, CIEd - Universidade do Minho
Leituras das famílias brasileiras no século XIX:
O
Jornal das famílias
(1863-1878)
1
Maria Helena Camara Bastos
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil
Resumo
O estudo analisa o
Jornal de Famílias
(1863-1878), editado pela Garnier, no
Brasil. Os periódicos — revistas, jornais, boletins, —, além de serem um
produto de consumo, são sobretudo um veículo de idéias e mensagens. Fazer
a história deste periódico é também fazer a história da propagação de idéias,
de hábitos de leitura, de gostos e de preferências literárias. Através dessa
publicação é possível analisar o processo educativo e pedagógico presente
em seu
corpus
discursivo. É um
discurso
que permite a formação de outros
discursos, enunciados que ecoam e reverberam efeitos no dia-a-dia, na
reconstrução cotidiana de laços sociais, na identidade de leitor/leitora, que
tecem e homogeneizam a memória de uma época. O que interessa é a
historicidade desses processos discursivos destinados a forjar a mulher
brasileira, na segunda metade do século XIX. Nessa perspectiva, pretende-se
analisar os saberes privilegiados destinados às
famílias brasileiras
.
Introdução
Paris foi definida por Walter Benjamin como a capital
do século XIX.
Esta definição, para Cristophe Charle (1999),
“remete tanto ao seu papel
político na eclosão dos movimentos revolucionários europeus ao seu
esplendor intelectual, mensurável através da presença de intelectuais de
distintas procedências geográficas”
. Para a intelectualidade brasileira, Paris-
França exerce uma imensa atracção como capital cultural, com um
significativo
capital simbólico
para a elite da época.
No Brasil, o século XIX pode ser considerado com um século de
francofonia por excelência, nesse momento a nossa cultura absorveu tudo ou
quase tudo o que se produzia na França. Vários têm sido os estudos sobre
aspectos desta influência no Brasil
2
. Frédéric Mauro (1991, p. 229), em seu
livro
O Brasil no tempo de D. Pedro II (1831-1889)
, assinala que a Guarda
Nacional, a Escola de Minas e o
Jornal das Famílias
são três instituições
marcadas pela influência e o prestígio da França, e que também o positivismo
de Auguste Comte
é marca dessa influência e desse prestígio
3
.
O presente estudo pretende analisar o
Jornal das Famílias
(1863-
1878)
4
, editado pela Garnier. Os periódicos — revistas, jornais, boletins, etc.
—, além de serem um produto de consumo, são sobretudo um veículo de
idéias e mensagens
5
, um
discurso
que permite a formação de outros
discursos, enunciados que ecoam e reverberam efeitos no dia-a-dia, na
reconstrução cotidiana de laços sociais, na identidade de leitor/leitora.
Portanto, fazer a história deste periódico é também fazer a história da
propagação de idéias, de hábitos de leitura, de gostos e de preferências
literárias; é analisar o processo educativo e pedagógico presente em seu
corpus
discursivo. O que interessa é a historicidade desses processos
discursivos destinados a forjar a mulher brasileira na segunda metade do
século XIX. Ou seja, trata-se de pensar como diferentes processos
discursivos se relacionam e como atuam na perpetuação e cristalização de
determinados sentidos e práticas sociais, como tecem e homogeneizam a
memória de uma época. (Orlandi, 1993, p. 11-27). Nesta perspectiva,
pretende-se analisar os saberes privilegiados destinados às
famílias
brasileiras
, especialmente às mulheres.
No século XIX, Martyn Lyons (1997, p. 365-370) assinala que se dá o
acesso à alfabetização de massa, que permitiu o aparecimento de um novo
público de leitores — mulheres, crianças e trabalhadores —, consumidores de
jornais e romances. Essa expansão do público leitor foi acompanhada, a partir de
1880, pelo desenvolvimento do ensino primário gratuito e obrigatório, na Inglaterra
e França
6
. Esse novo público devora romances, em forma de livros ou de folhetins
em jornais. Mas também receitas e regras de
savoir-vivre
se encontram em
inúmeras revistas femininas, ao lado de páginas consagradas à moda.
A mulher forma uma parte importante e sempre crescente desse novo
público de romances. Anne-Marie Chartier (2000) considera que
«o século
170
Maria Helena Camara Bastos
XIX marca a entrada social das mulheres na cultura escrita. As cenas de
leitura colocam cada vez mais a mulher em destaque, seja como leitora de
romances, seja como educadora de seus filhos. (.
..) As mulheres lêem
silenciosamente pelo prazer pessoal, mas também em voz alta para os filhos
e familiares, compartilhando a nova concepção de leitura — «laica»e intrutiva,
mas também educativa, moralizante ou sentimental»
.
No Brasil, na segunda metade do século XIX, há também um
crescimento do número de escolas femininas e, em geral, um aumento das
escolas públicas
7
, uma ampliação do mercado editorial de livros e
periódicos
8
, de gabinetes de leitura e bibliotecas
9
, e de público-leitor feminino
e masculino
10
. No entanto, o hábito da leitura e o acesso ao livro ainda é
restrito a um pequeno segmento abastado da sociedade: o público leitor é
composto pela burguesia e aristocracia, mas há um recrutamento de novos
leitores que provêm da pequena burguesia urbana. Esse grupo é bastante
reduzido se considerarmos que a população brasileira, na década de 1870, é
de 4 milhões de habitantes, sendo que apenas 550 mil — menos de 14% —
estavam alfabetizados. Maria Arisnete de Morais (1998) assinala as
observações de Elizabeth Agassiz, em 1865, sobre o facto de às mulheres
«o
mundo dos livros lhe está fechado, pois é reduzido o número de obras
portuguesas que lhes permitem ler»
, e a raridade de encontrar livros nas
residências brasileiras. Nesse momento insere-se o
Jornal das Famílias
,
ampliando os espaços de leitura na sociedade brasileira.
Baptiste Louis Garnier — editor-propietário
11
A vinda de B. L. Garnier ao Brasil insere-se na expansão do mercado
editorial no século XIX, especialmente o francês. O domínio cultural da França
proporcionou aos seus editores oportunidades comerciais em muitos
mercados estrangeiros —
«O Brasil oferecia perspectivas particularmente
atraentes. Tendo conquistado as vantagens econômicas da Independencia
sem prejuízo de sua continuidade política, proporcionava os requisitos de
estabilidade e prosperidade, somados a uma receptividade excepcional a
todos os adornos da cultura francesa. No fervor de seu nacionalismo recém-
descoberto, o Brasil passou a responsabilizar a herança portuguesa pelo
atraso nacional e a identificar tudo o que era francês como moderno e
progressista
.
171
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
A Garnier Frères esteve no Brasil de 1844 a 1934, e influencia o
mercado editorial — no campo das ideias, dos impressos em geral e nas
técnicas de impressão
12
. A história dessa empresa inicia-se quando os irmãos
Auguste e Hippolyte abrem uma livraria-editora em 1833, em Paris, no Palais
Royal
13
. Inicialmente, especializam-se em
literatura leve, reimpressões
baratas, política do momento, dicionários e clássicos da literatura francesa
.
Baptiste Louis, depois de trabalhar com os irmãos, decide em 1844
«transferir-se para o Brasil, pensando com razão que num país novo e cheio
de ambição haveria lugar propício para o desenvolvimento dessa
especialidade comercial»
14
. Em 1846, abre no Rio de Janeiro uma filial, que
se instala na rua do Ouvidor 69 até 1878, quando se muda para o número 71.
Utiliza o nome
Garnier Irmãos
até 1852. A partir desta data, adopta a
denominação
B. L. Garnier
, juntamente com
Garnier Irmãos
. De 1864 em
diante, adopta somente
B. L. Garnier
, o que significa o rompimento final com
seus irmãos.
Garnier inicia como livreiro, mas também negoceia
com artigos de
papelaria e com uma miscelânia de artigos importados
. A edição de livros
iniciou-se de forma moderada; somente na década de 60, ocorre em larga
escala. Parece ter sido o primeiro editor brasileiro a encarar a impressão e a
edição como actividades completamente separadas, ou seja, durante muitos
anos mandou imprimir suas publicações em Paris,
particularmente depois da
introdução dos navios a vapor nas rotas do Atlântico Sul
(1851),
o que
significou uma margem de segurança no tocante a prazos de entrega
. Para
Hallewel (1985),
«a preferência pela impressão feita em Paris devia-se, em
parte, à origem da firma, embora a partir de 1864 B. L. Garnier utilizasse
freqüentemente tipografias que não estavam ligadas ao estabelecimento dos
irmãos. O apelo snob exercido por tudo que fosse francês era também um
factor importante, especialmente no caso dos livros mais caros, aos quais se
podia somar o atractivo adicional de uma encadernação francesa. A razão
básica da preferência pela impressão europeia era de natureza econômica»
.
No entanto, no começo da década de 70, Garnier instala, por algum tempo,
sua própria tipografia, chamada de
Tipografia franco-americana
.
Em 1859, B. L. Garnier inicia uma publicação quinzenal ilustrada —
Revista Popular
. Para Frédéric Mauro (1991, p. 223), o caracter um pouco
austero, demasiado intelectual do periódico não garantiu muito sucesso,
172
Maria Helena Camara Bastos
deixou de ser publicada depois de quatro anos. No entanto, sua regularidade
e boa receptividade pelo público-leitor motivou B. L. Garnier, seis meses após,
em 1863, a editar outro periódico — o
Jornal das famílias
, totalmente
impresso em Paris. Para tal, manteve permanentemente em Paris um leitor de
provas em português — função exercida por algum tempo pelo jornalista
republicano José Lopes da Silva Trovão.
Muitos dos romances impressos pela Garnier eram reimpressões de
folhetins publicados em revistas e jornais, o que envolvia às vezes uma nova
composição, como ocorreu com o livro de Machado de Assis
Histórias da
Meia-Noite
(1873), depois de ter sido publicado no
Jornal das famílias
,
durante os anos de 1870-73.
Para Hallewel (1985), inúmeros factores ajudam a explicar o êxito de
Garnier no Brasil. O país gozava de prosperidade e estabilidade política; o
público-leitor expandia-se com o desenvolvimento da economia a partir de
1850; o público-leitor de romances aumentava, e era neste campo da ficção
— nacional e estrangeira — que Garnier dominava o mercado editorial.
Após 1839, o Brasil, imitando a França
15
, adopta a estratégia do
roman-feuilleton
16
. O pioneiro nas traduções foi Justiniano José da Rocha
17
— professor, jornalista e representante do Partido Conservador —, que faz as
versões brasileiras de
Mistérios de Paris, O Conde de Monte Cristo
. Embora
a grande maioria dos
romans-feuilletons
brasileiros fosse constituída por
traduções, foi um importante veículo para o talento literário. Entre os primeiros
folhetinistas brasileiros encontram-se Justiniano José da Rocha, Martins
Pena, Gonçalves de Magalhães, os historiadores Varnhagen e Pereira da
Silva. A grande moda deste género não ultrapassou o século XIX
18
, e seu
declínio já era evidente em 1885, quando os jornais começaram a perceber
que relatar crimes de forma sensacionalista constituía um incentivo ainda
mais eficaz para aumentar a circulação.
A publicação dos romances de folhetim sob forma de livro era um bom
negócio editorial, que os franceses dominaram rapidamente. Para Ann-Marie
Thiesse (1984, p. 85),
«a publicação de um romance em folhetim constitui um
banco de ensaio e uma publicidade para a obra, quando editada em livro»
. No
Brasil, só a partir da década de 1860, tem início uma ampla produção de
romances na forma de livro, principalmente quando B. L. Garnier começa a
publicar obras de ficção — era um dos maiores editores de livros brasileiros
173
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
de ficção —, pois não havia um romancista de importância que não tivesse
sua obra publicada por ele. Seu interesse pode ter sido estimulado, entre os
compradores brasileiros de livros, por uma nova moda que consistia em ter
colecções de seus autores favoritos, o que pode explicar a predilecção de
Garnier por edições uniformes das
obras
de um autor.
No conjunto, B. L. Garnier publica 655 títulos de autores brasileiros no
período activo de 1860-1890. Machado de Assis foi, sem sombra de dúvida, o
autor que mais longa ligação teve com Garnier — publicou sua primeira
manifestação literária
Chrysalidas
em 1864. Quanto às traduções em sua
maioria francesas, eram constituídas por romances populares — Dumas, Vitor
Hugo, Montepin, Octave Feuillet, Arsène Houssaye, Émile Gaboriau e Júlio
Verne (o que mais vendia). Essas traduções compunham duas colecções
Biblioteca Universal
e a
Biblioteca de Algibeira
19
. Também foi uma importante
editora de poesia, de
compêndios para a instrução pública
20
, e de revistas —
Revista Popular
(1859-1862),
Jornal das Famílias
(1863-1878). A publicação
desses periódicos permitia a ampla divulgação dos escritores publicados pela
Garnier, funcionando como uma propaganda do autor e estimulando a compra
de suas publicações.
B. L. Garnier falece em 1893. Após o inventário, a firma passa para seu
irmão Hippolyte, que residia em Paris, voltando à sua condição original de filial
do Rio de Janeiro da Garnier Frères
21
.
Jornal das Famílias
. Revista dedicada aos interesses
domésticos das famílias brasileiras (1863-1878)
A história da publicação do
Jornal das famílias
começa com a
Revista
Popular
, editada pela Garnier de 1859 a 1862
22
. A
Revista Popular
era
quinzenal e impressa no Brasil por Pinheiro & Cia. Era vendida pelo sistema
de assinatura e distribuída nas grandes cidades do Brasil, em Lisboa e em
Paris. Era um jornal ilustrado, dedicado às letras, às ciências e às artes
23
.
Tinha objectivo educativo e cultural, conforme anunciado no editorial do
quarto e último ano de publicação —
«como o nome indica, o objectivo
principal é a instrução do povo, e que, para a nossa população tão atrasada,
era um necessidade»
. Essa publicação atinge uma parcela muito diminuta da
população brasileira, se considerarmos que na primeira pesquisa oficial sobre
174
Maria Helena Camara Bastos
o grau de alfabetização no Brasil, realizada em 1872, apenas um quinto da
população livre era apta para ler
24
.
A redação do
Jornal das Famílias
, no primeiro número de janeiro de
1863, assim se refere à experiência anterior —
«o benigno acolhimento com
que foi sempre recebida, durante cinco anos completos, a Revista Popular, já
pelo público desta Corte, já pelo das demais províncias do império, é credor
da cordial gratidão que, com prazer, lhe tributamos. Ao seu auxílio devemos
certamente a coragem com que encaramos todas as dificuldades que
apareceriam contra o bom desempenho do nosso cargo. Os nossos leitores
sabem que, bem ou mal, não comprometemos uma só vez a pontualidade da
revista»
.
E sobre a nova iniciativa, afirma —
«Hoje, mais corajosos do que
antes, convencidos de que auxílio não nos abandonará, e por isso mesmo que
desejamos correspondê-lo, de algum modo mais plausível, resolvemos sob o
novo título de Jornal das famílias, melhorar nossa publicação»
. Para o editor,
o aperfeiçoamento da revista reside no facto de ser agora
«mais
exclusivamente dedicada aos interesses domésticos das famílias brasileiras»
.
Por causa disso, assinala que
«mais do que nunca dobraremos os nossos
zelos na escolha dos artigos que havemos de publicar, preferindo sempre os
que mais importarem ao país, à economia doméstica, à instrução moral e
recreativa, à higiene, numa palavra, ao recreio e utilidades das famílias»
; e
informa que a publicação é mensal, impressa totalmente em Paris, e fornece
aos assinantes
«literatura amena; algumas ilustrações; muitas gravuras;
desenhos à aquarela coloridos; moldes de trabalhos de croché, bordados, lã,
tapeçaria; figurinos de modas; peças de música inéditas; para o qual tem
contratado naquela capital os melhores artistas»
25
. A redacção salienta que o
Jornal das famílias
certamente preencherá uma falta, isto é, a ausência de
publicações congêneres, em língua portuguesa
26
.
Com esta intenção, a revista organiza-se em secções que se mantêm
praticamente as mesmas ao longo de toda sua existência, conforme Quadro
1, o que nos permite configurar um perfil do periódico. A secção
romances e
novelas
e a secção
poesias
, presentes em todos os números,
concentram o
maior número de páginas do periódico, rivalizando unicamente com a secção
modas e trabalhos,
com os anexos, que também ocupam um número
significativo de páginas, decorrente dos textos explicativos dos moldes, dos
175
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
figurinos, dos trabalhos manuais de crochê, tricô, bordado, tapeçaria, pintura,
e de partituras musicais
27
. Outras secções permanentes são
mosaicos/
anedotas
e
economia doméstica
, sob a responsabilidade de Paulina
Philadélphia, na maioria dos números. Além dessas seções, encontram-se
outras que foram mais esporádicas: literatura, história, bibliografia, viagens,
agricultura/floricultura, medicina doméstica/popular.
Em janeiro de 1864, a redação comunica-se com seus leitores, agora
caracterizados como
as nossas leitoras
, quando afirma o público feminino
como seu principal destinário e faz um balanço do primeiro ano de edição:
«Um ano. A imitação desses astros que giram no espaço, também fizemos
nosso giro, também nos atiramos no espaço sem limites do pensamento. (.
..)
Envidamos todos os esforços, não nos poupamos a despesas e sacrifícios,
afim de dar aos leitores, e sobretudo às gentis leitoras que se dignam
dispensar conosco algumas horas e lançar os olhos às páginas que
escrevemos, um volume nítido, variado, elegante, digno de ornar, pela
amenidade de seus artigos, pela perfeição de seus desenhos, pelo fino de
suas gravuras, pela delicadeza de sua impressão, as estantes dos literatos,
os gabinetes dos artistas, e o perfumado camarim de nossas amáveis leitoras.
Que cumprimos a missão a que nos comprometemos, prova-o o acolhimento
em extremo lisongeiro que recebemos do público, acolhimento que, a
continuar, como esperamos, nos permitirá a realização de diversos
melhoramentos que temos em mente, já na parte material, já na parte literária
ou intelectual. Agradecemos também aos hábeis e amenos literatos.
..»
.
176
Maria Helena Camara Bastos
177
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
ÍNDICE/ANO
1863
1864 1865
1866
1867
1868 1869
1870
**
1871
***
1872 1873
1874
1875
1876 1877
1878
Total
Romances/novelas
22
20
22
26
25
24
18
11
26
31
36
36
38
36
43
415
Literatura
1
1
História
3
52421
1
3
2
1
Bibliografia
12
3
Viagens
35
2
10
Mosaico /Anedotas
30
13
819358223756567
1
3
1
Agricultura /Floricultura
13
3
7
Medicina doméstica/popular
24
4
2
12
1
1
6
Economia doméstica
10
23
1
75453164
7
8
Poesias
20
15
14
18
14
17
14
11
4
6
9
11
12
15
12
10
202
Variedades
1
362
1
2
Explicação Modas e Trabalhos *
Anexos *
Quadro 1 - Seções e número de textos em cada uma (1863-1878)
*P
resente em todos os números
**
Este tomo não tem índice geral.
*** De abril a setembro a revista não é publicada.
Em fevereiro de 1869, a revista comunica-se novamente com as
leitoras; nesse momento, assinala o início do sétimo ano de publicação,
fazendo um balanço da revista —
«por esta ocasião permitam VV.Ex., que lhe
digamos duas palavras sobre o modo por que temos desempenhado as
nossas promessas e esperanças que nutrimos de aperfeiçoar o nosso
programa. Graciosos romances têm sido publicados em nossas colunas nos
seis anos de existência que já contamos, e parece-nos que nem uma só vez
a delicada susceptibilidade de V. Ex. tem sido ofendida. Anedotas espirituais
e morais têm por certo causado o prazer que as pessoas de finissima
educação experimentam nesse gênero de amena literatura, e mais de uma
vez conseguiram dissipar as névoas da melancolia que se haviam acumulado
nas belas frontes de nossas leitoras. A economia doméstica, confiada a uma
senhora, reúne a utilidade ao prazer, e cremos não enganar-mos supondo que
mais de uma receita foi aproveitada com suma vantagem pelas mães de
família que nos honram com sua assídua leitura. Empenhamos todos os
esforços para que os figurinos e moldes, acompanhados de suas respectivas
explicações, estivessem ao par do que de melhor se publica em Paris, onde
temos um agente especialmente incumbido deste importantíssimo objeto.
Algumas músicas, gravuras, aquarelas vieram enriquecer e ilustrar a nossa
publicação”
. A seguir, a redação anuncia as novidades que marcarão os
próximos números —
“Vencidas as dificuldades, inseparáveis às primeiras
tentativas, podemos com segurança e afoiteza dizer que o Jornal das Famílias
vai datar seu sétimo ano um progressivo melhoramento. Novos e ativos
colaboradores asseguram-nos a publicação de interessantes romances,
narrativas de viagens, biografias de senhoras ilustres, episódios de história
geral e particular, descrições de cidades, vilas, etc., que tiveram maior
importância, artigos sobre a educação de ambos os sexos, etc. Nossa
infatigável colaboradora da parte relativa à Economia Doméstica prepara-se
para dar ao prelo uma série de receitas e conselhos, fruto da sua mui grande
experiência e ilustração. Recomendamos a mais esmerada escolha nas
músicas e estampas que deveram ilustrar
as nossas colunas”
. Estas
modificações
não alteram o perfil e o objetivo da revista, mantêm-se firme na
proposta inicial —
revista dedicada aos interesses domésticos das famílias
brasileiras
, que não fira susceptibilidades, que reúna utilidade ao prazer, que
traga mensagens
espirituais e morais
.
178
Maria Helena Camara Bastos
É uma publicação mensal, com 32 páginas, impressa totalmente em
Paris/França, o que lhe conferia uma qualidade superior aos periódicos
editados e impressos no Brasil. Cada tomo anual consta de 12 números, com
um total de 384 páginas, com índice — por número e anual, em tamanho 27
x 17 (in-8). Em dezesseis anos de publicações, foram editados 186 números,
em 16 tomos, com periodicidade regular em todos estes anos. Há uma
interrupção de seis meses, de abril a setembro de 1871, as razões podem ser
decorrentes da guerra franco-prussiana, que prejudica a edição de livros e
revistas.
A revista é amplamente ilustrada. Ao final de cada história, poesia ou
trabalhos manuais, há gravuras ou desenhos ilustrando o tema. A parte
relativa a
modas e trabalhos
é apresentada em gravuras coloridas e moldes
— em preto e branco e/ou colorido —, que mostram o cuidado na impressão,
seguindo a tendência de periódicos similares europeus. Para Mauro (1991, p.
226)
«Os textos dos romances e novelas começavam sempre com a primeira
letra em vinheta, o que embelezava a página. Encontravam-se também
inúmeras gravuras que, além da função de enriquecer a publicação e conferir-
lhe mais elegância, tinha a vantagem de preencher um espaço que de outro
modo ficaria vazio quando o texto terminava no alto da página. Só a parte
literária, à qual o «Jornal das Famílias» sempre reservou o lugar de honra, era
decorada por essas gravuras, e a presença delas dependia sempre do espaço
deixado livre pelos textos. Essas gravuras francesas eram mais ou menos
adaptadas ao conteúdo do texto, o que mostra que, em Paris, os irmãos
Garnier dispunham de um ou vários revisores portugueses ou brasileiros.
Essa adaptação nem sempre era muito feliz, pois as gravuras eram
escolhidas dentre as que estavam disponíveis, e não compostas
especialmente para o texto».
Não foi possível localizar o número de assinantes, nem saber qual foi
a tiragem. O preço da assinatura permanece fixo durante toda a sua
publicação
28
, e o pagamento era feito adiantado pelo período de um ano.
Quanto à tiragem, pode-se fazer uma aproximação, a partir da tiragem de
outros impressos, por exemplo —
Semana Ilustrada
(1860-), revista semanal,
com 2.000 exemplares de oito páginas;
Mequetrefe
, 1200 exemplares;
Mosquito
, 3.200 exemplares;
Vida Fluminense
, 3.800 exemplares
29
. Sua
importância pode ser aquilatada pelo fato de figurar no livro
«L’Empire du
179
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
Brésil à l’Exposition Universelle de 1876 à Philadelphie»
, como publicação
periódica da capital do Império. Outro indicador de sua circulação seria o fato
de ser distribuída em vários províncias brasileiras, com as quais mantinha
correspondentes: Amparo (SP); Bahia; Barbacena; Campanha; Campinas;
Campos; Cantagallo; Ceará; Goiás; Juiz de Fora; Maceió; Macaé; Maranhão;
Mogi-mirim (SP); Ouro Preto; Pará (4); Paraíba do Sul; Paraíba do Norte;
Pindamonhangaba (SP); Paranaguá; Passo Fundo das Missões do RGS;
Pelotas; Pernambuco; Porto Alegre; Rezende (RJ); Rio Grande do Sul
30
;
Santa Catarina; Santos; São Fidelis; São Gabriel; São Paulo; Teresina; Três
Corações do Monte Verde; Vila do Rio Bonito (RJ). Além dessa circulação no
Brasil, também era distribuida em Portugal, tendo correspondentes em
Lisboa; Braga; Porto; e na França, com correspondente em Paris — E.
Belhatte.
Não são publicados anúncios na revista, com exceção de um único
número, de setembro de 1875, que faz a propaganda do
leite antephelico de
Candés
, inventado em 1849 e recomendado pelos médicos Chernoviz e
Lartigue (Medicina dos Primeiros Cuidados). São
divulgados extratos do
catálogo de livros editados por Garnier e dos livros ultimamente chegados à
Livraria de B. L. Garnier, na área de literatura, direito e livros didáticos para o
ensino primário e secundário
31
. Cabe destacar, no entanto, a ampla
divulgação dada às obras do Dr. Pedro Luiz Napoleão Chernoviz (Pierre-
Louis-Napoléon Chernoviz) — «Formulário ou Guia Médico», na sua oitava
edição revisada; «Dicionário de Medicina Popular»; «História Natural
Recreativa»; «Modo de conhecer a idade do cavalo». A revista, na seção
medicina popular
ou
medicina doméstica
, transcreve do
formulário
e do
dicionário
do Dr. Chernoviz, informações às leitoras como agir em situações
cotidianas e variadas: linimento contra queimaduras; meio de destruir
lagartas; remédios contra as queimaduras; sinais e mordedura de cão
danado; açucar aromatizado e acidulado para bebidas refrigerantes; modo de
tirar as nodoas de tinta de escrever; pasta de amêndoas para as mãos;
remédio contra a hemorragia do nariz; enjôo do mar; trichina; etc. Em março
de 1870, essa seção aparece com o nome de
Adágios higiênicos
. Na seção
de
economia doméstica
também aparecem receitas retiradas das obras do Dr.
Chernoviz. Essas seções e os temas veiculados têm significativa intenção
educativa —
«semelhantes noções não são somente necessárias aos
180
Maria Helena Camara Bastos
médicos; são, sim, indispensáveis para todos, por isso mesmo que todos
precisam saber o que é nocivo à saúde»
(junho 1868). Mário de Lima-Barbosa
(1923, p. 443) assinala Chernoviz como um dos médicos franceses de maior
influência sobre o desenvolvimento da medicina no Brasil, influência esta que
pode ser aquilada pelas várias edições de suas obras e pela ampla divulgação
no
Jornal das famílias
, permitindo um significativo alcance de sua obra, não
restrita ao universo médico. Ainda na Primeira República, Mariana Maluf
(1995) assinala a presença do livro do Dr. Chernovitz —
Médico das famílias
,
entre as famílias abastadas de São Paulo.
O
Jornal das Famílias
segue a tendência da época: era redigido por
escritores-jornalistas, que às vezes eram também políticos — todos
românticos
32
. Na contra-capa, encontram-se listados os nomes dos
redatores
e colaboradores
, em número de 59, entre 1863 e 1878. Dessa extensa lista,
nem todos permaneceram durante todo o período de publicação do periódico.
Podemos destacar alguns nomes presentes por um longo período de edição:
Dr. Augusto Fausto de Souza; Augusto Emilio Zaluar; Bittenncourt Sampaio;
Dr. Caetano Alves de Souza Filgueiras; D. Emília. Augusta Gomide Penido;
Padre Francisco Bernardino de Souza; Honorata Minelvina Carneiro de
Mendonça; Cônego Dr. J. C. Fernandes Pinheiro; J. L. Teixeira Macedo;
Insulano; Dr. Joaquim Norberto de Souza e Silva; José Nicolau Vergueiro; Dr.
José Joaquim Pessanha Pavoa; José Marcelino Pereira de Vasconcelos;
Juvenal Galeno; Luiz Antonio Burgain; L. G. P. Guimarães Jr.; Machado de
Assis; Paulina Philadélphia; Vitoria Colonna. A permanência de muitos dos
colaboradores foi um fato importante para garantir a continuidade da revista,
mas não significa que todos escreveram no
corpus
da revista. Cabe destaque
à presença de nome de políticos e escritores reconhecidos na lista de
redatores e colaboradores
: Alexandre Herculano; Antonio Feliciano de
Castilho; Augusto Emilio Zaluar; Francisco Adolpho Varnhagen; Joaquim
Manoel de Macedo; Machado de Assis; Manoel de Araújo Porto Alegre;
Quintino Bocaiúva; Conselheiro Zacharias Góes e Vasconcelos, José
Bonifácio, Senador Gomide, e outros.
Chama a atenção o reduzido número de mulheres como
redatoras e
colaboradoras
em um significativo grupo masculino: Paulina Philadélphia,
responsável pela seção
economia doméstica
e com participação significativa
na seção
mosaico/anedotas
33
; Vitoria Colona; Emília Augusta Gomide
181
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
Penido; Honorata Minelvina Carneiro de Mendonça; Ignez d’Horta, Manoela
Ignácio Marrocos Mendes. Este número ainda é mais reduzido quando se
analisa o número de contribuições femininas no
corpus
do periódico. Assim,
por exemplo, na seção
novelas e romances
, entre setenta e um
colaboradores, com um total de 252 títulos, encontram-se apenas cinco
mulheres com 18 títulos, isto é, 6% e 7% respectivamente das colaborações
totais. Na seção
poesias
, em um total de 88 colaboradores com 187 poesias,
o grupo feminino é um pouco mais representativo: sete poetisas (8%) com 15
poesias (8%), sendo 9 de uma só autora — Honorata Minelvina. Esses dados
permitem-nos afirmar que o periódico, mesmo destinado às mulheres, é
dirigido pelos homens, que tomam a si a função de serem os
autores
das
mulheres, de interpretar e dar sentido ao feminino, tratando-as de forma
esteriotipada, a partir de alegorias como Maria e Eva, primavera e inverno.
As colaborações no periódico eram estimuladas pelo editor, que assim
se expressava na contra-capa:
«As pessoas que quiserem honrar este jornal
com sua colaboração terão a bondade de remeter os seus artigos, em carta
fechada, à comissão de Redação do Jornal das Famílias, rua do Ouvidor 69,
Livraria B. L. Garnier ou em Paris, rua do Grés, 7. Aceitam-se sobretudo com
prazer os artigos instrutivos e que tratarem de economia doméstica, higiene e
interesses do Brasil; esses artigos, porém, não poderão mais ser reclamados
por seus autores, ainda quando por qualquer motivo deixem de ser
publicados. Rogamos encarecidamente às pessoas que nos obsequiarem
com artigos que escrevam todas as palavras por extenso; pois, sendo este
jornal impresso fora do país, podem as abreviaturas dar lugar a enganos»
. Em
fevereiro de 1870, na novela «A vida eterna», Camilo da Anunciação também
estimula os leitores a publicarem no periódico, através do seguinte diálogo —
por que não escreves o teu sonho para o Jornal das Famílias? Homem, talvez.
Pois escreve, que eu mando ao Garnier
.
No
Jornal das Famílias
, a influência francesa é marcante, não só pelo
seu conteúdo, mas também por inspirar-se nas revistas editadas na França.
Para Mauro (1991, p. 222), no Jornal das Famílias
“a influência francesa
dominava, pois se inspirava não só nas idéias importadas da França, mas
também nas revistas femininas desse país. Imaginemos portanto a moça, a
jovem casada ou a mãe de muitos filhos, abrindo uma vez por mês o exemplar
que acabou de receber”
. Nesta época, são editadas inúmeras publicações
182
Maria Helena Camara Bastos
congêneres, tais como
Le Conseiller des Dames et des Demoiselles
(1847-
1892);
Le Magazin des Demoiselles
(1845-1896);
La Famille. Journal Illustrée
de la mode et de la vie domestique
(1868-1870);
Journal des Jeunnes Filles
(1868-1871);
L’Ami des Dames et Desmoiselles
(1859-1882);
Musée des
Familles
;
Le Moniteur de la Mode; Petit Courrier des Dames; Journal des
Demoiselles et petit courrier des dames
(1833-1922);
La Mode Ilustrée; Le
Moniteur des Dames et des Demoiselles
(1851-1854);
La Mode des
Demoiselles
(1845-1848) e tantos outros. A similariedade dessas publicações
repousa no seu conteúdo e nos anexos de gravuras de moda, trabalhos de
agulha, modelos de pinturas à aquarela e a óleo, partituras musicais, moldes
para costura, crochê, tapeçaria, tricô. Todos publicam romances em folhetins,
o que garantiu o grande sucesso entre o grupo feminino. A maioria apresenta
textos de instrução (história, geografia, belas-artes, literatura, viagens);
bibliografia comentada; educação (artigos de vulgarização científica); poesia;
higiene e economia doméstica; correspondência (cartas dos leitores); moda e
modelos; mosaico, charadas, enigma, jogo de palavras; peças de teatro e de
música. Na seção de moda, além dos figurinos coloridos, há uma coluna
destinada a explicar as tendências de modelos e cores, a etiqueta do trajar —
o que usar em diferentes ocasiões e horas do dia.
Romances e novelas
«graciosos romances têm sido publicados em nossas colunas nos seis anos de
existência que já contamos, e parece-nos que nem uma só vez a delicada
susceptibilidade de VV.Eex. tem sido ofendida.»
Na proposta editorial do
Jornal das famílias
, romances e novelas
ocupam lugar central, destinados especialmente ao público-leitor feminino e
visam atingir à sua sensibilidade. Assim, não era esquecido o
código moral
preestabelecido que deveria inspirar todos os redatores
.
Para Mauro (1991, p. 227), era necessário que a revista
proporcionasse
«uma leitura tranqüila, de pura fantasia, sem nenhum
fundamento na realidade; histórias que acontecessem em um mundo
convencional em que os despeitos amorosos eram os únicos sofrimentos,
onde tudo girava em torno de olhos bonitos, suspiros e confidências trocadas
183
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
entre damas elegantes. Era o triunfo contante do bem sobre o mal, e do amor,
contanto que não fosse por interesse. A mulher inconstante e o caçador de
dotes eram sempre punidos, e os apaixonados fiéis e sinceros sempre viam a
realização do seu amor, sob a forma de casamento»
. São romances de
domínio sentimental, «que todas as moças podem e devem ler», as aventuras
históricas, exóticas ou policiais, para os homens.
Os romances permitem a
evasão
total, o sonho multiplicado ao infinito,
em mundos diversos. É o mundo da imaginação, onde se refugiam as
mulheres. Visando atingir estes sentimentos, os editores utilizam-se de
palavras para descrevê-los e propagandeá-los — apaixonante, envolvente,
emocionante, cativante —, termos que se referem a uma psicologia de
sentimentos simples, violentos e irracionais, em que as sensações do coração
se manifestam nas atitudes do corpo. Além disso, se utilizam de títulos que
evocam um personagem — herói ou heroína —, próximo ao universo social e
cultural da leitora para permitir sua maior identificação;
de títulos que podem
indicar se o romance é fácil, acessível à leitura; de títulos que apresentam
uma espécie de código socialmente significativo, como adultério, amor
(muitas vezes como sinônimo de martírio), vingança.
Para Martyn Lyons (1997, p. 372), apesar de as mulheres não lerem só
romances, os editores pensam que o que lhes agrada são os romances
populares e sentimentais. Essa feminização dos leitores de romance confirma
os julgamentos dominantes sobre o papel da mulher e sobre sua inteligência:
se os romances são considerados literatura de mulheres, é porque vêem
nelas criaturas dotadas de imaginação, com capacidades intelectuais
limitadas, por sua vez frívolas e prisioneiras de seus sentimentos. O romance
é a antítese da literatura instrutiva. Exige pouca compreensão e seu objetivo
é o de distrair e entrete-las nas horas vagas. Sobretudo, o romance pertence
ao reino do imaginário. Os jornais, os acontecimentos públicos estão
reservados aos homens; os romances, que tratam da vida interior, pertencem
à esfera do privado a que os burgueses do século XIX estavam relegados.
Também Anne-Marie Thiesse (1984, pp. 20-25) considera que
«o
periódico não se apresenta como um conjunto uniforme, mas como um
espaço sexualmente dividido, onde cada seção, segundo sua analogia com a
vida privada, é destinada à leitura feminina ou masculina. Um lugar domina
por excelência a leitura feminina — o romance em folhetim: romance em
184
Maria Helena Camara Bastos
episódios que introduzem a ficção literária na leitura diária. O fato de ser em
pequenas partes facilita a leitura para a mulher, que pode realizá-la entre uma
atividade e outra no âmbito doméstico. (.
..) O almanaque, compilação
heteróclita de informações de meterologia, de receitas práticas, de historinhas
e de boas palavras, tem um lugar especial no interior rural, mas não na
população urbana que prefere o «jornal romance». (.
..) O romance folhetim,
inicialmente, destinava-se as classes de mais posses. Inicia junto com a
imprensa moderna, adotando o sistema de assinatura e com publicidade»
.
Vários fatores permitem a difusão e o sucesso da ficção de forma
romanesca, principalmente no público feminino: progresso da alfabetização,
os gabinetes de leitura, técnicas de impressão que diminuiram o preço do
livro, o sistema de assinaturas, desenvolvimento da imprensa periódica, a
criação do romance-folhetim, e, mais de que todas as outras, profunda
modificação das mentalidades, traumatizadas pelas perturbações políticas e
pelas guerras do fim do século XVIII e início do XIX, que levam as mulheres
a procurar refúgio em um mundo imaginário.
Nessa seção, dos setenta e um colaboradores, dez não têm
identificação e quinze usam peseudônimo
34
. Destaca-se a participação
significativa de Machado de Assis, que escreve, de 1864 a 1878, vinte contos,
novelas, romances, em um total de
cinquenta números do periódico, tendo
em vista que muitos destes escritos aparecem em vários capítulos — os mais
longos, em quatro partes —
Questão de Vaidade
(1864 e 1865) e
Encher o
tempo
(1876). Também contribui com a seção de
poesias
, com cinco
participações. (quadro 3 e 4, anexo). Consta que, em um único número do
Jornal das Famílias,
chegou a publicar quatro contos sob pseudônimos
diferentes
35
. Para Frédéric Mauro (1991, p. 227), a
apoteose da sua
colaboração foi a publicação, pela Garnier, em 1869, dos «Contos
fluminenses», coletânea de alguns dos contos publicados no Jornal das
famílias
. Às leitoras, ler Machado de Assis era conhecer,de forma muitas
vezes cínicas, os códigos morais e sociais que dirigiam as relações homem-
mulher na época. Isto é, a ética que guiava as relações de amizade, amor,
ódio sintetizava um código de civilidade que deveria dirigir as relações tanto
na cidade como no campo.
Na perspectiva de que a leitura destes romances e novelas tinham
uma função educativa, quais as práticas que procuravam impetrar em suas
185
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
leitoras?
36
Por exemplo, há referência constante a um código de civilidade.
No
conto fantástico
«O Anjo das Donzelas» (set. e out. de 1864), o autor Max
inicia com a seguinte observação ao leitor —
«Cuidado leitor, vamos entrar na
alcova de uma donzela. A esta notícia o leitor estremece e hesita. É
naturalmente um homem de bons costumes, acata as famílias e preza as leis
do decoro público e privado. É também provavel que já tenha deparado com
alguns escritos, destes que levam aos papéis públicos certas teorias e
tendências que melhor fora nunca tivessem saido da cabeça de quem as
concebeu e proclamou. Hesita e interroga a consciência se deve ou não
continuar a ler as minhas páginas, e talvez resolva não prosseguir.
...
Descanse, leitor, não verá neste episódio fantástico nada do que se não pode
ver à luz pública. Eu também acato a família e respeito o decoro. Sou incapaz
de cometer uma ação má, que tanto importa delinear uma cena opu aplicar
uma teoria contra a qual proteste a moralidade»
. Esse texto, instruía e
disciplinava o leitor — um homem de bem não deveria entrar no quarto de
uma donzela.
O casamento é um tema e uma referência constante. A idade do
casamento é uma recorrência, referenciando uma faixa etária considerada
ideal — entre 18 e 25 anos. Mas também relativizava aquelas mulheres que
não se enquadravam no modelo:
trinta e três, já não é uma idade de Julieta,
mas era uma idade ainda poética
. Além disso, o casamento por amor é
estimulado. A novela «Um casamento de tirar o chapéu» (jan., fev. e mar.
1867), de A. F., finaliza com o seguinte conselho às leitoras
indulgentes
“é
preceito muito citado do velho Horácio, que nos escritos se deve misturar o
útil ao agradável. Foi esse preceito que tive em
vista, escrevendo esta
pequena história, onde, debaixo de uma forma agradável, se vê a infelicidade
que pode resultar de fazer-se um casamento cujos contraentes são levados
por um sentimento diverso da inclinação mutua que deve presidir a esse santo
sacramento»
. Na novela «Qual dos dois?» (set. a dez. 1872), o autor J. J.
aborda o tema:
“Minha senhora. A singularidade da nossa situação só pode
ter uma solução singular. Convidado a casar por uma moça bonita, prendada,
que a todos os respeitos, é a ambição de um homem, é singular que esse
homem, não tendo outros compromissos, recuse o convite. (.
..) porque casar
sem amor é desgraçar uma senhora”
. Victoria Colonna, em “Os Casamentos
de hoje” (jun. 1875), fala sobre as causas do casamentos mal sucedidos e
186
Maria Helena Camara Bastos
sugere que deveria haver amor, harmonia nas idades e na educação; não
deveria unir inteligência à imbecilidade, a virtude ao vício, a saúde à
enfermidade. Termina aconselhando os pais
“que eduquem suas filhas mais
amigas do trabalho e da virtude que do luxo, assim como a seus filhos, e a
procederem de modo que possam servirem-lhes de exemplo; a tenderem
cuidadosamente ao gênero de pessoas que admitem em sua intimidade para
evitarem o perigo de uma inclinação inconveniente e a abjurarem a falsa idéia
em que estão de que na riqueza se encerram todos os elementos necessários
à verdadeira felicidade doméstica”
. Outras novelas tiveram por tema o
casamento — «A melhor das noivas», de Victor de Paula; «O casamento e a
mortalha, no céu se talha», de Ernesto Castro.
O papel da leitura no cotidiano privado e público do leitor é uma
referência constante, não só pelo conteúdo da revista em si, mas também
pelas ilustrações que evocam atos de leitura, em diferentes situações — em
família, no sala, no campo, junto à escrivaninha, sozinhas — que aparecem
tanto nas finalizações dos textos como na seção modas e trabalhos,
compondo o cenário dos figurinos apresentados. Para Martine Poulain (1990),
esta representação do livro e/ou do ato da leitura em revistas femininas é
como «natureza morta» ou como «matéria», como um signo de saber
intelectual ou de poder social, em uma sociedade que precisava ser
estimulada ou incentivada para a incorporação desse
habitus
. Cabe referir
que há muito mais ilustrações representando a prática da leitura do que
representando a prática da escrita, o que nos permite pensar que esta era
ainda uma área interdita ou pouco estimulada às mulheres; pois, enquanto a
leitura tem uma função formativa, socializadora, a escrita permite a
emancipação individual
37
.
Os textos também fazem inúmeras referências ao acto da leitura. A
questão dos benefícios ou não da leitura feminina estão presentes em vários
momentos. Por exemplo, em «O Anjo das Donzela», o autor faz referência ao
perigo que a leitura de romances e novelas pode trazer à «fraca» maturidade
feminina
«(.
..) Veja o leitor se a moça que ali se acha no leito, com o corpo
meio inclinado, um braço nu escapando-se do alvo lençol.
.... Lê, como disse,
um livro, um romance, e apesar da hora adiantada, onze e meia, ela parece
estar disposta a não dormir sem saber quem casou e quem morreu. (.
..)
Cecília lê um romance, é o centéssimo que lê depois que saiu do colégio, e
187
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
não saiu há muito tempo. Tem quinze anos. Quinze anos ! é a idade das
primeiras palpitações, a idade dos sonhos, a idade das ilusões amorosas, a
idade de Julieta.
.. (.
..) Que lê ela? Daqui depende o presente e o futuro. Pode
ser uma página da lição, pode ser uma gota de veneno. Quem sabe? Não há
ali na porta um index onde se indiquem os livros defesos e lícitos. Tudo entra,
bom ou mau, edificante ou corruptor. Paulo, Virginia ou Fanny. Que lê ela
neste momento? Não sei. Todavia deve ser interessante o enredo, vivas as
paixões, porque a fisionomia traduz de minuto a minuto as impressões
aflitivas ou alegres que a leitura lhe vai produzindo. Cecília corre as páginas
com verdadeira ânsia, os olhos voam de uma ponta da linha à outra; não lê,
devora; faltam só duas folhas, falta uma, falta uma lauda, faltam dez linhas,
cinco, uma.
.. acabou. (.
..) Passou em revista na memória todos os sucessos
contidos no livro, reproduziu episódio por episódio, cena por cena, lance por
lance. Deu foma, vida, alma, aos heróis do romance, viveu com eles,
conversou com eles, sentiu com eles. (.
..) De há muito tempo que as tragédias
do amor a que Ceília assitia nos livros causavam-lhe uma angustiosa
impressão. (.
..) só conhecia o amor pelos livros. (.
..) A cada novela que lia
mais lhe cresciam os sustos, e a pobre menina chegou a determinar em seu
espírito que nunca exporia o coração a tais catástrofes. (.
..) Este estrago
moral completava-se com a leitura da última novela»
. Para o autor, as leituras
de Cecília incutiram-lhe fantasias funestas, como a de acreditar que
o destino
intervinha nos movimentos do coração humano
. Essa crença realiza-se
através de um sonho, em que a personagem faz um pacto com o
anjo das
donzelas
para ficar imune às catástrofes do amor, assim fica protegida, passa
a se desinteressar por todos os pretendentes. A história desenrola-se
demonstrando ao leitor/leitora a inverdade das crenças fantasiosas de Cecília,
que permanece solteira. Lyons (1999, p. 12) relata-nos que
«o discurso
médico, sobre as mulheres leitoras no século XIX, acreditava que leitura
demais, principalmente a de textos românticos, poderia excitar emoções,
inspirar fantasias perigosas, ameaçar a estabilidade do casamento e tornar as
mulheres estéreis»
.
Outro exemplo, é encontrado na secção
Mosaico
, com o título
«Fragmentos de um livro», escrito por Maria Amalia (dez. 1864), que denuncia
a perniciosidade de romances da escola moderna de Balzac e de Georges
Sand —
«Não é debalde que muitas vezes eu tenho erguido nestas págimas
188
Maria Helena Camara Bastos
um protesto solene contra esse género de instrução que tanto se vulgariza
entre nossas famílias. O romance moderno, o romance dessa escola que se
apraz em endossar os vícios e em sustentar como peregrinas as teses mais
absurdas, são flagelos que se lançam no seio da sociedade. E de facto, qual
o bom senso que não repugna esse realismo de madame Bovary, essa febre
de Fernanda, de Dumas; das Cortesãs, de Balzac; de Jacques e Valentina, de
Mme Jorge Sand? Eu quizera que por uma vez se abolissem esses livros
perigosos das mãos inexperientes, esses filtros daninhos que tanto
corrompem a alma, como corrompem também o coração. Eu poderia
demonstrar com fatos quanto mal essa literatura febril das paixões tem
causado com seus desregramentos.(.
..) Felizes todos os romancistas se
seguissem a escola romântica do mimoso autor dos Quadros da Natureza»
.
A autora destaca a segura orientação que recebeu do pai, que lhe permitiu
muito cedo discriminar entre a boa ou má literatura. Assim, relaciona ao leitor
os autores que considera
outros primores da literatura estrangeira
— Mrs.
Beecher Stow, Miss Cumming, Mlle Frederica Bremer; e recomenda,
como
modelo para todos que prezam a dignidade do talento e desejam encontrar
uma opinião abalizada e imparcial sobre a maioria dos romancistas
contemporâneos
, o livro de Eugenio Poitou —
Du Roman et du Théâtre
contemporains
.
Os cuidados com a leitura não se destinam exclusivamente ao leitor
feminino: também aos homens são indicados os malefícios que o mundo da
leitura lhes pode causar. Na novela
Jovens Interessantes
((jul. 1866), Paulina
Philadelphia conclui sua história com a essa preciosa lição dada pelos seus
personagens:
“Teodoro explicou-lhe então que a leitura de coisas
maravilhosas o fizera anelar por casar-se com uma imortal, mas que hoje
conhecia o quanto andara errado, pois a poesia olímpica estava morta e não
existiam os deuses com que sonhara. Sua noiva porém insistiu em dizer que
ainda havia um Deus cheio de poesia. Perguntando-lhe Teodoro qual era,
abaixou os olhos e disse: é o amor”
.
A leitura de
romances e novelas
também (in)formava sobre os
costumes vigentes, principalmente aqueles peculiares à vida urbana do Rio
de Janeiro. J. J. assim apresenta o cenário de seu romance «Qual dos dois?»
(Set. e Out. de 1872): a rua do Ouvidor
«é a gazeta viva do Rio de Janeiro. Ali
se fazem planos políticos e candidaturas eleitorais; ali correm as notícias; ali
189
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
se discutem as grandes e pequenas coisas; o artigo de fundo dá o braço à
mofina, o anúncio vive em santa paz com o folhetim. Não é de admirar
que
ali comece este romance.
..»
. Quantos aos costumes, retrata as novidades
que começam a ser introduzidas na vida da cidade:
«Não me perguntas pelo
meu marido ? (.
..) Está na repartição. A primeira coisa em que concordamos,
é que eu saísse a passeio quando me parecesse. Eu não sou criança para
andar agarrada a meu marido. Na Europa não se usa isso. Demais, tenho
toda confiança nele.
..».
Em «Tipos diversos» (abr. 1878), Léo Junius
igualmente procura mostrar à leitora as qualidades valorizadas e/ou
esperadas na vida em sociedade, esboçando os traços de alguns tipos
elegantes e discriminando-os. Com esta intenção, a leitora teria estimulada
sua imaginação e conheceria as qualidades que mais lhe aumentaria o brilho
social. Os tipos assinalados pelo autor foram «
tem um só defeito — é
inconstante, nos bailes aprendeu o fingimento; é bonita, seus contornos são
perfeitos, mas é tão fria que seu rosto nada exprime
».
O destino da mulher como mãe e esposa é recorrente, afirmando as
expectativas da sociedade quanto aos papéis femininos. J. J., no romance
«Uma águia sem asas» (out. 1872), dá-nos um exemplo significativo:
«quis
Deus que ela realizasse seus desejos. Quando morrer não terá página na
história; mas o marido poderá escrever-lhe na sepultura — Foi boa esposa e
teve muitos filhos
».
A revista procura dar espaço à representação da escrita feminina: as
cartas. Em janeiro e fevereiro de 1863, aparece a correspondência trocada
entre duas primas distantes. De Paris, Helena escreve à Eulália no Rio de
Janeiro, relatando a novidade de que tinha sido
convidada pelo Jornal das
Famílias: «Minha honrosa e querida prima. Agora que acabo de receber uma
amabilíssima carta, assinada pela redação do Jornal das Famílias, na qual
sou convidada de um modo lisongeiro a que não devo resistir, para com minha
colaboração honrar (olhe que é ela, a redação, que diz honrar) as colunas
deste jornal. Eu não sei se a minha prima sabe calcular os apuros em que põe
a gente o amável convite de meia dúzia de literatos que tiveram a
generosidade de querer uma desconhecida como eu nas suas fileiras?»
. A
surpresa da novidade coloca-a em dúvidas sobre o que escrever e sobre a
reação paterna:
«Um romance? Depois dos Miseráveis?.
.. Uma poesia? E
190
Maria Helena Camara Bastos
papai?.
.. E papai quando souber que eu tive a loucura de fazer versos, e que
cai na doidice de publicá-los sob o título de poesia?»
.
Então, compartilhando com a leitora suas dúvidas sobre o que
escrever, decide escrever cartas, com as quais cumpriria o honroso convite
dos redatores de
Jornal das Famílias
. O pai autoriza-a, mas adverte-a de não
usar o nome completo, com a seguinte observação —
“Escreve lá quantas
cartas quiseres à tua prima; consinto mesmo que mande publicar no Times ou
em volumes; proibo-te, porém, que assines o teu nome por inteiro, porque não
quero que digam por aí que não tive senso bastante para observar-te que
ficas tão abaixo de Sévigné no teu estilo epistolar como eu de Voltaire e a
fortaleza da Laje no Rio de Janeiro do Pão de Açucar»
. Fazendo uso das
palavras de Samuel Smiles —
O estilo é o homem
—, explicita o seu estilo:
«eu cá prego por minha vez que o meu estilo não é o coração. Por mais funda
que seja a minha tristeza em eu escrevendo, parece que estou rindo. Por
semelhante fatalidade, caiu a lembrança das páginas tristes no fundo do
tinteiro»
.
As cartas também servem para fazer a apologia ao país natal —
“deixe-se estar aí, minha prima, no país das flores e das brisas; não se lembre
jamais de querer experimentar o doloroso da separação da terra que nos viu
nascer. Não imagina, e só por isso é feliz, o que é esse doer, esse carpir do
coração com saudades dos seus lares e da sua gente, e nem eu vejo tinta
com que possa descrever, e mormente nesta hora em que estou a tiritar até
os ossos ao peso do mais vigoroso e antipático inverno de minha vida! Salve
o sol do Brasil, Eulália, salve! (.
..) Diga a esse torrão, tão abençoado pela
natureza, tão querido da primavera, que não lhe deseja menos guapo
prosperar de que é tão digno,.
..»
. Essa apologia do Brasil tem um princípio
moral —
“ninguém sabe do bem que tinha senão depois de perdido”
.
Poesias
Complementando a
educação do espírito
— a formação da
sensibilidade feminina —, o periódico traz poesias como parte integrante da
educação das virtudes. Foram publicadas em torno de 202 poesias, escritas
por 96 poetas; destas, oito não citam o nome do autor. Esse número dá uma
média de uma poesia por exemplar editado — alguns números contaram
191
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
seguidamente com duas poesias. Os anos de 1871 e 1872 juntos somaram a
publicação de só dez poesias. Muito raramente houve o hábito de publicar
uma poesia em vários números. Isso somente aconteceu com as
contribuições do Dr. J. O. Pinto Mosquera — “Epístola de um estudante
mineiro” (em três números), “O regresso e a partida” (em quatro números); e
de Hector da Silveira —
Eponina
, poema histórico publicado em três números.
Cabe destacar, em comparação com a secção
romances e novelas
, a
presença um pouco mais representativa de colaborações femininas. Em um
total de 88 colaboradores com 187 poesias, o grupo feminino está presente
com sete poetisas (8,5 %) e 15 poesias (8,5%). J. L. Teixeira de Macedo foi o
que mais escreveu poesias no periódico, em um total de onze. Foi seguido por
uma representante feminina — Honorata Minelvina Carneiro de Mendonça,
com nove
38
, A. E. Zaluar, com oito, J. Luz, com sete. A grande parte de
colaboradores dessa seção publicaram um só poesia. Agnès Thiercé (1999,
p. 106) afirma ser a poesia, no século XIX, uma prática de escrita masculina,
especialmente dos adolescentes. Enquanto o diário é feminino, privado; a
poesia é masculina, pública, afirmando o lugar do homem na sociedade:
espaço exterior. A poesia é uma disciplina artística, que visa ser divulgada,
componente importante para sua produção — isto é, tornar-se pública. Não só
a escrita, mas também a leitura de poesias, especialmente dos poetas
românticos — Vitor Hugo, Lamartine, Musset, entre outros —, atraem os
homens. Não podemos desconsiderar este facto, quando analisamos esta
revista, pois era lida tanto pelos jovens como pelos adultos, de ambos os
sexos, das famílias brasileiras. Também nos permite explicar em parte o
significativo número de contribuições masculinas nesta secção,
especialmente de jovens poetas.
Neste universo poético, há uma homogeneidade de temas que se
voltam especialmente para a sensibilidade do leitor/leitora, o “ cuidado da
alma” feminina, como a saudade, o amor, a beleza, a esperança, a morte, etc.
Algumas poesias têm temas históricos ou são voltadas à idolatrar a pátria ou
a exaltar regiões brasileiras, como “O Monarca e o povo brasileiro”, “Versos
recitados — primeira missa no Brasil, Glória ao Brasil!, Saudades do Pará, O
Nordeste, Saudades da minha terra”, etc. As colaborações femininas também
seguem esta tendência, não destoando da linha das demais contribuições.
192
Maria Helena Camara Bastos
Mosaico e anedotas
«Anedotas espirituais e morais têm por certo causado o prazer que as pessoas
de finíssima educação experimentam nesse género de amena literatura, e mais
de uma vez conseguiram dissipar as névoas da melancolia que se haviam
acumulado nas belas frontes de nossas leitoras» (Jan.1869).
Durante os primeiros quatro anos, esta secção agrupava uma
diversidade de temas: conselhos práticos de beleza e de economia
doméstica; receitas de remédios; anedotas; máximas; considerações sobre
educação, sobre a mulher; exortações morais. Posteriormente, com as
secções especiais de economia doméstica e de medicina popular ou
doméstica, a secção Mosaico limitou-se às anedotas e aos jogos de salão,
sob a responsabilidade de Paulina Philadélphia a partir de 1866. O
divertimento dos leitores é o mote desta secção, que também pretende
fornecer assuntos e conteúdo para a vida dos salões no Segundo Reinado,
como assinala Mauro (1991, p. 227-28).
Inicialmente, é oferecido às leitoras um conjunto de sentenças morais,
muitas delas extraídas de livros religiosos. No dois primeiros números de
1863, são transcritos trechos
de um livro religioso e rarissimo — A Nova
Floresta
, do padre Manoel Bernardes — artigos,
que, já pelo seu estilo singelo
e clássico, já pelo cunho de moralidade em que sobretudo primam, serão
certamente bem recebidos pelos nossos leitores
. Por exemplo,
«quatro mães
mui formosas parem quatro filhos mui feios. A Verdade pare o Ódio; a
Prosperidade Orgulho; a Familiaridade Desprezo; e a Segurança Perigo»;
«não tens inimigo mais poderoso, mais astuto, mais emperrado, e mais
doméstico, do que teu amor próprio. Se queres errar frequentemente,
sentencia pelo seu voto»
.
No terceiro número de 1863, essa secção passa a ser
responsabilidade de Jonor Achimbert, trazendo
uma colheita de bons ditos,
repentes felizes e pilhérias mais ou menos chistosas
, intitulados
Rio de
Janeiro anedótico
. O redactor apresenta a intenção da secção —
«Ora não há
povo que não tenha o seu quinhão de espírito, as suas lembranças felizes, os
seus ditos agudos, e as suas pilherias cheias de chiste a fazer rir ao homem
mais sério deste mundo; uns mais do que outros, mas todos os têm, não há
dúvida. (.
..) É o que justamente nos aconteceria se deixassemos de colher
estas anedotas. Nascerão e morrerão entre o povo, sem que ninguém
193
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
soubesse da sua existência. Ora isto não é mais do que a amostra do pano;
é um exemplo que a ser seguido viremos a ter boas colecções nesse
género.
..»
.
Entre as vinte e oito anedotas publicadas, encontram-se cinco sobre
educação e escola, que evidenciam a representação destas áreas na
sociedade do Rio de Janeiro:
“Uma senhora dirige-se ao director de um
colégio muito afamado desta corte: — eu quero, disse ela, que meu filho saiba
um pouco de cada coisa: que tenha uma tintura de grego e de latim; uma
tintura de geografia e de história; uma tintura de desenho e de música. —
Acho razoável, responde-lhe o director; mas aconselho que procure antes um
tintureiro, porque eu não me posso encarregar dessas tinturas”;
“Por que foi,
pergunta um mestre a seu discípulo, por que foi que Isócrates vendeu uma
oração por vinte talentos? — Foi, responde o menino, foi por ter mais talento
para fazer outras”; “Um Mestre e o correspondente de seu discípulo — O
menino é vivo, diz o mestre, ele vai longe. — Qual longe! Exclama o
correspondente, se o pai não quer que ele saia do Rio de Janeiro?»
.
Em Junho de 1863, a secção inclui
jogos do espírito
– perguntas e
respostas, sob a responsabilidade de Carioquinha, com o objectivo de
«ser
útil matar o tempo enquanto o tempo não nos mata, e nesse pressuposto
ofereço às dignas leitoras do Jornal das Famílias este inocente passatempo
ou entretenimento do espírito. A coisa não é tão insignificante como parecerá
a muitos, que não consideram que também se aprende a ter espírito ou antes
a fazê-lo, como dizem os franceses, e é lendo estas e outras bagatelas que
se chega a tão brilhante resultado. E há tanta gente sem espírito quando a
coisa custa tão pouco! Mas vamos às perguntas, que não deixam de ser de
algibeira, e as suas respostas, que não podem deixar de ser lógicas, sendo
que o número das perguntas coincide com o número de respostas»
.
Também traz
Conselhos para a educação
, como, por exemplo, o texto
seguinte que aborda o tema das amizades dos filhos, aconselhando aos pais
atitudes e cuidados a tomar:
“Dirão por ventura alguns pais: E como podemos
nós saber, se nossos filhos têm más companhias, não podendo estar sempre
debaixo de nossos olhos que penetrem os íntimos do coração, senão os de
Deus? Respondo, que de muitos modos se pode averiguar esta verdade, e
atalhar, ou remediar este dano. Primeiro, informem-se por terceira via, de
quais são as pessoas com que seus filhos acompanham; e procurem saber,
194
Maria Helena Camara Bastos
que paragens freqüentam, e em que matérias falam: observem se tardam
muito em recolher-se para casa; e se se aplicam às tarefas cotidianas, e
distribuição das horas costumadas
...” (Jan. 1863).
Além de conselhos de educação, a secção preocupava-se em dar
conselhos de como se comportar socialmente. De Agosto de 1863 a Fevereiro
de 1864, há uma apologia do falar pouco e sua conveniência social, com a
assinatura de Sebastionopolino, com o sugestivo título
«O que não diz a
língua e o que não ouvem os ouvidos?
Em um desses artigos, destaca o
poder da linguagem simbólica usada pelas mulheres, o uso do leque, para a
linguagem expressiva do olhar das mulheres.
Avariedade de temas dessa secção incluía conselhos sobre
A arte da
beleza
. Em março de 1863, Pauchita Montez escreve um longo artigo (doze
páginas), em que resenha e recomenda a leitura da obra da tia e madrinha
Lola Montez, nobre condessa de Landsfeldt. Esse livro, para Pauchita
Montez, deveria ser lido somente pelas mulheres, pois considera que falar de
beleza é um «metier» essencialmente feminino — uma matéria da sua
competência —
«a Arte da Beleza se chama essa obra digna de ser ensinada
nas escolas primárias do sexo feminino a par da Cartilha do Padre Ignacio, e
que eu bem quisera que só de mulheres fosse lida, para que nossos segredos
senão divulgassem entre os que não deve aproveitá-los, mas já que é isso
impossível, não quero que por causa dos leitores (????) fiquem as amáveis
leitoras do Jornal das Famílias privadas das úteis licões que para elas extraio
do livro de minha tia. O mais que posso é pedir aos discretos que, se
quisserem usar de cortesia, passem adiante estas páginas que lhes não são
destinadas»
. Com essas palavras iniciais, a autora passa a dar ênfase aos
conselhos de beleza, falando diretamente às jovens —
«Minhas meninas!
Difícil coisa é dizer no que consiste a beleza.
... Para conservá-la bastam três
coisas: temperança, exercício e asseio. (.
..) Quanto ao asseio é coisa
absolutamente indispensável, nem há para a beleza da pele melhor cosmético
do que banhos mornos, que renovem as impurezas corporais acidentais e
fazem desaparecer as obstruções cutâneas, tornando numa casa a banheira
tão imprescindível como o espelho»
. A autora também destaca a alimentação
e os exercícios físicos como fundamentais à beleza —
«outro predicado da
mulher, que aspira a passar por formosa e completa, é a elasticidade ou
agilidade física que é como a alma das formas
belas. Isto adquire-se
195
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
principalmente pelo exercício, mas há também meios artificiais de dar grande
atividade aos membros.
..»
. Conclui seu texto com a seguinte afirmação —
«se
todos os apontamentos, que ofereço aqui às minhas leitoras, poderem
conservá-las toda a vida frescas, rosadas e belas como outras tantas auroras
austrais, por mui paga me darei do meu trabalho.
..»
. Ontem como hoje, a
questão da beleza feminina é um tema recorrente em todas as publicações
destinadas a este público leitor. A secção
economia doméstica
dará conselhos
às mulheres na preparação de cosméticos, cremes para as mãos, perfumes.
Cabe uma referência especial a dois artigos de apologia à mulher
publicados na secção
mosaico
. Em Janeiro de 1863, Nuno Alvares Pereira e
Souza
39
, a partir de uma epígrafe em francês:
«Sans la femme, il faut dire:/
Dans ce monde il n’est rien;/ Tout ce qu’on fait de bien,/C’est elle qui l’inspire»
,
dá ênfase à imagem mitificada da mulher como santa —
«Se há uma coisa no
mundo que deva merecer o culto mais santo e respeitoso do homem, é sem
dúvida a mulher. Ela não só é o ente mais puro e o mais nobre criado pela voz
poderosa de Deus, como o mais delicado e sensível, e por isso o mais digno
da nossa estima e desvelo»
. Nesta mesma direcção, M. de Azevedo, em Maio
de 1864, reforça mais ainda essa dimensão —
“A mulher
é o encanto da vida,
a esperança da existência, o anjo da ventura, a divindade do mundo. A mulher
é o ente que nós dá as ilusões, a santa que tem por altar o coração de todos;
é o anjo que nos faz sonhar na primavera da vida. A mulher torna nossa
imaginação viva, o nosso coração puro, a nossa alma cristã; é ela quem guia
o homem às ações generosas, o soldado ao heroismo, o sábio à posteridade,
o filósofo a Deus. A mulher é a locomotiva intelectual da natureza»
. Neste
trabalho de construção positiva do imaginário feminino, o autor traz a ideia de
que esta é uma visão progressista, ao contrapor outras formas de ver a
mulher —
«(.
..) Alguns povos embrutecidos no barbarismo e despidos de
civilização tem desprezado a mulher.
... Alguns filósofos
têm dito heresias da
mulher.
.. Entre os povos cultos a mulher tem toda preponderância, e está
representada na família, na sociedade, na literatura, nas artes; por isso tem
aparecido uma Staël, Sévigné, Jorge Sand, Girandin e muitas outras.
É divina
a missão da mulher: nos planta a fé na alma e a virtude no coração. É o
primeiro livro santo que o menino estuda: nos conselhos de sua mãe bebe a
moral de deus, os princípios da religião»
. E o autor conclui esta visão
apologética da mulher, afirmando
«(.
..) compreenda o homem bem a mulher,
196
Maria Helena Camara Bastos
e verá nessa que lhe dá o ser e a vida o ente destinado para lhe dar felicidade,
a virtude, a ciência e a glória»
.
Economia doméstica
«A economia doméstica, confiada a uma senhora, reúne a utilidade ao prazer,
e cremos não enganar-mos supondo que mais de uma receita foi aproveitada
com suma vantagem pelas mães de família que nos honram com sua assídua
leitura»
Essa secção inicia em 1865, sob a responsabiblidade de Paulina
Philadelphia, único redactor que assina uma secção permanente. Resultado
desta assídua colaboração, Paulina Philadelphia publica um livro de receitas,
conforme assinala o editorial de 1869 —
«Nossa infatigável colaboradora da
parte relativa à Economia Doméstica prepara-se para dar ao prelo uma série
de receitas e conselhos, fruto da sua mui grande experiência e ilustração»
.
A secção ocupa um espaço reduzido de páginas do periódico, uma ou
duas no máximo, e compreende principalmente receitas culinárias, alguns
conselhos de primeiros socorros e remédios caseiros, retirados das obras do
Dr. Chernoviz; algumas noções de higiene pessoal (receita para polir as
unhas e torná-las cor de rosa, pomada para a conservação das unhas, etc.);
limpeza do espaço doméstico (meio de lavar rendas pretas, etc.); algumas
noções de etiqueta e trato com os empregados domésticos.
Na perspectiva de ensinar os primeiros socorros, por exemplo de
queimaduras, a redactora recomenda que
“uma senhora que zela os
interesses de sua casa não pode, nem deve, deixar de ir à cozinha; e como
esse lugar é muito possível não só queimar-se, como incendiarem-se
vestidos, julgamos que nossas leitoras não desgostarão de saber que, se
queimarem alguma parte de seu corpo, deverão deitar álcool sobre a
queimadura, para mais depressa aliviarem a dor, embora na ocasião pareça-
lhes que a dor aumentada, e se incendiarem-se os vestidos, deverão ser
enroladas em cobertores de lã, para tirar todo o ar às chamas”
.
Em Janeiro de 1872 (p. 26), a redactora estimula as leitoras à
execução de trabalhos manuais, recomendando a confecção de meias de lã
e a compra do livro editado pela Garnier —
“Comprai a lã, molhai-a para que
não encolha como já vos expliquei e fazei vós mesmas as meias que tiverdes
197
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
de usar no inverno. Se não sabeis fazer, compre na casa do Sr. Garnier o
precioso livro, indispensável à boa dona de casa e mãe de família para
ensinar às suas filhas, intitulado: «Leçons de couture, crochet, tricot et
frivolités, de Mme. E. Raymond», e nele achareis as explicações necessárias,
desde a página 136 até a p. 149. Não riam deste meu conselho, nem pensem
que sou alguma velha que veio ao Brasil com D. Maria I. Sou moça, mas
conheço que não perde a graça quem se ocupa como nossas avós nos
misteres e coisas úteis de uma casa”
.
Em Setembro de 1867, Paulina Philadelphia faz uma advertência às
leitoras quanto às
suas responsabilidades como mãe e educadora. Sobre a
pronúncia defeituosa dos filhos, afirma que a mesma é causada pela
negligência da mãe na higiene pessoal: escovar dentes, cuidar dos dentes, ir
ao dentista. Victoria Colonna escreve o artigo «Conselhos. Linhas que as
criadas não devem ler” (Nov. 1874), em que ensina as leitoras como tratar os
criados —
“Para sermos bem servidos em nossas casas, é mister que as
governemos pelo regime parlamentar e não como déspotas absolutas, não
admitindo sequer aos criados (como tenho presenciado) o direito de justificar-
se”.
O título permite-nos presumir que os empregados também liam o
periódico.
Modas e trabalhos
“Empenhamos todos os esforços para que os figurinos e moldes,
acompanhados de suas respectivas explicações, estivessem ao par do que de
melhor se publica em Paris, onde temos um agente especialmente incumbido
deste importantíssimo objecto. Algumas músicas, gravuras, aquarelas vieram
enriquecer e ilustrar a nossa publicação”.
Modas e trabalhos
apresenta modelos da última moda de Paris, a
história dos trajes apresentados, e várias sugestões de trabalhos manuais, de
pinturas e partituras musicais. Manteve-se em todos os números publicados,
ocupando de 5 a 9 páginas, o que representa em torno de 20% do total de
páginas do períódico. Somente em 1871, o suplemento não é publicado nos
meses de Abril a Agosto. Para Mauro (1991, p. 226), esse
suplemento prático
era muito importante para a venda da revista, pois atraía um numeroso
público feminino, ávido por conhecer as últimas novidades da moda francesa.
Nesse momento, a preocupação com a moda expressava uma mudança da
198
Maria Helena Camara Bastos
presença da mulher em sociedade, dando-lhe mais visibilidade pública, antes
restrita ao âmbito privado. Ela passa a frequentar saraus literários,
apresentações teatrais, óperas, operetas, bailes.
Essa secção apresenta a parte ricamente ilustrada do periódico,
seguindo uma tendência da época relativa à imprensa destinada às mulheres.
Para Watelet (1999, p. 337), a imprensa ilustrada inicia exactamente nas
publicações de luxo destinadas ao público feminino, com a reprodução de
gravuras de moda. É em 1785, com o periódico
Cabinet des modes
,
considerado o primeiro periódico ilustrado francês.
O significado dessa secção pode ser avaliado pela interessante e
sugestiva crônica de C. F. —
Um jornal casamenteiro: «S. Gonçalo de Amarante,
como nume tutelar dos casamentos, tem um rival na imprensa: o Jornal da
Famílias. A seguinte historieta, verídica em todos os pontos, o comprova de
maneira incontestável. (.
..) No dia seguinte ao consórcio, conversavam duas
moças, à rua Direita. (.
..) «Minha cara.
.. o hábito faz o monge. Essa não casou
pela carinha, mas pelo vestido». «Como é que se entende isso ?». «Muito
facilmente. O Paulo viu a Luizinha, na festa e no Te-Deum, com aqueles dois
vestidos novos que ela mandou fazer pelos figurinos do Jornal das Famílias.
..
não te lembras ?». «Sim.
.. o azul e o cor de rosa, de túnica comprida e
chatelaines.
..». «Isso mesmo! Pois bem: viu-a com esses vestidos.
.. apaixonou-
se.
.. e estão casados!». «Então foi o Jornal das Famílias quem fez o casamento.
Está claro (.
..) Se o Garnier soubesse.
..». «Não devias dizer o Garnier, mas —
se todas as moças soubessem.
.. assinavam o jornal casamenteiro!». «Mas como
podem saber?». O folhetinista passava neste momento por meio das duas
janelas; cumprimentou ambas as moças e disse-lhes sorrindo: «Eu me
encarrego disso!». E cumpriu sua palavra. E a mocinha bonita que quiser casar
depressa deixe S. Gonçalo de Amarante, e agarre-se com os figurinos do jornal
casamenteiro, o Jornal das Famílias do Sr. B. Garnier»
.
Na contra-capa, onde consta a apresentação e sistema de assinaturas
do periódico, é dado grande destaque ao suplemento de modas e trabalhos
manuais, com as seguintes palavras —
“No fim de um ano, terão os nossos
assinantes um elegante volume de 384 páginas de literatura amena, algumas
ilustrações, muitas gravuras sobre aço, desenhos à aquarela colorida, ditos
de trabalhos de crochê, lã e bordados; moldes de enfeites para senhoras,
figurinos e peças de musica inéditas”
.
199
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
Os modelos apresentados — incluindo cartela de tecidos e cores,
desenhos de jóias e acessórios —, destinavam-se às grandes ocasiões
(bailes, casamentos, primeira comunhão, teatro, ópera, etc.), e privilegiavam
as mulheres e as crianças. Os modelos eram de luxo, da nobreza européia,
isto é, destinados a uma clientela rica. As gravuras, assinadas por Paul
Lacourière e Rigolet e impressas em Paris por Falconnier, apresentam grande
similaridade de modelos e desenhos com as publicadas nos suplementos dos
periódicos franceses. A riqueza dos gráficos de trabalhos manuais — crochê,
tapeçaria, bordado, evidencia um cuidado com a produção e estimula os
trabalhos femininos, adequando-os às necessidades das leitoras e às
exigências da última moda. Cabe assinalar, por outro lado, a função religiosa
de muitos destes trabalhos, tanto pelos motivos sugeridos como pela
finalidade — ornar altares de igrejas, genuflexórios ou oratórios no espaço
doméstico.
A explicação das
estampas
de moldes ou bordados acompanha cada
número. Em Janeiro de 1864, a administração da revista assim se dirige às
leitoras —
“sempre dirigida pelo desejo de procurar às suas assinantes o que
lhes pode agradar, oferece-lhes hoje uma esplêndida gravura de ouro e cores,
representando de uma maneira clara e circunstanciada diferentes pequenos
trabalhos elegantes que lhe fornecerão lindos modelos para presentes de
festa”
(p. 24).
Os moldes/modelos muitas vezes devem ter trazido dúvidas às leitoras
quanto à execução. Assim, em Fevereiro de 1866, o
Jornal das Famílias
coloca-se à disposição para resolver esses problemas, através da seguinte
nota assinada por H. Gueffier, provavelmente o responsável pela tradução na
França —
“Não sabendo nós fazermos os trabalhos que vêm neste jornal e
ignorando por conseguinte os termos técnicos neles empregados, os quais
não se encontram nos próprios dicionários franceses, pode a nossa tradução
dar lugar a muitas dúvidas para as pessoas que quiserem executar os
mesmos trabalhos; por isso participamos às nossas assinantes que, com a
benévola coadjuvação de uma senhora que sabe fazer todos esses trabalhos,
sempre estaremos prontos a dar-lhes as explicações de que carecem”
.
Além disso, a importação da moda francesa traz problemas para a
língua portuguesa, como denuncia Sebastianopolino em artigo publicado com
o título
O Cache-nez
(Agosto de 1864) —
“Todo mundo ouve falar em cache-
200
Maria Helena Camara Bastos
nez e nem todos sabem o que é ele.
.. Cada moda que vem para nossa terra,
cada traste que se importa, cada melhoramento que se adora custa-nos pelo
menos um galicismo. Entre nós todos estão habilitados a dar carta de
naturalização às palavras estrangeiras, por menos adequadas que sejam ao
nosso idioma”
.
Gravuras de grandes pintores, na maioria renascentistas italianos
também são trazidas à secção com explicações ao leitor. Por exemplo, na
gravura
La Donna
, de Ticiano, conta a história da Galeria do Palácio Pitti, em
Florença, e da vida do pintor. No número de Fevereiro de 1876, o editor
informa uma mudança neste item —
“demos até agora às nossas assinantes,
gravuras sobre madeira representando quadros dos grandes pintores: para
variar vamos no presente ano oferecer-lhes gravuras de cenas de imaginação
ou de família”
. Uma das cenas apresentadas destaca a fraternidade como
tema, com a seguinte descrição —
“na primeira uma moça encontra-se com
um pobre velho enfraquecido pela fome e pelo cansaço, e lhe oferece alguns
alimentos; (.
..) outra menina mais moça e um grande menino servem de apoio
ao pobre velho que com eles vai gozando das belezas do campo e do calor
do sol”
. Em agosto de 1870, o editor publica
AVirgem do Concílio
, com as
seguintes palavras —
“esta linda cromolitogravura, que foi composta de
propósito para as nossas assinantes, servi-lhes há de recordação do
memorável ano do Concílio. Esta aquarela lhes será, o esperamos, quanto
mais agradável que ela apareceu no mês consagrado à Maria”
.
As partituras musicais publicadas voltam-se para a vida de salão —
para serem tocadas, cantadas e dançadas. Algumas também têm destinação
religiosa. Assim, por exemplo, as músicas publicadas no tomo III (1865) foram
La danse au chalêt (quadrilha); La Cavalcade (galope); Carillon, marcha turca;
Musica sacra — inviolata, molete à Santissima Virgem; Ange Gardien — valsa
para piano; A flor de ouro, canção para piano; Le carmel, cantata para canto
e piano; Ce que Dieu donne (música para piano e canto); Les papillons
(música para canto e piano).
No número de Março de 1874, a secção inclui duas atividades
diferentes, assim
apresentadas às leitoras — “um jogo do viajante e um mapa
do sistema planetário, que ganhou medalha de prata na Exposição de
Economia Doméstica de Paris em 1872 e Medalha de Bronze na Exposição
Universal de 1867”.
201
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
Outras secções
Em Janeiro de 1871, é criada a secção
Floricultura
, que é publicada
somente em seis números. Essa secção é assinada por um pseudónimo — V.
N. B — e nasce com o seguinte objectivo:
«em um jornal dedicado às damas,
como o das Famílias, nota-se a grave falta de que entre os artigos que tanto
ilustram não haja um que se ocupasse com a floricultura. Nós propomos
corrigir essa lacuna, principiando por esboçar o desenvolvimento que a cultura
das flores adquiriu no Rio de Janeiro, bem como sua decadência. (.
..) É nosso
propósito combater o estado decadente da floricultura, e regenerar o gosto, se
tanto tiver em nossas forças, por meio de uma série de artigos que dedicamos
ao cultivo e linguagem das flores, sem que nos importemos com esse impuro
vade mecum
que por aí corre impresso junto às folhinhas Laemmert. Assim,
não deixaremos de chamar a delicada atenção do belo sexo para este
assunto, e nos permitirá que com nossos artigos lhes ofereçamos a descrição
e cultivo de algumas flores e plantas de ornato ou
medicinais para as
cultivarem em seus jardins. Nosso empenho é reunir o útil ao agradável»
. Os
artigos defendem a floricultura como um fazer feminino, estimulando as
leitoras a se dedicarem a esta actividade, cuidando do seu jardim, ornando os
vasos, conhecendo a linguagem das plantas cientificamente (classificação,
linguagem e história). Por exemplo, em Março de 1871, a secção informa que
escreveremos hoje designadamente para o belo sexo, dando-lhes a descrição
de uma bela planta, sua significação na linguagem das flores e cultivo
, ou em
Fevereiro de 1872 —
com este artigo oferecemos às nossas leitoras o que
extraimos da linguagem das flores: alma e sentimento das Flores
.
A função educativa e instrutiva da revista é reforçada em Fevereiro de
1877, quando é incluída a seção
Variedades — Alusões Históricas
, com as
seguintes palavras da redactora responsável Brazilia —
«Cremos prestar um
serviço às nossas leitoras, dando-lhes aqui, sempre que nos for possível, a
explicação de certas alusões históricas ou de certas palavras comumente
usadas, cuja origem se prende a factos passados. Abrindo pois esta nova
secção no Jornal das Famílias, esperamos que será esse acto considerado
como mais uma prova do zelo que a redacção emprega em ser útil a
agradável aos assinantes»
. Com essa intenção, são explicadas algumas
expressões da língua — nó gordio; leito de procusto; bode emissário; fé de
carvoeiro; forcas caudinas (sujeitar-se a condições humilhantes); a túnica de
202
Maria Helena Camara Bastos
Nessus; o ovo de Colombo; presente grego; a espada de Damocles; cantar a
palinodia. Essa secção é também assinada por
Benta Pereira, Dr. Moreira de
Azevedo, Antonio Gonçalves, José Bonifácio de Andrade Silva. Aborda outros
temas como as tradições, lembranças históricas; recomenda a leitura de livros
(Memória topográfica e histórica sobre os Campos de Coitacazes; Memórias
históricas de Pizarro). Em Janeiro de 1878, é publicada a carta de um pai, que
oferta à filha um livro de missa como presente de aniversário, na qual destaca
as qualidades esperadas de uma
mulher socia
l:
«Este modesto presente de
anos tem uma dupla missão — por isso que é ao mesmo tempo uma
lembrança e um conselho. É um conselho, porque desperta a idéia de oração.
É no seio da religião, minha filha, que as almas cristãs se aperfeiçoam, que
acham conforto e resignação nos contratempos da vida; é, seguindo os
ditames do seu evangelho, que uma moça pode alcançar a virtude, sem a qual
a consciência lhe perturbaria a felicidade. (.
..) Menina ainda, na idade juvenil,
a mocidade te abrirá em breve as portas dessa sociedade cercada de seus
atraentes encantos e seduções; mas para a qual se deve entrar com os
costumes já formados, com o coração já fortalecido pelas máximas da mais
sã moral que formam a base de uma educação aperfeiçoada. Quando essa
ocasião chegar, filha, não te olvides de que a amabilidade, a delicadeza, a
modéstia, a docilidade e a virtude são os primordiais predicados da mulher
social».
De 1863 a 1865, aparece a secção Viagens, com o objectivo de
descrever lugares pitorescos do Brasil ou de outros países, e de permitir o
estudo de diferentes realidades. A. E. Zaluar inicia essa secção com o relato
de um passeio a São Vicente/São Paulo, esperando que os leitores curiosos
aprendam
quanto custa fazer uma viagem arqueológica por estas paragens
.
Em
Um Casamento na Roça
(Ago. e Set. 1864), Hope pretende estimular o
estudo dos costumes locais. Afirma que
“quando chegar o tempo em que a
nossa literatura, tão balda atualmente de estímulos, engendrar em uma senda
mais desassombrada, estamos convictos que muito partido se deve tirar das
cerimônias, dos usos, da originalidade pitoresca do viver íntimo das
povoações do interior, assim como do caráter peculiar de seus habitantes,
inesgotável manancial dos mais curiosos e singulares contrastes. A capital do
Império não oferece coisa alguma que possa surpreender a admiração do
estrangeiro. É um arremedo de todas as cidades do mundo.
..”
, e conclui que
203
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
“a sociedade é assim, composta do ridículo e do sublime; mas aceitemo-la
com seus instintos naturais, e não queiramos modificar os costumes,
reduzindo-nos ao movimento cadenciado dos autômatos nas horas solenes
das grandes alegrias da vida, nos dias mais memoráveis da existência. No
meio de tudo isto quanto me faz rir e pensar, confesso-o, prefiro a franca
jovialidade do roceiro à impertinente etiqueta dos casamentos burgueses de
nossas grandes cidades”
.
A secção
História
, presente de 1863 a 1868, foi em grande parte
escrita pelo Padre Francisco Bernardino de Souza. A ênfase foi dada à história
religiosa, abordando sobretudo
temas bíblicos: Filha de Jehphté, O festin de
Balthazar, A revolta dos anjos, A mulher adúltera, O dedo de Deus, etc. São
histórias cheias de exemplos morais e de virtudes, em um passado
dramatizado que conjuga a sedução do romance e a aprendizagem da história
e da religião.
Algumas secções só aparecem em um ou dois números da revista. Por
exemplo, agricultura (Algodão e sua cultura); literatura (Garrett e seu
brasileirismo); bibliografia (resenha de obras editadas pela Garnier: Pequeno
panorama ou descrição dos principais edifícios da cidade do Rio de Janeiro,
M. D. Moreira d’Azevedo; Caos do espírito humano, J. G. de Magalhães).
Para concluir
A expansão da imprensa marca a consolidação da sociedade
burguesa, graças aos mecanismos difusores da informação — uma forma de
comunicação muito antiga, próxima das narrações orais que transmitem a
experiência vivida e que passam de pessoa a pessoa. Da mesma forma, a
imprensa periódica passa a divulgar muitos os temas até então reservados
essencíalmente à cultura livresca. Através do folhetim, o romance atinge um
público mais amplo e suplanta a influência de outros gêneros e tradições
literárias, popularizando a leitura e tornando-a cada vez mais uma atividade
cotidiana.
A história da leitura analisa a maneira que os leitores penetram no
mundo da cultura escrita. Os
usos sociais da leitura
são múltiplos — didáticos,
maiores conhecimentos; leitura de divertimento, evasão no mundo fictício e
divertimento no mundo real; imigração mental de um mundo a outro;
204
Maria Helena Camara Bastos
identifícação do leitor com o mundo do personagem; leitura de evasão que
mobiliza experiências emocionais (Mauger, 1999).
Todo romance é uma enciclopédia normativa — relaciona regras, o
savoir-vivre
, com seu aparelho de normas, de princípios, de «maneiras», de
sanções, de avaliações mais ou menos codificadas, que são prescritivos ou
permissivos, constituindo o material e o sujeito de todo romance. O normativo
informa e define cada personagem do romance na sua ação. Assim, o
romance legitima a arte de viver proposta como modelo; forma a
sensibilidade, o gosto, o julgamento; exercita a imaginação; convida ao
sonho, à re-criação, ao reencontro só a só com «grandes obras», à comunhão
da alma com a alma «dos grandes escritores» (Hamon,1997). O leitor comum
transforma toda situação romanesca como uma situação sua. Esse tipo de
literatura, chamada de literatura feminina, substitui uma sociabilidade de face
a face ou de grupo, e permite a construção ou reconstrução identitária, na
perspectiva de uma história de gênero.
A leitura transita por diferentes caminhos — do previsível, do
imprevisível, do inconsciente, da subjetividade. A leitura é pessoal e social,
produz e constrói o leitor. É um processo dinâmico, em que a singularidade de
cada um se defronta com o escrito e dá-lhe os significados que mais se
adequam à sua história de vida (Ribeiro, 2000). A leitura também deve ser
examinada no terreno social onde ela está enraizada: a significação das
práticas deve levar em conta o conjunto das condições de existência do grupo
social e sua relação com os objetos e as práticas da cultura mais valorizada.
(Thiesse, 1984).
A circulação do
Jornal das Famílias
, na segunda metade do século
XIX, insere-se nesta perspectiva normativa, com função moral e pedagógica
dirigida especialmente às mulheres, ao seu papel na família e na sociedade.
Abordando temas moralmente formadores, objetivava propagar e perpetuar a
moral, a virtude e a mentalidade vigente e socialmente aceita. O estudo
permite entrever o processo de construção do universo feminino/ masculino e
das famílias brasileiras em uma sociedade em urbanização crescente, de
expansão dos espaços de produção e consumo da cultura impressa, em que
códigos morais e de civilidade precisavam impor-se. Através de uma leitura
amena e prazerosa educava seus leitores, nos valores de uma sociedade
moderna e letrada, tendo como espelho a França. Pode-se afirmar que o
205
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
periódico permitia às famílias brasileiras respirarem ares análogos aos que
corriam na França neste momento, principalmente através da seção modas e
trabalhos, grande atrativo às leitoras.
Há tantas leituras possíveis quantos foram os leitores dessa revista,
ontem como hoje. Espera-se que este estudo incite outras pesquisas pelos
impressos que compuseram o mundo da leitura no Brasil e formataram
inúmeras publicaçôes do gênero. Por exemplo, Marina Maluf (1995, p. 190)
assinala, na entrada do século XX, o hábito das famílias abastadas manterem
a assinatura regular de vários periódicos estrangeiros —
The Delieator,
L'Illustration
40
, Review of review, Journal de la Jeunesse, Mon Journal
41
, os
quais nos possibilitariam melhor compreender a circulação das idéias, de
hábitos e de atitudes e sua apropriação pelo público-leitor.
Notas
1
Este estudo integra o projeto de pesquisa de pós-doutoramento (CAPES) — A
Educação no campo das relações Brasil-França. A viagem das idéias pedagógicas,
das práticas educativas e escolares (1860-1900), junto ao Départment de Mémoire
de L’Éducation — SHE/INRP — Paris/França (12/1999-12/2000), sob a orientação
de M. Pierre Caspard.
2
Vários estudos têm sido realizados visando analisar esta influência: BARBOSA, M.
de Lima.
Os franceses na História do Brasil
. Rio de Janeiro: Briguet, 1923;
FREYRE, Gilberto.
Um engenheiro francês no Brasil
. Tomo 1. Rio de Janeiro: José
Olympio, 1960; ARAÚJO, Carlos da Silva.
L’Influence française sur la culture
brésilienne, sur la pharmacie et sur la médecine en particulier
. Rio de Janeiro:
Gráfica Olimpia Ed, 1973; CARELLI, Mário.
France-Brésil: cinq siècles de
séduction
. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1989; CARELLI, Mário; THÉRY, Hervé;
ZANTMAN, Alain.
France-Brésil: bilan pour une relance
. Paris: Ed. Entente, 1987;
CARELLI, Mário.
Cultures croisées. Histoire de échanges culturels entre la France
et le Brésil de la Découverte aux Temps Modernes
. Paris: Nathan, 1993. 250 p. No
campo das Ciências, ver: HAMBURGUER, Amélia I. e outros (org).
A Ciência nas
relações Brasil-França
(1850-1950). São Paulo: EDUSP; FAPESP, 1996.
3
Carelli (1993, p. 113) também afirma que
“este período de decadência da
monarquia brasileira e a instauração de uma ordem republicana foram preparados
por uma longa maturação ideológica onde as principais referências são a França
das Luzes, a Revolução Francesa e as correntes de pensamento em voga na
Europa, especialmente o positivismo.
4
Na Biblioteca Nacional da França, existe a colecção completa, no total de 192
números em bom estado de conservação. Na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro
foram localizados 108 números da revista.
206
Maria Helena Camara Bastos
5
Palhares-Burke (1998) afirma que a imprensa foi um poderoso instrumento do
projeto iluminista de mudar idéias e maneiras das pessoas comuns. Essa função da
imprensa é geralmente justificada pela ausência de outros agentes educativos,
como leis e um sistema de educação pública.
6
Esse fenômeno também se observa em outros países, como, por exemplo, em
Portugal, conforme análise de RIBEIRO, Maria Manuela T.,
Livros e Leituras no
século XIX
.
7
“No Brasil, em 1875, o número total de estabelecimentos de ensino primário e
secundário era de 5.890, atendendo a 187.915 alunos. (.
..) Em comparação aos
resultados da última estatística de 1872, no espaço de dois anos
houve um
aumento de 994 escolas e de 20.478 alunos”
(BRASIL, 1876, pp.196-198).
8A primeira revista feminina do Brasil data de 1827, com o título
O Espelho
Diamantino – Periódico de política, literatura, Belas Artes, Teatro e Modas dedicado
as senhoras brasileiras
, editada por Pierre Plancher. Seguiram-se outros periódicos
femininos:
Espelho das Brasileiras
(Recife, 1831);
Jornal das Senhoras
(1852);
O
Sexo Feminino
(Minas Gerais,1872?);
A Família
(1888).
9
Na capital do Império, em 1875, são listadas as seguintes bibliotecas: Nacional, da
Faculdade de Medicina, da Escola Politécnica, da Escola da Marinha, da Escola
Militar, do Museu Nacional, da Direção geral de Estatística, da Academia de Belas
Artes, do Instituto de Surdos-mudos, do Mosteiro de São Bento, do Convento de
Santo Antonio e do Carmo, do Gabinete Português de Leitura, do Gabinete de
Leitura Inglês, da Associação Germânia,
do Instituto Histórico e Geográfico, da
Sociedade Auxiliar à Indústria Nacional, da Sociedade Amante da Instrução, etc. Em
todo o país, as bibliotecas são freqüentadas por 85.004 pessoas, o que significa
2,1% da população brasileira. (BRASIL, 1876, p.235-246)
10 Sobre bibliotecas, homens e livros, ver: BESSONE, Tania M.,
Palácios de Destinos
Cruzados
. Bibliotecas, homens e livros no Rio de Janeiro (1870-1920). Neste livro,
a autora chama a atenção para a necessidade de estudos sobre bibliotecas
pessoais, domésticas ou profissionais, referências importantes para conhecer as
ambições de seus proprietários, como indivíduos e como homens públicos.
11
Esta parte baseia-se no capítulo
VIII – Baptiste Louis Garnier, em
O livro no Brasil
(
sua história
), de Laurence HALLEWEL, pp. 126-150.
12 A Garnier Frères também expande o seu mercado editorial para publicações em
língua espanhola, destinadas à Espanha, mas atingindo os países da América
Latina. No estudo de Clara Brafman (1996), sobre os manuais escolares de leitura
de origem francesa na Argentina, cita, na segunda metade do século XIX, a
presença da
Garnier y Hermanos,
com a edição do célebre livro Juanito, de Luigi
Alessandro Parravicini (nos anos de 1858,1862, 1886, 1927); do livro
Cuentos de
Schmidt
, de Chamoine Schmidt (1863-66, 1886).
13 Sobre
a Garnier da França, ver o estudo de MOLLIER, Jean-Yves:
L’Argent et les
Lettres. Histoire du Capitalisme d’Édition (1880-1920),
pp. 235-247.
14 Para Mollier (1988, p. 238), a ida de B.L. Garnier para a América do Sul — Brasil —
inscreve-se na possibilidade de impressão de livros obscenos, proibidos na França,
os quais garantiram significativos recursos financeiros para a expansão do
comércio livreiro dos Irmãos Garnier.
207
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
15 A grande popularidade do romance começou na Inglaterra com Scott e Radcliffe,
mas tornou-se um gênero dominante, pelo menos no que concerne ao mercado de
livros, na França no fim da década de trinta, com Balzac, Dumas pai, Alphonse Karr,
Paul de Kock, Soulié e Eugène Sue. Sua expansão começou na França quando os
jornais da época, excessivamente enfadonhos, começaram — por volta de 1827 —
a depender das rendas proporcionadas pela publicidade e viram-se forçados, em
consequência, a empenhar-se numa guerra para ampliar a circulação. A solução
adoptada foi de buscar leitores com o
roman-feuilleton
, ou ficção em série. A
Revue
de Paris
introduziu essa ideia, no fim da década de 1820; porém, só se tornou uma
prática generalizada por volta de 1836 (HALLEWEL, 1985, pp. 126-127).
16 Tipo de publicação na forma de folhetim com enredos melodramáticos, com cada
parte planejada para terminar de forma a deixar o leitor aguardando ansiosamente
a continuação.
17 Justiniano José da Rocha (1812-1862)
publica
Os assassinos misteriosos ou a
Paixão dos diamantes
, novela histórica (1839);
Coleção de fábulas imitadas de
Esopo e de La Fontaine
(1852);
O pariá e a sociedade brasileira
, novela.
18 Para Hallewel, os folhetins jamais desapareceram completamente no Brasil. Alguns
autores do século XX — Olavo Bilac, Medeiros e Albuquerque, Coelho Neto, Lima
Barreto, Rachel de Queiroz, Dinah Silveira de Queiroz — escreveram neste gênero
suas obras, para depois as terem publicada em livro.
19 B.L. Garnier também edita autores ingleses, especialmente todas as obras de
Samuel Smiles, que tiveram grande repercussão na época. Sobre Samuel Smiles,
ver: BASTOS, M.H.C.
Leituras da ilustração brasileira: Samuel Smiles
(1812-1904).
Ícone. V. 6, n.1, jan-jun. 2000. pp. 117-134.
20 O principal autor de livros didácticos publicados pela Garnier foi Felisberto
Rodrigues Pereira de Carvalho.
21 Sobre este período da Garnier no Brasil (1893-1944), consultar HALLEWEL,
Laurence.
O livro no Brasil (sua história)
. Cap. X
22 Esta revista insere-se no movimento da
imprensa romântica
no Brasil,
marcado pela
proliferação de revistas literárias, como: Niterói
(1836);
Minerva Brasileira
(1843-
1845);
Guanabara
(1851-1855),
Marmota
,
Espelho, Estação e diversas outras.
(MAURO, 1991, p. 223)
Sobre a Revista Popular
, ver MARTINS, Wilson.
História da
Inteligência Brasileira
. Vol. III, p. 112-116.
23
“Entre seus quarenta redactores estavam os maiores nomes da literatura e da
política brasileira. A revista publicava crônicas mundanas, mas grande parte dela
tinha um conteúdo muito sério, destinado à pessoas cultas”
(MAURO, 1991, p. 223).
24 Elisée Reclus assinala que
“por ocasião do recenseamento de 1872, calculou-se
que em 100 indivíduos havia 23 homens e 13 mulheres que sabiam ler; além disso,
só um negro entre 1000 conhecia o alfabeto”
. RECLUS, Élisée.
Estados Unidos do
Brasil. Geografia, Etnografia, Estatística
.p. 454; PALHARES-BURKE, Maria L. op.
cit. p. 150.
25 Aos nossos leitores.
Jornal das famílias.
T. I, n.1, pp. 5-6, jan. 1863.
26 Também a Livraria Laemmert (1848-1902) trabalhava com jornais e revistas
importados. De 1871 a 1879, edita um suplemento em português para acompanhar
um de seus principais periódicos importados, a revista francesa
La Saison. Journal
208
Maria Helena Camara Bastos
ilustrée de dames
. Em 1879, começa a publicar a sua própria revista, com o título
A
Estação
, que se destaca pelo suplemento literário — publica um número apreciável
de colaborações de Machado de Assis. (HALLEWEL, 1985, p. 251). Sodré (1999)
cita também, nessa época, o
Jornal das Moças Solteiras, Correio das Damas.
27 Para se ter uma idéia da variedade de anexos que compunham a seção
modas e
trabalhos
, citaremos alguns deles: o número 1, de janeiro de 1865, trazia figurinos
de modas; estampa de roupas feitas (capotes); estampa dobrada de desenhos e
bordados; estampa dobrada de moldes; estampa de trabalhos em ouro e cor; duas
árias para canto e piano. O primeiro número de 1868 tinha como anexos figurino de
modas (colorido); estampa dobrada de bordados; estampa dobrada de moldes;
molde cortado de tamanho natural; estampa de tapeçaria colorida; polka-mazurcha,
melodia, valsa (música para piano); aquarela (paisagem).
28 Hallewel afirma que Garnier foi o primeiro a introduzir preços fixos de capa, com
base na teoria de que todo livro tinha seu próprio e limitado mercado. Creio que,
para a revista, esta posição também se aplicava.
29 No livro
“L’Empire du Brésil à l”Exposition Universelle de 1876 à Philadelphie”
(1876,
pp. 247-263), no capítulo dedicado à imprensa, constam as tiragens dos principais
periódicos do Rio de Janeiro:
Jornal do Comércio
– 15.000 exemplares diários;
Diário do Rio de Janeiro
— 5.000 exemplares diários;
Nação
— 1.200 exemplares
diários;
Gazeta de Notícias
— 12.000 a 18.000 exemplares diários.
30 No jornal RioGrandense, de 8 de outubro de 1867, aparece o anúncio da
Livraria da
Madame Viúva
, com a seguinte mensagem aos leitores: “
Acaba de abrir uma
Livraria na rua de Bragança junto à Florista, onde o ilustrado público desta cidade
encontrará sortimento de livros clássicos, de medicina, sciências, artes, literatura,
novelas, ilustrações, educação, devoção, atlas, mapas geográficos, tanto em
francês, português, inglês, italianos e alemão. (.
..) Recebem-se na mesma livraria
assinaturas para o Jornal das Famílias, assim como para todas as revistas e jornais
literários, científicos e artísticos”
.
31 Em janeiro de 1874, o
Extrato do catálogo da
Livraria B. L. Garnier
destaca as
obras de J. M. Macedo; J. M. Pereira da Silva; J. Norberto de Souza e Silva;
Machado de Assis; Fausto; José de Alencar; Senio; L. Guimarães Jr; A. Belot;
Edmond About; Octavio Feuillet; Rozendo Moniz; Ponson Terrail; Bernardo
Guimarães.
32 Para Frédéric Mauro (1991, pp. 224-25), a partir de 1840, assiste-se à fusão entre
a imprensa e a literatura, com o triunfo do jornalismo conservador, que servia aos
interesses dos barões do Império, e que se manteve até as vésperas da
proclamação da República.
O processo era o seguinte: a literatura conduzia ao
jornalismo, e este à política. Esta última exigia que os seus adeptos fossem
oradores. No final, portanto, as pessoas eram as quatro coisas ao mesmo tempo:
letradas, jornalistas, políticas, oradoras. Era a imprensa romântica, marcada pela
proliferação de muitas revistas literárias, (.
..) com forte influência francesa, tanto no
conteúdo como nas técnicas de impressão.
33 Além de ser redatora dessas duas seções, Paulina Philadelphia
assina a tradução
do romance
Dolores
, publicado em 18 capítulos, entre novembro de 1865 a junho
de 1868; e publica dois textos de sua autoria —
Jovens interessantes
e
A vaidade
corrigida
.
209
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
34 O uso de pseudônimo, tanto na seção
romances e novelas
como na seção
poesia
,
permite-nos aventar a hipótese de que o autor era uma figura política, que não
gostaria de se expor totalmente em uma aventura literária. Os poetas utilizam-se
deste artifício, quando têm de atuar em outros gêneros literários considerados
menores — contos, novelas, mexericos.
35 PAIXÃO, Fernando (coord.)
Momentos do livro no Brasil
. p. 22. No Dicionário
biobibliográfico de Victor Brinches, consta que escrevia com o pseudônimo de
Malvólio
as crônicas “Gazetas de Holanda”. p. 416.
36 Para
Sandra Pesavento (1996, p. 91),
«o leitor deve saber ler a representação de
vida que o romance folhetim oferece. A vida cotidiana, os problemas, os valores e
as sensações de uma época».
37 Sobre a literatura e educação, ver FREITAG, Bárbara.
O Indivíduo em formação
.
38 Em 1875, Honorata M. Carneiro publica em livro o poema “A Redenção”.
39 Nuno Alvares Pereira e Souza (1836). Publica
as obras:
Folhas soltas
(1860);
O
menino endiabrado
(Biblioteca infantil, 1870)
40 Este periódico começa a ser publicado na França, em março de 1843, sendo
editado por cento e dois anos (1845), perfazendo um total de 5.291 números. Foi o
primeiro jornal ilustrado do mundo — um magazine de luxo, destinado à elite. Foi
leitura freqüente em algumas famílias brasileiras, como podemos verificar nos
diáríos de Cecília Assis Brasil (1916-1928) e no livro de memórias —
Solo de
Clarineta
, de Érico Veríssimo. Sobre a história do
L’Illustration
, ver:
MARCHANDIEU, Jean-Noël.
L'lllustration
1843-1944.
Vie et mort d'un journal
.
41 "
Era em uma ponta da mesa da sala de jantar que Brazilia trabalhava, já que a outra
estava reservada para o "bom irmão" Asdrubal ler a coleção lindamente
encadernada do "Mon Journal"
(1881-1925, editado pela Hachette),
presente do
pai
" (MALUF, 1995, p. 290).
Referências
AZEVEDO, C. D. (1976).
Jornal das Famílias. Contribution à l’étude de la presse
féminine brésilienne XIX siècle
. Paris: Université Paris I, (Mémoire de maitrise).
BASTOS, M. H. C. (2000). O diário de Cecília de Assis Brasil (1916-1928): práticas de
leitura de uma moça gaúcha. In: MIGNOT, A. C; BASTOS, M.H.C.; CUNHA,
M.T.S. (org)
Refúgios do Eu. Educação, história, escrita autobiográfica
.
Florianópolis: Editora das Mulheres.
BASTOS, M. H.C. e CUNHA, M.T.S. (2000). Olhai o que o tempo não levou. A Literatura
de Erico Verissimo. In: GONÇALVES, Robson Pereira (org).
O Tempo e o Vento
— 50 anos
. Santa Maria/RS: UFSM; Bauru/SP: EDUSC. P. 181-197.
BASTOS, M. H. C. (2000). Leituras da ilustração brasileira: Samuel Smiles (1812-1904).
Ícone
, UNIT/Uberlândia, v.6, n.1, jan/jul. pp.117-134.
BENJAMIN, Walter (1987).
Obras escolhidas — Magia e Técnica, Arte e Política
. São
Paulo : Brasiliense.
210
Maria Helena Camara Bastos
BESSONE, Tania M. (1999).
Palácios de Destinos Cruzados. Bibliotecas, homens e
livros no Rio de Janeiro (1870-1920)
. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.
BRAFMAN, Clara (1996). Les Manuels Scolaires de Lecture d’origine française en
Argentine dans la deuxième moitié du XIX siècle.
Revue Histoire de l’éducation
.
Paris, n. 69, janvier. pp. 63-80.
BRASIL (1876).
L’Empire du Brésil à l’Exposition Universelle de 1876 à Philadelphie
. Rio
de Janeiro : Tipografia e Litografia do Imperial Instituto Artísitco.
BRINCHES, Victor (1965).
Dicionário biobliográfico luso-brasileiro. Brasil-Portugal
:
Fundo de Cultura.
BUISSON, F. (1911).
Nouveau Dictionaire de Pédagogie et d’Instruction Publique
. Paris:
Hachette.
CARELLI, Mário; THÉRY, Hervé; ZANTMAN, Alain (1987).
France-Brésil: bilan pour une
relance
. Paris : Ed. Entente.
CARELLI, Mário (1993).
Cultures croisées. Histoire de échanges culturels entre la
France et le Brésil de la Découverte aux Temps Modernes
. Paris: Nathan.
CASANOVA, Vera (1996).
Lições de Almanaque — um estudo semiótico
. Belo
Horizonte : UFMG.
CHARLE, Christophe (1999). Paris Métropole Culturelle. Essai de comparaison avec
Berlin (1880-1920).
Mélange de l’École Française de Rome. Italie et
Méditerranée
. Roma, t. III, n. 1, pp. 455-476.
CHARTIER, Anne-Marie (2000). L’enseignement de la lecture: une approche historique.
IN: NUNES, T. and BRYAND, P.
Handbook of children’s literacy
. Londres:
Kluwer Academish Publishers (no prelo).
CHARTIER, Roger et MARTIN, Henri-Jean (dir) (1990).
Histoire de l’edition française
.
Tomo III. Les Temps des éditeurs. Du romantisme à la Belle Époque. Paris :
Fayard/Cercle de la Librarie.
FREITAG, Bárbara (1994).
O Indivíduo em formação
. São Paulo: Cortez.
FREYRE, Gilberto (1960).
Um engenheiro francês no Brasil
. Tomo 1. Rio de Janeiro :
José Olympio.
FORD, Jeremiah, WHITTEM, Arthur, RAPHAEL, Maxwell (1931).
ATentative
bibliography of Brazilian Belles-Lettres
. Cambridge: Harvard University Press.
FOSTER, David W. e RELA, Walter (1990).
Brazilian Literature. A Research
Bibliography
. New York/London : Garland Publishing.
GESTIN, Daniel (1998).
Scènes de lecture
: le jeune lecteur en France dans la première
moitié du XIX siècle. Rennes: PUR.
HALLEWEL, Laurence (1985).
O livro no Brasil
(
sua história
). São Paulo: T.A.
Queiroz/EDUSP.
LAJOLO, Marisa e ZILBERMAN, Regina (1996).
A formação da Leitura no Brasil
. São
Paulo : Ática.
LEENHARDT, Jacques e PESAVENTO, Sandra J. (org) (1998).
Discurso Histórico e
Narrativa Literária
. Campinas : Unicanp.
211
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
LIMA-BARBOSA, Mário de (1923).
Les français dans l’histoire du Brésil
. Rio de
Janeiro/Paris (s/ed.).
LYONS, Martyn (1997). Les nouveaux lecteurs au XIX siècle. Femmes, enfants,
ouvriers. In: CAVALLO, Guglielmo et CHARTIER, Roger (dir).
Histoire de la
lecture dans le monde occidental
. Paris: Seuil, pp. 365-400.
LYONS, Martin e LEAHY, Cyana (1999).
APalavra Impressa
. Histórias da leitura no
século XIX. Rio de Janeiro : Casa da Palavra.
LOPES, Cláudia Neves (1998). Les relations éditoriales entre le Brésil et le Portugal: la
place du livre et de l’edition dans le processus de colonisation et de
décolonisation culturelle. Paris: Université ParisVII (Thése sur la direction de J.
Piel).
MALUF, Mariana (1995).
Ruídos da Memória
. São Paulo: Siciliano.
MANGUEL, Alberto (1997).
Uma História da leitura
. São Paulo: Cia das Letras.
MARCHANDIEU, Jean-Noël (1987).
L’Illustration
1843-1944.
Vie et mort d’un journal
.
Toulouse: Ed. Privat.
MARTINS, Wilson (1978).
História da Inteligência Brasileira
. São Paulo: Cutrix/EDUSP.
Vol III
MAUGER, ; POLIAK, Claude ; PUDAL, B. (1999).
Histoire de lectures
. Paris: Nathan.
MAURO, Frédéric (1991).
O Brasil no tempo de Dom Pedro II.
São Paulo: Cia das
Letras.
MOLLIER, Jean-Yves (1988).
L’Argent et les Lettres
.
Histoire du capitalisme d’édition
(1880-1920)
. Paris: Fayard.
MORAIS, Maria Arisnete Câmara de (1998). A Leitura de romances no século XIX.
Cadernos Cedes
, ano XIX, n. 45, julho. pp. 71-85
ORLANDI, Eni P. (org) (1993).
Discurso Fundador
.
Aformação do país e a construção
da identidade nacional
. São Paulo: Pontes.
PALHARES-BURKE, Maria Lúcia G. (1998). A Imprensa periódica como uma empresa
educativa no século XIX.
Cadernos de Pesquisa
. FCG. São Paulo, n.104, pp.
144-161.
PAIXÃO, Fernando (coord) (1998).
Momentos do livro no Brasil
. São Paulo: Ática.
PESAVENTO, Sandra J. (1996). Chronique: une lecture sensible du temps. In:
MATTOSO, Kátia de Queiros (dir)
Littérature/Histoire. Regards croisés
. Paris:
Presses de l’Université de Paris-Sorbonne. pp. 91-101.
POULAIN, Martine (1990). Scènes de lecture dans la peinture, la photographie, l’affiche
de 1881 à 1989. in: CHARTIER, Anne-Marie et Hébrard, Jean.
Discours sur la
lecture (1880-1980)
. Paris: BPI – Centre Georges Pompidou. pp. 427-463.
PRADO, Maria Lígia Coelho (1999).
América Latina no século XIX
. Tramas, Telas e
Textos. São Paulo : EDUSC/EDUSP.
RECLUS, Élisée (1900).
Estados Unidos do Brasil
.
Geografia, Etnografia, Estatística.
Trad. B.F. Ramiz Galvão. Rio de Janeiro: H. Garnier.
RIBEIRO, Analucia Teixeira (2000). O escrever e o ler: prática da letra e desejo em
prática. Revista
A Prática da Letra
. Escola Letra Freudiana/Rio de Janeiro, n. 26.
212
Maria Helena Camara Bastos
RIBEIRO, Maria Manuela T. (1999). Livros e Leituras no século XIX.
Revista História das
Idéias
O Livro e a Leitura
. Faculdade de Letras/Universidade de Coimbra.
Coimbra, vol. 20. pp. 187-227.
RIBEIRO, Marcus Venicio Toledo (1998). Na Biblioteconomia, modelo e madrinha.
Revista Abigraf
. São Paulo, pp. 4-9, março.
RIBEIRO Filho, J. S. (1965).
Dicionário biobliografico de escritores cariocas
(1565-
1965). Rio de Janeiro : Livraria Brasiliana.
SAUVY, Anne (1990). Une littérature pour les femmes. In: CHARTIER, Roger et
MARTIN, Henri-Jean (dir)
Histoire de l’edition française
.
Tomo III. Les Temps
des éditeurs. Du romantisme à la Belle Époque
. Paris: Fayard/Cercle de la
Librarie. pp. 496-508.
SCHWARZ, Roberto.
Um mestre na periferia do capitalismo
:
Machado de Assis
. São
Paulo: Editora 34.
SODRÉ, Nelson Werneck (1999).
História da Imprensa no Brasil
. Rio de Janeiro:
MAUAD, 4. edição.
SULLEROT, Evelyne (1963).
La Presse Féminine
. Paris: Armand Colin.
THIERCÉ, Agnés (1999).
Histoire de l’adolescence
(1850-1914). Paris: Belin.
THIESSE, Anne-Marie (1984).
Le Roman du quotidien
.
Lecteurs et lectures populaires
a la Belle Epoque
. Paris: Le Chemin Vert.
WATELET, Jean (1990). La presse illustrée. IN: CHARTIER, Roger et MARTIN, Henri-
Jean (dir)
Histoire de l’edition française
.
Tome III. Les Temps des éditeurs. Du
romantisme à la Belle Époque
. Paris: Fayard/Cercle de la Librarie, pp. 377-389
WERNECK, Humberto (2000).
A Revista no Brasil
. São Paulo: Editora Abril.
READINGS OF THE BRAZILIAN FAMILY DURING THE 19TH CENTURY: THE
JORNAL DAS FAMÍLIAS
(1863-1871)
Abstract
This study analyzes the publication
Jornal das Famílias
, which was released
to the Brazilian press by Garnier. Publications such as magazines,
newspapers, and bulletins are a vehicle for ideas and messages more than
just a consume product. By telling the story of this specific publication we are
also telling the story of the dissemination of ideas, reading habits, tastes, and
preferences. It is also possible to analyse the pedagogical and educative
processes presented in its discursive corpus. Such discourse allows the
formation of other discourses that echo and reverberate their effects on the
213
Leituras das famílias brasileiras no século XIX
daily life, on the daily reconstruction of social bonds and on the reader's
identity also building and homogenizing the memory of a specific time. It is of
our interest the historicity of such discursive processes which intended to forge
the Brazilian woman on the second half of the 19
th
century. We intend to
analyse the privileged knowledge of the
Brazilian families
.
LECTURES DES FAMILLES BRESILIENNES DANS LE XIX
ÈME
SIÉCLE: LE
JORNAL
DAS FAMÍLIAS
(1863-1871)
Résumé
L’étude analyse le
Jornal das Famílias
, édité par Garnier au Brésil. Les
périodiques — revues, journaux, bulletins — en outre d’être un produit de
consummation, ce sont surtout un véhicule d’idées et messages. Faire
l’histoire de cette revue c’est aussi faire l’histoire de la propagation d’idées,
d’habitudes de lecture, des goûts et de préférences littéraires. A travers cette
publication c’est possible l’analyse du processus éducatif et pédagogique
dans le
corpus
discursif. C’est un discours qui permet la formation d’autres
discours, énoncés qui répercutent et retentissent des idées dans le jour,
dans la reconstruction quotidienne des liens sociaux, dans l’identité de
lecteur/lectrice, qui tissent et homogénisent la memoire d’une époque. Le but
de cette étude c’est l’historie des processus discoursifs destinés à forger la
femme brésilienne, dans la seconde moitié du XIXème siècle. Dans cette
perspective, on prétend d’analyser les savoirs privilégies destinés aux
familles
brésiliennes
.
214
Maria Helena Camara Bastos
Toda a correspondência relativa a este artigo deve ser enviada para: Maria Helena Camara Bastos,
Felicíssimo de Azevedo 770/601, Porto Alegre. RS. Brasil 90.540-110. E-mail:
mhbastos@terra.com.br
logo_pie_uaemex.mx