Artículo en PDF
Como citar este artigo
Número completo
Mais artigos
Home da revista no Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
UMA ANÁLISE SOBRE A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA COMO
INSTRUMENTO DE POLITICAS EDUCACIONAIS VOLTADAS PARA
FORMAÇÃO DE PROFESSORES
r
ead
as
politicas
instrument geared educational to teachers' formation
AN ANALYSIS ABOUT THE DISTANCE EDUCATION AS AN INSTRUMENT OF
EDUCATIONAL POLICIES FOCUSED ON TEACHERS’ TRAINING
UN ANÁLISIS ACERCA DE LA EDUCACIÓN A DISTANCIA COMO INSTRUMENTO DE POLÍTICAS
EDUCACIONALES DIRIGIDAS A LA FORMACIÓN DE PROFESORES
Volumen 14, Número 1
Enero -
Abril
pp. 1-20
Este número se publicó el 30 de enero de 2014
Mariza Rotta
Cristiana Bezerra dos Santos
Giseli Baranoski Brasil
Revista indizada en
REDALYC
,
SCIELO
Revista distribuida en las bases de datos:
CATÁLOGO DE LATINDEX
, IRESIE
,
CLASE
,
DIALNET
,
DOAJ
,
E-REVIST@S
,
SHERPA/ROMEO
, QUALIS
, MIAR
Revista registrada en los directorios:
ULRICH’S
, REDIE
, RINACE
, OEI
, MAESTROTECA
, PREAL
, CLASCO
Los contenidos de este artículo están bajo una licencia
Creative Commons
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
1
UMA ANÁLISE SOBRE A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA COMO
INSTRUMENTO DE POLITICAS EDUCACIONAIS VOLTADAS PARA
FORMAÇÃO DE PROFESSORES
r
ead
as
politicas
instrument geared educational to teachers' formation
AN ANALYSIS ABOUT THE DISTANCE EDUCATION AS AN INSTRUMENT OF
EDUCATIONAL POLICIES FOCUSED ON TEACHERS’ TRAINING
UN ANÁLISIS ACERCA DE LA EDUCACIÓN A DISTANCIA COMO INSTRUMENTO DE POLÍTICAS
EDUCACIONALES DIRIGIDAS A LA FORMACIÓN DE PROFESORES
Mariza Rotta
1
Cristiana Bezerra dos Santos
2
Giseli Baranoski Brasil
3
Resumo:
A pesquisa analisa os contrastes oriundos das transformações nos modelos de formação de
professores nos cursos de pedagogia na região sudoeste do Paraná, por meio da inserção de curso via Educação
a Distância (EAD), que evidencia um modelo de política de democratização do acesso ao ensino superior no país,
e que vem ganhando espaço no ato da opção entre um curso presencial ou a distância. O foco da pesquisa
contempla polos de EAD, pertencentes a uma instituição da região.
Diante desse contexto desenvolveu-se uma
pesquisa de campo por meio de questionário com as tutoras dos quinze polos, levantando informações
significativas para a investigação. Para a análise e interpretação dos dados utilizou-se de revisão bibliográfica e
documental que serviram de aporte para as ilustrações de cunho doutrinário e legal, das políticas atuais que
contempla a EAD, voltada para a formação de professores. Corroborando com esta pesquisa usa-se o viés
fenomenológico, sociológico e político de Mészaros, Andrioli e Altmann, que contextualizam a reflexão sobre esse
modelo de formação disseminado como política pública que atinge diretamente o processo de formação dos
professores da educação básica.
Palavras-chave:
POLÍTICAS EDUCACIONAIS, EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA, FORMAÇÃO DE PROFESSORES,
BRASIL.
Abstract:
This research analyzes the contrasts which come from the change in the models of teachers’ training in
the Pedagogy courses in the southwest region in Parana, through the insertion of courses via DL that evidence
policies for democratizing access to higher education that have been winning spaces through the of option
between a regular course and a distance one. The research focuses on the educational centers where a field
research was developed, using a questionary applied to the tutors from the fifteen educational centers, getting
significant information for the investigation which made it possible to analyze and interpret the data through a
bibliographic and documental review which served as basis to illustrate the policies which contemplate DL in a
legal and doctrinal way. To collaborate with this research the phenomenological, sociological and political views
from Mészaros, Andrioli and Altmann were used to contextualize the reflection about this model of teachers’
training spread as a public policy that achieves directly the teachers’ training process in the basic education.
Key words:
EDUCATIONAL POLITICS, DISTANCE EDUCATION, TEACHER TRAINING, BRAZIL.
1
Professora Assistente da Faculdade Vizinhança Vale do Iguaçu,
Brasil. Doutoranda em Educação, Mestre em Ciência Jurídica.
Correio eletrônico:
mzrotta@gmail.com
2
Pedagoga, graduada pela Faculdade Vizinhança Vale do Iguaçu,
Brasil. Correio eletrônico:
crisbezerra15@hotmail.com
3
Pedagoga, graduada pela Faculdade Vizinhança Vale do Iguaçu,
Brasil. Correio eletrônico
gi_baranoski@hotmail.com
Artículo recibido
: 6 de agosto, 2013
Devuelto para corrección
: 9 de octubre, 2013
Aprobado
: 12 de diciembre, 2013
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
2
Resumen:
Este artículo analiza los contrastes oriundos de las transformaciones en los modelos de formación de
profesores en los cursos de pedagogía en la región sudoeste del estado de Paraná, por medio de la inserción de
cursos vía EAD, que evidencia un modelo de política de democratización del acceso a la enseñanza superior en
el país, y que viene conquistando espacios en el acto de la opción entre un curso presencial o a distancia. El foco
de la investigación contempla polos de EAD, donde se desarrolló el trabajo de campo por medio de un
cuestionario aplicado a las tutoras del los quince polos, obteniendo informaciones significativas para la
investigación, que posibilitaron el análisis e interpretación de los datos por medio de revisión bibliográfica y
documental que sirvió de aporte para las ilustraciones de de orden doctrinario y legal, de las políticas
actuales que contempla la EAD, dirigida a la formación de profesores. Para apoyar esta investigación se usa la
orientación fenomenológica, sociológica y política de Mészaros, Andrioli y Altmann, que contextualizan la reflexión
acerca de ese modelo de formación diseminado como política pública que afecta directamente el proceso de
formación de los profesores de la educación básica.
Palabras clave:
POLÍTICAS EDUCATIVAS; EDUCACIÓN A DISTANCIA; FORMACIÓN DE DOCENTES,
BRASIL.
1.
Introdução
A educação à distância impulsionada com o desenvolvimento da rede mundial de
computadores ocorrida durante a década de 90, ocupa espaço estratégico nas políticas
públicas para o ensino superior, com destaque para a emergência na formação superior de
professores, reacendendo entre os educadores o debate que envolve análise de parâmetros
que
dão
aporte
ao
desenvolvimento
desses
programas, que
na maioria
dos
casos
descumpre as exigências reais para a formação de professores.
Esse cenário vem em meio ao discurso em prol da democratização do ensino, das
oportunidades de acesso ao sistema educacional e da justiça social, padronizados por
programas de educação à distância, mas sem referência a parâmetros de possibilidade de
chegar à qualidade do ensino nesse modelo. Fomentando esse contexto, o Brasil segue os
fundamentos políticos dos organismos internacionais como o FMI
2
e do BIRD
3
, órgãos, que
promovem políticas de desenvolvimento para os países da América Latina com ênfase no
âmbito educativo. As estratégias propostas pelos organismos internacionais contemplam
além da diminuição de custos, a cobrança de taxas de desempenho para os níveis mais
altos do ensino, que inclui avaliação externa, descentralização administrativa, treinamentos
para os professores e não promovem a continuidade da formação a nível
stricto sensu
,
privilegiando a formação rápida e módica como critério de eficiência (Andrioli, 2007).
Nesse limiar, percebe-se à reestruturação da formação de professores a partir da ótica
capitalista na qual o contexto escolar insere-se em uma realidade econômica neoliberal que
se adequa ao mercado vigente em nosso país. Esse modelo traz como pretensão ampliar o
2
Fundo Monetário Internacional
3
Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
3
processo de qualificação rápida, limitando-a ao treinamento para realização mais eficaz das
metas apressadas de formação de professores que tem como foco de atuação os níveis
fundamentais da educação básica, vendo na EAD
4
a principal ferramenta para consolidar
esse modelo.
Pela EAD o governo ajusta o professor e seu processo formativo às demandas do
capital, enfraquecendo a dimensão social e política de sua formação. Ainda, na busca de
novas formas de acumulação do capital, insere-se o uso das TIC
5
, por meio da EAD que,
além de substituir o professor pelo tutor
6
, são mercadorias, que ao aumentar sua circulação
ampliam o comércio para os países centrais nesse setor, fomentando o capitalismo e
mercantilizando o ensino.
É imperativo repensar diante das políticas governamentais a formação de professores,
em face do papel social, que detêm diante da formação política, ética, social e cultural de
cunho humanista, indispensável, à formação de sujeitos partícipes no desenvolvimento de
uma sociedade que almeja a isonomia como condição de desenvolvimento de uma nação.
Mas, esse modelo de formação passa a imagem que vem para contribuir na propagação das
desigualdades sociais, fomentando o individualismo, onde o ensino torna-se tecnicista, para
atender as legislações que imperam no mercado capitalista. Já que a proposta de formação
dos professores traz em seu subsolo o delineamento uma formação técnica para que ensine
os seus alunos á técnica e não uma base que lhe possibilite ser consciente e participativo,
sujeito da sua própria história e do seu papel na sociedade.
2.
Entrecruzamentos das políticas públicas de formação de professores na
EAD: condição interpretativa
A distinção entre ensino presencial e ensino a distância foi uma “novidade” introduzida
pela LDB
7
nº. 9.394/96, e representou, como bem analisou Barreto (2008), uma “qualificação
que desqualifica, desgasta, esvazia”. Isso porque essa qualificação do ensino produz efeitos
de sentido importantes, na medida em que o ensino a distância, sempre relacionado às
4
Educação à distância.
5
Tecnologias da Informação e Comunicação
6
Orientador da aprendizagem do aluno solitário e isolado que, frequentemente, necessita do docente ou de um
orientador para indicar o que mais lhe convém em cada circunstância.
7
Lei de diretrizes e bases da educação.
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
4
novas tecnologias (ao menos no discurso), parece tornar o ensino presencial velho, arcaico,
distante das novas linguagens e tecnologias.
A expansão acelerada dos cursos e a reordenação do campo da educação à distância
por parte do poder público criam, evidentemente, condições para o crescimento acelerado do
ensino superior nessa modalidade na última década.
A defesa da EAD como uma política educacional baseou-se nos argumentos de que
essa modalidade poderia contribuir para o crescimento econômico e a inclusão social, pois,
como estratégia de democratização do acesso ao conhecimento, propiciaria a justiça social.
Malanchen (2007) observa que essa tese tem fundamentado os argumentos em defesa da
EAD e constitui a base da elaboração de políticas nessa modalidade. Essa perspectiva
capitalista
de
produção
propaga
a
necessidade
de
um
trabalhador
com
novas
características, configurando um perfil que se reproduz na área da educação, o que muitas
vezes orienta os “novos
8
” requisitos para professores e alunos.
O Plano Nacional de Educação, sancionado pela Lei nº 10.172/2001 (Brasil, 2001),
reitera a importância da EAD nas políticas de educação e estabelece diretrizes, objetivos e
metas para a sua implantação. Para atender as demandas criadas na área, o plano dá
ênfase à política de EAD para a formação de professores, propondo entre seus objetivos o
aumento da oferta de Cursos de Pedagogia EAD e o apoio financeiro à pesquisa sobre EAD.
Entretanto a organização desses projetos e suas ações pedagógicas se enquadram
preferencialmente em um modelo de ensino de massas, sem identidade regional,
transferido de sala de aula para ambientes virtuais e/ou para tele sala, que marginaliza
a dimensão humanizadora (Preti, 2005, p.16).
O cenário indica que um dos problemas da educação em larga escala seria o
descolamento entre a proposta e a realidade dos alunos. Pois a EAD de uma atividade
complementar e subsidiária à educação presencial, tornou-se um objeto importante na
disputa do mercado educacional.
Cabe registrar que, no contexto da chamada “educação terciária”, para a qual a EAD
torna-se
fundamental,
dada
a
perspectiva
de
massificação
da
educação
superior,
8
Que contemple leituras de contexto, formação humana e para o mercado de trabalho e que ao mesmo tempo
seja gestor do próprio conhecimento.
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
5
estabeleceu-se um amplo nicho de mercado, como enfatizado em documento do BM
9
:
“imediatamente detrás destes novos sujeitos, vêm os produtores de software, as editoras, as
firmas de entretenimento e outros que buscam explorar o potencial do mercado internacional
emergente da educação terciária” (Bennell & Pearce, 1998 apud Jamil, 2003, p. 38).
É possível perceber a mercantilização da educação, já que o projeto neoliberal orienta
para a menor participação possível do Estado nas questões sociais e na ampliação do poder
do mercado como regulador das demandas de oferta e procura de bens e serviços, sendo a
educação mais um produto a ser oferecido no mercado competitivo. Desse modo, as
propostas de formação de professores na EAD não tem caráter formativo e acabavam por
desqualificar o professor em exercício, consistindo uma forma de aligeirar e baratear a
formação (Altmann, 2002).
O que leva essa proposta a ser pensada mais como uma política compensatória, que
visa a suprir a ausência de oferta de cursos regulares á uma determinada clientela, sendo
dirigida a segmentos populacionais historicamente já afastados da rede pública de educação
superior. Agrega-se a rudimentar capacidade de regulação e de controle da qualidade por
parte do poder público e a ausência de políticas de EAD. Dessa forma a educação torna-se
uma responsabilidade individual dos estudantes, ocultando a exclusão provocada pela
desigualdade educacional.
Um dos grandes desafios contemporâneos é conseguir superar essa visão puramente
econômica para investir de fato na formação dos indivíduos. Nessa conjuntura a formação de
professores chama atenção. As políticas que vêm sendo praticadas priorizam a formação
aligeirada de baixo custo, que não prepara os professores para as diversidades. Os
professores precisam passar por um processo de formação, que propicie a compreensão do
contexto em que estão inseridos. São eles os multiplicadores e fomentadores de educação e
essa visão meramente certificadora interfere na qualidade de todo sistema educacional.
3.
Metodologia
A pesquisa denota um caráter pragmático, visto que é um processo formal e
sistemático de desenvolvimento do método científico. “O objetivo fundamental da pesquisa é
descobrir respostas para problemas mediante o emprego do procedimento científico” Gil
9
Banco Mundial.
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
6
(1999). Que se utiliza da pesquisa exploratória para que a construção de hipóteses seja
facilitada, primando por um planejamento flexível, de modo que possibilite a consideração
dos mais variados aspectos relativos ao fato estudado. Cominando essa possibilidade com a
pesquisa explicativa que busca identificar os fatores que contribuem para os problemas que
serão investigados. (Gil, 1991, p.46).
Nesse sentido, a pesquisa de campo desenvolveu-se por meio da aplicação de
questionário com questões objetivas que foram aplicadas para alunos que estudam no Curso
de Pedagogia na modalidade EAD
no município de Dois Vizinhos – PR pela rede ‘X’,
abordando questões que possibilitem delinear o perfil de quem procura essa modalidade de
ensino. A coleta de dados que permite delinear o crescimento da oferta e procura pela
formação de professores a distância na região Sudoeste do Estado do Paraná estende-se
junto aos polos pertencentes à rede ‘X”, localizada na Região Sudoeste do Paraná, o qual
totalizou 15 polos, nos quais se levantou dados, junto as tutoras desses polos.
A discussão dos resultados utilizou-se de análises bibliográficas e documentais para
revelar elementos sobre a historicidade legal do tema abordado, tornando menos opacizado
os porquês envolvidos na pesquisa.
A pesquisa interpreta questões intrínsecas às políticas públicas de formação de
professores à distância por meio da contextualização entre a oferta e procura dessa
modalidade de ensino na região Sudoeste do Estado do Paraná. As hipóteses propõem a
investigação do perfil dos alunos que optam por essa modalidade de ensino, e em
consequência analisar e interpretar as implicações teóricas e políticas no contexto atual, para
compreender como ocorre esse processo, suas causas e consequências.
4.
Resultados da pesquisa
4.1 Quem é o aluno da EAD?
Com o surgimento da EAD as pessoas que procuravam essa modalidade de ensino,
em geral, eram pessoas que ao concluir o ensino médio pararam de estudar por longo
período, e viram na EAD a oportunidade de voltar a estudar. Atualmente, constata-se que os
jovens, principalmente as mulheres, estão em busca cada vez mais de um ensino flexível,
nesta idade precisam de uma formação, porém ao mesmo tempo necessitam trabalhar, e
ainda muitas precisam cuidar da casa e da família, diante desse quadro procuram cursar um
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
7
curso de graduação, que não tome muito tempo e que tenha um valor mais acessível,
optando assim por uma EAD.
A figura 01 retrata que os cursos de formação de EAD contemplam alunos de faixa
etária diversificada, porém o percentual de 32% dos pesquisados encontra-se na faixa etária
de até 23 anos, outros 32% estão na faixa de 24 a 27 anos, como se pode notar é que nos
dias de hoje cada vez mais jovens estão buscando essa modalidade de ensino.
FIGURA 01
Qual sua idade?
A figura 01 demonstra dados que perpassa debates que circundam o meio acadêmico
e comprovam o perfil do aluno, que se encontra cursando cursos de nível superior via EAD,
que caracteriza-se como “o aluno on-line ‘típico’ que é geralmente descrito como alguém que
tem mais de 25 anos, está empregado, preocupado com o bem-estar da comunidade, com
alguma educação superior em andamento, podendo ser tanto do sexo masculino quanto do
feminino” (Gilbert
apud
Ferreira e Mendonça, 2001, p. 74). Denota-se que essa forma de
ensino, está disponível em qualquer local e horário o que permite a esse perfil de aluno
continuar no mercado de trabalho em tempo integral e dar atenção a família. Diferente do
ensino presencial que tempo exclusivo dedicado à formação em sala e paralelo demandas
de atividades para complementar o processo de formação.
20% das pessoas na faixa etária dos 28 anos aos 31 anos se preocupam ou precisam
ter uma formação de nível superior para adquirir estabilidade profissional, o que os motiva a
optar por esse modelo de formação. Mas, em contrapartida nenhuma pessoa na faixa dos 32
a 35 anos estão cursando o EAD, cabe pontuar, que deve-se a percepção pessoal que
32%
32%
20%
0%
12%
4%
0%
5%
10%
15%
20%
25%
30%
35%
Até 23 anos
24 a 27
anos
28 a 31
anos
32 a 35
anos
36 a 40
anos
Acima de
40 anos
Idade
Idade
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
8
possuem sobre esse modelo de formação ou que já passaram por um formação de nível
superior na modalidade presencial. Já, cerca de 12%, acima dos 36 anos até os 40 anos que
estão cursando o EAD, e 4% acima dos 40 anos.
Muitas dessas pessoas que estão na faixa etária de até 23 anos e de 24 a 27 anos,
provavelmente até tentaram cursar uma faculdade presencial, mas certamente sem êxito,
sendo assim com o crescimento das tecnologias e o desenvolvimento acelerado da
população, buscam uma profissionalização, mas ao mesmo tempo não possuem uma renda
que possam conciliar os estudos com o sustento da família. Na hora de optar por uma
instituição acabam escolhendo a EAD, por oferecer cursos com valor acessível e menor
tempo de frequência com essa modalidade de ensino encontram a oportunidade de ampliar
seus conhecimentos e posteriormente conseguir um emprego onde se sintam menos
diminuídas perante a sociedade.
A figura 2 sinaliza para o quanto se torna acessível cursar uma EAD, pois 46% dos
entrevistados ganham entre 1 a 3 salários mínimos e 50% entre 4 a 7, de modo que qualquer
pessoa pode ter a oportunidade de ter um curso superior, e ainda conciliar com o sustento
familiar. Já as pessoas que ganham de 8 a 9 salários mínimos não procuram a EAD e
somente 4% que ganham mais de 10 salários mínimos escolhem esta modalidade de ensino.
Esse dados, incluem a percepção de algumas pessoas para as exigências legais que
emanam em curtos prazo em nosso país sobre o processo de formação de professores e
para buscar a possibilidade de assumir um cargo de coordenadora pedagógica que se torna
possível apenas com o curso de pedagogia.
FIGURA 02
Renda Familiar
46%
50%
0%
4%
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
1 a 3 salários
mínimo
4 a 7 salários
mínimo
8 a 9 salários
mínimo
Acima de 10
salários mínimo
Renda
Renda
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
9
Um dos grandes pontos que esta fazendo com que o EAD cresça cada ano mais, é o
valor da mensalidade, geralmente, custa bem mais barato do que cursar uma presencial.
Uma análise feita sobre as diferenças de valores entre as instituições presenciais e de EAD,
ficando esta 50% mais barata do que as formais.
O que se pode analisar é que quando iniciou o EAD as pessoas que frequentavam
essa modalidade eram professoras atuantes que tinham apenas o magistério e já possuíam
uma renda, com a obrigatoriedade de uma formação superior para lecionar no ensino
fundamental buscaram se aperfeiçoar optando pela EAD.
Hoje, encontram-se nessa modalidade de ensino, professoras da educação infantil e
de outras licenciaturas, que buscam o curso de Pedagogia na EAD para atender a novas
exigências, como, ser pedagoga em nível de município, e para lecionar nas séries iniciais do
ensino fundamental.
Sendo assim, fica claro um dos pontos principais de encontrar tantos estudantes dentro
dessa modalidade que já estão atuando na área em que estão estudando.
É possível
observar na figura 3 que 50% dos entrevistados já trabalham na área que estudam. Assim, é
nítido que essa modalidade de ensino ampliou as possibilidades de formação da população,
quem antes não possuía condições ou oportunidade de frequentar um curso superior.
Possibilidade essa que estava vinculada a custo com deslocamento, pagamento de
mensalidades, que ao ser analisado tornava inviável a busca pela formação por consumir um
significativo percentual do orçamento familiar.
FIGURA 03
Você desempenha alguma atividade profissional?
50%
12%
13%
25%
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
Sim, na área do
curso que
frequento
Sim, em área
diferente do
curso que
frequento
Estagiário
Não
desempenho
atividade
profissional
Atividade Profissional
Atividade Profissional
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
10
Mas, apesar destas considerações, a uma grande preocupação em torno da formação
inicial de professores ocorre na modalidade do EAD.
O EAD não é uma modalidade de ensino que possa substituir uma formação inicial
presencial, é nesse momento onde as pessoas que estão em formação precisam de contatos
diretos, de trocas de experiências com seus colegas, principalmente com seus professores.
[...] a educação à distância é utilizada tendencialmente para suprir a ausência de oferta
de cursos de formação inicial a uma determinada ‘clientela’, apresentando-se dessa
forma como uma política compensatória, dirigida aos segmentos populacionais já
historicamente prejudicados e que apresentam defasagem em relação ao sistema
formal de educação. (Scheibe, 2006 apud Bahia, 2012, p. 65)
A figura 3 mostra, ainda, que 25% não desempenharam atividade profissional, 13%
são estagiárias e 12% trabalham em área diferente do curso que frequenta o que dificulta a
procura por uma educação presencial, por ter um custo mais elevado e por necessitar de
mais frequência.
Os cursos à distância possuem vários diferenciais daqueles presenciais,
a
EAD surge
como a modalidade educativa que pode atender aos setores sociais não alcançados pelo
ensino presencial, como, por exemplo, os residentes em áreas geográficas distantes, onde
não há escolas convencionais; os trabalhadores adultos que, cumprindo suas jornadas de
trabalho, não podem frequentar a escola tradicional; as donas de casa que não podem
cumprir os horários letivos; as pessoas que por não se encontrar na faixa etária ficam
constrangidas em frequentar o ensino presencial, mas que desejam continuar seu processo
educativo ou ainda os trabalhadores que buscam algum tipo de qualificação. Porém a
qualidade do ensino não é a mesma.
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
11
FIGURA 04
Como você avalia seu curso?
A figura 4 mostra que 75% dos entrevistados afirmaram que o curso a distância é ótimo
e 25% responderam que o mesmo é bom. A grande maioria dos alunos inseridos nessa
modalidade de ensino considera a EAD como algo surpreendente, maravilhoso, pois antes
não tinham condições de continuar seus estudos, hoje com a EAD conseguem concluir um
ensino superior, o que aumenta a esperança de possuir um emprego de qualidade, bem
remunerado e com isso garantir um futuro melhor.
Existem alguns projetos sendo articulados para a formação em curto prazo de
professores que ainda não tem ensino superior, o que não estão percebendo é que uma boa
formação inicial leva tempo. Para (Scheibe, 2006 apud, Bahia, 2012, p. 64) “O cenário atual
aponta, mais uma vez, portanto, para a continuidade de políticas de desqualificação do
profissional de ensino, ao considerar que sua formação inicial pode ser simplesmente
substituída por treinamento em serviço”.
O que não é perceptível é que essa modalidade de ensino pode trazer muitas
consequências, os efeitos de uma formação à distância podem indicar muito mais um
aligeiramento formativo, para atender a demanda do país em termos da formação de
professores no ensino superior, em detrimento de uma formação aprofundada, mais pontual
e cautelosa.
Uma grande vantagem da EAD é a flexibilidade dos horários, o que atrai muitos para
essa modalidade, sendo que os alunos podem desenvolver suas atividades de acordo com
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
12
sua rotina, em casa, no trabalho, ou ainda em qualquer local onde haja um computador com
internet.
FIGURA 05
Como desenvolve suas atividades no ambiente virtual?
A figura 5 demonstra que 50% dos entrevistados desenvolvem suas atividades em
casa, 22% apenas na unidade onde esta matriculado, 16% utilizam todos os lugares citados
para desenvolver suas atividades e 12% aproveita o local de trabalho para realizar suas
atividades. O que se observa é que com o avanço das tecnologias a maioria das pessoas
hoje já possui computador com internet em casa, o que aumenta a procura por essa
modalidade de ensino.
O fato de a graduação ser a distância não tira dos alunos a responsabilidade de
estudar e realizar atividades regularmente. Como se pode perceber na figura 6 o número de
horas de estudos dos entrevistados é considerável, sendo que 69% dos entrevistados
dispõem de 2 a 4 horas por dia do seu tempo para estudos, 22% dispõe de apenas 1 hora
por dia e 9 % dos entrevistados dispõe de 4 a 6 horas por dia para realizar seus estudos.
Todos os trabalhos são realizados pelos alunos semanalmente e posteriormente
enviados para avaliação dos tutores. Vale lembrar ainda que os tutores normalmente não
são professores formados, o que põem em dúvida a qualidade da formação desses sujeitos.
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
13
FIGURA 06
Qual a frequência dedicada para o desenvolvimento das atividades acadêmicas?
O aluno que busca a modalidade a distância geralmente é muito diferente do aluno do
ensino presencial, segundo Ferreira e Mendonça (2008, p.6) “[.
..] O aluno que precisa do
professor ao lado dele, cobrando ou elogiando, não é bom para educação à distância. É
preferível um aluno um pouco mais maduro, autônomo. E que cumpra os prazos”. Seria
apropriado se esse fosse o perfil de todos os estudantes do EAD, mas esse ideal de aluno
está longe de fazer parte da grande maioria das pessoas que procuram essa modalidade de
ensino. Conforme se demonstra na figura 7, 35% dos entrevistados optaram pelo EAD por
ter menor frequência de encontros, 22% optaram por ter um valor mais acessível, 14% por
outro fator, 13% optaram pelo EAD por não ter o curso presencial na cidade onde moram e
8% por indicação e ainda os outros 8% por estarem frequentando o curso gratuitamente.
É contundente observar que a procura por uma formação a distância vem crescendo
nesses últimos anos, as pessoas não tem mais tempo para conciliar os estudos com o
trabalho e ainda ter tempo para a família, sem falar que ao mesmo tempo a sociedade exige
uma formação, sendo assim o EAD se torna um método fácil e rápido.
22%
69%
9%
0%
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
80%
1 hora por dia
De 2 a 4 horas
por dia
De 4 a 6 horas
por dia
Mais de 6 horas
por dia
Frequência
Frequência
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
14
FIGURA 07
Qual a razão para a escolha de uma graduação na modalidade da EAD?
As pessoas que frequentam a modalidade de ensino a distância consideram que são
inúmeras as vantagens, além da menor frequência de encontros, o valor da mensalidade
mais acessível, o que permite que todas as classes tenham acesso á formação superior, que
antes não tinham em virtude do alto preço das mensalidades na modalidade presencial, além
de que o número de instituições que oferecem cursos a distância é maior do que os
presenciais.
O fato de que não há muitas instituições de ensino superior presenciais na região do
Sudoeste do Paraná, aumenta a procura por essa modalidade de ensino. Pelo fato de que os
alunos não se tornaram ciente que as politicas públicas de financiamento abriram-se para
tornar real o sonho de uma formação superior de qualidade, um dos programas que viabiliza
essa possibilidade é o Fundo de Financiamento Estudantil - FIES, que oferece até 100% do
financiamento de um curso superior, com carência de 2 até 5 anos para começar a pagar,
facilitando o ingresso em uma graduação presencial. Mas, mesmo com essas vantagens, as
pessoas ainda preferem escolher a modalidade a distância.
13%
22%
8%
35%
8%
14%
0%
5%
10%
15%
20%
25%
30%
35%
40%
Ausência de
curso
presencial
em minha
cidade
Valor da
mensalidade
Curso
oferecido
gratuito
Menor
frequência
de
encontros
presenciais
Indicação
Outros
Escolha
Escolha
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
15
FIGURA 8
Indicaria uma graduação a distância na modalidade de EAD?
A figura 8 demonstra que 96% dos entrevistados indicariam uma graduação a
distância, por considerarem serem cursos de qualidade, e por oferecer facilidade aos alunos,
permitindo que trabalhem e estudem sem prejudicar ou restringir o tempo com a família.
Somente 4% dos entrevistados dizem não ter certeza que indicariam esse modelo de
formação.
Pode-se dizer que a EAD está expandindo com muita rapidez e se tornando a
modalidade mais procurada por jovens e adultos que pretendem ingressar no ensino
superior.
Apesar
da
grande
maioria
que
frequentam
essa
modalidade
de
ensino
considerarem os cursos de qualidade, não conseguem ter a percepção que essa modalidade
esta se tornando um ensino de cunho técnico profissionalizante, e não um modelo de
formação adequada e de qualidade, onde é possível formar cidadãos críticos e preparados
para defender seus direitos.
Conforme o Resumo Técnico do Censo da Educação Superior de 2009 (Brasil, 2010),
o número de matrículas em cursos de pedagogia na modalidade a distância, no ano de 2009,
chegou a 286.771 – o maior número de matrículas dentre os cursos oferecidos nesta
modalidade. Em relação à modalidade presencial, as matrículas chegaram a 287.127, e isso
demonstra a acelerada expansão da modalidade a distância, em termos de matrículas, se for
96%
0%
4%
0%
20%
40%
60%
80%
100%
120%
Sim
Não
Depende
EAD
Sim
Não
Depende
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
16
levado em consideração o pouco tempo que esta modalidade faz parte do atual contexto
educacional.
Esse modelo se consolida porque as pessoas buscam apenas o que é mais cômodo, e
que legalmente lhes atribui os mesmos direitos de atuação profissional. É possível
considerar que, boa parte da população brasileira, antes excluída deste nível de ensino,
agora tem acesso a formação superior. Por esse viés é considerado positivo, mas o
agravante desse processo não é o acesso, mas o diploma na mão de um profissional que
não consiga trabalhar com as demandas que o meio possa lhe propor.
4.2 Ensino de graduação a distância: reflexo educativo dessa política no
contexto de formação de professores
Segundo dados do Censo da Educação Superior de 2010, realizado pelo INEP
10
o
Curso de Pedagogia é o que tem mais alunos em graduações a distância no Brasil. Ao todo,
são mais de 273 mil matrículas, há cerca de 930 mil matrículas em EAD, o que significa que,
a cada cem alunos de graduações à distância, 30 são de Pedagogia.
A pesquisa realizada na região Sudoeste do Paraná segue os mesmos índices do
censo. Em análise as informações obtidas em pesquisa junto aos polos
11
de EAD os
entrevistados informam que o Curso de Pedagogia é o mais procurado.
No Polo de EAD da Instituição ‘X’, do município de Dois Vizinhos - PR, a primeira
turma de Pedagogia iniciou em 2005 formando-se em 2008. De 2009 a 2012, mais 11 turmas
formaram-se. Em média 3 por ano. Hoje esse Polo tem 92 alunos matriculados. Sendo que
no mesmo município há oferta do Curso de Pedagogia na modalidade presencial, mas que á
dois anos não abre novas turmas.
Os fatos indicam que o novo modelo de formação pode levar à desconfiguração da
proposta de formação nacional para os Cursos de Pedagogia. Compreende-se que a
mudança compelida nesse Curso faz parte de um conjunto maior de reformas do Estado,
iniciadas nos anos 1990, tendo em vista adaptações às novas demandas da sociedade
10
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.
11
Polos: Local devidamente credenciado pelo MEC, no País ou no exterior, próprio para o desenvolvimento
descentralizado de atividades pedagógicas e administrativas relativas aos cursos e programas ofertados a
distância, onde o estudante terá as atividades de tutoria presencial, avaliação e poderá utilizar toda a
infraestrutura tecnológica para contatos com a instituição ofertante. Localizado nos diversos municípios da região
Sudoeste do Paraná, pertencente a rede de ensino ‘X’.
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
17
capitalista. Mudanças que têm por objetivo servir, primeiramente, ao mercado e, com isso,
manter a ordem e o controle da sociedade para que a hegemonia burguesa seja garantida
(Mészáros, 2005).
A educação nesse processo “é entendida como essencial à conservação das relações
sociais capitalistas contemporâneas por conjugar a conformação política e econômica das
futuras gerações” (Falleiros; Pronko; Oliveira, 2010, p. 89). O que acaba por legitimar o novo
modelo de participação na sociedade e a despolitização dos sujeitos coletivos numa
perspectiva social, representando a solidificação do novo individualismo como valor moral
radical,
a
valorização
do
mercado
enquanto
regulador
das
relações
sociais
e
na
ressignificação das noções de igualdade e de liberdade, garantindo os fundamentos da nova
cidadania.
Apesar dos documentos da UNESCO
12
(2001), dentre eles, as Declarações de Jomtien
(1990) e Dakar (2000), evidenciarem que os professores são essenciais para a promoção da
educação de qualidade, pois nenhuma reforma educacional será bem sucedida sem a
participação ativa e a preponderância dos professores, tais argumentos não significam o
resgate de uma política de formação dos profissionais da educação e de valorização do
magistério. Ao contrário, acredita-se estar envoltos em uma política de formação com uma
perspectiva duplamente compensatória.
Inserida na lógica de mercado, a política de formação de professores obedece à lógica
mercantil, enfraquecendo a ação proativa dos sujeitos e instaurando uma dimensão precária
e fragilizada para lidar com a responsabilidade que lhe é imputada na construção da
sociedade brasileira. Em segundo lugar, a profissionalização docente reforça a formação
fragilizada, na medida em que profissional inserido no mercado do conhecimento torna-se
refém do mesmo, no sentido de preencher o vazio deixado pela formação inicial. Tal
condição ainda lhe responsabiliza pelos custos financeiros e ideológicos de sua formação.
A UNESCO (2001) incentiva cultural e ideologicamente à educação atribuindo-lhe uma
função salvadora. Na dimensão da simplificação dos problemas, os professores são
focalizados e, embora formados em programas aligeirados, são considerados essenciais
para alcançar uma educação de qualidade. Deslocados do papel principal de mediador no
processo social de apropriação de conhecimentos historicamente produzidos, os professores
12
Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
18
são chamados a assumir a condição de educadores que trabalham com valores, atitudes,
comportamentos e competências. Nestas condições, a UNESCO (2001) defende a formação
de professores numa perspectiva humanista, cuja autoridade moral e intelectual é realçada,
sendo
também
condição
necessária
para
adaptar
o
ser
humano
a
um
mundo
em
transformação e, consequentemente, reproduzir a cultura arbitrária dos grupos dominantes.
De modo geral, alheias às demais interfaces, das políticas educacionais, e em
especial, as direcionadas à formação de professores. A UNESCO (2001) se restringe a
evidenciar a responsabilidade dos professores como elementos fundamentais para atingir as
metas internacionais de Educação para Todos, adotadas desde 1990, de forma consensual
e prioritária. O que falta é consolidar uma política de formação de professores coerente com
o processo de desenvolvimento e transformação das relações sociais.
5.
Considerações finais
A
educação
a
distância
tem
sido
invocada
como
solução
para
as
carências
educacionais.
Novas
tecnologias
potencializam
o
ensino
a
distância,
sugerindo
a
intensificação do esforço educacional e a ampliação do seu alcance social, dando a crer que
possam atenuar desigualdades educacionais em várias partes do mundo. Tecnologias
educacionais,
potencialmente
aptas
a fornecer
maior
amplitude
à
educação
pública,
convertem-se
em
barreiras
para
segmentos
da
população
com
pouca
ou
nenhuma
familiaridade com seu manejo. Apropriadas por investidores privados tornam-se instrumentos
da comercialização do ensino.
Ensejando tal perspectiva, projetos de ensino a distância são inseridos em políticas
educacionais autodenominadas inclusivas. Promovido por agências financeiras multilaterais,
por organismos públicos ou por empresas privadas, o ensino a distância reveste-se de
características diversas. Favorecendo, desse modo, a expansão do mercado educacional e o
surgimento de restrições socioeconômicas impostas pelo ensino pago.
A ênfase na EAD como política pública para a formação de professores responde pelo
menos duas conjecturas importantes: a possibilidade de minimizar rapidamente a falta de
qualificação dos professores (já que atende a um grande contingente de pessoas com custos
bem menores que a formação presencial), e a de ampliar o acesso à educação superior.
Apresentando-se assim, como solução para problemas educacionais, porém o ensino a
distância converte-se em domínio de interesses políticos e econômicos de caráter restrito.
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
19
Nesse contexto, o ensino é posto em questão. O debate sobre a relevância do ensino
presencial deve mobilizar os educadores, pois se revela como espaço insubstituível na vida
social. Nesse ambiente realiza-se a sociabilidade e a convivência que se contrapõem ao
individualismo. A defesa da interação virtual subtrai os fundamentos sociais das relações
humanas. Estas relações têm origem e lugar em instituições sociais. As interações humanas
e
as
conexões
técnicas
não
substituem
instituições
educacionais.
Impulsionam
sua
transformação, porém não anulam sua função socializadora. A EAD pode se constituir numa
ferramenta importante a ser utilizada para enriquecer os cursos presenciais de formação de
professores, mas jamais para substituí-los.
Ou seja, é preciso retomar a dimensão da totalidade para se compreender o papel da
educação na formação do homem, e o papel do professor, enquanto intelectual responsável
por difundir essa educação na escola. Toda essa discussão insere-se numa realidade
concreta e histórica, onde se entrecruzam os projetos pessoais e existenciais das pessoas.
Não é irrelevante que, para muitas pessoas, a EAD seja a única possibilidade de retorno à
escola, e, mais ainda, de acesso ao ensino superior.
No entanto, tornar a EAD a principal estratégia de formação inicial e continuada de
professores não apenas reduz a formação a mecanismos de certificação em massa, dada a
transmissão rápida dos conhecimentos e a perspectiva de adestramento, como se esvazia,
como discutiu Chauí (2003, p.7), a “marca essencial da docência”, que é a formação.
REFERÊNCIAS
Altmann, Helena. (2002).
Influências do Banco Mundial no projeto educacional brasileiro.
Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, 28
(1), 77-89.
Andrioli, Antônio Inácio. (2002). As políticas educacionais no contexto do neoliberalismo.
Revista
Espaço
Acadêmico,
Ano
II
(13).
Disponível
em:
Bahia, Norinês Panicacci. (2012).
Curso de Pedagogia presencial e a distância: marcas
históricas e tendências atuais
(International Studies on Law and Education 10).
CEMOrOc-Feusp/IJI-Univ. do Porto.
Disponível em:
68Norines.pdf
Barreto, Raquel Goulart. (2008). As Tecnologias na política nacional de formação de
professores
a
distância.
Educação
&
Sociedade.
Campinas,
29
(104),
891-917,
Especial.
Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”
_____________________________________________________________Volumen
14,
Número 1, Año 2014, ISSN 1409-4703
20
Brasil. Ministério da Educação e Cultura. INEP. (2010).
Resumo técnico do censo da
educação
superior
2009.
Brasília
.
Disponível
em:
Brasil. Ministério da Educação e Cultura. INEP. (2001)
Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de
2001
. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Leis ordinárias.
Brasília: Casa Civil da Presidência da República Federativa do Brasil/Subsecretaria
para
Assuntos
Jurídicos.
Disponível
em:
Chauí. Marilena. (2003).
A Universidade pública sob nova perspectiva.
Revista Brasileira de
Educação
, (24), 5-15.
Falleiros, Ialê, Pronko, Marcela A. e Oliveira, Mª Teresa C. (2010). Fundamentos históricos
da formação/atuação dos intelectuais da nova pedagogia da hegemonia. In Lúcia Mª
W. Neves (org),
Direita para o Capital e Esquerda para o Social. Intelectuais da nova
pedagogia da Hegemonia no Brasil
(pp. 39-95). São Paulo: Xamã.
Ferreira, Zuleika Nunes e Mendonça, Gilda Aquino de Araújo. (s.f.).
O perfil do aluno de
educação
a
distância
no
Ambiente
teleduc.
Disponível
em:
Gil, Antônio Carlos.
(1999).
Métodos e técnicas de pesquisa Social
(5a. ed.). São Paulo:
Atlas.
Gil, Antônio Carlos.
(1991).
Como elaborar projetos de pesquisa
. São Paulo: Atlas.
Jamil, Salmi. (2003).
Construir Sociedades de Conocimiento: Nuevos Desafíos para la
Educación Terciaria
. Banco Internacional de Reconstrucción y Fomento / Banco
Mundial,
Washington,
DC.
Disponível
em:
structing-Knowledge-Societies/CKS-spanish.pdf
Malanchen, Julia. (2007).
As políticas de formação inicial a distância de professores no
Brasil: democratização ou mistificação?
Florianópolis. Dissertação (Mestrado em
Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil.
Mészáros, Istán. (2005).
A educação para além do capital
. São Paulo: Boitempo.
Preti, Oreste. (2005). Educação a distância: ressignificando práticas. In Oreste Preti (Org.).
Educação a distância: sobre discursos e práticas
. Brasília: Liber Livro.
UNESCO. (2001).
Educação para todos
:
o compromisso de Dakar
. Ação educativa. Brasilia:
UNESCO–CONSED.
logo_pie_uaemex.mx