Instruções para os Autores

 

O Boletim Academia Paulista de Psicologia é revista promotora desta Academia. Contudo é um periódico aberto e não exclusivo aos membros da entidade. Está registrado sob a sigla ISSN 1415-711X (International Standard Serial Number) na versão impressa e sob o ISSN 2176-3038 na eletrônica, como títulos únicos de publicações periódicas. É também identificado pela legenda bibliográfica Bol-Acad. Paul. Psicol. Vem sendo publicado com regularidade durante 30 anos; sua tiragem, no momento, tem sido semestral e de distribuição gratuita para os Acadêmicos e laureados, como também para as instituições, bibliotecas e outros profissionais relacionados com a Psicologia, conforme decisão da Diretoria. Está registrado no Catálogo Eletrônico HELA, na BVS-Psi, PEPSIC, LATINDEX, CLASE e REDALYC. Nesse último indexador, o Boletim encontra-se on-line desde o ano 2003.

A organização da revista inspira-se na publicação periódica Academy Update, da The New York Academy of Sciences, que se estrutura conforme dois enfoques básicos: de um lado, publica artigos de natureza histórica e de pesquisa, de significação e inéditos, juntamente com divulgação de acontecimentos e eventos que ocorrem no campo da ciência psicológica e, de outro, realizações da Academia e de seus membros. A integração desses dois enfoques indica a peculiaridade desta revista. Uns periódicos Acadêmicos destinam-se somente à circulação restrita de informações sobre as realizações do sodalício e de seus membros, acrescidas da divulgação de publicações específicas. Outros têm por objeto apenas a publicação de artigos de relevância no campo do conhecimento que caracteriza a entidade. O presente Boletim atende a esses dois enfoques.

Embora, inicialmente, como um meio de divulgação das atividades desta Academia e de seus Titulares, esta revista, posteriormente, reformulou o seu conteúdo de forma mais estruturada. Acrescentou informações continuadas das atividades profissionais de seus membros (Member´s News na designação da Academy Update, acima referida). Estendeu-se na produção científica, incluindo registros históricos como a vida e obra de pioneiros; entrevistas; pesquisas, teorias, relatos de experiências e estudos de casos; resenhas de obras importantes na área da Psicologia, além da divulgação de notícias de interesse psicológico. Hoje possui um corpo interestadual e internacional de consultores e os nomes dos artigos, bem como o seu resumo são vertidos para o inglês.

As contribuições destinadas à publicação, sejam elas dos próprios membros da Academia ou de outros profissionais são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es). Deverão ser encaminhadas à Secretaria deste sodalício, pelo correio postal (Rua Pelágio Lobo, 107 - Perdizes - São Paulo – SP – CEP 05009-020) ou pelo e-mail: academia@appsico.org.br, em conformidade com as instruções aqui apresentadas. Com referência à relação das atividades profissionais dos Acadêmicos, esta poderá ser também enviada por fax (11 3675-8889). Os manuscritos encaminhados serão apreciados pelo menos por dois titulares do Conselho Editorial e/ou por outros Consultores Externos ad hoc, escolhidos pela Comissão Editorial. Depois de selecionados, os artigos ainda passarão por um processo de preparação editorial especializado. Os direitos autorais de todos os artigos publicados pertencem ao Boletim Academia Paulista de Psicologia. Não serão devolvidos os manuscritos recebidos.

 

Normas para apresentação e avaliação dos manuscritos

 

1-     Sua remessa deverá ser efetuada, no máximo, com dois meses de antecedência aos da publicação do Boletim (junho e dezembro) que se deseja a impressão. Serem inéditos e não terem sido encaminhados a outras fontes de publicação, mediante declaração por escrito do(s) autor(es).

2-     Somente os artigos devem conter no máximo 25 páginas. Estes e as demais contribuições devem ser digitados em espaço de 1,5 cm entre linhas, no editor de textos MS-Word, em fonte Arial 12, padrão IBM-PC. Os artigos devem estar acompanhados de resumo, de cerca de 14 linhas e de 3 a 5 palavras-chave, em português e em inglês, em fonte Arial 9 e espaço de 1,0 cm entre  linhas, dando a ideia completa do trabalho e incluindo objetivos, metodologia, resultados e conclusões ou considerações gerais. O título do trabalho também deve ser vertido para o inglês. Além disso, os manuscritos devem vir acompanhados de duas folhas de rosto, uma com identificação dos(s) autor(es) e outra sem esta.

3-     Na página de identificação, é necessário figurar, após o título do trabalho, o(s) nome(s) do(s) autor(es), a instituição a que pertence(m) e onde esta se localiza (cidade, estado e país). No rodapé da primeira folha, indicar outras informações sobre o(s) autor(es), como titulação e/ou cargo que exerceu ou exerce, e também seu(s) endereço(s), telefone(s) e e-mail para contato.

4-     Os manuscritos enviados à publicação devem seguir as normas éticas aplicáveis, sendo que o sigilo profissional é condição indispensável para aceitação dos trabalhos. Tratando-se de pesquisas ou estudos de casos com seres humanos e de animais há de serem comprovadas por escrito, por meio da aceitação de um Comitê de Ética pertinente e também a anuência do(s) participante(s) ou responsável por este na investigação através do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

5-     No caso de transcrição, na íntegra, de um texto maior que três linhas, este deve ser recuado um centímetro da margem e transcrito em itálico. No final, colocar, entre parêntesis, a referência do autor e a página da qual foi extraído o período da obra indicada. O nome do autor será aqui citado apenas quando não apresentado nas proximidades do texto em referência.

6-     Tratando-se das contribuições relativas à Academia e de responsabilidade de seus membros, abaixo do título do texto, constar: nome do titular, número e nome da Cadeira que ocupa ou número do registro se forem Membros Correspondentes, seguido da instituição a que pertence(m) ou pertenceu(ram) o(s) autor(es). No rodapé da primeira página, o endereço completo do(s) autor(es), com o tel./fax e/ou e-mail, para fins de correspondência.

7-     Nos artigos sobre teorias ou de natureza histórica, além da exposição comentada, incluir antecedentes, apreciação crítica e o seu valor multiplicador.

8-     No que diz respeito a pesquisas empíricas, é imprescindível desenvolvê-las segundo as pautas usuais na sua elaboração (introdução, contribuições bibliográficas, método, resultado, discussão e conclusões), destacando-se sua importância para o progresso da ciência psicológica e para a derivação de novos trabalhos.

9-     Quanto aos estudos de caso ou relatos de experiência profissional, são aconselháveis subdivisões no conteúdo e apreciações sobre o valor do trabalho, incluindo implicações conceituais, evidências metodologicamente apropriadas e sugestões para novos estudos.

10-  Sobre as resenhas de livros ou de artigos, devem ser referidas a publicações notórias, clássicas ou recentes, sendo necessário destacar, na respectiva análise, a relevância para o progresso da Psicologia como ciência, ensino ou profissão. Ademais, ressaltar o valor que a obra resenhada possa ter para psicólogos, para profissionais de áreas afins, ou ainda para o público em geral.

11-  Os trabalhos referentes aos itens 6, 7, 8, 9 e 10 desta unidade serão analisados primeiramente pelo editor e/ou pela Comissão Editorial Brasileira da revista sobre a pertinência para sua publicação. Posteriormente serão enviados aos pareceristas ad hoc e segundo os critérios daqueles autores serão notificados sobre a aceitação total, sujeitos a modificações ou ainda recusa na íntegra.

12-  Para a avaliação do manuscrito, são critérios: a) relevância do tema para a Psicologia, como ciência ou profissão; b) linguagem clara, com revisão gramatical e ortográfica, em função do novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa; c) pertinência da literatura que fundamenta o trabalho; d) respeito ao Código de Ética do Psicólogo; e e) conclusões ou considerações gerais coerentes entre si e com os dados analisados.

 

Referências bibliográficas

 

13-  No concernente a este tema, recomenda-se apresentá-lo conforme as normas estabelecidas pela A.P.A. (American Psychological Association), 5ª. Edição, nas quais se destaca a necessidade de seguir, rigorosamente, ordem alfabética na indicação dos autores pelo seu sobrenome. Deverão ser indicadas nas referências somente aquelas obras cujos autores são inseridos no texto e constar o(s) sobrenome(s) dele(s) e inicial(is) do pré-nome seguidos do ano de publicação.

14-  A primeira vez que for apresentada, no texto, a bibliografia com três autores, indicar-se-ão todos eles por seus sobrenomes. Se forem mais que três, mencionar o nome do primeiro autor e, em seguida, a designação “e outros”. Se houver outras citações deles no trabalho, usar-se-á apenas o sobrenome do primeiro autor, seguido de “e outros”. Devem ser listadas nas referências bibliográficas, no caso de coautoria, os nomes de todos os autores, sucedendo os de autoria única do mesmo autor. Esses artigos devem vir dispostos na ordem do mais antigo ao mais recente, respeitada a ordem alfabética já estabelecida.

 

Seguem as normas bibliográficas mais usuais com seus exemplos:

 

a) Livros ou capítulos de livros:

            Tratando-se apenas de um autor, a referência dos livros ou capítulos de livros consultados há de ser apresentada da seguinte maneira: sobrenome do(s) autor(es), seguido das iniciais do(s) prenome(s), ano da publicação entre parêntesis; título do livro ou do capítulo em itálico, numeração da edição, caso não seja a primeira, local de publicação (cidade) e editora que publicou a contribuição. Esses procedimentos serão também utilizados quando houver vários autores, sendo que o último deve ser ligado pelo sinal “&” e também nos casos da citação secundária, incluir as páginas e o vocábulo “in”. Exemplos:

·       Kovacs, M.F. (1992) Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo

·       Sperbt, T. & Maluf, M.R. (2008) Desenvolvimento sociocognitivo: estudos brasileiros sobre a “Teoria da Mente”. São Paulo: Vetor Editora Psico-Pedagógica.

·       Maia, E.M.C. & Pérez-Ramos, A.M.Q. (2001) Fortalecimento do Apego entre mãe adolescente e seu bebê. In: V. A. Angerami-Camon (org.) Novos Rumos na Psicologia da Saúde, São Paulo: Pioneira Thomson Learning, p. 95-120.

 

b) Artigos de periódicos:

            Os procedimentos são os seguintes: sobrenome do(s) autor(es), seguido das iniciais do(s) prenome(s), ano da publicação entre parêntesis; título do artigo; nome do periódico por extenso e volume em itálico, número entre parêntesis, páginas inicial e final. Exemplo:

·     Coelho, C. & Pérez-Ramos, A. M. Q. (2008). Abstinência e redução de danos no processo de recuperação dos dependentes de substâncias psicoativas. Boletim Academia Paulista de Psicologia. V. XXVIII, (01/08), p. 79-86

 

c) Obras estrangeiras traduzidas:

           Acrescentar, à indicação de livros (em itálico), o(s) nome(s) do(s) tradutor(es), seguido(s) da palavra trad., entre parêntesis, da cidade, da editora e também entre parêntesis a data da publicação do livro original. Exemplo:

·    Krasner, L. & Ullmam, L.P. (1972) Pesquisa sobre modificação do comportamento (C. M. Bori, trad.) São Paulo: Herder (original publicado em 1965).

No texto, citar o ano da publicação original e o da tradução. Exemplo: (Krasner & Ullmam, 1965/1972)

 

d) Livros organizados

            Acrescentar, seguido à data entre parêntesis, a palavra “org”, também entre parêntesis e posteriormente, obedecer os procedimentos da letra “a” Livros e capítulos de livros. Exemplo:

·    Figueiredo, W.M. (2000) Wisc-III in Cunha, J.A. (org.) Psicodiagnóstico V (p. 603-614, 5ª. ed.) Porto Alegre: Artes Médicas.

 

e) Teses ou dissertações:

           Colocar o sobrenome do autor, seguido da inicial do(s) prenome(s), ano da publicação entre parêntesis; título da tese ou da dissertação e a indicação de Dissertação de Mestrado ou tese de doutorado, em itálico, e os nomes do instituto ou departamento, da universidade e da cidade onde foi defendido o trabalho, em letra comum. Exemplo:

·    Morim, R. (2006) O cuidado do corpo, imaginação e desenvolvimento humano. Dissertação de Mestrado. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo.

 

f) Resumos ou trabalhos publicados nos anais de eventos científicos:

            Colocar sobrenome do(s) autor(es) seguido das iniciais do(s) prenome(s); ano de publicação entre parêntesis, título do resumo ou do trabalho apresentado; nome dos Anais e do Congresso e a indicação se é resumo ou trabalho completo, entre parêntesis. Exemplo:

·    Castro, I.R.F. (2003) Psicodiagnóstico clínico e perícia criminológica: semelhanças e diferenças. Anais do 1º. Congresso de Psicologia Clínica, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo (resumo).

 

g) Autoria institucional:

            Transcrever o nome da instituição promotora do livro ou do capítulo de livro, a data da emissão entre parêntesis, o nome do artigo em itálico, o número e a edição entre parêntesis, exceto se for a primeira, depois incluir a cidade e a editora. Exemplo: American Psychiatric Association (1988)   DSM-III-R   Diagnostic   and   Statistical   manual of mental disorder (3ª. ed., revisada) Washington: Autor.

 

h) Figuras e tabelas:

            Estas devem ser limitadas, só utilizadas quando extremamente necessário. Deverão ser numeradas por ordem de inclusão no texto e inseridas no lugar em que elas são comentadas. Conter um breve título descritivo posicionado abaixo das figuras e acima nas tabelas. Não usar linhas horizontais para demarcar o cabeçalho.

 

i) Citação de Homepage ou Web Site

·    No texto, indicar o autor e data da consulta feita por Internet e, nas referências, listá-la com os dados completos e com a indicação da data em que foi feito o registro.

 

 

“Revista de acceso abierto